Senai-SP contrata como trainees seus alunos que desenvolveram carro elétrico

Alex de Souza, Agência Indusnet Fiesp

Capazes de executar eles já provaram que são. Promover melhorias em um produto, de modo que possa atender às necessidades do mercado, é o desafio que oito alunos do Senai-SP que participaram do projeto e.cub terão a partir de agora, como trainees da entidade. “O Senai-SP oferece ensino profissionalizante de excelência, mas também estimula a inovação e o empreendedorismo. Esses oito alunos venceram uma competição nacional, com o carro sustentável que eles construíram, e sua missão a partir de hoje é aprimorar o projeto”, disse Paulo Skaf, presidente da Fiesp e do Senai-SP, em reunião com os jovens na manhã desta quinta-feira (4 de maio).

O e.cub foi desenvolvido pelos alunos Danilo Rodrigues, Gabriel Marques, Guilherme Alborghetti, Guilherme Augusto de Oliveira, Marcos Iung Junior, Mateus Dezidério, Otávio Barbosa e Vinicius Marques, representando a Escola Senai de Lençóis Paulista e a Escola Senai João Martins Coube, de Bauru.

Eles defenderam as cores do Senai-SP na Olimpíada do Conhecimento 2016, realizada em novembro do ano passado, em Brasília. O carro elétrico desenvolvido pelos alunos foi o grande campeão da categoria Desafio por Equipes. Além de não ser poluente, o carro tem autonomia de 40 quilômetros, em velocidade de até 50 km/h, pesa apenas 250 kg e ocupa pouco espaço, sendo ideal para a locomoção em grandes centros urbanos.

Para mais informações sobre o projeto desenvolvido para a Olimpíada do Conhecimento, vá ao site https://ecub.sp.senai.br/

Paulo Skaf com os novos trainees do Senai-SP, responsáveis pelo desenvolvimento do carro elétrico e.cub. Foto: Ayrton VIgnola/Fiesp

Carro compartilhável do Senai-SP vence Desafio por Equipes da Olimpíada do Conhecimento

Em Brasília, Alex de Souza, Agência Indusnet Fiesp

O E.cub, carro compartilhável desenvolvido por alunos do Senai-SP, é o grande campeão da categoria Desafio por Equipes da Olimpíada do Conhecimento, encerrada neste domingo (13/11) em Brasília. Participaram do projeto os alunos Danilo Moessa Rodrigues, Gabriel Marques dos Santos, Guilherme Alborghetti, Guilherme Augusto de Oliveira, Marcos Iung Thomaz de Jesus Junior, Mateus Luis França Dezidério, Otávio Jordão de Souza Barbosa, Vinicius Silva Marques, da Escola Senai de Lençóis Paulista e da Escola Senai João Martins Coube, de Bauru.
“Mais do que vencer, saímos daqui mais unidos. Esse projeto teve a participação de vários profissionais do Senai-SP e permitiu que esses alunos colocassem o seu melhor para o bem de todos”, afirmou o chefe de equipe da entidade, Ademir Redondo, diretor da Escola Senai João Martins Coube, de Bauru. A vitória na categoria foi fundamental para garantir ao Departamento Regional de São Paulo o primeiro lugar no ranking geral da maior competição de educação profissional das Américas.
Segundo o instrutor Gustavo Pompolini, da Escola Senai de Lençóis Paulista, o resultado é o reconhecimento do trabalho sério e do esforço dos alunos competidores. “Depois de alguns meses de preparação, com muitas horas dedicadas ao projeto, é recompensador ver esses meninos com a medalha no peito. Eles merecem o primeiro lugar, por tudo o que fizeram antes e durante a Olimpíada”, diz o técnico do grupo.
O caminho do ouro

No último dia de competição, o período da manhã foi reservado para testes e avaliações do júri técnico na modalidade Desafio por Equipes. Mas para que tudo estivesse pronto, os competidores trabalharam até a noite de sábado, realizando pequenos ajustes nos veículos. “Tivemos um probleminha eletrônico, mas com o carro todo montado e a parte mecânica funcionando bem, preferimos não alterar o que já estava concluído”, explica Pompolini.
Para conseguir a melhor pontuação geral da prova, o veículo deve atender uma série de requisitos pré-estabelecidos. Seguindo à risca o descritivo, o carro do Senai-SP foi projetado para se locomover com energia elétrica, que pode ser armazenada em bateria ou na placa de energia solar instalada no teto. Por se tratar de um carro compartilhável, o E.cub é um compacto, que abriga somente o condutor. Para ser leve e resistente, o chassi é de alumínio, e a carroceria utiliza fibra de carbono.
“Mais do que ter um design futurista, o E.cub é sustentável. As rodas traseiras têm dois motores elétricos de baixo consumo. Também instalamos um gerador eólico, que capta o ar nas aberturas do para-choque e fornece energia para a Central Multimídia”, detalha o instrutor Pompolini. Ele explica que os faróis e as lanternas são de LED e que a placa solar fornece energia para as baterias, localizadas na parte inferior do carro. O projeto ainda inclui o emprego de um aplicativo para celulares, que informará as estações mais próximas onde o usuário poderá liberar um veículo compartilhável.

O E.cub, carro do Senai-SP vencedor do Desafio por equipes da Olimpíada do Conhecimento. Foto: Adriano Machado/CNI

Competições individuais

A manhã de domingo também encerrou os Desafios Individuais da Olimpíada do Conhecimento, que assim como o Desafio por Equipes, a Avaliação Prática de Estudantes e o Inova Senai, contam pontos para a classificação geral dos Departamentos Regionais do Senai.
A delegação de São Paulo conquistou três medalhas de ouro, uma de prata e uma de bronze. As douradas foram conquistadas por Guilherme Augusto de Oliveira, Gabriel Marques e Marcos Iung, nas modalidades de Controle Industrial, Eletrônica e Polimecânica, respectivamente. O bronze da modalidade ficou com o aluno Matheus Dezidério, que disputou a prova de Manutenção Industrial.
E a medalha de prata do Desafio Individual foi conquistada neste domingo, na Modalidade Torno CNC, pelo aluno Guilherme Alborghetti. “Minha tarefa era fazer uma peça com dois lados, mas com medidas diferentes. Fiz meu melhor, mas não foi o suficiente para ter o ouro. Fico feliz porque o resultado de hoje é melhor do que o obtido na competição estadual”, ressalta o competidor.
Inova Senai

O Senai-SP também fez bonito nesta categoria. O projeto Muleta Simple Easy, da Escola Senai Italo Bologna, de Itu, venceu no quesito Voto Popular e conquistou o segundo lugar em Produto Inovador. O trabalho foi desenvolvido pelo instrutor Arthur Vinicius Dias e pelas alunas Juliana Boff e Bruna Mota.
Durante Olimpíada do Conhecimento uma nova modalidade foi inserida. Participam da modalidade estudantes dos dez Estados mais bem avaliados em cada curso no teste online do Sistema de Avaliação da Educação Profissional (Saep). O objetivo é avaliar a qualidade da educação em cinco cursos técnicos e três de qualificação ofertados pelo Senai: técnico em segurança do trabalho, técnico em edificações, técnico em mecânica, técnico em logística, técnico em eletrotécnica, padeiro, costureiro e operador de computador.
Ao todo, participaram da avaliação prática 180 estudantes em fase de conclusão de curso. A competição, realizada de modo individual, teve duração de seis horas. As notas obtidas na nova modalidade ajudam a compor a pontuação do Estado no ranking da Olimpíada do Conhecimento. Para ganhar medalha de ouro, é necessário que o competidor tenha desempenho superior a 75% dos pontos.
O Senai-SP também disputou a modalidade e conquistou o ouro na modalidade Técnico em Eletrotécnica, com o aluno Pedro Henrique Barboza, da Escola Senai Comendador Santoro Mirone. Em Técnico de Edificações, a prata ficou com o aluno Vitor Camilo Vera, da Escola Senai Orlando Laviero Ferraiuolo, do Tatuapé, em São Paulo. Também da Capital, Jaqueline Rocha Lima, aluna da Escola Senai Horácio Augusto da Silveira, da Barra Funda, recebeu a prata na modalidade Panificação PCD.

Festival de Robótica

Durante a Olimpíada do Conhecimento também houve o Festival Sesi de Robótica First Lego League (FLL), evento demonstrativo que reuniu 27 equipes de escolas públicas e 27 unidades do Sesi de todo o Brasil. A equipe que representou o Sesi-SP é do Centro Educacional 420, de Indaiatuba.
Durante o Festival as equipes apresentaram os projetos da nova temporada da FLL, que tem como tema Animal Allies (Aliados Animais). Além de disputar as provas com robôs, os alunos devem apresentar projeto de pesquisa que tenha o objetivo de encontrar soluções inovadoras para melhorar a interação entre homens e animais.
Prêmio especial

O Senai-SP teve ainda mais um motivo para comemorar, ao vencer o Desafio Senai de Projetos Integradores, na categoria Eficiência Energética. Os alunos da Escola Senai Antonio Souza Noschese, de Santos, participaram com o projeto Sistema de Geração e Captação Energética em Elevadores (Sigceel). Os alunos são Vinicius de Araújo Santos, Rudney Forti Souza, Thainá Gonçalves dos Santos e Arthur Ziliani Andrade.

