Comitê da Cadeia Produtiva do Desporto da Fiesp mostra oportunidades no Parapan de Jovens

Graciliano Toni, Agência Indusnet Fiesp

Durante reunião plenária do Comitê da Cadeia Produtiva do Desporto da Fiesp (Code), nesta segunda-feira (30/5), o Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) apresentou oportunidades de patrocínio e de incentivo ao esporte para os Jogos Parapan-Americanos de Jovens 2017, que serão realizados em São Paulo de 15 a 27 de março do ano que vem, com cerca de 1.000 atletas em 12 modalidades. A Federação Paulista de Futebol (FPF) mostrou projetos de iniciação esportiva e de incentivo à capacitação de árbitros para o futebol amador e de treinadores para as categorias de base.

Mario Eugenio Frugiuele, coordenador do Code, conduziu a reunião e explicou que a Fiesp procura divulgar projetos de grande relevância. “Temos que fazer um maravilhoso Parapan”, disse, por seu potencial de motivação. O mesmo vale, afirmou, para os projetos da FPF de capacitação.

Luiz Garcia, do Comitê Paralímpico Brasileiro, explicou a quarta edição do Parapan de jovens, evento que revela atletas paraolímpicos. O mascote é o bugio vermelho, nativo da mata atlântica, e o slogan, Youth Energy. Todos os dias mudamos o impossível, frase de Verônica Hipólito, faz parte da mensagem dos jogos. A sede será o Centro de Treinamento da Imigrantes.

Garcia disse que a Lei de Incentivo ao Esporte permite a captação de R$ 1,5 milhão. E há outras cotas de patrocínio (2 Master, de R$ 1,5 milhão cada, 4 Ouro, de R$ 1 milhão e 2 de Apoio, R$ 500.000).

Jaime Franco, diretor de marketing da FPF, falou sobre oportunidades que a entidade cria e afirmou que leis de incentivo, pelo momento do Brasil, permitem o desenvolvimento do esporte sem o desembolso de novos recursos.

Franco revelou que a FPF resolveu aceitar a contribuição externa para três projetos. O primeiro, chamado Nosso Sonho, já tirou mais de 2.000 crianças das ruas. A intenção da entidade é dobrar a capacidade de atendimento, até agora feito somente com recursos próprios. O segundo tem o futebol amador como foco, com a ideia de capacitar árbitros em 8 cidades, para depois incorporar os melhores ao quadro oficial. O terceiro é de Capacitação de Treinadores da Base. Origem foi o desastre contra a Alemanha em 2014, cuja causa foi identificada como falhas na base. Quer que os 60 clubes de A1, A2 e A3 identifiquem treinadores para ser capacitados gratuitamente. Cada projeto custa cerca de R$ 450.000.

A reunião do Code teve também o relato do trabalho da Fiesp junto à Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Foi instalado o segundo comitê relacionado ao esporte, sobre equipamento de ginástica e condicionamento físico (indoor e outdoor), para criar normas, em trabalho previsto para 12 meses.

O primeiro comitê juntou normas norte-americanas e europeias para pisos esportivos para criar a norma brasileira. Material deve ser entregue à ABNT nesta terça-feira, para adequação, e a expectativa é que a norma seja publicada em cerca de 90 dias.

Victor Hajjar, José Montanaro Jr., Cesar Roberto Leão Graniere, Americo Calandriello Junior, Paulo Sergio Silvestre do Nascimento, Maurício Fernandez, também compuseram a mesa da reunião.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1542667137

O debate na reunião plenária do Code: patrocínio e incentivo ao esporte no Parapan. Foto: Everton Amaro/Fiesp


Verônica Hipólito ganha terceiro ouro, e Sesi-SP tem 100% de aproveitamento no Parapan

Agência Indusnet Fiesp

Verônica Hipólito, atleta do Sesi-SP que representa o Brasil nos Jogos Parapan-Americanos de Toronto 2015, conseguiu nesta sexta-feira (14/8) sua terceira medalha de ouro na competição. Desta vez foi nos 400 m, na categoria T38 (paralisados cerebrais). Seu tempo na prova, 1min03s42, é novo recorde das Américas.

