Skaf assina convênio do Senai-SP para formar mão de obra para o Carnaval paulistano

Agência Indusnet Fiesp

O Senai-SP assinou nesta terça-feira (5 de junho) convênio do Programa Comunitário de Formação Profissional com a Liga Independente das Escolas de Samba de São Paulo. A parceria foi firmada na Fábrica do Samba 1, na Barra Funda, em solenidade com a participação de Paulo Skaf, presidente da Fiesp e do Senai-SP, de representantes das 34 escolas de samba da Capital e de 15 escolas de samba do interior do Estado, integrantes das escolas e representantes da Liga e do Senai-SP. O acordo proporcionará oportunidade de formalização da mão de obra para trabalhadores das escolas de samba filiadas à Liga, promoverá o empreendedorismo e geração de renda entre os profissionais do setor, além da profissionalização do Carnaval paulista, por meio do desenvolvimento de soluções tecnológicas e inovação nos processos de produção.

Skaf destacou o crescimento do Carnaval paulista, graças ao trabalho das escolas de samba, e elogiou a iniciativa de agregar tecnologia aos desfiles graças à capacitação que será feita pelo Senai-SP. Para ele, o acordo será fundamental para que as comunidades ligadas ao carnaval paulista tenham mais acesso à educação e oportunidades de se profissionalizar. “Os cursos do Senai-SP são reconhecidos pelo mercado de trabalho por sua qualidade na formação e essa parceria traz novas possibilidades para os que trabalham para produzir essa festa tão bonita que é o carnaval. A educação profissional proporcionará mais geração de emprego e renda para essa população”, afirmou.

Skaf na assinatura de convênio do Senai-SP para formação de mão de obra para o Carnaval. Foto: Everton Amaro/Fiesp

O convênio prevê a oferta dos cursos de Formação Inicial e Continuada da área do Vestuário, tais como Costureiro de Máquina Reta e Overloque, Modelista de Roupas e Cortador de Confecção Industrial. Oportunamente, também será oferecida capacitação na área de Soldagem. Por isso, na ocasião da assinatura, foi exposta a Escola Móvel de Soldagem do Senai-SP.

As Escolas Móveis do Senai-SP são laboratórios tecnológicos sobre rodas nas as quais são realizadas programações de formação inicial e continuada, de curta duração, destinadas a atender às necessidades imediatas e específicas de formação de mão de obra para empresas industriais e outros clientes.

Por suas características — ambientes de ensino sobre rodas (laboratórios e salas de aula), as escolas têm flexibilidade para atingir localidades de todo o Estado, atendendo, dessa forma, regiões que não possuem unidades fixas do Senai-SP. Equipada com sala para aulas de tecnologia dos processos de soldagem e laboratório, com fontes de energia sinérgica e multiprocesso.

Em Pindamonhangaba, Skaf destaca renovação do Sesi-SP e do Senai-SP no Vale do Paraíba

Agência Indusnet Fiesp

O presidente da Fiesp e do Sesi-SP, Paulo Skaf, inaugurou neste sábado (2 de junho) a nova Escola Sesi de Pindamonhangaba. O novo prédio recebeu investimentos de R$ 34,1 milhões e terá capacidade de atendimento para quase 900 alunos nos ensinos Fundamental e Médio. Skaf listou as unidades do Sesi-SP e do Senai-SP já inauguradas e as em construção na região do Vale do Paraíba. “É uma rede nova, com equipamentos modernos, para dar oportunidade às pessoas. É educação completa.”

A estrutura composta por térreo e mais dois pavimentos tem 18 salas de aula, dois laboratórios de informática, um de química e biologia e laboratório de ciência e tecnologia. Também há biblioteca escolar com acervo atualizado, sala de vivências, teatrais, sala de música, sala multidisciplinar e uma área de convivência e espaços poliesportivos. A unidade oferecerá Ensino Fundamental em tempo integral do 1° ao 5º ano, o que permite que os alunos permaneçam nos períodos da manhã e tarde na escola realizando vivências de esporte, arte, cultura e tecnologia, além das refeições diárias compostas de café da manhã, almoço e lanche da tarde.

Na ocasião também foram assinados convênios do programa Atleta do Futuro, que beneficiarão um total de 940 alunos em quatro municípios da região: São José do Barreiro (190 vagas para a prática de futebol e vôlei), Arapeí (110 vagas para futebol), Canas (360 vagas para futebol, futsal e judô) e Bananal (280 vagas para futsal).

Em todo o Estado de São Paulo são mais de 100.000 alunos beneficiados pelo programa, que envolve 187 prefeituras conveniadas. Desde 2008, o Atleta do Futuro tem estimulado a prática esportiva e a cidadania de crianças e adolescentes.

Paulo Skaf na inauguração do Sesi de Pindamonhangaba. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Investimento na região

As novas escolas que têm sido construídas na região do Vale do Paraíba reforçam o compromisso do Sesi-SP e do Senai-SP, que trabalham fortemente pela qualidade da educação básica e de ensino profissionalizante.

Desde 2007, as entidades investem na modernização de suas escolas e a região já recebeu investimento de R$ 265,6 milhões, o que inclui a construção de novas escolas.

Em Caçapava, o Sesi-SP está construindo nova escola que tem investimento estimado em R$ 20,6 milhões. A a previsão de entrega do prédio é para o primeiro semestre de 2019. Ao término da obra, haverá a etapa de instalação de equipamentos e mobiliários, quando então poderá receber os atuais 384 alunos do Sesi-SP no município.

A nova escola de Lorena deverá ser entregue no primeiro semestre de 2019. O investimento previsto para essa unidade é de R$ 16,1 milhões e tão logo esteja pronta para as aulas serão transferidos para o novo prédio 384 alunos.

Em Jacareí está em andamento a construção de nova unidade do Senai-SP, que tem previsão de término para outubro deste ano e tem investimento estimado de R$ 60,6 milhões. No ano passado, o Senai-SP realizou em Jacareí 6.242 matrículas em todas as modalidades de ensino profissionalizante disponíveis.

Além das escolas citadas, recentemente foram inauguradas as unidades do Sesi-SP e do Senai-SP no município de Cruzeiro e a Escola Sesi de Taubaté. As novas escolas são mais um passo para a consolidação do modelo educacional criado pelas instituições mantidas pela indústria de São Paulo.

Não podemos parar tudo a cada crise, diz Skaf no 13º Congresso MPI

Graciliano Toni, Agência Indusnet Fiesp

“Não podemos parar tudo a cada crise”, disse Paulo Skaf, presidente da Fiesp e do Ciesp, nesta segunda-feira (28 de maio), na abertura do segundo dia do 13º Congresso da Micro, Pequena e Média Indústria da Fiesp. “Temos que acreditar que essas coisas passam. Todos nós temos a garra e a vontade de vencer”, disse, referindo-se às dificuldades geradas pela paralisação de caminhoneiros.

Apesar de todas as dificuldades, ressaltou, foi possível manter a agenda da Fiesp, do Sesi-SP e do Senai-SP, incluindo o próprio congresso e a inauguração de escolas.

“Não podemos parar. Temos que olhar sempre o futuro, administrando as dificuldades do presente”, afirmou. “O Brasil não merece estas dificuldades. Precisamos de sossego para o empreendedorismo. O Brasil precisa de paz e de equilíbrio. As sucessivas crises têm sido o nosso mundo, e é hora de sair deste clima para um de harmonia, de paz, de prosperidade, de trabalho.”

O Brasil, disse, tem o potencial para vencer as dificuldades, pela qualidade de seu povo, de seus empreendedores, de seus trabalhadores.

Paulo Skaf durante o 13º Congresso MPI. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

Skaf anunciou no Congresso que vai se licenciar dia 7 de junho da presidência da Fiesp e demais entidades da indústria paulista e que em seu lugar assumirá José Ricardo Roriz Coelho, 2º vice-presidente. “Vou com bastante tranquilidade, torcendo por todos vocês.”

Sylvio Gomide, diretor titular do Departamento da Micro, Pequena e Média Indústria e Acelera Fiesp, ressaltou que o congresso está consolidado e é cada vez maior. Explicou a divisão em dois dias por ter sido um desejo dos empreendedores identificado em pesquisa. “Temos certeza que o futuro das empresas micro, pequenas e médias e startups passa pela aproximação como a feita no congresso.”

O desafio de todos nós brasileiros que temos empresa é a reinvenção, disse Gomide. É preciso também haver ambiente competitivo para elas, defendeu.

Foco na venda

Luiza Helena Trajano, presidente do Magazine Luiza, disse na abertura do 13º Congresso MPI que o que o empreendedor mais precisa é conhecimento e defendeu o trabalho conjunto para ajudá-lo a encontrar o que precisa na hora certa. “Há muita coisa boa no Brasil, mas fica cada um no seu mundinho.”

“Fui pequena, destacou”. “Sou apaixonada pelas pequenas e micro. Quem gera emprego não é a grande. É a pequena”, disse, sob aplausos. A cada momento elas precisam de coisas diferentes, afirmou.

Em sua aula magna Luiza Helena Trajano relatou o nascimento do Magazine Luiza em Franca. A ideia de sua tia 60 anos atrás foi criar empregos para sua família, explicou. O nome da loja foi escolhido pela população num concurso de rádio.

“Tem gente que adora problema”, disse. “Quando não tem, inventa um. Fui criada com cabeça de solução, e criei meus filhos assim.” Exibiu a verdadeira montanha-russa representada pelo gráfico da variação do PIB brasileiro entre 1980 e 2016, devido a crises e planos de recuperação da economia. A lição tirada delas por Luiza é que tudo tem solução.

Deu como conselho para os empreendedores a formalização, que, disse, foi muito importante no crescimento do Magazine Luiza. O segundo conselho foi não sangrar a empresa. “Falta de lucro não quebra uma empresa, mas fluxo de caixa sim.” É preciso, disse, separar as contas do empreendedor e da empresa. Fluxo de caixa tem que estar todo dia na mão, aconselhou.