Skaf recebe 54 competidores do Senai-SP que disputarão Olimpíada do Conhecimento 2016

Alex de Souza, Agência Indusnet Fiesp

Na manhã desta terça-feira (28/6), estudantes do Senai-SP foram recebidos pelo presidente da Fiesp, do Ciesp e do Senai-SP, Paulo Skaf, na sede das entidades. A partir da próxima semana eles representarão o Estado na Olimpíada do Conhecimento 2016, a maior competição de formação profissional do país, que classificará os melhores de cada modalidade para a disputa da WorldSkills 2017, mais importante competição de ensino profissionalizante do mundo.

Dos 54 competidores que formam a delegação paulista, 45 disputarão vagas para a WorldSkills, que será realizada em Abu Dabi, Emirados Árabes Unidos. Outros nove estudantes participam do torneio nacional em modalidades demonstrativas.

Durante o encontro, Skaf desejou sorte ao grupo e ressaltou a importância de São Paulo para a delegação brasileira. “Os alunos do Senai-SP têm contribuído de modo significativo para os resultados da equipe nacional nas últimas edições da WorldSkills. No ano passado, aqui mesmo em São Paulo, o Brasil conquistou 27 medalhas, sendo 11 delas de estudantes do Senai-SP. Isso é fruto do trabalho dos docentes e da dedicação de nossos competidores.”

O diretor regional do Senai-SP, Walter Vicioni Gonçalves, também elogiou os estudantes, que se classificaram para a Olimpíada do Conhecimento depois de disputar o torneio estadual, que reuniu 187 competidores. “Mais que manter escolas, o Senai-SP oferece educação profissional de qualidade. Na Olimpíada do Conhecimento teremos os melhores alunos de São Paulo disputando 40 das 43 modalidades da competição nacional.”

>> Ouça boletim sobre a Olimpíada do Conhecimento

O torneio

Realizada a cada dois anos, a Olimpíada do Conhecimento desafia jovens estudantes a elaborar um projeto teórico e mostrar na prática a melhor forma de executar um processo industrial. Vence a competição o aluno/grupo com maior número de pontos na execução de tarefas, que simulam situações do ambiente real de trabalho.

A competição é composta por provas práticas e teóricas. Especialistas acompanham e avaliam o desempenho dos candidatos em cada etapa do trabalho. Durante os dias de competição, os alunos recebem um projeto para ser interpretado. Depois, eles planejam a execução das tarefas, momento em que seus conhecimentos e habilidades são avaliados.

Paulo Skaf com a delegação do Senai-SP que vai disputar a Olimpíada do Conhecimento 2016. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

Diretoria da Fiesp parabeniza participantes da Olimpíada do Conhecimento

Ariett Gouveia, Agência Indusnet Fiesp

Os 83 alunos do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP) que participaram da Olimpíada do Conhecimento, em setembro, foram recebidos com aplausos, nesta segunda-feira (29/09), pelo vice-presidente, João Guilherme Sabino Ometto, e por diretores da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

Alunos com diretores da Fiesp ao fundo. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

 

No encontro, o diretor técnico do Senai-SP, Ricardo Terra, destacou o desempenho da delegação paulista, que ficou em primeiro lugar na competição, com 21 medalhas de ouro, dez de prata e cinco de bronze, além de sete diplomas de excelência.

“Isso demonstra a assertividade dos investimentos feitos por essa casa. A vinda desses jovens é para agradecer o apoio da Fiesp”, afirmou Terra durante reunião ordinária da diretoria da entidade.

De acordo com Terra, os paulistas estão classificados para a disputa de 33 das 41 modalidades em que o Brasil participará no WorldSkills, em 2015, em São Paulo.

>> Senai-SP é o campeão da Olimpíada do Conhecimento 2014, com 21 medalhas de ouro
>> Veja a lista de medalhistas do Senai-SP na Olimpíada do Conhecimento

Preparação e investimentos vêm gerando resultados, diz diretor técnico do Senai-SP

Alice Assunção e Ariett Gouveia, Agência Indusnet Fiesp, de Belo Horizonte (MG)

O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP) ganhou na noite deste domingo (07/09) um total de 36 medalhas na fase nacional da Olimpíada do Conhecimento. E o diretor técnico da instituição em São Paulo, Ricardo Terra, afirmou que o desempenho dos competidores paulistas superou as expectativas.

“Além de termos conquistado 21 medalhas de ouro, 10 de prata, cinco de bronze e sete diplomas de excelência, não podemos nos esquecer que nessa competição ainda temos os Top 1´s, que em algumas modalidades superou o medalhista de ouro em pontuação”, avaliou Terra no final da premiação em Belo Horizonte. “Então, certamente em algumas modalidades tivemos dois ouros.”

“Caminho que estamos trilhando, em termos de preparação e dos investimentos que foram feitos, tem sido assertivo”. Foto: Everton Amaro/Fiesp

 

A categoria Top 1 foi criada este ano pelo Departamento Nacional do Senai para pré-selecionar e aplicar um treinamento específico aos melhores colocados das etapas estaduais. A estratégia priorizou estados que tem histórico de sucesso em determinadas modalidades. O Senai-SP cedeu 30 competidores Top 1, maior volume entre os demais estados.

“Muitos alunos nossos que foram medalhistas aqui nessa Olimpíada inclusive foram segundo e terceiro colocados na nossa etapa estadual”, disse o diretor técnico.

Terra acrescentou ainda que o desempenho expressivo de São Paulo se deve à estratégia de preparo e aos investimentos que foram feitos na formação profissional pelo Senai-SP.

“Isso demonstra que o caminho que estamos trilhando, em termos de preparação e dos investimentos que foram feitos, tem sido assertivo e tem trazido para nós resultados”, disse.

Competição acirrada

Diretor da escola Suiço-brasileira do Senai-SP e delegado técnico representante de São Paulo, Pedro Teodoro avalia essa disputa nacional da Olimpíada do Conhecimento como uma das competições mais acirradas ao longo do seu envolvimento com o torneio.

“Dos 20 anos que tenho acompanhado [a Olimpíada] essa competição é a mais acirrada entre as primeiras colocações. Não tenho dúvida disso”, afirmou Teodoro.

Segundo ele, que formou um comitê com delegados de outros 25 estados, as decisões se deram por questão de detalhes.

“A gente percebe que os estados cresceram muito. A tecnologia não está mais só em São Paulo, no Rio Grande do Sul. É um movimento natural, assim como a indústria nos últimos 10, 15 anos, que expandiu suas fronteiras”, disse.

Este ano, 53 competidores da instituição em São Paulo participaram de 44 das 48 modalidades da indústria.

A Olimpíada também reconheceu os melhores competidores de cada estado e o melhor do Brasil. De São Paulo, os melhores competidores foram Guilherme Vale dos Santos e Lucas de Sousa Rodrigues, na modalidade Robótica Móvel. Eles também foram premiados como melhores competidores da Olimpíada do Conhecimento de todo o país.

Senai-SP é o campeão da Olimpíada do Conhecimento 2014, com 21 medalhas de ouro

Alice Assunção e Ariett Gouveia, Agência Indusnet Fiesp, de Belo Horizonte(MG)

Campeão da etapa nacional da Olimpíada do Conhecimento 2014, o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP) conquistou 21 medalhas de ouro, dez de prata e cinco de bronze, em 44 modalidades disputadas. O resultado foi anunciado durante cerimônia de premiação encerrada na noite deste domingo (07/09), no Minas Tênis Clube, em Belo Horizonte (MG).

Também foram entregues prêmios especiais aos melhores competidores de cada estado e o melhor do Brasil. De São Paulo, os melhores competidores foram Guilherme Vale dos Santos e Lucas de Sousa Rodrigues, na modalidade Robótica. Eles também foram premiados como melhores competidores da Olimpíada do Conhecimento de todo o país.

>> Veja a lista de medalhistas do Senai-SP na Olimpíada do Conhecimento

 

Delegação do Senai-SP: 21 ouros, dez pratas e cinco bronzes. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp


Para abrir o evento, o diretor do Departamento Nacional do Senai, Rafael Lucchesi, afirmou que a realização do torneio nacional reflete o desejo da instituição de contribuir para o desenvolvimento igualitário do país.

“É isso que queremos: construir um Brasil com mais equidade social e mais do talento aliado ao trabalho”, disse o diretor.