As medalhas de Verônica no Parapan

Ouro – 400 m – 1min3s42 – recorde das Américas – 14/8

Prata – 200 m – 28s6 – recorde pan-americano – 13/8

Ouro – Salto em distância – 4m15 – 12/8

Ouro – 100 m – 13s29 – recorde pan-americano – 10/8

Outra medalha de ouro brasileira, com participação de atletas do Sesi-SP veio no goalbal feminino, com a vitória por 7 a 6 contra os EUA. Com vitória por 10 a 4, também contra os EUA, o time masculino de goalball ficou com a medalha de ouro neste sábado.

Ouro também para o vôlei sentado masculino. O Brasil, com Fabrício da Silva (Sesi-SP), fez 3 a 0 nos EUA. As meninas do vôlei sentado do Brasil (seis delas do Sesi-SP) ficaram com a medalha de prata, disputada também contra os EUA (3 a 0 para as norte-americanas).

Todos os 15 atletas do SESI-SP convocados para a equipe brasileira voltarão com medalhas do Parapan. Aproveitamento de 100% para os atletas da indústria.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1542667137

Verônica Hipólito, atleta do Sesi-SP no Parapan, com suas medalhas. Foto: Divulgação/Sesi-SP

Verônica Hipólito vence 200 m rasos e conquista segundo ouro no Parapan

Amanda Demétrio, Agência Indusnet Fiesp

Verônica Hipólito conseguiu sua segunda medalha de ouro nos Jogos Parapan-Americanos de Toronto. Na tarde desta quinta-feira (13/8), a velocista do Sesi-SP venceu a prova dos 200 metros rasos. Competindo pela classe T38 (paralisados cerebrais), Verônica completou a prova com o tempo de 28s60 e  quebrou o recorde Parapan-Americano. A prata ficou com outra brasileira, Jenifer Martins dos Santos (30s34). Em terceiro lugar, também da classe T38, ficou a mexicana Lucia Muro, com 31s64.

No vôlei sentado feminino, a equipe brasileira, que conta com seis nomes do Sesi-SP, venceu as canadenses por 3 sets a 0 (25/20, 25/11 e 25/12). As meninas enfrentam nesta sexta-feira (14/8) a equipe dos Estados Unidos, às 18h, na grande final dos Jogos Parapan-Americanos. No masculino, os brasileiros venceram a Colômbia por 3 sets a 0 (25/9, 25/18 e 25/12) e também garantiram a vaga na final. Fabrício da Silva, atleta do Sesi-SP, compõe a equipe que volta para quadra logo após as meninas, às 20h. Assim como o time feminino, os meninos do Brasil também enfrentam os norte-americanos em busca do ouro.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1542667137

Verônica Hipólito no pódio, com a medalha de ouro dos 200 m rasos no Parapan

Atletas do Parapan recebem mensagens de boa sorte de pessoas com deficiência participantes de programa da Fiesp

Bernadete de Aquino, Agência Indusnet Fiesp

Integrantes do programa “Meu Novo Mundo”, desenvolvido pela Federação e pelo Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp), que promove inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho, enviaram vídeo desejando boa sorte para os 15 atletas do Serviço Social da Indústria (Sesi-SP), que integram a equipe brasileira nos Jogos Parapan-americanos desde a última sexta-feira (7), em Toronto, Canadá.

[tentblogger-youtube mqDeuxBWVtk]

As mensagens foram para Verônica Hipólito (atletismo); Guilherme Germano Moraes (bocha); Alex de Melo Sousa e Josemarcio da Silva Sousa (goalball masculino); Ana Carolina Custodio, Gleyse Priscila Portioli e Simone Camargo Rocha (goalball feminino); Fabricio da Silva Pinto (vôlei sentado masculino) Andressa Luiza Santos, Edwarda de Oliveira Dias, Gilvania José de Lima, Gizele Maria da Costa Dias, Janaina Petit Cunha, Nathalie Filomena de Lima e Suellen Cristine Dellangelica Lima (vôlei sentado feminino)

Com cartazes, desenhos, frases de incentivo e gritos de guerra, a torcida, muito animada, preparou a surpresa durante as aulas de capacitação técnica e integração em unidades do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai-SP) e do Sesi-SP, instituições parceiras do programa. Os professores, por sua vez, aproveitaram para explicar a origem dos jogos Parapan-americanos e características de cada esporte disputado. Um vídeo com essas imagens foi enviado digitalmente para cada atleta do Sesi-SP que representa o Brasil nos jogos.

