Com atividades interativas na Avenida Paulista, Sesi-SP faz alerta sobre saúde auditiva

Ariett Gouveia, Agência Indusnet Fiesp

Para alertar sobre a importância da saúde auditiva, o Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) instalou uma orelha gigante na Avenida Paulista. Dentro dela, as pessoas podem conhecer mais sobre o funcionamento da audição. A ação faz parte da Campanha de Saúde Auditiva, realizada nos dias 27 e 28 de março.

A instalação que simula uma orelha humana está aberta para visita das 9 às 15h. Ao entrar no túnel, os visitantes serão recebidos por um fonoaudiólogo que vai mostrar as partes que formam a orelha, a vibração dos menores ossos do corpo (martelo, estribo e bigorna) e a condução do som da cóclea até o cérebro, além de tirar dúvidas sobre o assunto.

Orelha gigante inflável mostra o funcionamento de ossos do ouvido. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

Orelha gigante inflável mostra o funcionamento de ossos do ouvido. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

 

A estudante Gabriela Scalco, de 22 anos, gostou da visita. “Achei bem bacana, a fonoaudiólogo explicou de uma forma bem clara, com bastante detalhe. Para quem não tem noção nenhuma, deu para entender bem. O ideal seria a gente conhecer tudo no nosso corpo para cuidarmos melhor dele.”

Visitando São Paulo, as baianas Andréa Alves de Souza, de 28 anos, e Isis Carla Cardoso, de 35, aproveitaram a oportunidade de saber mais sobre audição. “Conhecia bem pouco sobre o funcionamento da orelha. Ainda pude esclarecer uma dúvida que eu tinha sobre labirintite”, disse Andréa, que é professora de canto. “Dentro da orelha, consegui escutar os sons da Paulista, vi o quanto é alto. Passamos muitas vezes conversando e nem prestamos atenção. Mas, quando estava lá dentro, percebi o quanto a orelha sofre com o barulho”, comentou a professora de música Isis.

Profissional da área, a fonoaudióloga Daniela Laiz Abramczyk, de 42 anos, aprovou a iniciativa do Sesi-SP. “Queria uma orelha como essa para colocar na empresa em que eu trabalho! De forma lúdica, é possível passar informações básicas, que ajudam a mudar alguns hábitos. O primeiro passo é ter o conhecimento teórico, entender como funciona, que faz com que a pessoa se conscientize e faça alguma mudança”, disse.

“Hoje em dia, a gente sabe que cada vez mais as pessoas têm problema de audição, por causa da poluição sonora e dos hábitos inadequados. Por isso, ações assim são importantes para prevenir problemas. Parabéns para o Sesi-SP.”

Medição de ruído

Além da orelha gigante, o público também poderá assistir o vídeo Audição, do projeto Homem Virtual, e verificar o mapa sonoro local, que faz a medição de ruídos em tempo real. Na tarde desta quinta-feira (27/03), a média na Paulista era de 73 decibéis, nível considerado alto, como explica o engenheiro acústico, Victor Becard.

“A Organização Mundial da Saúde recomenda um nível máximo de 55 decibéis, para garantir um conforto acústico. A Avenida Paulista tem corredor de ônibus, muitos carros, helicópteros, o que gera altíssimos níveis de ruído. Tudo isso torna a situação acústica ruim para a saúde”, explicou Becard. “Teoricamente, as pessoas que andam na Paulista deviam usar protetores nas orelhas para se proteger do ruído”.