Segundo ele, o Senai matricula ao menos quatro milhões de alunos em todo o Brasil. “A oportunidade de cada um de vocês está multiplicada em muitos que não estão aqui, mas temos que multiplicar muito mais”, afirmou Lucchesi aos mais de 800 alunos competidores na noite deste domingo.

“Não queremos a geração nem-nem, onde mais de cinco milhões de jovens brasileiros nem estudam, nem trabalham”, concluiu.

O primeiro show do dia foi do rapper Gabriel, o Pensador, que também foi o mestre de cerimônias, ao lado da atriz Danielle Suzuki. “Já trabalhei para o Sesi e para o Senai e minha irmã é professora de moda do Senai”, contou o músico, que pediu palmas para os professores.

Nos intervalos das premiações, o público se divertiu com a apresentação de humor com Felipe Pontes, que imitou personalidades famosas como o apresentador Luciano Huck e o ator Murilo Benício. O show de encerramento foi da banda mineira Jota Quest.

Assista ao vídeo

 

Competição acirrada

Diretor de uma das escolas do Senai-SP e delegado técnico representante de São Paulo, Pedro Teodoro, avalia a disputa nacional da Olimpíada do Conhecimento como uma das competições mais acirradas ao longo do se envolvimento com o torneio.

“Dos 20 anos que tenho acompanhado [a Olimpíada] essa competição é a mais acirrada entre as primeiras colocações. Não tenho dúvida disso”, afirmou Teodoro, que dirige a unidade Suíço-Brasileira, na capital paulista.

Segundo Teodoro, que formou um comitê com delegados de outros 25 estados, as decisões se deram por questão de detalhes. “A gente percebe que os estados cresceram muito. A tecnologia não está mais só em São Paulo, no Rio Grande do Sul. É um movimento natural, assim como a indústria nos últimos dez, 15 anos, que expandiu suas fronteiras”, analisou Teodoro.

Veja a lista de medalhistas do Senai-SP na Olimpíada do Conhecimento

OURO

– Polimecânica: Raphael Gomes Dias
– Manufatura integrada: Alex Massayuki Yonekubo, Fabiana Bonacina e Guilherme Henrique Attis Campanez
– Fresagem CNC: Alafi Silva dos Santos
– Soldagem: Lucas Berto de Lima
– Robótica móvel: Guilherme Vale dos Santos e Lucas de Sousa Rodrigues
– Estruturas metálicas: Guilherme Bezerra Macedo
– Instrumentação e controle de processos: Leonardo Messias Fadoni
– Construção de moldes CNC: Renan Ferreira Giarola Guimarães
– Mecânico industrial: Felipe Silva de Oliveira
– Panificação: Iracema de Arruda Vilalva
– Sistema de transporte da informação (STI): Thayná Silva Martins
– Webdesign: Kevin Dantas Shih
– Aplicação de revestimentos cerâmicos: Thiago Augusto Blanco da Costa
– Pintura decorativa: Bruna Monteiro da Silva
– Marcenaria de móveis: Diego Soares de Oliveira
– Carpintaria de telhados: Luiz Felipe de Moraes de Souza
– Funilaria: Matheus de Sousa Arruda
– Manutenção de aeronaves: Bruno Cesar Dina
– Pintura automotiva: Caio Freitas Silva
– Joalheria: Lucas de Almeida Silva
– Design gráfico: Giovanny Favinha Donda

PRATA

– Tornearia CNC: Maicon Roberto de Oliveira Caetano
– Eletrônica industrial: Davi Gazito Carmelutti
– Metrologia dimensional: Luis Felipe Pereira Angelin
– Tecnologia de mídia impressa (impressão offset): Beatriz Luna Lourenço
– Tecnologia da informação (TI) para PCD: Fernanda Paiva da Cunha Rosa
– Eletricidade predial: Lucas Pardinho Morais
– Construção em alvenaria: Rafael da Silva Martinello
– Marcenaria de estruturas: Hugo Ferreira da Cruz
– Jardinagem e paisagismo: Leticia Rodrigues e Mirian Aparecida Dias
– Tecnologia da moda: Jéssica Bardelli

BRONZE

– Modelagem de protótipos: Jhonata Leal do Nascimento
– Segurança do trabalho: Wellyngton Tadeu Ribeiro Labes
– Confeitaria: Rafael Luís Pereira
– Solução de software: Miguel Correa do Nascimento
– Refrigeração e ar condicionado: Jonas Lucas dos Reis Teixeira

De aluno a diretor, Senai-SP multiplica excelência revelando talentos entre seus alunos

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp

Pedro Teodoro (à direita) acompanhando o presidente da Fiesp e do Senai-SP, Benjamin Steinbruch (centro), durante visita a laboratórios do Senai-SP ao lado do diretor técnico Ricardo Terra (esquerda). Foto: Everton Amaro/Fiesp

A edição 2014 da Olimpíada do Conhecimento conta com 26 delegados técnicos responsáveis por decisões na maior competição profissional do país. Um deles é Pedro Teodoro, diretor escola Senai Suíço-Brasileira, unidade do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP) no bairro de Santo Amaro, zona sul da capital paulista.

A curiosidade: nos anos 1990, ele estava do outro lado do torneio, como competidor.

Teodoro se tornou aluno do Senai-SP no segundo semestre de 1990 e, desde então, sua relação com a instituição ficou mais próxima.

Hoje, diretor e representante de São Paulo na fase nacional da disputa, ele acredita que o sofisticado nível de ensino e aprendizagem do Senai-SP aumente a identificação do aluno com a instituição, o que faz com que estudantes mais tarde se tornem professores e diretores na entidade.

“O Senai-SP vive numa condição de oferecer um serviço de educação profissional que é uma ilha de excelência no nosso país. Então, as nossas escolas cumprem seu papel, têm tecnologia e o nosso professor é um profissional que é valorizado”, garante Teodoro.

O diretor disputou uma Olimpíada no Conhecimento em 1994, na cidade de Limeira, interior de São Paulo. “Participei do torneio de formação profissional numa outra realidade, onde não havia essa estrutura”, lembra, ao calcular que o número de participantes era de cerca de 150, enquanto a edição deste ano tem 800 competidores.

Em 1995 ele representou o Brasil no WorldSkills, na França. No ano seguinte, iniciaria sua carreira no Senai-SP ao ingressar em uma escola da região central de São Paulo como instrutor de mecânica.

Pedro Teodoro: Senai-SP forma profissionais com diferenciais únicos.. Foto: Everton Amaro/Fiesp

“Na minha época foi diferente porque fui um dos pioneiros que deixou a Olimpíada e passei a exercer a atividade de docência. Eu era muito jovem ainda, fui professor aos 19 anos”, conta.

“Quando se tem oportunidade de trabalhar na instituição que te formou, além de ser oportunidade de carreira muito boa, também existe essa identificação do prazer de exercer essa profissão.”

Exemplos como o de Teodoro tem feito parte de uma estratégia do Senai-SP de multiplicar o padrão de aprendizagem. A instituição segue modelos internacionais onde alunos promissores são aproveitados como professores.

“Se a gente pegar os modelos de educação mais eficientes no mundo, como o Finlândia, Suíça, Alemanha, Estados Unidos e Canadá, não existe modelo educacional que não valorize o professor”, diz o diretor. “É uma prática muito simples, óbvia, mas que a gente não tem como algo comum no Brasil, que é valorizar os seus melhores estudantes e capacitá-los para, quando eles concluem sua formação, serem seus docentes”, complementa.

Teodoro ressalta ainda que, ao ver exemplos bem sucedidos no Senai, os alunos da instituição se sentem motivados para seguir a carreira de professor. “Hoje nossos estudantes veem essa possibilidade num horizonte mais próximo, é um objetivo de carreira que é exequível”, afirma.

Olimpíada ‘potencializadora’

O diretor explica que, além do programa de ensino do Senai potencializar os talentos de seus alunos, a Olimpíada do Conhecimento é uma complementação desse esforço.

“Se somarmos toda a carga horária de formação [do Senai-SP] e esse aluno ainda participa de um evento como esse, está claro que se forma profissionais com diferenciais únicos”, avalia.

‘Olimpíada prepara os alunos para a vida, que é uma competição’, diz diretor do Senai

Ariett Gouveia, Agência Indusnet Fiesp

Fabio Rocha: medalha de ouro é importante, mas o mais importante é o processo. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Nos laboratórios da unidade do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP) no Ipiranga, especializada em automobilística, montadoras concorrentes estão lado a lado. Veículos nacionais e importados, motos, carros e até caminhões, são quase 60 empresas parceiras que confiam na escola para treinar seus funcionários.

Resultado de um trabalho que inclui investimento, formação de docentes e busca constante por melhores, ela é uma das escolas de referência da rede Senai-SP e com ótimos resultados na Olimpíada do Conhecimento. O diretor da escola do Ipiranga, Fabio Rocha, é um incentivador da competição, por já ter participado na década de 90, quando chegou ao Mundial.