O terceiro acerto foi fazer o ganha-ganha. Quando percebeu que o lucro no financiamento dos clientes era maior que o lucro mercantil, tornou-se sócia de uma financeira, dividindo com ela os lucros da loja, mas conseguindo crescer, disse.

Loja física não vai acabar, afirmou. Só que é preciso fazer venda online. “Não inventamos muita moda. A gente foca no que é bom para o cliente.” Disse que a equipe foi treinada por três anos, tornando possível manter uma plataforma única. A empresa tem laboratórios, desenvolvendo toda a plataforma. É uma empresa digital com calor humano, afirmou.

Atendimento e inovação são a chave para uma empresa seguir em frente. “O que faz o profissional é o conhecimento e fazer acontecer”, disse Luiza. “Para fazer acontecer, é preciso ter foco. “Não sou futurista, sou agorista, resolvo na hora”, afirmou, lembrando que startup também não tem grandes planos estratégicos.

A gente sempre experimenta, disse, dando como exemplo a criação em 1991, antes da disseminação da internet, de pequenas lojas virtuais, com mostruário de produtos via vídeo. “O digital para o pequeno e para o médio foi a melhor coisa que aconteceu. Queria ser pequena agora. Iria brincar com isso.”

Foca na venda, recomendou, exibindo vídeo de campanha com o mesmo mote criada pelo Magazine Luiza para superar a crise de 2015. Criticou a burocracia e defendeu a atuação da sociedade para levar a sua redução.

Luiza Helena Trajano durante aula magna no 13º Congresso MPI. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

Dedicação do corpo docente faz a diferença, diz Skaf em Jandira

Agência Indusnet Fiesp

A nova Escola Sesi de Jandira foi inaugurada neste sábado (26 de maio) pelo presidente da Fiesp e do Sesi-SP, Paulo Skaf. Com investimento de R$ 38,1 milhões, a nova unidade atende a 434 alunos no Ensino Fundamental e está em fase de implantação de nova proposta educacional.

A estrutura composta por térreo e mais dois pavimentos tem 18 salas de aula, dois laboratórios de informática, laboratório de física, laboratório de química e um de ciência e tecnologia. Também há biblioteca escolar com acervo atualizado, sala de artes cênicas, sala multidisciplinar, pátio com jogos, quadra poliesportiva coberta e playground. A unidade oferecerá Ensino Fundamental em tempo integral do 1° ao 5º ano, o que permite que os alunos permaneçam nos períodos da manhã e tarde na escola realizando vivências de esporte, arte, cultura e tecnologia, recebendo refeições diárias compostas de café da manhã, almoço e lanche da tarde.

A exemplo do que ocorre em Limeira, onde o Sesi-SP implantou a “escola sem paredes”, Jandira é a segunda unidade da rede a ter esse novo conceito educacional. A proposta é trabalhar os conteúdos curriculares de modo livre, com integração de ambientes, sem sequências pré-definidas, mas sem prejuízo dos conteúdos obrigatórios.

Nesse novo modelo, os professores trabalham por áreas do conhecimento e estão mais próximos dos alunos, pois desenvolvem as aulas a partir do interesse e necessidades específicas de cada estudante.

Inaugurar uma escola é algo único, afirma Skaf no novo Senai de Cotia

Agência Indusnet Fiesp

O presidente da Fiesp e do Senai-SP, Paulo Skaf, inaugurou nesta sexta-feira (25 de maio) a nova Escola Senai de Cotia. A nova unidade recebeu investimento de R$ 45,7 milhões e atenderá à demanda de formação profissional da região. “Quando inauguramos uma escola, parece que é a primeira. Dá a mesma emoção”, disse na cerimônia de apresentação da nova unidade.

A Escola Senai Ricardo Lerner tem sete salas de aula e sete laboratórios: Controladores Lógicos Programáveis (CLP), Sistema Integrado de Manufatura (CAD/CAM), Informática, Eletroeletrônica, Hidráulica/Pneumática, Metrologia Dimensional e Gestão da Produção e Logística.

A escola também dispõe de cinco oficinas: Eletroeletrônica (Instalações Elétricas, Comandos Elétricos e Máquinas Elétricas), Usinagem com máquinas Convencionais e a CNC, Soldagem e Manutenção Mecânica.

Completam a estrutura o setor de empilhadeiras, auditório com capacidade para 118 pessoas e quadra poliesportiva coberta. Os ambientes de ensino possuem equipamentos de ponta e são projetados para oferecer diferentes níveis de capacitação: desde jovens que desejam qualificação para o primeiro emprego, até adultos que buscam ampliar a formação.

Paulo Skaf na inauguração da Escola Senai Ricardo Lerner, em Cotia. Foto: Everton Amaro/Fiesp

A escola desenvolve atendimento a empresas do setor industrial, e a partir do segundo semestre de 2018 serão oferecidos cursos de Aprendizagem Industrial (Mecânico de Usinagem, Assistente Técnico de Vendas, Eletricista de Manutenção Eletroeletrônica, Manutenção Mecânica), Técnicos (Logística e Eletromecânica) e a partir de janeiro de 2019 o curso Técnico de Fabricação Mecânica, além dos cursos de Formação Inicial e Continuada de diversas áreas tecnológicas da indústria, tais como: Eletroeletrônica, Logística, Metalmecânica, Metalurgia (Soldagem), Tecnologia da Informação e Gestão. A previsão de atendimento até o final do ano é de 1.500 matrículas nas três modalidades de ensino.

Informações oficiais sobre a escola estão no site: www.sp.senai.br/cotia e na página oficial da escola no Facebook: www.facebook.com/senaicotia

O patrono

Vice-presidente e diretor do Departamento de Segurança da Fiesp, Ricardo Lerner morava em Cotia, era administrador de empresas e atuou no ramo de joias por 40 anos. Reconhecidamente ativo nesse setor, foi presidente do Instituto Brasileiro de Gemas e Metais Preciosos (IBGM), da Associação dos Joalheiros do Estado de São Paulo (Ajesp) e do Sindicato da Indústria de Joalheria, Bijuteria e Lapidação de Gemas do Estado de São Paulo (Sindijoias).

“Esta escola tem Ricardo Lerner como patrono porque ele é um bom exemplo a ser seguido”, disse Skaf ao inaugurar a nova unidade do Senai-SP.

Na Fiesp Lerner foi um dos responsáveis pela criação, em 2008, do Departamento de Segurança (Deseg), do qual foi diretor até seu falecimento, dia 8 de janeiro deste ano. À frente do Deseg, Lerner buscou desenvolver e promover ações em prol da segurança empresarial (privada) e pública, bem como na promoção das Polícias Civil, Militar e Técnico-Científica do Estado de São Paulo, oferecendo cursos variados por meio de parcerias com o Senai-SP, além de capacitação profissional para egressos do sistema prisional.

Foi também responsável pela criação, ainda no âmbito do Deseg/Fiesp, do Observatório de Mercados Ilícitos, cujo trabalho já resultou na publicação de dois Anuários de Mercados Ilícitos Transnacionais em São Paulo – 2016 e 2017.

Precisamos de menos imposto e mais resultados, afirma Skaf em Mairiporã

Agência Indusnet Fiesp

Em entrevista coletiva em Mairiporã nesta sexta-feira (25 de maio), o presidente da Fiesp e do Sesi-SP, Paulo Skaf, criticou o peso da carga tributária brasileira. “Precisamos de menos imposto e mais resultados, mais qualidade no serviço público”, afirmou.

Paulo Skaf em Mariporã, município com o qual o Sesi-SP assinou convênio do Programa Atleta do Futuro. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

Skaf foi a Mairiporã para firmar convênio do Programa Atleta do Futuro com o município.Skaf também recebeu o título de cidadão mairiporanense.

O acordo prevê a participação de 700 alunos do município, que poderão praticar basquete, futsal, handebol, judô, karatê, taekwondo ou voleibol.

Sistema de logística reversa de embalagens apresentado na Fiesp atende a micro e pequenas empresas

Agência Indusnet Fiesp

Necessária para o licenciamento ambiental, a logística reversa de embalagens é um grande desafio especialmente para micro e pequena empresas. Para ajudá-las a Fiesp e o Ciesp, em parceira com associações e sindicatos, desenvolveu um sistema alternativo, apresentado nesta quarta-feira (23 de maio) durante assinatura de Termo de Compromisso de Logística Reversa de Embalagens em geral.

O Termo foi firmado pela Fiesp e pelo Ciesp, Secretaria de Meio Ambiente do Estado de São Paulo (SMA), Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) e por 17 Associações nacionais e Sindicatos estaduais de alimentos, bebidas, brinquedos entre outros, além da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe).

No evento, o presidente da Fiesp e do Ciesp, Paulo Skaf, disse que São Paulo dá o exemplo em logística reversa de embalagens. “Não adianta ficar reclamando. Temos que enfrentar todos os problemas e resolvê-los.”

José Ricardo Roriz Coelho, 2º vice-presidente da Fiesp e do Ciesp, lembrou o papel de Skaf para se chegar à parceria. Desenvolvemos em conjunto uma alternativa para a logística reversa de embalagens, conforme a legislação, explicou. Leva em conta variáveis regionais e a viabilidade para pequenas e microempresas, destacou.

“Não será tarefa fácil. Teremos muitos desafios pela frente”, disse Roriz. É preciso haver incentivos para o desenvolvimento de soluções para o reaproveitamento dos resíduos sólidos produtivos, destacou.

Marco Barbieri, diretor adjunto do Departamento de Desenvolvimento Sustentável da Fiesp, deu as boas-vindas ao evento e destacou que a assinatura do termo consolida as diversas iniciativas sobre o tema. “O objetivo comum é melhorar o meio-ambiente.”