Iniciado em fevereiro de 2015, o programa Meu Novo Mundo conseguiu adesão de 30 empresas até o momento, que contrataram mais de 400 pessoas com deficiência para o cargo de aprendiz, por três anos. Simultaneamente essas pessoas iniciam os cursos no Senai-SP e Sesi-SP, em busca de qualificação técnica para o trabalho, maior integração com outros alunos e até para descoberta de talentos no esporte.

Pé-quente

Parece que as boas vibrações estão dando certo e se transformando em medalhas para os atletas paraolímpicos.

Na noite desta segunda-feira (10/8), a velocista do Sesi-SP Verônica Hipólito garantiu medalha de ouro e bateu recorde na prova dos 100 metros rasos, classe T38 (paralisados cerebrais), com o tempo de 13s29.

Na segunda-feira, as seleções masculina e feminina do Brasil de goalball – com dois e três atletas do Sesi-SP respectivamente – conquistaram mais uma vitória cada, a terceira seguida. Nos dois casos, os brasileiros venceram os Estados Unidos.

No vôlei sentado, Fabrício da Silva Pinto e companhia venceram a Costa Rica No feminino, a seleção, que conta com sete atletas do Sesi-SP, venceu o time do Canadá. Gizele da Costa Dias, jogadora da indústria, foi a segunda maior pontuadora da partida, com oito pontos.

Novos bons resultados na terça-feira (12). Foi um duplo 10 a 0 no goalball (no feminino o Brasil venceu a Nicarágua, e no masculino, derrotou a Venezuela) e um 3 a 0 no vôlei sentado (masculino, frente à Colômbia). As meninas do Brasil perderam de 3 a 0 dos EUA.

Verônica Hipólito é ouro nos 100 m rasos dos Jogos Parapan-Americanos

Amanda Demétrio, Agência Indusnet Fiesp

Na noite desta segunda-feira (10/8), a velocista do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) Verônica Hipólito competiu na prova dos 100 metros rasos na classe T38 (paralisados cerebrais). Com o tempo de 13s29, a atleta não só garantiu a medalha de ouro como quebrou o recorde Pan-Americano. Em segundo lugar ficou outra brasileira, Jenifer Martins dos Santos (14s14), e com o bronze, a mexicana Lucia Muro, com o tempo de 14s92.

Ainda nesta segunda, as seleções masculina e feminina do Brasil de goalball conquistaram mais uma vitória cada, a terceira seguida. Nos dois casos, os brasileiros venceram os Estados Unidos. Com dois atletas do Sesi-SP, os homens passaram com facilidade pelos americanos por 9 a 2, enquanto as mulheres, com três atletas da indústria, enfrentaram uma partida mais apertada, vencendo por apenas dois gols de vantagem (3 a 1). Nesta terça-feira, o time masculino enfrenta a Venezuela, às 13h45 (horário de Brasília), enquanto as mulheres têm pela frente a Nicarágua, às 12h30.

No vôlei sentado, Fabrício da Silva Pinto e companhia voltaram a vencer. A seleção brasileira conseguiu mais uma boa vitória ao passar sobre a Costa Rica por 3 sets a 0 (25-11, 25-9 e 25-5). O time volta a jogar nesta terça-feira (11/08), às 10h (horário de Brasília) contra a Colômbia. No feminino, a seleção, que conta com sete atletas do Sesi-SP, venceu as donas da casa por 3 sets a 0 (25-14, 25-12 e 25-7). Gizele da Costa Dias, jogadora da indústria, foi a segunda maior pontuadora da partida, com oito pontos. As meninas também retornam às quadras nesta terça-feira para enfrentar os Estados Unidos, às 20h (horário de Brasília).