“Qual o legado da Olimpíada? Prepará-los para a vida, porque a vida é uma competição. No trabalho, é entregar uma peça com boa qualidade, na hora certa, no prazo certo”, diz Fabio.

“É o que a Olímpiada exige: planejamento, experiência em competir, ter que apresentar resultado de qualidade, trabalhar sob pressão, com metas e resultados. Os competidores carregam isso para a vida. A medalha de ouro é importante, mas o mais importante é o processo.”

Além do benefício para o aluno que participa da competição, Fabio defende a importância da Olimpíada para a escola, que recebe equipamentos e ferramentas atualizadas com o que há de melhor mundialmente e mantém os professores treinados. Mas acredita que a Olimpíada é um dos processos educacionais do Senai.

“Ao longo dos 50 anos dessa escola, o Senai sempre vem fazendo um trabalho sério. Por isso, a cada ano conquistamos novos parceiros, melhora a formação dos docentes e mais gente quer estudar aqui”, diz o diretor que chega a ter uma média de 15 inscrições por vaga no curso e forma 18 mil profissionais por ano.

As empresas da área automobilística também dão o aval de qualidade do Senai-SP do Ipiranga. “Não sou eu que digo que essa escola é uma referência, é o mercado. Temos muito orgulho por ter o reconhecimento das marcas que estão aqui. E por meio dessas parcerias, estão sempre atualizados com relação ao veículo, equipamento, ferramenta, insumos.”

Para o professor de funilaria Francisco Ivo Miranda, no Senai-SP há 17 anos, colocar o que se aprende em prática, uma característica de todos os do Senai, é o que garante o interesse dos alunos. “A parte teórica é 25% do curso, ou seja, 75% é de prática, em que o aluno vai realmente para a oficina fazer o serviço. No Senai, o aluno aprende fazendo.”

Mais do que isso, os professores vão além da técnica e buscar formar cidadão. “A gente não está ensinando apenas alunos, estamos formando homens para o mercado de trabalho, passando conceitos de organização, limpeza, responsabilidade. Queremos que eles saiam da escola como profissionais completos, sabendo teoria e prática, cumprindo horário, entregando trabalhos com perfeição.”

Alunos

Os competidores da unidade do Senai-SP do Ipiranga na Olimpíada do Conhecimento são a prova que o investimento (que inclui equipamentos, capacitação dos docentes, acompanhamento psicológico, preparação física, nutricionista e assistência médica e odontológica) dá resultado.

“No Senai-SP que eu descobri a vocação para a funilaria. Eu conhecia, mas não atuava nessa área”, conta Fernando Marcos José Reis Silva, 19 anos, competidor da modalidade funilaria automotiva.

“Antes eu não sabia muito o que eu queria, em que área ia trabalhar, que é normal para qualquer jovem quando acaba o ensino médio, pensar “e agora? O que eu faço?”. Mas o Senai-SP me deu essa oportunidade. Agora tenho um bom currículo, me sinto mais capacitado para o mercado de trabalho. Como pessoa e como profissional, o Senai-SP me instruiu bastante”, afirma.

Para Caio Freitas, de 19 anos, competidor em pintura automotiva, o diferencial do Senai-SP é a exigência pela qualidade. “Nos treinos, o que eu sou mais demandado é O que mais sou demandado é pela qualidade do serviço, também pelo planejamento e ser criterioso”, diz o estudante.

“É uma modalidade que exige isso, desde a limpeza de uma peça que vai ser pintada até a qualidade de um lixamento. Se o trabalho tiver um defeitinho no começo, vai refletir no final, no resultado. Vou levar isso para o meu trabalho para o resto da vida”, revela Caio, que pretende seguir na carreira, mas ainda está em dúvida sobre o curso superior: química, para aprender sobre a produção da tinta, e tecnólogo em automobilística.

Com cursos voltados para pessoas com deficiência, o Senai-SP do Ipiranga também tem representante na categoria PCD: Robson Expedito de Paula Braz, de 20 anos, na modalidade mecânica.

Morador da zona leste de São Paulo, ele chega a demorar até três horas para chegar a escola, diariamente. Mas sabe que é um esforço que compensa. “A cada dia que passa, conheço coisas novas, obtenho mais conhecimento. Pretendo dar sequência na carreira de mecânica, sem deixar de lado o esporte”, conta o aluno, que é halterofilista e tem chance de disputar as Paralimpíadas.

“A deficiência é um desafio a mais para mim. Acho que se eu não tivesse uma deficiência, não teria realizado sonhos”, imagina Robson, que busca o otimismo sempre. “Todo mundo tem seus altos e baixos, mas quando estou nos meus baixos, luto para levantar a cabeça e seguir em frente.”

Projetos do Senai-SP levam sete de 15 prêmios no Inova Senai

Alice Assunção e Ariett Gouveia, Agência Indusnet Fiesp, de Belo Horizonte (MG)

São Paulo tem muito o que comemorar. Dos 15 projetos premiados no Inova Senai, mostra que incentiva e premia ideias inovadoras e com potencial de mercado, sete são de alunos e professores do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP). A cerimônia de premiação aconteceu na noite deste sábado (06/09), em Belo Horizonte (MG), como parte da programação da Olimpíada do Conhecimento.

Destaque para o trio Lia Costa, Márcia Boiko e Natália de Toledo, da Escola Senai “Francisco Matarazzo”, no Brás. Elas receberam o primeiro lugar em Tecnologia Industrial de Produto, uma das cinco categorias da mostra, com a criação da “Fralda hospitalar para pré-maturos extremos”, confeccionada para atender às necessidades anatômicas, fisiológicas e de conforto de bebês prematuros extremos (que nascem com menos de 1 kg de peso) em unidades de terapia intensiva neonatais.

A comemoração das autoras do projeto “Fralda hospitalar para pré-maturos extremos”. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

 

O Senai-SP também foi reconhecido com a segunda e a terceira colocação na categoria Tecnologias Indústrias de Processo.

A segunda posição ficou com o grupo formado por Abel Mendes, Bruno Beveari, Letícia Braga e Marlene Dely, da escola Senai “Theobaldo de Nigris”, na Mooca. Eles apresentaram o “Print Test”, equipamento capaz de produzir mancha de tinta sobre o papel, criando uma “prova de cor” – instrumento vital para todos os profissionais envolvidos na produção do material gráfico.

Já o terceiro lugar é de uma equipe do Centro de Treinamento Senai “Ettore Zanini”, em Sertãozinho. O quarteto formado por Tarso Tristão, Daniel Saran, Renato Bolsoni e Geraldo Andrade Junior desenvolveu o “Sistema Digital de Eficiência Energética”, que permite controlar as grandezas medidas e faturadas pelas concessionárias de energia e todas as demais fontes de energia de uma unidade, evitando multas e desperdícios, propiciando uma alta eficiência energética.


Projetos inclusivos

Na categoria Tecnologias Inclusivas, mais dois projetos paulistas ganharam troféus.

Em segundo lugar ficou a “Inclusion-Cadeira Odontológica para Cadeirantes”, de Milton Scarpelin, José Augusto de Almeida, Filipe Florêncio e Giovane Coletti, da escola Senai “Mário Dedine”, de Piracicaba. A cadeira é girada, permitindo o uso da plataforma pelo paciente cadeirante, atendido em sua própria cadeira de rodas.

Em terceiro, a equipe de escola Senai “Ítalo Bologna, de Itu, integrada por Murilo Gianotto, Lucas Pranstete, Henrique Mitsugui e Arthur Dias, com “Estante para PCD”, artefato com prateleiras móveis automatizadas que se movimentam em sentido vertical, sistema similar ao de uma roda gigante.

No Voto Popular, escolha dos visitantes do ExpoMinas, outros dos projetos do Senai-SP foram reconhecidos: “Palmilha Geradora de Eletricidade”, em segundo, e “Processo de Automação Residencial para as Classes C e D”, em terceiro.

Criado por Antonio José Cleto, Rafael Fernandes Leme e Lucas Ferreira dos Santos, do Centro de Treinamento Senai “Edward Sávio”, em Jaú, a “Palmilha Geradora de Eletricidade” aproveita a energia mecânica que a pressão dos pés exerce sobre o solado do calçado para conversão em energia elétrica, armazenada em baterias, as quais podem ser utilizadas posteriormente para as mais diversas finalidades.

Já o “Processo de Automação Residencial para as Classes C e D”, de Anderson Oliveira, Rafael Pereira, Amanda Fernandes e Daniel Xavier, da escola Senai “Manuel Garcia Filho”, de Diadema, proporciona segurança e acessibilidade a idosos e deficientes físicos ao controlar portas, portões, iluminação, por meio de um celular, reduzindo a ocorrência de acidentes domésticos. Seus diferenciais são simplicidade e baixo custo, sendo acessível a pessoas de baixa renda.