Mauricio Brusadin, secretário Estadual do Meio Ambiente, reconheceu o simbolismo da assinatura do termo. “Já repercutiu no país como um todo”, afirmou, revelando ter recebido nos últimos dias ligações de secretários do meio ambiente de outros Estados para falar sobre o tema.

Sairá do papel graças ao empenho do empresariado paulista, encabeçado pela Fiesp, destacou. Defendeu que se elimine a bitributação em material reciclado.

Luigi Longo, coordenador do GIRS, falou sobre Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos (GIRS). Geraldo Amaral, diretor de Controle e Licenciamento Ambiental da Cetesb, disse que a logística reversa pode ser solução para a falta de recursos nos municípios. Destacou o significativo ganho ambiental permitido.

Anicia Pio, gerente do Departamento de Desenvolvimento Sustentável da Fiesp, apresentou o projeto Renove +, nome por enquanto dado ao sistema de logística reversa de embalagens. Seu objetivo principal, explicou, é estruturar um modelo alternativo para micro e pequenas empresas paulistas, viabilizando o cumprimento das exigências das políticas nacional e estadual de Resíduos Sólidos. Anícia destacou a transparência do sistema.

A proposta é que os 27% de material de embalagens não inseridos hoje na cadeia produtiva passem a ser, com a remuneração devida. Destacou que isso tira do aterro o que é possível reciclar.

Anícia apresentou também o Portal de Resíduos da Fiesp.

Aderiram ao Termo de Compromisso 17 Sindicatos e Associações, entre elas: Associação Paulista de Avicultura – Apa, Associação Brasileira das Indústrias e do setor de Sorvetes – Abis, Associação Brasileira das Indústrias de Café – Abic, Associação Brasileira das Indústrias de Queijo – Abiq, Associação dos Fabricantes de Refrigerantes do Brasil – Afebras, Sindicato da Indústria de Carnes e Derivados no Estado de São Paulo – Sindicarnes, Sindicato da Indústria de Doces e Conservas Alimentícias no Estado de São Paulo – Sidocal, Sindicato da Indústria de Pesca no Estado de São Paulo – Sipesp, Sindicato da Indústria do Açúcar no Estado De São Paulo – Siaesp, Sindicato da Indústria do Milho no Estado De São Paulo – Sindmilho & Soja, Sindicato das Indústrias de Café do Estado De São Paulo – Sindicafesp, Sindicato das Indústrias de Laticínios e Produtos Derivados no Estado de São Paulo – Sindleite, Sindicato das Indústrias de Vinho de São Roque – Sindusvinho, Sindicato Nacional da Indústria de Alimentação Animal – Sindirações, Sindicato das Indústrias de Massas Alimentícias e Biscoitos no Estado de São Paulo – Simabesp, União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica).

Representantes de entidades que assinaram termo de compromisso de logística reversa de embalagens. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

Nota à imprensa: greve dos caminhoneiros

A Fiesp manifesta sua preocupação e indignação em relação à greve dos caminhoneiros, que já está gerando prejuízos importantes para a indústria e para a sociedade como um todo. Espera-se que em um prazo curto seja construído um entendimento para que a situação volte à normalidade.

 

Paulo Skaf

Presidente da Fiesp e do Ciesp

“Nova realidade”, destaca Skaf sobre estudo da Fiesp que mostra efeitos da crise na mesa dos brasileiros

Graciliano Toni, Agência Indusnet Fiesp

Na abertura do evento A Mesa dos Brasileiros – Transformações, Confirmações e Contradições, Paulo Skaf, presidente da da Fiesp e do Ciesp, destacou o forte embasamento do estudo que levou à realização dos debates do dia. A pesquisa anterior, feita em 2010, ocorreu em momento diferente da economia brasileira, lembrou Skaf, e a atualização deverá ser útil para conhecer a nova realidade. Educação alimentar e inovação vieram para ficar, afirmou.

O evento foi realizado nesta quarta-feira (23 de maio) pela Fiesp para apresentar os resultados da pesquisa inédita, de abrangência nacional, com uma amostra de 3.000 consumidores em 12 regiões metropolitanas. O objetivo é promover um amplo debate entre os stakeholders da indústria brasileira de alimentos e bebidas sobre as tendências identificadas.

Ao dar as boas-vindas, o diretor titular do Deagro, Roberto Betancourt, destacou a importância dos resultados da pesquisa na condução dos negócios neste momento de crise.

O primeiro painel, Transformações, abordou as principais modificações nos hábitos de consumo nos últimos 7 anos, a partir das transformações econômicas e das mídias sociais. Ao apresentar o painel, Antonio Carlos Costa, gerente do Deagro, destacou a importância da pesquisa para pequenas e médias empresas, para as quais é difícil pagar levantamento semelhante. E também é útil para a sociedade brasileira como um todo.

Ela atualiza, explicou, estudo semelhante feito em 2010. Houve transformações, confirmações e contradições. Uma das mudanças verificadas foi a maior importância dada pela população ao preço baixo na hora da escolha de alimentos.

O moderador do painel foi Renato Meirelles, presidente do Instituto Locomotiva. Foi fundador e presidente do Data Favela e Data Popular.

Luiz Pretti, presidente da Cargill Brasil, destacou que no caso específico do azeite, dificilmente o consumidor volta a produtos como o composto de óleo e azeite, a menos que a situação econômica fique realmente difícil. Acha importantes a inovação, a sustentabilidade e a saudabilidade.

Jacyr Costa Filho, presidente do Conselho Superior do Agronegócio da Fiesp (Cosag), destacou a importância da culinária na cultura. “O papel da indústria é manter o papel da cultura de cada país”, disse.

Skaf destacou os cursos do Sesi-SP no programa Prazer de Estar Bem, que orientam sobre alimentação saudável. “Quando falamos de alimentação, falamos de saúde, de prazer, de disciplina alimentar, de equilíbrio.” A indústria tem essa preocupação com a qualidade de vida e com a saúde, explicou. “Com as pessoas.”

Márcia Esteves, presidente da Grey, agência de comunicação, ressaltou que a pesquisa mostra que a marca continua a ter importância central para as pessoas. “Marcas fortes e bem construídas fazem parte da vida das pessoas.” Não é promoção, guerra de preços, que vai levar o mercado para a frente, afirmou. Recomendou estar perto do consumidor, para saber o que faz diferença em seu dia a dia. E a internet é riquíssima nesse tipo de informação.

Renato Dolci, especialista em data science e transformação digital, disse que a busca por informação e o excesso de informações são evidentes. A indústria de alimentos é a principal vítima de fake news, destacou. Chama a atenção de Dolci o poder de influenciadores digitais nos hábitos das pessoas. Deu como exemplo a apresentadora de programa de culinária Bela Gil e a cúrcuma, que disse usar para escovar os dentes, levando a 5 milhões de buscas pelo termo por dia, contra 3.000 antes de sua declaração.

Receita é o segundo tópico mais consumido em redes sociais, revelou. A busca é por comida saudável, mas também por doces, e tem grande peso o influenciador digital, afirmou. Gourmet veio para ficar, disse. A busca por informações também.

Paulo Skaf durante o evento de apresentação dos resultados da pesquisa A Mesa dos Brasileiros. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

O levantamento

Impactados pela crise, os brasileiros tiveram que rever muitos dos seus hábitos, inclusive aqueles relacionados à alimentação, é o que aponta a pesquisa A Mesa dos Brasileiros: transformações, confirmações e contradições, realizada pelo Departamento do Agronegócio da Fiesp (Deagro). A pesquisa, com 3.000 pessoas entrevistadas em 12 regiões metropolitanas do país, mais as cidades de Ribeirão Preto e São José do Rio Preto, apontou que nos últimos anos o preço baixo ganhou importância no processo de compra de alimentos, hoje considerado um dos principais drivers de escolha da categoria. Em 2010, ser mais nutritivo/ enriquecido com vitaminas vinha à frente de ser barato. Esta posição se inverteu em 2017.

O processo de racionalização do consumo atingiu 70% dos entrevistados, que admitiram ter mudado ao menos algum de seus hábitos de compras e consumo de alimentos em função da crise, que impactou principalmente pessoas com renda mais baixa, mulheres e internautas.

Essa racionalização do consumo tem consequências duradouras. Segundo a pesquisa, 63% afirmaram que pretendem manter parte dos novos hábitos adotados durante a crise, atingindo principalmente mulheres (65%) e pessoas com renda mais alta (66%), seguido pela classe baixa (58%) e homens (61%).

Dentre as principais atitudes que tomaram para tentar minimizar os efeitos da crise, se destacaram a busca por melhores oportunidades de compra e o preparo das refeições no próprio domicílio (74%), sendo a maior proporção de internautas, mulheres e classe baixa.

A pesquisa mostra ainda que o consumo de alimentos semiprontos foi impactado em razão da redução do número de pessoas que afirmaram não ter tempo para cozinhar, sendo 46% em 2010 e 38% em 2017. “Com a vida que levo, não tenho tempo para cozinhar em casa” foi a resposta de 46% dos entrevistados em 2010 e de 38% em 2017. Já a afirmação “prefiro comprar alimentos semiprontos para não perder muito tempo cozinhando” atingiu 42% da amostra em 2010 e apenas 28% em 2017. Por outro lado, a busca por alimentos com desconto ou na promoção se intensificou, passando de 43% para 50% entre 2010 e 2017.

Quanto à busca de informação por alimentos, a pesquisa mostra que houve total inversão entre TV e internet. Em 2010, a relevância da TV aparecia entre 40% dos entrevistados, e hoje esse porcentual é dedicado à internet, que naquele ano detinha apenas 19% da amostra.  Nessa linha, o porcentual de brasileiros que se considera muito bem informado sobre a importância dos alimentos para a saúde passou de 15% para 21% entre 2010 e 2017. Já o nível de conhecimento da maioria dos termos relacionados à alimentação aumentou desde 2010, especialmente “orgânicos”, passando de 40% para 60%, “sustentabilidade”, de 27% para 48% e “emissões de carbono”, de 21% para 35%.

