Paulo Skaf recebe nadadora do Sesi-SP bicampeã mundial

Amanda Demétrio, Agência Indusnet Fiesp

A nadadora Ana Marcela Cunha, atleta do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP), chegou nesta segunda-feira (3/8) a São Paulo com três medalhas na bagagem, vindo de Kazan (Rússia). Ela trouxe do Mundial de Esportes Aquáticos medalha de ouro nos 25 km, prata nos 5 km em equipe e bronze nos 10 km, medalha que lhe garantiu uma vaga nos Jogos Olímpicos Rio 2016. Ela é bicampeã mundial nos 25 km, prova que ganhou também em 2011 em Xangai.

Ana Marcela foi recebida pelo presidente do Sesi-SP, Paulo Skaf, na unidade da Vila Leopoldina. “Hoje é dia de festa aqui no Sesi-SP, com você (Ana Marcela), suas medalhas e suas conquistas, que são conquistas do Brasil. Você merece todos os aplausos”, disse Skaf, também presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), à atleta.

É no Sesi-Vila Leopoldina que Ana Marcela treina – e como todas as nadadoras da equipe feminina, sente-se em casa.

Dona de 3 das 4 medalhas do país que aparecem no quadro geral da competição até o momento, Ana vibra com o resultado e aposta nos colegas para a evolução desse número. “Pela primeira vez conquistei tudo isso, fico muito feliz de poder fazer história. Acho que estamos só no começo, depois da maratona vem a natação, com várias provas, e acredito que eles trarão mais medalhas para o país”.

Ana Marcela com as medalhas conquistadas em Kazan. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

Ana Marcela com as medalhas conquistadas em Kazan. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

 

“Agradeço muito pela natação feminina crescer o que cresceu nos últimos três anos, tempo em que o Sesi-SP vem investindo, e por encontrar um clube que queira investir na maratona, o que é difícil. Agradeço pelo Sesi-SP ter confiado no meu trabalho e deixo também o meu agradecimento ao [técnico do Sesi-SP e da seleção] Fernando Possenti, estou muito feliz de poder seguir trabalhando com ele”, completou.

>>Ouça entrevista com Ana Marcela

O Sesi-SP semeou um projeto de estímulo à natação feminina no Brasil e colheu ouro. Antes da medalha trazida por Ana Marcela, que venceu a prova de 25 km no Mundial de Kazan (Rússia), veio o ouro de Etiene Medeiros nos 100 m costas em Toronto, o primeiro ganho por uma brasileira em todas as edições dos Jogos Pan-Americanos.

O Projeto Sesi-SP Rendimento Esportivo Natação e Maratonas Aquáticas começou em 2009 na Vila Leopoldina. Foi ampliado a partir de 2010. Hoje funciona também nas unidades de A.E. Carvalho, São José do Rio Preto, Osasco e Sertãozinho. Os atletas são divididos nas categorias Petiz, Infantil, Juvenil, Junior e Sênior.

Etiene Medeiros conquista a primeira medalha mundial da natação feminina

Agência Indusnet Fiesp

Etiene Medeiros (primeira à esquerda) com os companheiros que ganharam o revezamento. Foto: Sátiro Sódré/CBDA

A nadadora do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP), Etiene Medeiros, é a primeira brasileira a conquistar uma medalha mundial na modalidade. O ouro veio nesta quinta-feira (04/12), quando Etiene abriu o revezamento 4x50m misto, nadando costas. Além da atleta do Sesi-SP, a equipe de ouro, que fez o tempo de 1min37s26, foi formada por Felipe França, Nicholas Santos e Larissa Oliveira.

O tempo de Etiene na prova de revezamento foi o melhor do mundo em 2014, o que dá uma boa perspectiva para a prova do nado costas, que será disputada no domingo (07/12)

Também nesta quinta, Etiene nadou a final dos 100m costas e ficou em sétimo lugar, com o tempo de 57s72. “Não deu para nadar melhor, mas estou muito feliz com esta primeira final em um Mundial. Ainda tenho outras provas para disputar”, disse Etiene em entrevista ao SporTV.

Outra nadadora do Sesi-SP, Daynara de Paula conquistou vaga para uma final, nos 50m borboleta. Ela fez o sexto melhor tempo (25s54) e bateu o recorde sul-americano.

Dani Lins e Fabiana (Sesi-SP) dão show e Brasil é ouro em Londres

Jaqueline (08), Thaisa, Sheilla, Dani Lins (camisa 3), Fabi (14) e Fernanda Garay.

Juan Saavedra, Agência Indusnet Fiesp

O Brasil é ouro no vôlei feminino. Em virada sensacional, a equipe do técnico José Roberto Guimarães superou o mau começo no primeiro set e bateu por 3 sets a 1 (11/25, 25/17, 25/20 e 25/17), no ginásio de  Earls Court, o até então invicto time dos Estados Unidos da América (EUA) em uma hora e quarenta minutos de jogo.

Entre os muitos destaques da equipe brasileira na partida está a atuação da levantadora Dani Lins, com atuação de gala. A atleta do Sesi-SP liderou a equipe, mostrando muita segurança nas variações de jogadas, tanto pelo meio de rede como pelas pontas, ajudando ainda com saques táticos que criaram dificuldades para o passe americano. A camisa 3 marcou ainda dois pontos.  

A central Fabiana Claudino, nova contratação do Sesi-SP para a temporada, foi outro destaque, com 14 pontos, sete de ataque e sete de bloqueio. A oposta Tandara, outro reforço do Sesi-SP, entrou em alguns momentos do jogo, marcando um ponto. A maior pontuadora do Brasil foi a atacante Jaqueline, com 18 pontos, seguida de Sheilla, com 15.