O Inova Senai

Leal: Todos podem desenvolver sua capacidade de se tornar mais criativos". Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

Nesta edição, o Inova Senai recebeu 240 inscrições de ideias inovadoras para indústria e selecionou os 50 projetos mais exequíveis no mercado e criativos.

Durante a premiação, o diretor de operações do Senai, Gustavo Leal, avaliou que a mostra tem evoluído nos últimos anos.

“[O Inova Senai] vem trazendo o DNA do que queremos fazer. O Senai tem uma enorme preocupação em formar bem seus técnicos, mas também em difundir metodologias de desenvolvimento de produtos”, explicou Leal.

“Todos podem desenvolver sua capacidade de se tornar mais criativos. Estamos preocupados em preparar as pessoas para trabalhar nessa indústria do futuro, moderna e competitiva”, disse o diretor.

Ele ponderou, no entanto, que o Brasil ainda não conseguiu “chegar lá” em termos de inovação. Mas “para chegar lá, a gente precisa de gente que faz a diferença”.

País atrasado

Bel Pesci: “A sorte só abre as portas para os preparados”. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

Integrante da banca avaliadora de projetos e representante de um fórum de investidores, John Jackson Buttier, afirmou durante a premiação que o Senai tem feito sua parte para estimular a inovação no país.

“Muitos falam que nosso país está atrasado, mas quem faz a sua parte? O Senai está fazendo sua parte. A melhoria contínua da indústria é uma ode a insatisfação, é uma característica do inovador”, avaliou.

Também participou da cerimônia Bel Pesci, fundadora do programa educacional Faz Inova. No evento, a empreendedora contou sua trajetória profissional, o desafio estudar no MIT e sobre os projetos que fracassaram.

“A sorte só abre as portas para os preparados e para quem corre atrás”, disse Bel.

Entenda a categoria Top 1, criada este ano para a Olimpíada do Conhecimento

Alice Assunção e Ariett Gouveia, Agência Indusnet Fiesp, de Belo Horizonte (MG)

Ao menos 800 alunos do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) disputam as melhores colocações em 58 ocupações da indústria na fase nacional da Olimpíada do Conhecimento. São Paulo é representado por 83 competidores, trinta deles na categoria Top 1, programa criado este ano pela instituição para preparar melhor os competidores brasileiros para a próxima WorldSkills, etapa mundial do torneio que acontece em 2015 em São Paulo.

Apesar de viajarem para Belo Horizonte, sede da Olimpíada, e realizarem as provas, os competidores Top 1 não cumprem os desafios para pontuar nessa etapa nacional, uma vez que já estão pré-classificados para a seletiva que define quem representa o Brasil no Mundial em 2015. Mas o objetivo de sua participação na disputa é aprimorar sua técnica em meio a critérios e rigores muito parecidos com os do torneio internacional.

Alunos Top 1 estão pré-classificados para a seletiva que define quem representa o Brasil no Mundial em 2015. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

“O que acontece é que eles não vão ser colocados no ranking de premiação, mas vão ser avaliados pelos mesmos critérios e os Top 1 têm de atingir um índice mínimo”, explica o diretor Marcel Porto, responsável por uma das unidades do Senai-SP no interior de São Paulo.

Ele acrescenta que o índice mínimo será a pontuação atingida pelo medalhista de ouro da modalidade disputada pelo Top 1 na fase estadual. A vaga dos Top 1 no mundial não está, no entanto, garantida.

Esses jovens campeões de seu estado já selecionados previamente vão disputar a classificação para o WorldSkills com os vencedores da fase nacional, que termina neste domingo (07/09).

No dia do encerramento, teremos três top 1´s em uma modalidade. Desses três, vamos fazer uma outra competição, para ficar com um estado apenas representando o Brasil”. O diretor complementa que as datas e locais da disputa pelo melhor de três ainda serão definidos.

Porto esclarece que essa rigorosa peneira foi pensada para escolher o melhor representante brasileiro no campeonato internacional, o World Skills. Ainda segundo o diretor, o Senai criou essa categoria para abranger os estados com melhores históricos de pontuação na Olimpíada em diversas ocupações industriais.

“No campeonato estadual, tivemos um vencedor em determinada modalidade. Digamos que São Paulo tenha histórico nessa modalidade e Minas Gerais também, então já temos dois Top 1´s”, diz Porto.

“A gestão de treinamentos deles está sendo feita pelo Departamento Nacionale os estados cuidaram do treinamento de seus segundos melhores pontuadores”, completa Porto, referindo-se à divisão nacional da instituição que aplica testes semelhantes aos de torneios mundiais anteriores.

Competidores

Preparados para o desafio que tem pela frente, os top 1’s do Senai-SP estão focados na conquista da vaga para o WorldSkills.

“Meu objetivo sempre é chegar em primeiro. Fui para o estadual já pensando em ganhar a medalha de ouro também no Nacional e no Mundial. Meu treinador foi medalha de prata no Mundial e quero superá-lo”, declara Patrick Herman Andrade da Conceição Ens, aluno da escola Suíço-Brasileira, que compete na modalidade Tecnologia da informação – solução de softwares.

Além de apaixonado por computadores, Ens também sempre gostou de competir. Por isso, assim que descobriu a Olimpíada do Conhecimento, quis participar. No Estadual ficou em primeiro e conta que conseguiu fazer mais coisas do que no treino. “Funciono melhor sob pressão.”

O aluno acredita que vai alcançar seus objetivos. “Estou confiante, mas ainda falta treinar muita coisa, porque a área de tecnologia da informação é muito ampla, é possível fazer tudo. Mas é isso que faz ser mais interessante.”

Para o top 1 de sistema de transporte da informação (STI), Danilo Rodrigues Oliveira, a Olimpíada é o momento de mostrar tudo que aprendeu, tanto na parte técnica como pessoal.

No começo, as provas eram meio estressantes. Depois acabei pegando gosto. A Olimpíada ajuda a amadurecer, porque é o momento de dar o seu melhor. Ser bom na hora em que está tudo calmo é fácil. Mas quando tem uma pressão ou uma dificuldade e não tem ninguém para ajudar, a gente mostra o profissional que é.”

Os ensinamentos do Senai-SP, entre eles, os treinos para a Olimpíada também ajudaram a formar o top 1 Mailson Valerio de Oliveira, aluno da escola Roberto Simonsen do Brás e competidor na modalidade Construção de moldes CNC.

Treinando cerca de 10 horas por dia e fazendo curso técnico à noite, Oliveira sai de casa por volta das 5h30 e volta pouco antes da meia-noite. Mas está certo de que superar essas dificuldades compensa.

“Acredito que todo o esforço vai valer a pena, porque gosto do que eu estou fazendo. Acordar cedo e dormir tarde não é uma tarefa fácil, mas com o Senai-SP aprendi a lidar com as dificuldades. Muitas coisas que aprendi no Senai-SP levo para a minha vida pessoal, como a organização, comprometimento, responsabilidade”, afirma.

“Vejo muita gente que terminou o curso no Senai-SP mas não aproveitou tudo que podia. Acho que as pessoas têm que escolher bem, entrar em um curso na área que gosta, que o Senai-SP oferece muitas opções e ir com vontade, participar do curso. Vale a pena!”

Olimpíada do Conhecimento tem modalidade de inseminação artificial em animais

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp, de Belo Horizonte (MG)

A edição nacional da Olimpíada do Conhecimento em Belo Horizonte, recebe pela primeira vez em sua arena de competição, no centro do convenções da Expominas, um grupo de 14 estudantes de engenharia pecuária e agrícola para provas em três novas modalidades. A que mais chama atenção é o espaço de inseminação artificial em animais, local que, além dos alunos, abriga as vacas a serem inseminadas.

Antes de fazer a inseminação artificial na vaca, os competidores treinam para lidar com os animais. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

As três novas ocupações inseridas na Olimpíada este ano são fruto de uma parceria do Departamento Nacional do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) com o Instituto Federal de diversos estados.

“É a primeira vez que participo da Olimpíada do Conhecimento e estamos buscando nos adequar ao sistema de provas”, explica o avaliador do Instituto Federal do Espírito Santo, Nilson Nunes Morais Júnior.

Embora não tenha na prova nenhum participante de São Paulo, Morais Júnior reconhece que a capital paulista é referência em tecnologias de inseminação artificial. “O nosso objetivo é ser como São Paulo.”

Antes de fazer a inseminação artificial na vaca, os competidores, a maioria de Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro e Piauí, treinam para lidar com os animais. São 15 minutos que cada participante passa preparando e conhecendo o animal que vai inseminar.