Confira o Boletim de Áudio dessa notícia:

Mesmo diante de um cenário de crise econômica e valorização do preço baixo, marca continua sendo o principal driver de compra de alimentos. Entre 2010 e 2017, ter marca em que eu confio ou conhecida permaneceu em 1º lugar entre os entrevistados, com ganho de importância, especialmente, para os alimentos mais básicos, como arroz, de 44% em 2010 e 57% em 2017; feijão, de 36% para 54%; café, de 32% para 48%; e leite, de 24% para 35%. Neste cenário, para evitar o custo do erro, 71% dizem não se importar de pagar mais pelas marcas em que confiam, enquanto em 2010 eram 66%.

Para a classe C, a reputação da marca é um fator determinante. “Se o produto de uma marca ruim está estragado, a culpa é da marca. Se o produto de uma marca boa está estragado, a culpa é do mercado”. Outro argumento é “eu não compro o que está com preço muito baixo, porque a qualidade deixa a desejar e a gente acaba perdendo”. Com os resultados apurados, a pesquisa considera que a expectativa dos brasileiros para 2027 é que marca continue sendo o principal driver de escolha de alimentos industrializados.

Outros assuntos estratégicos sobre o consumo de alimentos do brasileiro estão disponíveis em www.fiesp.com.br/amesadosbrasileiros

Missão cumprida, afirma Skaf ao inaugurar terceira nova escola do Sesi-SP em Jundiaí

Agência Indusnet Fiesp

O presidente da Fiesp e do Sesi-SP, Paulo Skaf, inaugurou neste sábado (12 de maio) nova escola em Jundiaí. Depois dos novos prédios do São Camilo (2015) e da Escola Sesi Luiz Latorre (inaugurada no mês passado), agora é a vez de comemorar a conclusão da terceira nova escola no município, um prédio vertical com térreo e quatro andares, dentro do “Sesão” (Rua São Lázaro, 220).

Com a terceira nova unidade de Jundiaí, a entidade completa seu objetivo de substituir os prédios antigos por estruturas próprias. São escolas modernas, equipadas com o que há de melhor para os 3.378 alunos atendidos no município, sendo 1.458 no Sesão. A entrega dos novos prédios reforça o compromisso do Sesi-SP com a qualidade da educação básica oferecida em Jundiaí, onde já investiu R$ 122 milhões para a construção das novas escolas.

Paulo Skaf na inauguração da terceira nova escola do Sesi-SP em Jundiaí. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Megaestrutura

A escola do Sesi-SP em Jundiaí tem 12.400 metros quadrados de área construída e 36 salas de aula, dois laboratórios de informática, dois laboratórios de ciência e tecnologia, um laboratório de física e o laboratório de química e biologia.

Também há duas salas de vivências teatrais, duas salas de música, duas salas multidisciplinares, biblioteca escolar com acervo atualizado, refeitório com cozinha e despensa e quadra poliesportiva coberta, com vestiários.

Esses modernos ambientes pedagógicos foram projetados para oferecer educação de qualidade a todos os alunos. A escola oferece Ensino Fundamental em tempo integral do 1° ao 5º ano, o que permite que os alunos permaneçam nos períodos da manhã e tarde na escola realizando vivências de esporte, arte, cultura e tecnologia, além das refeições diárias compostas de café da manhã, almoço e lanche da tarde.

Mais lazer

Além da nova escola, foi inaugurado o novo balneário do Centro de Atividades Élcio Gerrazi, que ganhou piscina semiolímpica oficial para a prática de polo aquático e piscina recreativa, ambas aquecidas. O novo espaço também ganhou um patrono, sendo denominado Balneário Ernesto Staeheli Neto, ex-técnico de polo aquático.

Skaf visita Escola Sesi de Suzano e assina com o município convênio do Programa Atleta do Futuro

Agência Indusnet Fiesp

O presidente da Fiesp e do Sesi-SP, Paulo Skaf, visitou nesta sexta-feira (11 de maio) a Escola Sesi de Suzano. Na ocasião Skaf assinou o convênio do Programa Atleta do Futuro, que beneficiará 2.120 alunos de Suzano com a prática de futebol e futebol society.  O moderno prédio vertical da escola, localizado dentro do Centro de Atividades Sesi Max Feffer, recebeu investimento de R$ 43,3 milhões e atende 1.898 alunos nos ensinos Fundamental e Médio.

Na cerimônia, a atleta paraolímpica Evelyn entregou a Skaf uma bola de bocha, como agradecimento pelo investimento no esporte paraolímpico, que promove a inclusão.

O prefeito de Suzano, Rodrigo Ashiuchi, destacou o investimento feito pelas entidades da indústria paulista – Fiesp, Sesi-SP e Senai-SP – na cidade.

Paulo Skaf no Sesi de Suzano, que recebeu investimento de R$ 43,3 milhões. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

Em todo o Estado de São Paulo são mais de 100.000 alunos beneficiados pelo Programa Atleta do Futuro, que envolve 187 prefeituras conveniadas. Desde 2008, o programa tem estimulado a prática esportiva e a cidadania de crianças e adolescentes. Além de introduzir a prática esportiva aos participantes, os alunos recebem orientação em temas transversais como saúde, trabalho, consumo consciente, meio ambiente e pluralidade cultural, dentre outros.

Depois da assinatura do convênio, os alunos do programa participaram de bate-papo com o ex-jogador de futebol Luizão, seguido por um bate-bola na quadra de futebol society.

Um dos maiores atacantes das décadas de 1990 e 2000, Luiz Carlos Bombonato Goulart, mais conhecido como Luizão, é natural de Rubineia-SP. Mas foi em Campinas que o jovem centroavante começou a despontar para o sucesso, quando defendeu o Guarani.

Depois colecionou passagens vitoriosas por vários clubes do futebol brasileiro. Campeão paulista em 1996 (Palmeiras), campeão carioca e da Taça Libertadores em 1998 (Vasco), campeão paulista e brasileiro de 1999 e mundial de clubes em 2000, e mais um título paulista em 2001 (Corinthians). Também integrou a Seleção Brasileira que se sagrou pentacampeã do mundo (2002) e foi campeão paulista e da Libertadores em 2005 (São Paulo). O atacante é o maior artilheiro brasileiro da Libertadores, tendo marcado 29 gols.

Novo Sesi de Suzano

A nova escola fica em moderno prédio vertical, composto por 40 salas de aula, biblioteca escola com acervo atualizado, dois laboratórios de ciência e tecnologia, dois laboratórios de informática, laboratório de ciências físicas, químicas e biológicas e o moderno FabLab Sesi-SP. Completam a estrutura salas multidisciplinares, de vivência teatral, vivência musical

O FabLab Sesi-SP (FabLab, abreviação do termo em inglês fabrication laboratory) é uma plataforma de prototipagem rápida de objetos físicos e está inserida em uma rede mundial de quase oito centenas de laboratórios. Tem como base o conceito da participação colaborativa do aluno e da comunidade local, que trocam informações para a execução de um projeto e contam com o apoio de uma rede internacional.

O objetivo destes laboratórios é ser um ponto de encontro e conexão de ideias, as quais são materializadas através da fabricação digital, eletrônica e programação. O FabLab Sesi-SP tem equipamentos modernos para que o aluno seja estimulado a aprender fazendo. São compostos por Impressora 3D, Cortadora a Laser, Fresadora, Cortadora de Vinil, Prensa Térmica e Bancada Eletrônica.

Para construir uma nação não há nada melhor do que empreender, afirma Skaf

Agência Indusnet Fiesp

Ao abrir neste domingo (6 de maio) o Festival do Empreendedorismo da Fiesp (FestEmp), o presidente da Fiesp e do Ciesp, Paulo Skaf, destacou a velocidade das transformações no mundo nos próximos 10 anos e defendeu a necessidade de permanente atualização em diversos aspectos – por exemplo, nos negócios e na educação.

“Para construir uma nação não há nada melhor do que empreender”, disse Skaf ao dar as boas-vindas aos participantes do FestEmp, que continua nesta segunda-feira (7 de maio) no prédio da Fiesp.

Clique aqui para saber mais sobre o FestEmp.

Paulo Skaf durante a abertura do FestEmp. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

“Temos professores que oferecem o melhor”, diz Skaf ao inaugurar escola do Sesi-SP em Araçatuba

Agência Indusnet Fiesp

O presidente da Fiesp e do Sesi-SP, Paulo Skaf, visitou Araçatuba e Birigui nesta sexta-feira (4 de maio) para inaugurar novas escolas do Sesi-SP nos dois municípios e assinar convênios de esporte e educação.

Com investimento de R$ 14,5 milhões, a escola de Araçatuba ganhou novo prédio composto por 20 salas de aula, laboratório de informática, biblioteca com acervo atualizado e sala para professores, além do novo refeitório e pátio coberto. Os novos ambientes proporcionam mais conforto para os 1.346 estudantes atendidos atualmente pelo Sesi de Araçatuba. Skaf destacou que o que o Sesi-SP faz “não é só escola bonita. Temos professores que oferecem o melhor”.

Skaf também participou de homenagem ao ex-atleta e treinador desportivo José dos Santos Primo, que se tornou patrono do ginásio esportivo. Na década de 1950, Primo foi atleta das corridas de 1.500 metros e 3.000 com obstáculos, tendo conquistado diversos títulos de campeão estadual, brasileiro e sul-americano, além de participado em outras competições internacionais. Depois, o ex-atleta passou a se dedicar ao treinamento de novos talentos – e não somente no atletismo. Foi técnico de futebol, basquete, natação e preparador físico de diversos clubes. Por onde passou, Primo revelou centenas de novos talentos nessas modalidades esportivas. Natural de Juazeiro-BA, esse amante do esporte recebeu o título de cidadão araçatubense em 1993, pelos relevantes serviços prestados ao município.

