Índice de confiança das pequenas e médias indústrias paulistas avança em setembro

Agência Indusnet Fiesp

O Índice de Confiança do Empresário da Pequena e Média Indústria de São Paulo mostra avanço de 3,1 pontos na passagem do mês na confiança das empresas de pequeno porte, para 53,8 pontos. Entre as médias, houve avanço de 4,5 pontos em relação a agosto, para 54,6 pontos.

Em setembro, o indicador de expectativas para os próximos seis meses dos empresários das pequenas indústrias paulistas avançou, saindo de 53,1 pontos para 56,5 pontos. O indicador de expectativas da economia brasileira também teve alta em setembro, de 6,0 pontos, e chegou a 54,0 pontos, acima da linha divisória. Após 4 meses abaixo dos 50 pontos, o indicador volta a sinalizar otimismo por parte dos empresários.

Entre as médias indústrias, o indicador expectativas para os próximos seis meses foi de 52,4 pontos em agosto para 56,3 pontos em setembro, sinalizando otimismo por parte dos empresários. Nas expectativas da economia brasileira para os próximos seis meses o avanço, de 4,7 pontos, levou o indicador a 53,2 pontos – nível de otimismo.

O Índice de Confiança do Empresário da Pequena e Média Indústria de São Paulo, levantamento feito em parceria por CNI, Fiesp e Ciesp, foi divulgada nesta terça-feira (3 de outubro).  Outra pesquisa realizada nos mesmos moldes e liberado na mesma data, mas referente a agosto, a Sondagem das Pequenas e Médias Indústrias de São Paulo, mostra que o volume de produção do segmento da pequena indústria de São Paulo avançou 9,8 pontos em agosto e chegou a 53,8 pontos, depois de recuar 8,0 pontos nos dois meses anteriores. No indicador número de empregados o avanço foi de 0,8 ponto, para o patamar de 48,4 pontos, ainda abaixo da linha divisória (50,0 pontos), sinalizando retração no quadro de funcionários.

Entre as médias indústrias paulistas o volume de produção avançou 5,3 pontos em agosto e atingiu 53,4 pontos, depois também de dois meses de retração. No indicador de número de empregados houve avanço de 0,5 ponto, para 47,6 pontos.

Impulso para fortelecer cooperação entre Brasil e Alemanha é muito forte, afirma Fernando Pimentel

Guilherme Abati, Agência Indusnet Fiesp

Para o ministro Fernando Pimentel, a junção entre as duas economias se dará cada vez mais na área da Ciência, Tecnologia e Inovação. Foto: Everton Amaro

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior do Brasil, Fernando Pimentel, analisou as formas de fomentar parcerias cada vez mais efetivas entre Brasil e Alemanha, ao abrir o primeiro painel de discussões do 31º Encontro Econômico Brasil–Alemanha, evento que acontece até esta terça-feira (14/05), na capital paulista.

Segundo ele, Brasil e Alemanha são economias complementares por natureza e devem estreitar ainda mais seus laços comerciais. “A junção entre as duas economias se dará cada vez mais na área da Ciência, Tecnologia e Inovação”, disse o ministro, acrescentando que é fundamental trazer para o Brasil o conhecimento e ensinamentos das pequenas e médias indústrias alemãs.

“O impulso que leva os dois países à cooperação é muito forte”, sublinhou. Pimentel mostrou otimismo no sentido de uma maior cooperação entre as economias. “Faremos nossa cooperação avançar. E avançar também em um acordo Mercosul – União Europeia”, afirmou o ministro, que considera indispensável uma parceria forte com a Alemanha no setor da inovação tecnológica para o avanço da indústria brasileira.

“Queremos colocar nossa economia no patamar do século 21, da inovação e da força tecnológica. A Alemanha tem muito a nos ajudar nesse sentido. É possível avançar muito em inovação tecnológica”, completou.