Em uma outra prova o competidor treina em manequins como introduzir o aplicador de sêmen no aparelho reprodutivo do animal. Um braço é introduzido no reto do animal de modo a preparar o local exato de inseminação do sêmen, geralmente de um boi de linhagem sofisticada, que será colocado com um aplicador introduzindo desde a vagina do animal até a região mais intacta do aparelho reprodutivo, ou seja, a região limpa, explica Júnior.

“O objetivo da inseminação artificial é de melhoramento genético e ganho de produtividade. Indiretamente a qualidade da carne e do leite vai melhorar também”, esclarece o avaliador.

Os competidores, todos estudantes de institutos federais, também são responsáveis por descongelar o sêmen, preparar materiais como o aplicador, pinça e luvas.

Nesta sexta-feira (05/09), depois de todas as etapas cumpridas, os 14 competidores da modalidade fazem a inseminação em vaca em curral montado nas dependências da Olimpíada do Conhecimento.

Olimpíada de realização

O avaliador Nilson Júnior se mostrou bastante impressionando o nível de execução das provas da Olimpíada do Conhecimento.

“Aqui a realização exige um nível de conhecimento teórico que achei incrível. Mas aqui o cara tem de mostrar que conhece muito bem aquilo que ele está fazendo”, afirma.  “Essa Olimpíada é diferente na execução e na maneira de resolver o problema.”

Com mais de 800 alunos participantes em 58 modalidades, a Olimpíada do Conhecimento chega ao fim neste sábado (06/09) e os vencedores da oitava edição nacional do torneio serão conhecidos neste domingo (07/09).

Unidade do Senai-SP em Bauru mostra sua força na Olimpíada do Conhecimento

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp, de Belo Horizonte (MG)

Na etapa estadual da Olimpíada do Conhecimento, a unidade de Bauru do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP) ganhou 11 medalhas de ouro, quatro de prata e sete de bronze. Na etapa nacional, disputada em Belo Horizonte (MG), o diretor da escola, Ademir Redondo, espera que pelo menos 70% do grupo leve alguma medalha de volta para casa ao final da cerimônia de premiação no próximo domingo (07/09).

Escola de Bauru do Senai-SP conta com 15 alunos, incluindo competidores e a categoria top 1. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

 

Das 31 escolas paulistas com representantes na Olimpíada do Conhecimento, em uma delegação com 83 alunos, o Senai-SP de Bauru é o que tem a maior delegação. São 15 alunos, incluindo competidores e a categoria top 1, que são alunos pré-selecionados para uma seletiva para o World Skills 2015, na capital paulista.

Segundo Redondo, o motivo do sucesso da escola é o investimento na capacitação dos professores. “Não é só o aluno que se sai muito bem. Todos os competidores são muito bem preparados para a indústria. O Senai-SP tem investido bastante na preparação e capacitação dos docentes. Temos professores que foram para os Estados Unidos, Alemanha”, afirma Redondo. “Agora em setembro tem uma feira de automóveis na Alemanha e vai um instrutor nosso”, completa.

O diretor esclarece ainda que a visão de atualizar e modernizar para melhorar os processos industriais também parte dos próprios instrutores e preparadores de alunos de Bauru para a Olimpíada.

Qualificação dos alunos de Bauru é resultado de investimento na preparação e capacitação dos docentes, de acordo com diretor da escola, Ademir Redondo. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

“Temos muitos instrutores nossos que foram competidores nas versões anteriores. Depois foram para a indústria, pegaram um pouco de experiência e voltaram hoje como instrutores”, explica “Eles voltam com essa visão que é necessário um instrutor ser atualizado, buscar novos recursos internacionais e trazer para os alunos”, complementa.

A delegação é de 15 alunos, mas o Senai-SP de Bauru disputa em 13 modalidades já que uma das ocupação exige formação de três competidores para executarem as provas que simulam o processo industrial desde o projeto, desenho e cálculo de custos até a fabricação do produto.

“Espero que tenhamos no mínimo uns 70% de aproveitamento, talvez ouro e prata, talvez bronze”, diz o diretor.

Na Olimpíada do Conhecimento de São Paulo, a escola de Bauru levou ouro em modalidades como Mecânica de Automóveis, Drywall, Revestimento Cerâmico, Instalação de Água e Gás, Eletricidade Predial, Eletricidade Industrial e Manufatura Integrada.

De 53 competidores paulistas da Olimpíada do Conhecimento, 11 são mulheres

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp, de Belo Horizonte (MG)

A presença de competidoras do sexo feminino na etapa nacional da Olimpíada do Conhecimento reflete uma realidade que aos poucos vem sendo alterada no setor de produção manufatureira. Seja por conta da tecnologia, que proporciona maquinários mais leves, ou pela mudança de pensamento, as mulheres assumem cada vez mais postos antigamente ocupados somente pelos homens na indústria.

Fabiana Bonacina (de boné) tem a função de desenhar, operar e programar o centro de usinagem e montar peças. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

 

Fabiana Bonacina tem 20 anos e representa a unidade do município de Pompeia do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de Sao Paulo (Senai-SP), na disputa que vai até sábado (06/09). Ela trabalha em conjunto com dois colegas: Alex Massayuki e Guilherme Campanez, também de Pompeia. O desafio do grupo é construir uma empilhadeira de controle remoto para levantar 50 quilos. Sua função é desenhar, operar e programar o centro de usinagem e montar peças.

A moça acredita que há uma mudança gradual do papel da mulher na indústria que parte tanto dos homens como das próprias mulheres. Mas a imagem de um grande maquinário ou ferramentas ainda pode ser encarada com certa rejeição pelas meninas no momento de escolher uma profissão.

“A máquina é algo bruto, tem que sujar a mão então, às vezes, as meninas ainda ficam meio assim e decidem fazer outras coisas”, diz Fabiana, que fez o curso de mecânica e usinagem do Senai-SP e hoje estuda engenharia de produção.

Para Alex Massayuki, a visão de Fabiana para os detalhes é importante para o resultado do projeto. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

Seu colega de equipe, Alex Massayuki, acredita que ter uma mulher num processo industrial é um ganho no quesito capricho.

“No nosso projeto, detalhes são muito importante. Então, a visão dela do projeto, que enxerga mais os detalhes, é muito melhor que a nossa, que é mais bruta”, afirma Alex.

Quanto à força física, Alex também crê que com o desenvolvimento de materiais e equipamentos mais leves, a ideia de esforço fisco perde força.

“Hoje em dia as máquinas são preparadas para a ergonomia da pessoa, são coisas mais leves. Essa coisa de ser pesado esforço é um tabu que precisa cair”, comenta.

De 53 competidores representando o Senai-SP na etapa nacional da Olimpíada do Conhecimento, 11 são mulheres. E na avaliação do diretor de uma escola do Senai no interior de São Paulo, Marcel Porto, essa presença feminina reflete uma situação cotidiana das escolas paulistas da instituição.

“Dentro das escolas tem várias alunas fazendo de elétrica, mecânica. Existem turmas de ensino técnico de telecomunicação no Senai-SP que tem dois meninos”, diz o diretor.

Há uma área do centro de convenções Expominas, onde acontece a Olimpíada do Conhecimento, que chama atenção pelo número de mulheres: a modalidade Jardinagem e Paisagismo.

Nesta área, é possível ver as alunas Letícia Rodrigues e Mirian Aparecida Dias, do interior de São Paulo, enchendo carrinhos de mão com areia, carregando plantas e até blocos para compor o cenário da jardinagem. Também há meninos, bem como há meninos competindo na modalidade Confeitaria. É o caso de Rafael Luís Pereira, também do Senai-SP.

“Existe uma profissão para mulher no Senai? Não. Existe uma profissão de homem? Não”, teoriza o diretor Marcel Porto.

As alunas Letícia e Mirian competem em Jardinagem. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

 

Site da Olimpíada do Conhecimento 2014 traz notícias e informações sobre o evento

Agência Indusnet Fiesp

Já está no ar o site da Olimpíada do Conhecimento 2014, evento aberto nesta quarta-feira (03/09) em Belo Horizonte, Minas Gerais. Trata-se de uma competição realizada a cada dois anos, desde 2001, sendo a maior na área de educação profissional nas Américas. Participante do evento, o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP) tem 53 alunos entre os competidores, disputando medalhas em 48 modalidades das 58 existentes.

No site, é possível encontrar informações sobre o evento em si, notícias com os estudantes do Senai-SP e reportagens sobre as provas.

Outro assunto destacado é o Inova Senai, realizado como parte das atividades da Olimpíada, que destaca projetos desenvolvidos pelos alunos de escolas técnicas de todo o país, em áreas variadas. Na edição 2014 da iniciativa, dos 50 projetos selecionados, 19 têm origem nas escolas do Senai-SP.

Para acessar o site da Olimpíada, só clicar aqui.

Presidente da Fiesp e do Senai-SP visita instalações da Olimpíada do Conhecimento

Agência Indusnet Fiesp

O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP), Benjamin Steinbruch, esteve nesta terça-feira (02/09) em Belo Horizonte (MG), cidade que sedia entre 3 e 6 de setembro a edição 2014 da etapa nacional Olimpíada do Conhecimento.