Lembrando a tradição de Araçatuba em atletismo, Skaf anunciou que o Sesi-SP vai construir na cidade uma pista de atlestismo de piso sintético.

Ainda no Sesi Araçatuba, Skaf assinou convênio do Programa Atleta do Futuro com os municípios de Andradina (para atender 160 alunos em handebol, basquetebol, futsal, futebol e voleibol), Murutinga do Sul (100 estudantes, em futsal e natação), Itapura (160, em futebol,, futsal e handebol), Suzanápolis (80, em futebol e futsal) e Sud Mennucci (200, em futebol, futsal e natação).

Em todo o Estado de São Paulo são mais de 100 mil alunos beneficiados pelo programa, que envolve 187 prefeituras conveniadas. Desde 2008, o Atleta do Futuro tem estimulado a prática esportiva e a cidadania de crianças e adolescentes.

Em Araçatuba Paulo Skaf inaugurou escola do Sesi-SP e participou de homenagem a José dos Santos Primo. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

Birigui

Skaf também inaugurou a nova escola vertical do Sesi-SP de Birigui. Mais que um projeto arquitetônico arrojado e moderno, a nova escola Sesi de Birigui oferece educação de qualidade a 809 alunos nos ensinos Fundamental e Médio.

O novo espaço, que recebeu aporte de R$ 35,6 milhões, tem 18 salas de aula, laboratório de física, química e biologia, dois laboratórios de informática, biblioteca escolar com acervo atualizado, sala de música, sala de artes cênicas, quadra poliesportiva coberta e ginásio. A escola também ganha um espaço dedicado inovação tecnológica: o FabLab Sesi-SP.

O FabLab é uma plataforma de prototipagem rápida de objetos físicos e está inserida em uma rede mundial de quase oito centenas de laboratórios. Tem como base o conceito da participação colaborativa do aluno e da comunidade local, que trocam informações para a execução de um projeto e contam com o apoio de uma rede internacional.

O FabLab Sesi-SP tem equipamentos modernos para que o aluno seja estimulado a aprender fazendo. São compostos por Impressora 3D, Cortadora a Laser, Fresadora, Cortadora de Vinil, Prensa Térmica e Bancada Eletrônica.

Durante a solenidade de inauguração também foi assinado convênio do Programa Atleta do Futuro com os municípios de Penápolis (677 alunos, em natação, badminton e capoeira), Brejo Alegre (188 alunos) e Lourdes (160).

E também foram firmados convênios do Sistema Sesi-SP de Ensino com os municípios de Penápolis e Luiziânia. No primeiro são 25 escolas municipais conveniadas e 3.843 alunos beneficiados. E em Luiziânia o convênio atende 289 alunos de duas escolas municipais.

Campeões da robótica

Compareceram à solenidade de inauguração da nova escola os alunos que participaram do principal torneio de robótica do mundo – World Festival, que foi disputado de 19 a 21 de abril em Houston, EUA. Os integrantes da equipe Sesi Big Bang conquistaram o primeiro lugar nas categorias Apresentação de Pesquisa e Desafio do robô. Os campeões gerais do torneio foram os alunos do Sesi Americana, que superaram 108 equipes de todo o mundo.

Além do torneio do EUA, disputado por alunos do Ensino Fundamental, o Sesi de Birigui também participará, com alunos do Ensino Médio, do Torneio Internacional Robocup, de 18 a 22 de junho, no Canadá.

Na metodologia utilizada no Sesi-SP, as crianças são estimuladas a desenvolver competências e habilidades para a aplicação da ciência, desmistificando o uso da tecnologia na vida moderna. Os trabalhos na área de robótica são desenvolvidos em sala de aula e supervisionados por analistas de suporte em informática.

Skaf assina em Bauru convênios de esporte, capacitação profissional e empreendedorismo

Agência Indusnet Fiesp

O presidente da Fiesp, do Sesi-SP, do Senai-SP e do Sebrae-SP, Paulo Skaf, assinou nesta quinta-feira (3 de maio), em Bauru, convênios com a Associação Bauruense de Desportos Aquáticos (ABDA), beneficiando 4.000 de seus alunos.

O convênio prevê a participação de alunos da ABDA em Ligas de Treinamento do Sesi-SP, capacitação profissional gratuita em cursos do Senai-SP e cursos de empreendedorismo no Sebrae-SP.

No Sesi-SP, o Treinamento Esportivo é a área de estímulo à prática esportiva situada entre os projetos Atleta do Futuro e Rendimento Esportivo. Participam jovens de 10 a 17 anos que têm predisposição natural para uma das modalidades ofertadas: atletismo, natação e polo aquático. O programa vai além da prática esportiva, pois trabalha valores como ética, disciplina, motivação, liderança e trabalho em equipe, tudo com o objetivo de promover a formação do cidadão e a transformação do jovem como atleta.

O Senai de Bauru disponibilizará cursos gratuitos de Formação Inicial e Continuada nos seguintes títulos: Auxiliar Mecânico de Motocicletas (duas turmas), Inspetor da Qualidade, Ajustador Mecânico, Costureiro de Máquina Reta Overloque. São cursos de 160 horas que capacitam mão de obra e proporcionam oportunidades de rápida inserção no mercado de trabalho.

 

Skaf na assinatura de convênios com a a Associação Bauruense de Desportos Aquáticos. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

Em Ribeirão Preto, Skaf destaca superação em homenagem a Laís Souza

Agência Indusnet Fiesp

O presidente da Fiesp, do Sesi-SP e do Senai-SP, Paulo Skaf, participou nesta quarta-feira (2 de maio) de homenagem a Laís Souza, que passou a dar nome às quadras poliesportivas cobertas do Centro de Atividades do Sesi José Villela de Andrade Júnior, em Ribeirão Preto, cidade natal da ginasta. Laís destacou as muitas lembranças que tem de quando pequena treinou no Sesi-SP. Sobre Laís, Skaf destacou que é um exemplo de perseverança e superação.

Na ocasião também foi apresentado o novo Centro de Lazer e Esportes, que foi totalmente remodelado e aumentou a acessibilidade para todos os usuários por meio da construção de rampas, da instalação de pisos táteis, rebaixamento de guia, sinalização e instalação de elevadores, entre outras ações inclusivas. O espaço também recebeu adaptações na piscina recreativa da unidade, com instalação de escadas submersas, e foi totalmente integrada ao complexo aquático existente.

Atualmente, o Sesi de Ribeirão Preto atende em sua rede de escolas 3.484 alunos nos ensinos Fundamental e Médio.

Durante a solenidade foram assinados convênios do programa Atleta do Futuro com os municípios de Altinópolis (450 vagas para a prática de futsal e voleibol) e Santa Rosa do Viterbo (580 vagas para basquete, futebol, futsal e natação).

Em todo o Estado de São Paulo são mais de 100 mil alunos beneficiados pelo programa, que envolve 187 prefeituras conveniadas. Desde 2008, o Atleta do Futuro tem estimulado a prática esportiva e a cidadania de crianças e adolescentes.

O Sesi-SP também formalizou com a Colorado Comércio de Máquinas Agrícolas Ltda a parceria do projeto Sustent´ARTE, que tem por objetivo apoiar a responsabilidade socioambiental da indústria por meio do atendimento das comunidades do seu entorno. O programa promove qualificação profissional a partir do desenvolvimento de habilidades técnicas, profissionais e pessoais dos participantes. A parceria, por meio da empresa John Deere, beneficiará 50 pessoas da comunidade.

Laís Souza, homenageada pelo Sesi-SP, durante cerimônia com a participação de Paulo Skaf. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Laís Souza nasceu em Ribeirão Preto. Integrou a Seleção Brasileira de Ginástica Artística por muitos anos. Participou dos Jogos Olímpicos de Atenas 2004 e Pequim 2008. Às vésperas da Olimpíada de 2012, já na aclimatação em Londres, sofreu uma fratura na mão que a impediu de participar pela terceira vez do maior evento esportivo do planeta.

A atleta conquistou várias medalhas em etapas de Copas do Mundo, Jogos Pan-Americanos e competições nacionais. Em 2013, com 25 anos de idade e duas olimpíadas, Lais mudou de esporte e conquistou uma vaga para representar o Brasil nas Olimpíadas de Inverno. Mas, em um treinamento no dia 27 de janeiro de 2014 a atleta sofreu um acidente que causou torção na coluna cervical e perda dos movimentos. Hoje, a rotina da Laís é bem diferente, mas em tudo que faz, continua levando a força e a persistência do esporte, seja na fisioterapia diária, nas palestras ou outros eventos em que participa.

Senai Ribeirão Preto

Skaf também inaugurou as novas áreas da Escola Senai Eng. Octávio Marcondes Ferraz. Com investimento de R$ 14,6 milhões em novas áreas, a ampliação da unidade compreende a construção do bloco da oficina de aprendizagem de soldagem, ampliação da oficina de aprendizagem de Mecânico de Máquinas agrícolas e construção de novo vestiário para alunos. Além da criação dos novos espaços, houve a reforma de ambientes administrativos, oficinas de aprendizagem e laboratórios técnicos.

Em 2017 o Senai de Ribeirão Preto realizou 9.108 matrículas em cursos de Aprendizagem Industrial, Técnicos e de Formação Inicial e Continuada.

Sesi-SP luta, mas perde primeira partida da final da Superliga de vôlei

Graciliano Toni, Agência Indusnet Fiesp

O Sesi-SP jogou muito, mas erros no saque deram vantagem ao Sada Cruzeiro na primeira partida da final da Superliga 2017/18 de vôlei masculino, no Ginásio do Ibirapuera. O time de Minas venceu por 3 a 2, com parciais de 25 a 23, 25 a 27, 26 a 24, 22 a 25 e 15 a 12.