O título foi comemorado com uma roda de oração e cambalhotas no meio da quadra. Já no alto do pódio, muita alegria, emoção e lágrimas no momento do hino nacional. Ao final, com as medalhas no peito, as brasileiras homenagearam as cinco atletas que participaram dos treinamentos e foram cortadas na final – entre elas, Sassá, atacante do Sesi-SP.

O Brasil jogou com Dani Lins, Sheilla, Jaqueline, Fernanda Garay, Fabiana, Thaisa e a líbero Fabi. Entraram: Tandara, Paula Pequeno, Fernandinha e Adenízia. José Roberto Guimarães conquistou a terceira medalha de ouro olímpica como técnico.

Sob o comando de Hugh McCutcheon, os EUA entraram com Berg, Hooker, Harmotto, Akinradewo, Larson, Tom e a líbero Davis. Entraram: Hodge, Danielle Scott, Miyashiro e Haneef-Park.

O Brasil conquista a sua segunda medalha de ouro consecutiva no vôlei feminino – a primeira foi em Pequim-2008. Entre as bicampeãs está a central Fabiana (Sesi-SP). A medalha de prata ficou com a equipe dos Estados Unidos, também segunda colocada nos Jogos de 2008. A de bronze, com o Japão.

O jogo

Brasil e Estados Unidos ficaram com ouro e prata. O Japão, com o bronze.

 

No primeiro set, a equipe dos Estados Unidos mostrou seu volume de jogo, enquanto as brasileiras pareciam assustadas. O bloqueio americano funcionou, propiciando vários contra-ataques, abrindo vantagem de 05/01. José Roberto Guimarães pediu tempo, mas os Estados Unidos continuaram bem na defesa e no bloqueio, chegando ao primeiro tempo técnico em 08/03. Errando muitas jogadas de ataque e oportunidades de contra-ataque, o Brasil chegou ao segundo tempo técnico em enorme desvantagem: 16/07. Evitando encarar o bloqueio americano, o Brasil continuou errando muitas bolas – e a equipe de Hugh McCutcheon fechou o primeiro parcial com facilidade impensável: 25/11.

De volta para o segundo set, o Brasil mostrou uma postura mais confiante, abrindo três pontos. Os Estados Unidos empataram, mas o Brasil fez 06/03, forçando um pedido de tempo de McCutcheon, que reduziu para 07/05. Usando o meio de rede, Fabiana fez 08/05 e Jaqueline, 10/06. Em linda bola da levantadora Dani Lins, Fernanda Garay abriu 11/06 da linha dos três metros. Novo pedido de tempo americano funcionou, reduzindo a vantagem para 11/09.  As americanas chegaram ao empate em 12/12.  Sheilla, pela saída de rede, fez 14/12 e 15/12 em largada no fundo.  O segundo tempo técnico veio com 16/12 para o Brasil. Com Dani Lins no saque, o Brasil abriu para 18/12 com Jaqueline. Usando bem as jogadas pelo meio, o Brasil fez 20/14 com Thaisa. O Brasil seguiu bem na partida, abrindo sete pontos (22/15).  Aproveitando o contra-ataque, Fabiana fez 23/15 e chegou ao set point com Fabiana Garay (24/16). O empate veio em jogada do Sesi-SP: Dani Lins para Fabiana fechar em 25/17. Um a um em sets.

A festa da equipe e da comissão técnica logo após o ponto final. Brasil 3 a 1 sobre os EUA.

No terceiro set, já aos gritos de “o campeão voltou” nas arquibancadas, o Brasil prosseguiu bem, abrindo 03/01 e 05/02 em bloqueio da principal pontuadora americana, Hooker. O Brasil chegou a 06/02, forçando o primeiro pedido de tempo americano. Os Estados Unidos reduziram a vantagem, mas o Brasil foi o para o primeiro tempo técnico na frente: 08/05. Virando as bolas de ataque, o Brasil chegou aos 12/08 em contra-ataque. O equilíbrio foi mantido e a equipe de José Roberto Guimarães chegou ao segundo tempo técnico com 16/13 em ataque de Fernanda Garay, explorando o bloqueio. Continuando bem em todos os fundamentos, o Brasil abriu quatro pontos de vantagem com 19/15. As americanas reduziram para 20/18. Mas Jaqueline, muito efetiva no ataque, fez 21/18. Sheilla, novamente bem no jogo, fez 23/19 e 25/20. Dois sets a 1.

No quarto set, as meninas brasileiras mantiveram a tranquilidade. Dani Lins fez 04/02 e Fabiana, de bloqueio, 05/02. Hooker errou um saque (06/03), mas os Estados Unidos encostaram em erro de Fernanda Garay (06/05). A própria Fe Garay se redimiu e aproveitou bola difícil para fazer 07/06. Jaqueline, maior pontuadora brasileira, fez o 08/06 para a primeira parada técnica. As americanas continuaram errando muito e o Brasil, exibindo segurança – Fabiana aproveitou contra-ataque para assinalar 13/09. A seleção brasileira chegou a seis pontos de vantagem em bloqueio de Dani Lins (16/10). Em bola de segunda, Dani Lins abriu vantagem para oito (19/11).  As americanas reduziram para 19/14, mas Dani Lins continuou desequilibrando, com boas variações de jogadas. O Brasil chegou a 23/14. O primeiro match point veio com uma Jaque inspiradíssima. O ponto do jogo e do bi olímpico foi assinalado por Fe Garay: 25/11 e Brasil de volta ao lugar mais alto do pódio.

Muita emoção no pódio - o Brasil é ouro pela segunda vez consecutiva nos Jogos Olímpicos.