Steinbruch durante a visita ao Expominas. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

 

Na agenda, Steinbruch teve uma reunião com o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, e mais tarde aproveitou para conhecer as instalações no Expominas, onde os competidores faziam reconhecimento dos ambientes e dos equipamentos que serão utilizados durante as provas.

O Senai-SP conta com 53 alunos competidores, que disputam medalhas em 48 modalidades das 58 existentes na competição, sendo quatro para jovens com deficiência: Tecnologia da Informação (alunos cegos), Panificação (alunos com Síndrome de Down), Mecânica de Automóveis (alunos cadeirantes) e Costura (alunos surdos).

Robson Braga (terno cinza) e Benjamin Steinbruch após reunião. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

 

83 alunos do Senai-SP participam da etapa nacional da Olimpíada do Conhecimento

Agência Indusnet Fiesp

O maior torneio de educação profissional da américas foi aberto oficialmente em cerimônia no domingo (31/08), em Belo Horizonte (MG). A delegação do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP) conta com 53 competidores na disputa por medalhas e 30 alunos que participam na categoria Top1, como pré-classificados para uma seletiva visando a World Skills São Paulo 2015.

Cerimônia de abertura: festa que celebra a educação profissional no país. Foto: Everton Amaro/Fiesp

 

A competição segue até 6 de setembro, em Belo Horizonte. O encerramento acontece no domingo (07/09).

Na cerimônia de abertura, o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, que participou da abertura da competição, ressaltou em discurso a necessidade da qualidade da formação profissional brasileira.

“Não existe um país rico e forte sem que sua indústria também seja forte. E não existe indústria forte e competitiva sem que seus profissionais estejam bem qualificados”, disse o presidente da CNI em evento que teve como mestre de cerimônias o apresentador Luciano Huck.

Senai-SP na disputa

Oitenta e três alunos de 31 unidades do Serviço Nacional de Aprendizagem Industria de São Paulo (Senai-SP) participarão da 8ª Etapa Nacional da Olimpíada do Conhecimento. O torneio de educação profissional reunirá mais de 800 estudantes de entidades de ensino profissionalizante das áreas da indústria, do comércio e do agronegócio de todo o país.

O Senai-SP conta com 53 alunos competidores, que disputam medalhas em 48 modalidades das 58 existentes na competição, sendo quatro para jovens com deficiência: Tecnologia da Informação (alunos cegos), Panificação (alunos com Síndrome de Down), Mecânica de Automóveis (alunos cadeirantes) e Costura (alunos surdos).

Os competidores que conquistarem a medalha de ouro na Etapa Nacional da Olimpíada do Conhecimento participarão de nova disputa no final do ano com os alunos pré-classificados para a World Skills 2015.

Para participar da Olimpíada do Conhecimento, os estudantes do Senai-SP competiram no São Paulo Skills, etapa estadual desse torneio, realizada em setembro de 2013, em São Paulo. Na ocasião, mais de 700 alunos de 84 escolas do Senai-SP participaram das provas.

A Olimpíada

Realizada a cada dois anos, a Olimpíada do Conhecimento desafia jovens estudantes a elaborar um projeto teórico e mostrar na prática a melhor forma de executar um processo industrial. Vence a competição o aluno/grupo com maior número de pontos na execução de tarefas, que simulam situações do ambiente real de trabalho.

São Paulo tem 53 competidores lutando por medalhas e 30 na chamada categoria Top1, pré-classificados para uma seletiva visando a WorldSkills. Foto: Everton Amaro/Fiesp

A competição é composta por provas práticas e teóricas. Especialistas acompanham e avaliam o desempenho dos candidatos em cada etapa do trabalho. Durante os dias de competição, os alunos recebem um projeto para ser interpretado. Depois, eles planejam a execução das tarefas, momento em que seus conhecimentos e habilidades são avaliados.

Na sétima edição nacional do torneio, em 2012, o Senai-SP foi o grande vencedor, com 25 medalhas de ouro, oito de prata e cinco de bronze, além de oito diplomas de excelência.

Luciano Huck com o autor da mascote da competição. Foto: Everton Amaro/Fiesp

 

Em paralelo à fase nacional da Olimpíada do Conhecimento, acontece o Inova Senai, evento tecnológico que reunirá 50 projetos de aplicação industrial, com o objetivo de revelar novos talentos para diversos setores da indústria. Alunos do Senai participarão com 19 projetos. A iniciativa estimula o empreendedorismo, a inovação e o desenvolvimento de tecnologias.

Inova Senai

Em paralelo à fase nacional da Olimpíada do Conhecimento, acontece o Inova Senai, competição que premia as melhores criações desenvolvidas em escolas da instituição em todo Brasil. Os projetos são apresentados ao público geral e a um grupo de especialistas em prospecção de mercado que avaliam o potencial de se tornarem um produto comercial.

O evento premia as criações mais bem avaliadas. Dos 50 projetos selecionados em todo o país, um total de 19 tem origem nas escolas do Senai-SP.

Olimpíada do Conhecimento abre muitas portas, diz aluno da escola Suiço-Brasileiro

Ariett Gouveia e Talita Camargo, Agência Indusnet Fiesp

Preocupado em entrar no mercado de trabalho, Matheus Prudente Santos, de 17 anos, procurou o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP) em busca de um curso técnico. Unindo dois temas que gosta, ele ingressou no curso de TI e Administração de Sistemas de Rede da unidade Suiço-Brasileiro Paulo Ernesto Tolle.

“Já gostava das áreas de computação e de lógica. Então, quando entrei no Senai-SP, passei a gostar ainda mais porque o curso envolve as duas coisas”, declara o estudante.

Segundo Matheus, entrar no Senai-SP mudou sua vida. Foto: Everton Amaro/Fiesp

 

A maior dificuldade para Matheus foi conciliar o curso técnico e o ensino médio. E ficou ainda mais complicado quando veio a oportunidade de participar da Olimpíada do Conhecimento, competição que demanda horas diárias de dedicação a treinamentos específicos.

“Sempre tinha que dar um jeito, conversar com o coordenador da escola, mostrar o projeto do Senai-SP”, explica. “Meus amigos me acham louco por ter escolhido participar da Olimpíada e ter esse ritmo tão puxado de treinamento. Mas a Olimpíada abre muitas portas. Estou indo bem e acredito que vou conseguir alcançar minha meta: conseguir a medalha, fazer faculdade de engenharia da computação e me dar bem no mercado de trabalho.”

Mesmo com a ansiedade e a pressão do treinamento, Matheus encara o desafio com um sorriso no rosto. “Estou aqui, primeiro, porque gosto de competir e em segundo lugar porque espero aprender cada vez mais. Essa é uma grande oportunidade para ganhar conhecimento. É bastante pressão representar sua escola e seu estado, mas se você está bem preparado acaba passando batido por isso.”

Ele considera que a estreia em uma competição, no SP Skills (competição estadual), foi a etapa mais difícil. Mas ajudou na preparação para a Olimpíada e, quem sabe, para o WorldSkills. “Se eu tivesse que deixar alguma mensagem para quem vai competir é que você está competindo somente com você mesmo. Quem você vai superar lá é somente você, não importa contra quem esteja competindo”, afirma o jovem.

Entrar no Senai-SP, na opinião de Matheus, mudou sua vida. “Por meio do curso, conheci a área de redes e programação, que antes era quase desconhecida e hoje é muito influente no mercado. Sou grato por todo conhecimento que o Senai-SP me trouxe porque eu não teria todo esse conteúdo em outro lugar”, diz ele.

O estudante destaca ainda que foi muito importante aprender a lidar com responsabilidades e a ter contato com valores como organização e disciplina. “Em todo o projeto que participamos, temos que montar o planejamento, que é um dos principais pontos que ajuda muito na minha carreira. Essa disciplina ajuda a amadurecer e isso é muito bom.”

Senai-SP participa da etapa nacional da Olimpíada do Conhecimento com 83 alunos

Agência Indusnet Fiesp

Oitenta e três alunos de 31 unidades do Serviço Nacional de Aprendizagem Industria de São Paulo (Senai-SP) participarão da 8ª Etapa Nacional da Olimpíada do Conhecimento, de 31 de agosto a 6 de setembro, no Expominas, em Belo Horizonte. O torneio de educação profissional reunirá mais de 800 estudantes de entidades de ensino profissionalizante das áreas da indústria, do comércio e do agronegócio de todo o país.

O Senai-SP levará 53 alunos competidores, que disputarão medalhas em 48 modalidades das 58 existentes na competição, sendo quatro para jovens com deficiência: Tecnologia da Informação (alunos cegos), Panificação (alunos com Síndrome de Down), Mecânica de Automóveis (alunos cadeirantes) e Costura (alunos surdos).