A segunda e última partida será disputada no Mineirinho, ginásio em Belo Horizonte, no dia 6 de maio, com tansmissão pela Rede Globo e pelo canal de TV por assinatura SporTV. Em caso de vitória do Sesi-SP haverá disputa do golden set, em 25 pontos.

Começaram o jogo pelo Sesi-SP William, Lucão, Lipe, Douglas Souza, Gustavão, Murilo e Alan. Entraram Franco, Aracaju, Piá e Evandro.

Depois da partida, Lipe disse em entrevista ao canal de TV por assinatura SporTV que o Sesi-SP jogou bem, mas errou muito no saque.

Paulo Skaf com o líbero Murilo, da equipe de vôlei do Sesi-SP. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

A partida

William sacou errado, e o Cruzeiro saiu na frente. Erro de saque do Cruzeiro, com Simon, deu o empate. Lipe foi para o saque, mas Cruzeiro fez. O Cruzeiro começou a abrir vantagem, depois de Alan atacar bem. Gustavão sacou, mas Leal cortou e tomou o ponto. 4 a 2. Na sequência Leal sacou bem. Nova pancada em seguida, e na disputa Leal cortou e marcou de novo, 6 a 2.

Douglas Souza descontou, encaixando entre os dois bloqueadores. 6 a 3. Depois veio o 7 a 3. Lipe recebeu e já levantou para Lucão cravar. 7 a 4. Douglas Souza sacou, mas não evitou o 8 a 4. Evandro sacou bem, o Sesi defendeu, mas depois parou no bloqueio de Simon, 9 a 4. E o Cruzeiro fez mais 2. Lipe descontou, 11 a 5. Lucão sacou para fora. Uriarte sacou na rede, 6 para o Sesi-SP. William devolveu o erro, também na rede.

Simon no saque, troca de bolas, Lipe cortou no pé de Simon. Depois errou o saque, mas compensou com nova bela cortada. 15 a 9 para o Cruzeiro. Leal sacou na rede, para o décimo do Sesi-SP. Lipe cortou para fora, 16 a 10.

Isac sacou, Douglas encaixou bem o ataque, evitando o bloqueio, sacou com uma bela pancada, e depois Lucão subiu bem e matou o ponto. 16 a 12

Depois veio o 13º, e ainda com Douglas Souza no saque, o 17º ponto do Cruzeiro. Uriarte sacou na rede. Lucão fez ace, para 17 a 15. Um belo bloqueio do Sesi-SP lhe permitiu encostar, 17 a 16. Rodriguinho entrou e errou seu primeiro saque.

Simon sacou para fora, 19 a 18, e depois o Sesi-SP empatou com um belo bloqueio após o saque de Lipe. A virada parecia ter vindo com a cortada pra fora de Simon, mas o desafio mostrou toque no bloqueio.

Com Uriarte no saque, 21 a 19 para o Cruzeiro. Bola na antena deu o vigésimo ponto ao Sesi. Lucão cravou de novo do meio da rede depois do saque de Gustavão, e o Sesi-SP empatou, mas Evandro pôs de novo o Cruzeiro na frente. Tempo pedido pelo Sesi-SP quando o Cruzeiro vez 23 a 21.

Com Leal no saque, Lipe marcou. O Sesi-SP fez a inversão, com Evandro e Franco, e com a saída de Alan e William, que voltaram em seguida, no 24 a 22.

Douglas sacou para fora, e o Cruzeiro fechou o primeiro set em 25 a 23.

Partida foi dura e equilibrada, com erros de saque prejudicando o Sesi-SP. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

O segundo set começou com belos lances. Levantamento de Uriarte e ponto, compensado depois pelo Sesi-SP com boa encaixada de Alan. O Cruzeiro começou a abrir vantagem. Leal cortou bem, no canto da quadra, para o Cruzeiro virar e abrir em seguida com bloqueio de Rodriguinho em cima de Alan, 5 a 3. Evandro aumentou a vantagem. Com Leal no saque, o Sesi-SP atacou e ganhou o ponto com o bloqueio para fora do Cruzeiro, que depois fez 7 a 4. Lucão descontou, mas o saque de Douglas Souza não segurou. 8 a 5. Aí Alan encaixou na quina oposta da quadra, para 8 a 6. O Cruzeiro marcou de novo, 9 a 6, mas o Sesi-SP tomou o ponto no saque de Rodriguinho. William sacou, e a sequência de jogadas foi encerrada com dois-toques do Cruzeiro, levando a partida para 9 a 8.

De novo o Cruzeiro abriu vantagem, chegando a 12 a 9. Lipe no saque no 11 a 9, na rede, e o Cruzeiro foi a 12. Douglas Souza atacou bem depois do saque de Gustavão, em seguida Lucão bloqueou bem para o 12 a 11. E o empate veio graças a Douglas Souza, após levantamento de Willian, do outro lado da quadra.

Cruzeiro voltou a abrir 2 de vantagem com saques de Leal, depois 3, com ataque do próprio Leal. Tempo no 15 a 12.

Franco entrou no lugar de Alan no 16 a 12. Houve erro de Leal no saque, e Franco sacou em seguida, com ace. Depois o Sesi-SP encostou, 16 a 15, com belo bloqueio de Lucão.  Franco então sacou na rede.

Isac sacou para fora, 17 a 16. Saque de Douglas Souza, ataque de Lipe, bloqueio para fora, e empate em 17 a 17. Toque na rede de Lucão deixou o Cruzeiro na frente de novo, mas o empate veio. E o Sesi-SP passou na frente, com bloqueio de Lucão.

Lipe desempatou de novo, 20 a 19. William sacou muito bem, na linha, 21 a 19 com ace. Evandro diminuiu, Simon sacou, e um belo rali encerrado com ponto do Cruzeiro após Uriarte mergulhar para salvar um bola e depois matar o ponto. Empatou.

O Sesi-SP fez 22 a 21, depois veio o empate. Virada com bloqueio de Evandro, e pedido de tempo pelo Sesi-SP no 23 a 22.

Franco empatou. Gustavão sacou, defendeu bem, mas o ponto acabou com cortada de Isac. Leal sacou para fora, 24 a 24. Franco sacou forte em Leal, e o ponto terminou com bloqueio de Douglas Souza. Set point para o Sesi-SP, e pedido de tempo pelo Cruzeiro. Empate na pancada de Isac, que sacou em seguida para fora. Novo set point. Douglas Souza no saque, toque na rede de Filipe depois de troca de bola meio desordenada, e o Sesi-SP fechou o set e fez 1 a 1 na partida.

O Cruzeiro confirmou o saque no início do terceiro set, mas o Sesi-SP empatou em seguida. Lipe, no saque, não evitou o ponto para o Cruzeiro. Empate. Gustavão sacou, mas o ponto foi para o adversário. Empate no saque para fora do Cruzeiro. Franco no saque, 4 a 3, mas em seguida sacou para fora.

Isac sacou, defesa não funcionou, 5 a 4. Empate na condução de Simon. Douglas Souza sacou, mas Leal não deu chance e cravou a bola para 6 a 5. Lipe empatou. Lucão no saque, Simon encaixou bela pancada. E continuou a disputa ponto a ponto.

William sacou, mas o Cruzeiro passou à frente de novo com Leal, 9 a 8. Franco atacou bem, depois de belo passe de William. Lipe no saque não evita nova passagem do Cruzeiro à frente, 10 a 9. Empate em mão na rede de Evandro, depois de dar uma cotovelada na boca de Isac.

Ponto confirmado por Lucão após saque de Gustavão. 11 a 10, para o empate em seguida. Leal sacou, Franco matou. 12 a 11. Franco sacou para fora, permitindo o empate. Com Isac sacando, empate do Sesi-SP.

Douglas Souza sacou, mas o Cruzeiro marcou e passou à frente. Lipe empatou de novo. Lucão sacou para fora. Em 16 a 15, Simon sacou na rede.

Lipe sacou depois de pedir apoio da torcida, mas o Cruzeiro fechou o ponto. Empate no saque para fora do Cruzeiro. Gustavão sacou, Douglas Souza fintou e colocou a bola, em vez de cortar. Depois empate em 18 a 18. E Leal sacou para fora.

Alan e Evandro entraram na inversão, com a saída de William e Franco. E Alan encaixou bem a bola, fazendo 20 a 18 e levando a pedido de tempo pelo Cruzeiro. O Sesi-SP não confirmou o ponto no saque de Evandro. 20 a 19, e saque de Isaac, anulado por ataque de Douglas Souza, que depois sacou na rede. 21 a 20, depois o Sesi-SP abriu para 22 a 20 com Lipe. Não conseguiu aproveitar a vantagem, e o Cruzeiro empatou. Pedido de tempo, e desfeita a inversão, Lipe levou o Sesi-SP à frente de novo. No saque de William, Uriarte deixou de segunda e marca. Simon fez ace no saque, e o Cruzeiro foi para o set point, que Franco não deixou ganhar.

Lipe sacou forte, mas o Cruzeiro ganhou o ponto. Novo set point, com Uriarte no saque e ponto confirmado por Isac. O Cruzeiro fez 2 sets a 1 no jogo.

O quarto set começou com saque para fora do Cruzeiro. William sacou, mas o Cruzeiro empatou. Lipe sacou na rede, e o Cruzeiro reempatou. Gustavão sacou bem, o Sesi-SP fez 4 a 2, o Cruzeiro encostou de novo, Lucão cortou sem bloqueio para 5 a 3. Em erro de Filipe, 6 a 3.

Franco sacou na rede, Isac foi para o saque, cruzado, e o Cruzeiro confirmou. Novo saque cruzado, em Murilo, mas Franco matou o ponto. Douglas Souza sacou, e o Cruzeiro voltou a encostar, 7 a 6. Depois do saque do Cruzeiro, toque na rede de Uriarte. Lucão foi para o saque em 8 a 6, mas Leal bateu forte do meio e fez o sétimo. O Cruzeiro empatou em seguida. William sacou com o Sesi-SP na frente de novo, e Lipe confirmou. 10 a 8.

