Brazil Automation ISA 2012 acontece de 6 a 8 de novembro em SP

Agência Indusnet Fiesp

Apresentar tendências tecnológicas e os mais expressivos lançamentos do mercado mundial no setor de automação. Este é o objetivo do Brazil Automation ISA 2012 – 16º Congresso Internacional e Exposição de Automação, Sistemas e Instrumentação, que acontece de 6 a 8 de novembro no Expo Center Norte, São Paulo.

Consagrado entre os profissionais da área como o mais amplo fórum de debates sobre o estado da arte da tecnologia e, ainda, como a maior vitrine de produtos e soluções das Américas, o evento é uma realização da Associação Sul-Americana de Automação – ISA Distrito 4, coligada à ISA – International Society of Automation, principal organização mundial do setor de automação, que reúne cerca de 30 mil membros em mais de 50 países.

Há 16 anos funciona como ambiente para negócios entre empresas e profissionais interessados em estreitar relações e firmar parceiras comerciais em diferentes segmentos industriais, com ênfase para os setores de óleo e gás, químico e petroquímico, papel e celulose, mineração, metalurgia e siderurgia, alimentos, bebidas e embalagens, açúcar e etanol, saneamento, farmacêutico, manufatura, predial, dentre outros.

Nesta edição, além das novidades para o setor de automação, o Brazil Automation ISA 2012 irá proporcionar capacitação técnica e uma ampla integração entre usuários, fabricantes, distribuidores, pesquisadores, estudantes, prestadores de serviços e demais profissionais.

A expectativa dos organizadores é a de que o evento conte com a participação de 150 conferencistas no Congresso, 130 expositores e receba 16 mil visitantes. Mais informações no site: http://www.brazilautomation.com.br

Serviço
Brazil Automation ISA 2012 – 16º Congresso Internacional e Exposição de Automação, Sistemas e Instrumentação
Data: 6 a 8 de novembro de 2012
Local: Expo Center Norte – Pavilhões Branco 7 e 8, São Paulo, SP
Contatos: tel. (11) 5053-7400, e-mail: isa2012@isadistrito4.org.br

Embalagens de agrotóxicos e óleos merecem atenção e descarte correto

Camila Grillo, Agência Indusnet Fiesp

As embalagens plásticas de óleos e agrotóxicos foram temas discutidos durante a 2ª Oficina de Esclarecimento da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), na quinta-feira (23).

O evento, que ocorreu na Fiesp, ressaltou a necessária informação como aliada para o cumprimento das exigências na PNRS. De acordo com a gerente de Comunicação, Educação e Projetos do Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias (Inpev), Juliana Hosken Wernek, a Lei nº 9974 já regulamentou o descarte dos recipientes de agrotóxicos.

“Essa lei distribui deveres. É o conceito da responsabilidade compartilhada para todos os elos da cadeia produtiva que tenham alguma ligação com os agrotóxicos: agricultores, canais de distribuição, fabricantes e Poder Público”, afirmou Juliana. A gerente sinalizou que esse é o único setor que tem lei anterior à PNRS.

Com 100% das empresas do setor associadas, o Inpev é responsável pelo gerenciamento do programa de conscientização e educação e recebe apoio do governo em campanhas educativas. “Nós temos hoje um fluxo muito simples. O fabricante vende por meio de distribuidores, revendas ou cooperativas para os agricultores, que indicam o local para devolução das embalagens. Em seguida, as unidades são levadas para o destino final”, explica.

Outro desafio

Com base no trabalho desenvolvido pelo Inpev, o Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Combustíveis e de Lubrificantes (Sindicom) criou sistema de logística reversa para reciclagem, já que 60% da distribuição de óleo lubrificante no Brasil se dão por meio de embalagens plásticas.

“O grande desafio é a mudança cultural do revendedor e consumidor”, diz o gerente de Meio Ambiente e Segurança do Sindicom, Antônio Carlos Nogueira Nóbrega.

Por meio do programa “Jogue Limpo”, milhões de embalagens são recicladas por ano. O produto chega ao posto e é comprado pelo consumidor. Há um sistema de coleta (centrais) a fim de se depositar o material. Um caminhão especializado retira o produto, que é prensado e depois de todo um processo, volta ao ciclo de reutilização e comercialização.

Todo o transporte é monitorado e após 10 minutos da coleta, as informações estão disponíveis para consulta no site: www.programajoguelimpo.com.br/. O sistema aponta os postos que não colaboram com a reciclagem. Eles ficam sujeitos a notificação e, posteriormente, a multa. O tema não se esgota por aqui, pois a fase é de discussões em torno dos acordos setoriais. Outro ponto que precisa ser esclarecido diz respeito à classificação desses resíduos.

O acordo setorial é um termo contratual entre Poder Público, fabricantes, importadores, distribuidores ou comerciantes para responsabilidade compartilhada, com abrangência nacional, estadual e municipal, contemplado no art. 34 da Lei nº Lei 12.305/2010.