Outros 30 integrantes da delegação paulista participam da Olimpíada do Conhecimento como pré-classificados para a World Skills São Paulo 2015 (http://www.worldskillssaopaulo2015.com/pt/), que será disputada em agosto de 2015, em São Paulo.

Os competidores que conquistarem a medalha de ouro na Etapa Nacional da Olimpíada do Conhecimento participarão de nova disputa no final do ano com os alunos pré-classificados para a World Skills 2015.
Para participar da Olimpíada do Conhecimento, os estudantes do Senai-SP competiram no São Paulo Skills, etapa estadual desse torneio, realizada em setembro de 2013, em São Paulo. Na ocasião, mais de 700 alunos de 84 escolas do Senai-SP participaram das provas.

A competição

Realizada a cada dois anos, a Olimpíada do Conhecimento desafia jovens estudantes a elaborar um projeto teórico e mostrar na prática a melhor forma de executar um processo industrial. Vence a competição o aluno/grupo com maior número de pontos na execução de tarefas, que simulam situações do ambiente real de trabalho.

A competição é composta por provas práticas e teóricas. Especialistas acompanham e avaliam o desempenho dos candidatos em cada etapa do trabalho. Durante os dias de competição, os alunos recebem um projeto para ser interpretado. Depois, eles planejam a execução das tarefas, momento em que seus conhecimentos e habilidades são avaliados.

A Olimpíada do Conhecimento é uma versão do antigo Torneio Nacional de Formação Profissional, criado em 1982. A competição é uma forma de valorizar a formação dos alunos e avaliar a qualidade da educação profissionalizante oferecida pelo Senai e tem por objetivo promover e incentivar o ensino profissional no Brasil.

Na sétima edição nacional do torneio, em 2012, o Senai-SP foi o grande vencedor, com 25 medalhas de ouro, oito de prata e cinco de bronze, além de oito diplomas de excelência.

Paralelamente à fase nacional da Olimpíada do Conhecimento, será realizado o Inova Senai, evento tecnológico que reunirá 50 projetos de aplicação industrial, com o objetivo de revelar novos talentos para diversos setores da indústria. Alunos do Sena participarão com 19 projetos. A iniciativa estimula o empreendedorismo, a inovação e o desenvolvimento de tecnologias.

Conheça as unidades do Senai-SP que têm alunos na Olimpíada do Conhecimento

São Paulo

Brás
– Escola SENAI Roberto Simonsen
– Escola SENAI Francisco Matarazzo

Barra Funda
– Escola SENAI Horácio Augusto da Silveira

Ipiranga
– Escola SENAI Oscar Rodrigues Alves
– Escola SENAI Conde José Vicente de Azevedo

Santo Amaro
– Escola SENAI Suíço-Brasileira Paulo Ernesto Tolle

Tatuapé
– Escola SENAI Orlando Laviero Ferraiuolo
– Escola SENAI Frederico Jacob

Vila Leopoldina
– Escola SENAI Mariano Ferraz

Grande São Paulo

Diadema
– Escola SENAI Manuel Garcia Filho

Osasco
– Escola SENAI Nadir Dias de Figueiredo

Santo André
– Escola SENAI A. Jacob Lafer

São Bernardo do Campo
– Escola SENAI Almirante Tamandaré

São Caetano do Sul
– Escola SENAI Armando de Arruda Pereira

Suzano
– Escola SENAI Luis Eulálio de Bueno Vidigal Filho

Interior e litoral

Araraquara
– Escola SENAI Henrique Lupo

Bauru
– Escola SENAI João Martins Coube

Bertioga
– Centro de Treinamento SENAI Bertioga

Campinas
– Escola SENAI Roberto Mange

Cubatão
– Escola SENAI Hessel Horácio Cherkassky

Itu
– Escola SENAI Italo Bologna

Lençóis Paulista
– Centro de Treinamento SENAI Lençóis Paulista

Marília
– Escola SENAI José Polizotto

Pompéia
– Escola SENAI Shunji Nishimura

Presidente Prudente
– Escola SENAI Santo Paschoal Crepaldi

Rio Claro
– Escola SENAI Manoel José Ferreira

Santos
– Escola SENAI Antonio Souza Noschese

São Carlos
– Escola SENAI Antonio A. Lobbe

Sorocaba
– Escola SENAI Gaspar Ricardo Junior

Taubaté
– Escola SENAI Felix Guisard

Votuporanga
– Centro Tecnológico de Formação Profissional da Madeira e do Mobiliário de Votuporanga

No Senai-SP, presidente da Fiesp encontra competidores da Olimpíada do Conhecimento

Alice Assunção e Ariett Gouveia, Agência Indusnet Fiesp

Sorte e sucesso. Foram esses os votos do presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Benjamin Steinbruch, ao cumprimentar dezenas de alunos que vão representar o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP) na Olimpíada do Conhecimento, competição programada para a primeira semana de setembro, no ExpoMinas, em Belo Horizonte (MG).  O encontro, na tarde desta segunda-feira (18/08), foi realizado na unidade de Santo Amaro, a escola Suíço-Brasileira Paulo Ernesto Tolle.

Em nome de todos os competidores, Beatriz Luna homenageia presidente da Fiesp e do Senai-SP com camiseta de "chefe de equipe". Foto: Everton Amaro/Fiesp

Antes da reunião, Steinbruch visitou as instalações da escola, acompanhado da esposa e das duas filhas, e ciceroneado pelo diretor da unidade, Pedro Teodoro de Faria, e pelo diretor técnico do Senai-SP, Ricardo Terra.

Em seguida, conversou e posou para fotos com os competidores.

“O sistema Sesi-Senai de São Paulo é um ponto fora da curva. Eu acredito a gente tem tudo de melhor, tanto do ponto de vista de escolas como de professores”, afirmou o presidente das instituições.

Steinbruch: desafio para equipe conquistar ao menos 28 ouros em Belo Horizonte. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Durante o encontro com os alunos, Steinbruch fez um pedido especial: a superação da marca do ano passado de 27 medalhas.

“Temos uma responsabilidade muito grande, porque há nove anos [a regional] São Paulo ganha a maioria das provas. Gostaria de pedir um especial empenho para conseguirmos mais medalhas neste ano. De alguma forma vamos ter de ganhar 28 medalhas de ouro”, declarou o presidente para os 53 competidores que viajam para Minas em busca do lugar mais alto do pódio.

Steinbruch reforçou o compromisso de que os alunos que vencerem o Nacional, chegarem ao Mundial, o WorldSkills-2015, que será realizado em São Paulo, e ganharem medalhas (de ouro, prata ou bronze) vão ganhar uma viagem internacional para um país em que sua modalidade seja referência. Um motivo a mais para que os competidores busquem a vitória.

“Quero desejar muito boa sorte e que vocês tenham muito sucesso. Vamos estar juntos em Belo Horizonte”, encerrou o presidente da Fiesp e do Senai-SP.

Segundo o diretor técnico Ricardo Terra, o Senai-SP é responsável por 53% da pontuação do Brasil na última disputa do WorldSkills. “Se São Paulo fosse isolado da equipe brasileira, pela média de notas dos competidores, ficaríamos em segundo lugar do mundo”, acrescentou.

A diretora regional do Senai-SP e superintendente do Sesi-SP, Débora Cypriano Botelho, também participou do evento, bem como o gerente regional José Carlos Dalfré.

Motivação

Steinbruch visitou laboratórios da unidade Suiço-Brasileira, guiado pelo diretor técnico do Senai-SP, Ricardo Terra (esquerda), e pelo diretor da unidade, Pedro Teodoro de Faria. Foto: Everton Amaro/Fiesp

A aluna Beatriz Luna, competidora na modalidade de impressão offset, presenteou Steinbruch com uma camiseta de chefe de equipe. “Nesse momento, o que a gente precisa é de motivação. E esse é o papel dele.”

Plínio Santos tem 20 anos e compete na modalidade mecatrônica pelo Senai-SP de Taubaté. Para ele, a presença do presidente da instituição é motivadora. Ele também enxerga esses encontros como oportunidade profissional.

“É bom porque a gente percebe que tem gente de olho na gente, empresários, há bastante vista ao projeto. Então, eles vindo aqui, falando com a gente, é um motivo a mais para dar nosso melhor lá”, afirmou um dos 30 competidores que faz parte do programa Top One, em que disputarão a vaga para o mundial com os vencedores da etapa nacional.

Em resposta ao pedido do presidente Steinbruch, Guilherme Lima Leite, 18 anos, competidor de Sorocaba na modalidade Modelagem de Protótipo, garantiu que superação é o objetivo. “A gente vai lá buscar todas as medalhas que der.”

Encontro teve presença de alunos de diversas unidades do Senai-SP no Estado de São Paulo. Foto: Everton Amaro/Fiesp