Tempo pedido pelo Cruzeiro no 11 a 8. Pancada de William no saque, depois anulada por ataque forte de Leal. 11 a 9. Simon sacou na rede. Lipe sacou, Douglas Souza atacou, e o bloqueio jogou para fora. Depois seu saque curto não funcionou. 13 a 10. Lipe encaixou no fundo da quadra, para 14 a 10 e saque de Gustavão, que Evandro não deixou se transformar em ponto. 14 a 11. Saque forte de Leal defendido por Douglas Souza, e o longo ponto terminou sendo vencido pelo Sesi-SP no bloqueio. 15 a 11. O Cruzeiro descontou, fazendo seu 12º ponto. Douglas Souza descontou em seguida, abrindo novamente 4 pontos. O 17º veio depois do saque de Douglas Souza. O Cruzeiro teve calma para reduzir de 5 para 3 pontos a diferença. 17 a 14.

Evandro sacou na rede na volta do tempo pedido pelo Sesi-SP. Lucão sacou forte, a bola voltou de graça, mas o Sesi-SP não aproveitou, e depois de longo rali Simon cortou como se não houvesse bloqueio.

Depois de saques de Uriarte, ataque para fora de Douglas Souza, bloqueio de Simon e ataque de Leal permitiram ao Cruzeiro fazer dois pontos seguidos e empatar. O Sesi-SP voltou à frente com ataque de Lipe. Simon cravou, empatando de novo. Foi para o saque e errou.

Lipe sacou para fora. 20 a 20. E a virada veio depois de saque de Uriarte, ataque de Isac e bloqueio para fora. O Sesi-SP pediu tempo. Na volta, Franco pôs o Sesi-SP na frente de novo, mas Aracaju sacou mal, o que também aconteceu com Leal. 22 a 22. Douglas Souza marcou e deu de novo vantagem ao Sesi-SP. E o set point veio.

Piá entrou no lugar de William. Alan sacou forte, Serginho defendeu, Filipe jogou para fora, e o Sesi-SP empatou a partida em 2 sets a 2.

O jogo foi para o tie-break, começando com saque de William que bagunçou a defesa do Cruzeiro e permitiu a Lipe só colocar a bola. 1 a 0. O dois-toques de Douglas Souza deu o empate. Leal atacou e fez 2 a 1 para o Cruzeiro. Uriarte fez ace. Simon ganhou o quarto ponto em bloqueio.

O Cruzeiro foi abrindo vantagem, até a mudança de lado no oitavo ponto, com diferença de 4 pontos. Evandro sacou para fora, e o Sesi-SP fez o quinto. Nova inversão do Sesi-SP. Lipe matou o ponto depois do saque de Douglas Souza, e depois garantiu o seguinte com bloqueio. 8 a 7, e tempo para o Cruzeiro. Franco marcou o oitavo, e Lipe, num toquinho, pôs o Sesi-SP na frente, em 9 a 8. Isac empatou. Ainda com Uriarte sacando, abriu 2 pontos, 11 a 9. Lucão achou uma clareira no meio da quadra e reaproximou o placar. Em seguida sacou, e o ponto de empate veio em toque na rede de Leal.

O saque seguinte de Lucão foi na rede. Eder entrou sacando bem, e o Cruzeiro abriu para 14 a 11 e o match point. Alan atacou bem e não deixou a partida terminar. William sacou, mas Leal atacou sem chance de defesa, e o Cruzeiro venceu o primeiro jogo da final.

Spread brasileiro custará R$ 1 trilhão a mais de juros às pessoas físicas, mostra estudo da Fiesp

Agência Indusnet Fiesp

Não há dúvida: é o maior do mundo o spread bancário brasileiro, que é a diferença entre o que os bancos pagam pelo dinheiro captado em depósitos e aplicações e o quanto cobram de juros nos empréstimos. A demonstração está em pesquisa feita pela Fiesp -e destacada nesta quarta-feira (25 de abril) em reportagem do jornal Valor Econômico– que comparou os dados de países que empregam metodologia semelhante à brasileira para o cálculo do spread. Na média, os países analisados têm spread de 1,5 ponto percentual, contra 21,5 pontos percentuais da média brasileira.

A análise mostra também que a situação tem piorado. A diferença entre o spread atual e o que era praticado no Brasil no período de 2012 a 2014 fará com que entre 2017 e 2022 as pessoas físicas gastem R$ 1,04 trilhão a mais para pagar os empréstimos contraídos em 2017.

“Certamente há uma distorção nesse cenário, pois só no ano passado, os bancos brasileiros tiveram lucro maior que a soma das 262 empresas de capital aberto. Sou o presidente da maior entidade empresarial do Brasil, e sou a favor do lucro justo, porém quando se tem uma situação de falta de concorrência, fica evidente o abuso”, enfatiza o presidente da Fiesp e do Ciesp, Paulo Skaf.

Não há justificativa para a diferença entre o spread brasileiro e o de outros países. Um dos principais componentes para o cálculo do spread, que é a inadimplência, é menor no Brasil que em outros países. O Brasil ocupa apenas a 66ª posição no ranking da inadimplência, atrás de países que possuem spread bem menos elevado, como Itália, Irlanda, Portugal, Rússia e Espanha. “A Itália tem inadimplência 4,4 vezes maior do que a do Brasil, mas o spread total brasileiro é quase 20 vezes maior”, explica José Ricardo Roriz Coelho, segundo vice-presidente da Fiesp.

Os bancos também usam como justificativa a falta de garantias e a dificuldade de recuperação do crédito no país, mas, mesmo nas linhas com boas garantias, como o empréstimo consignado para aposentados e servidores públicos e o financiamento de veículos, os spreads são elevados demais em comparação com o praticado em outros países.

“Os juros do Brasil sempre foram os mais altos do mundo, e as pessoas se acostumaram com isso. A Campanha do Sapo, contra os juros abusivos, lançada em março, é justamente para conscientizar a população e juntos mudarmos esta situação absurda”, explica Paulo Skaf.

Descasamento

Fatores que deveriam ter provocado redução do spread não tiveram efeito. Exemplo é a queda da Selic, a taxa básica de juros, determinada pelo Banco Central. A pesquisa da Fiesp e do Ciesp mostra que de outubro de 2016 a fevereiro de 2018 a Selic foi reduzida em 52,6%, caindo de 14,25% ao ano para 6,75% ao ano; no mesmo período o spread apresentou redução bem menor, de 21%, passando de 62,3% ao ano para 49,2%. A inadimplência também diminuiu no período, de 6,2% para 5,2% nos recursos livres emprestados pra pessoas físicas.

“Entre dezembro de 2017 e fevereiro de 2018, a Selic passou de 7,0% a.a. para 6,75% a.a., mas, os juros do crédito pessoal total aumentaram, de 44% a.a. para 47% a.a., a despeito da inadimplência ter ficado praticamente constante, de 3,64% para 3,65% da carteira”, afirma Roriz.

O estudo destaca também o elevado nível dos juros para as pessoas físicas, sobretudo os do cheque especial e do cartão de crédito rotativo que ultrapassam os 300% ao ano e, juntos respondem por 48% das concessões para pessoas físicas.

A pesquisa mostra ainda que, em 2017, o spread médio para pessoas físicas foi de 54,6 pontos percentuais ao ano, significativamente maior do que a média do período 2012/14, de 34,5 pontos percentuais ao ano, apesar de a inadimplência se encontrar em um patamar médio 10% mais baixo que no período 2012/14.

Para o spread médio de 2017 ser compatível com os números de 2012/14, já considerada a inadimplência em ambos os períodos, deveria ser de 31,1 pontos percentuais, em vez de 54,6 pontos percentuais. Essa redução de 23,5 pontos percentuais equivaleria a uma economia para as famílias de R$ 141,6 bilhões a menos com juros em 2017, ou seja, 2,2% do PIB. Esses recursos reduziriam o comprometimento de renda com pagamento de juros de 10,1% para 6,7% da renda das famílias, e poderiam ser convertidos em consumo e poupança, impulsionando a recuperação econômica do país.

Ainda, levando em consideração o prazo médio das concessões em 2017 (53 meses), pode-se calcular que essa diferença de 23,5 pontos percentuais fará com que as famílias gastem ainda R$ 899 bilhões a mais de juros entre 2018 e 2022, que somados ao valor pago em 2017 (R$ 141,6 bilhões) totalizarão R$ 1,04 trilhão a mais de juros a serem pagos de 2017 a 2022.

“Em linhas com os juros mais altos, como o cheque especial e o cartão de crédito, normalmente, os mais atingidos são as famílias de menor renda. E não podemos deixar que isso continue acontecendo”, finaliza Paulo Skaf.

‘Temos que preparar as pessoas para se adaptar a essa nova realidade’, diz Skaf na abertura do I Congresso de Educação, Tecnologia e Conhecimento do Sesi-SP

Isabela Barros, Agência Indusnet Fiesp

“As crianças querem ir para a escola. Quando se oferece infraestrutura de ensino, os alunos aprendem”. Foi assim, com um convite à evolução, que o presidente da Fiesp, do Sesi-SP, do Senai-SP e do Sebrae-SP, Paulo Skaf, deu as boas-vindas no I Congresso de Educação, Tecnologia e Conhecimento do Sesi-SP. O evento, aberto na manhã desta segunda-feira (23/04), no Teatro do Sesi-SP, na sede da Fiesp, em São Paulo, segue até amanhã.

“Os professores são pessoas especiais, desprendidas de egoísmo”, disse Skaf.  “Se realizam ao passar conhecimento”.

