Programa Brasil Mais Produtivo em debate na reunião do Comitê da Indústria Têxtil da Fiesp

Isabela Barros, Agência Indusnet Fiesp

É tempo de investir em produtividade para não perder mercado com a crise. Com foco nesse debate, foi realizada, na tarde desta terça-feira (18/04), na Fiesp, a reunião plenária do Comitê da Cadeia Produtiva da Indústria Têxtil, Confecções e Vestuário (Comtextil) da federação. A discussão foi conduzida pelo diretor titular do Comtextil, Elias Miguel Haddad.

Pedro Sergio Monteiro, coordenador de Relacionamento com a Indústria da Escola Senai “Francisco Matarazzo”, na capital paulista, apresentou o programa Brasil Mais Produtivo durante o encontro.

Trata-se de uma iniciativa do Governo Federal executada pelo Senai que tem como objetivo aumentar a produtividade das empresas participantes em pelo menos 20%. E isso a partir de um trabalho de 120 horas de consultoria especializada. Para participar, basta ter entre 11 e 200 funcionários e fazer parte de arranjos produtivos locais.

“O Senai realiza essa consultoria usando a Metodologia de Manufatura Enxuta no processo produtivo, baseada na redução dos desperdícios mais comuns”, explicou Monteiro. “Aí entram pontos como tempo de espera, transporte, excesso de processamento, inventário, movimento e defeitos”.

O custo é de R$ 3 mil, pagos ao final do processo, com pagamento em até três vezes.

O programa inclui ainda um convênio com o Sebrae para palestras, workshops, assessorias e produtos tecnológicos.

Coordenador do Arranjo Produtivo Local (APL) Têxtil e de Confecção do ABC e à frente do Grupo Vestindo e Investindo Confeccionistas (VIC), o empresário Antonio Valter Trombeta foi outro participante da reunião. Ele apresentou as ações sociais e empreendedoras dos empresários do setor na região. O VIC reúne industriais de Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1537309033

A reunião do Comtextil: ações simples para aumentar a produtividade das empresas. Foto: Everton Amaro/Fiesp