Senai-SP participa de programa da Prefeitura para qualificação profissional de moradores de rua da cidade de São Paulo

Dulce Moraes, Agência Indusnet Fiesp

O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP), Paulo Skaf, participou nesta segunda-feira (25/03) do lançamento do “Programa de Qualificação Profissional da População em Situação de Rua” – iniciativa da Prefeitura de São Paulo que conta com o apoio do Senai-SP.

O evento foi realizado na Faculdade de Direito do Largo São Francisco, no centro da cidade, com presença do prefeito Fernando Haddad, dos secretários municipais Rogério Sottili (Direitos Humanos e Cidadania) e Luciana Temer (Assistência Social), do representante do Movimento Nacional de População em Situação de Rua, Anderson Lopes, do senador Eduardo Suplicy e do diretor regional do Senai-SP, Walter Vicioni, entre outras autoridades, empresários, representantes de organizações não governamentais e, principalmente, moradores de rua.

Paulo Skaf parabeniza iniciativa da Prefeitura de São Paulo de prover qualificação profissional para moradores de rua, com o apoio do Senai-SP. Foto: Junior Ruiz/FIESP

Na ocasião, o Senai-SP, Prefeitura e secretarias municipais de Assistência Social e do Direitos Humanos e Cidadania assinaram termo de cooperação técnica em que assumem compromisso de somar esforços para capacitar profissionalmente pessoas em situação de rua na capital paulista.

O objetivo do programa, que conta com recursos do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), do Ministério da Educação, é de propiciar condições para inclusão social e inserção no mercado de trabalho, tendo a meta de, ainda neste ano , garantir profissionalização e emprego para 2.000 pessoas em situação de rua na cidade. A estimativa da Prefeitura é que, atualmente, existam cerca de 15 mil pessoas nessas condições em São Paulo.

A metodologia prevê a realização de cursos periódicos de ocupações como auxiliar administrativo, almoxarife, confeccionador de bolsas e acessórios, mecânico de motores a diesel, mecânico de bicicleta, padeiro, pedreiro de alvenaria, eletricista instalador predial, encanador, pintor, vidraceiro e aplicador de revestimento cerâmico. Os cursos começam já no mês de abril.

Skaf: projeto dá oportunidade de capacitação e emprego

Em seu pronunciamento durante a cerimônia, o presidente da Fiesp e do Senai-SP, Paulo Skaf, elogiou o empenho do prefeito Fernando Haddad e reiterou apoio total à prefeitura.

“O Senai-SP e o Sesi-SP têm essa preocupação com as pessoas. Nós abrimos, todos os anos, um milhão de matrículas por ano no estado de São Paulo. E esse projeto, que é do carinho e vem do coração do prefeito, agora também faz parte do nosso coração.”

Cerca de 15 mil pessoas estão em situação de rua na cidade de São Paulo. Em parceria com Prefeitura,Senai-SP vai capacitar 2 mil pessoas neste ano. Foto: Junior Ruiz/FIESP

Skaf ressaltou que a competência dos secretários municipais e das equipes do Senai-SP dará a velocidade necessária para a execução do programa. “É muita felicidade fazer parte desse projeto que muda a vida das pessoas e dá oportunidade de capacitação e emprego.”

O prefeito Fernando Haddad disse que o objetivo do programa é oferecer alternativas a pessoas em situação de rua. “Estamos dispostos a oferecer não só a capacitação, mas transporte e alimentação. E, especialmente, às mulheres, o apoio necessário, através das redes de apoio.”

Cursos começam em abril

O diretor regional do Senai-SP, Walter Vicioni, explicou que os cursos têm início no mês de abril, em grupos de 200 pessoas, a cada dois meses. Os alunos recebem auxílio para alimentação e transporte, além da chamada “Bolsa Permanência”.

“O aluno irá receber esse adicional [a bolsa] na medida em que tenha aproveitamento dos cursos”, comentou Vicioni, acrescentando que a escolha dos cursos oferecidos levou em conta a oferta de vagas, uma vez que o objetivo é propiciar a empregabilidade dessas pessoas.

Direitos humanos

De acordo com o secretário municipal de Direitos Humanos e Cidadania, Rogério Sottili, o programa trabalha para garantir a dignidade das pessoas em situação de rua.

“Tratar dos direitos humanos é uma questão central do governo, pois muda a vida das pessoas”, afirmou Sottili, ressaltando que o sucesso do programa será fundamental para a atuação transversal das secretarias e a participação de parceiros e da própria população.

O diretor da Faculdade de Direito do Largo São Francisco, Antônio Magalhães Gomes Filho, relembrou ter sido declamado, neste mesmo auditório no ano de 1868, o poema “Navio Negreiro”, marco contra a escravatura no Brasil, por um célebre ex-aluno, o poeta baiano Castro Alves (1847-1871). “Hoje, com muito orgulho, recebemos outro ex-aluno – o prefeito Fernando Haddad – que veio anunciar esse programa que, tenho certeza, vai ter forte impacto na vida das pessoas.”