Segundo ele, o momento é de grandes transformações. “Temos certeza de que haverá grandes mudanças: setores vão deixar de existir, mas outros vão nascer”, afirmou. “Temos que preparar as pessoas para se adaptar a essa nova realidade, oferecer uma escola de qualidade”, disse. “A indústria de São Paulo colocou isso como prioridade”.

Nesse contexto, “não ter escola pública de qualidade é condenar uma geração ao insucesso”. “Escola bonita não resolve a educação, nós oferecemos o projeto completo e isso envolve salas de aula, laboratórios, esporte, cultura e boa alimentação”, disse. “Gostamos que as pessoas fiquem atentas, que nunca se acomodem, isso alonga a vida”.

Para finalizar a sua participação, Skaf pediu aplausos a todos os educadores brasileiros. E convidou para subir no palco o palestrante seguinte: João Paulo Guerra Barreira, de oito anos. Escritor, ele foi eleito, em 2017, o brasileiro do ano pela revista Istoé na categoria Educação. E vai representar o Sesi-SP e o Brasil em junho, numa reunião da ONU sobre o tema, em Nova Iorque. Os livros de Barreira estão nas bibliotecas das escolas da indústria paulista.

O menino escreveu seu primeiro livro aos seis anos: O mundo da lua e dos planetas. Sua obra mais recente é Morando no espaço. “A minha missão é fazer as crianças gostarem de ler e estudar”, disse.

Em inglês, fez a sua apresentação. Disse que sempre foi curioso, especialmente com letras e números. E contou a sua trajetória para a plateia. “Agradeço ao Paulo Skaf pela oportunidade”, disse. “Eu luto por um mundo sustentável, nós somos o futuro”.

Skaf e Barreira: investimento da indústria em educação, em nome do futuro. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

Também presente à cerimônia de abertura do congresso, o superintendente do Sesi-SP e diretor regional do Senai-SP, Walter Vicioni, agradeceu o empenho dos organizadores e conferencistas. Além do apoio de Paulo Skaf.

“Não podemos perder a noção do aprender fazendo”, disse. “Precisamos disponibilizar lições concretas e importantes para a educação do nosso século”.

Por isso o empenho no lançamento do livro Lições Finlandesas, de Pasi Sahlberg, no Brasil. “Colocamos o nosso aluno no centro da nossa proposta educacional, há uma coerência na nossa ação”, afirmou. “Que possamos sair daqui enriquecidos, mas de novas ideias para colocar em prática”, disse. “Precisamos fazer e fazer. Vamos ser ousados, há muita genialidade na ousadia”.

O Brasil merece escolas de Primeiro Mundo, diz Skaf em Jundiaí

Agência Indusnet Fiesp

Ao inaugurar nesta sexta-feira novo centro educacional em Jundiaí (Vila Hortolândia), a Escola Sesi Luiz Latorre, o presidente da Fiesp e do Sesi-SP, Paulo Skaf, destacou a qualidade das unidades e disse que o Brasil merece escolas de Primeiro Mundo. A nova escola recebeu aporte de R$ 44,1 milhões e atende 864 alunos no Ensino Fundamental e 288 no Ensino Médio.

Skaf também inaugurou na sexta-feira a Estação Sesi-SP de Cultura de Atibaia, espaço com 613 metros quadrados, oferece aos trabalhadores da indústria, seus dependentes e toda a comunidade atividades artísticas em suas mais diversas formas literatura, música, teatro, exposições e cinema –, tudo de graça.

Skaf na Estação Sesi de Cultura de Atibaia. Foto: Everton Amaro/Fiesp

O presidente da Fiesp e do Sesi-SP assinou ainda na mesma data convênios do Programa Sesi Atleta do Futuro com os municípios de Joanópolis, Piracaia e Socorro.

Escola Sesi Luiz Latorre

A escola foi construída em terreno de 28.000 metros quadrados e tem 10.800 metros quadrados de área construída, sendo um prédio vertical com térreo e mais três pavimentos. No total são 27 salas de aula, dois laboratórios de informática, um de ciência e tecnologia, um laboratório de física e o laboratório de química e biologia.

Também há duas salas de vivências teatrais, duas salas de música, uma sala multidisciplinar, uma sala de múltiplo uso e uma área de convivência. Completam as dependências uma biblioteca escolar com acervo atualizado, refeitório com cozinha e despensa e duas quadras poliesportivas cobertas, com vestiários.

Esses modernos ambientes pedagógicos foram projetados para oferecer educação de qualidade a todos os alunos. A escola oferece Ensino Fundamental em tempo integral do 1° ao 5º ano, o que permite que os alunos permaneçam nos períodos da manhã e tarde na escola realizando vivências de esporte, arte, cultura e tecnologia, além das refeições diárias compostas de café da manhã, almoço e lanche da tarde.

Paulo Skaf na inauguração da Escola Sesi Luiz Latorre. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

Nascido em Itatiba em 24/07/1912, Luiz Latorre se tornou um dos mais importantes cidadãos jundiaienses. Em 1935 montou sua própria indústria de fósforos na cidade, a Andrade Latorre, uma das maiores do Brasil. Também foi empresário do setor têxtil, por meio de participação acionária da Fabril Scavone. Empresário muito humano, Luiz Latorre foi grande benfeitor de todas as instituições de caridade de Jundiaí e de outras cidades, mas sempre com bastante discrição.

Prefeito de Jundiaí de 1952 a 1956, somou às atividades industriais o trabalho imenso de dirigir a cidade. Latorre concluiu e inaugurou obras importantes até hoje, como o Conjunto Poliesportivo Dr. Nicolino de Lucca “Bolão” e o Complexo Educacional Comendador Antonio Carbonari – Parque Comendador Antonio Carbonari “Parque da Uva”, tornando Jundiaí conhecida como a “Terra da Uva”.

Estimulador da importância do associativismo, o empresário foi patrono e fundador do Ciesp de Jundiaí em 1950, sendo suas indústrias as mais antigas associadas Companhia Paulista de Clorato de Potássio Pioneiro (Eka Chemical) e Indústrias Andrade Latorre.  

Programa Atleta do Futuro

Para Joanópolis o programa reserva 230 vagas, em parceria com a Prefeitura Municipal, Shihan Artigos Esportivos e Associação Projeto Bola da vez, para as modalidades natação, voleibol, futsal e handebol. O convênio com Piracaia, em parceria com a Prefeitura Municipal e Shihan Artigos Esportivos, tem 300 vagas para atletismo e futsal. E com Socorro são 360 vagas para a prática de futsal, basquete e dama, sendo os parceiros a Prefeitura Municipal e Creações Bteh Bebê.

Em todo o Estado de São Paulo são mais de 100 mil alunos beneficiados pelo programa, que envolve 187 prefeituras conveniadas. Desde 2008, o Atleta do Futuro tem estimulado a prática esportiva e a cidadania de crianças e adolescentes. Além de introduzir a prática esportiva aos participantes, os alunos recebem orientação em temas transversais como saúde, trabalho, consumo consciente, meio ambiente e pluralidade cultural, dentre outros.

Cultura

A Estação Sesi-SP de Cultura de Atibaia, espaço com 613 metros quadrados, oferece aos trabalhadores da indústria, seus dependentes e toda a comunidade atividades artísticas em suas mais diversas formas literatura, música, teatro, exposições e cinema –, tudo de graça.

Além do aspecto cultural, a estação é importante espaço de inclusão digital e tecnológica, onde os usuários podem acessar múltiplas plataformas de consulta e pesquisa. Os usuários têm à disposição 3 mil livros da biblioteca, que inclui autores clássicos e atuais, e 10 computadores do Espaço Multimídia para navegar na internet.

No espaço Gibiteca os amantes dos quadrinhos podem descobrir as novidades do setor, desde gibis nacionais até as HQs consagradas. Também há uma Sala Audiovisual, estruturada para a projeção de filmes de diversos gêneros, documentários e animações.

A Estação inclui ainda uma sala de robótica, onde os visitantes se familiarizam com o programa desenvolvido na rede escolar do Sesi-SP e o fascinante mundo da robótica. E a Área de Convivência foi o espaço pensado para abrigar shows, concertos, contações de histórias, exposições e outras atividades artísticas, além de ser um ponto de encontro para uma conversa entre amigos ou para ler um livro.

A Estação Sesi-SP de Cultura funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 20h30, e das 10h às 17h30 aos sábados. Todas as atividades são gratuitas.

Diversificação no agronegócio, com empreendedorismo, para gerar trabalho, recomenda Skaf em Presidente Prudente

Agência Indusnet Fiesp

O presidente da Fiesp, Ciesp, Sesi-SP e Senai-SP, Paulo Skaf, assinou convênios do Programa Atleta do Futuro (PAF) com seis municípios da região de Presidente Prudente nesta quarta-feira (18 de abril). Em entrevista coletiva depois da cerimônia de assinatura, Skaf destacou o potencial na região para a diversificação do agronegócio. “Do que esta região precisa é trabalho e empreendedorismo.”

Paulo Skaf na cerimônia de assinatura do PAF com municípios da região de Presidente Prudente. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

Assinaram o convênio os municípios de Mirante do Paranapanema, Pauliceia, Junqueirópolis, Dracena e Panorama. Além desses, o município de Presidente Prudente assina o termo de parceria em Qualidade de Vida, que beneficiará pessoas com deficiência. Depois Skaf assinou na Escola Sesi de Santo Anastácio convênio do PAF com o município.

Em todo o Estado de São Paulo são mais de 100 mil alunos beneficiados pelo programa, que envolve 187 prefeituras conveniadas. Desde 2008, o Atleta do Futuro tem estimulado a prática esportiva e a cidadania de crianças e adolescentes. Além de introduzir a prática esportiva aos participantes, os alunos recebem orientação em temas transversais como saúde, trabalho, consumo consciente, meio ambiente e pluralidade cultural, dentre outros.

Os instrutores trabalham para difundir valores como ética, superação, autoestima e socialização, com o intuito de ajudar o aluno a se desenvolver de modo pleno.