Crianças devem ter oportunidades iguais desde a Primeira Infância, defendem especialistas

Solange Sólon Borges, Agência Indusnet Fiesp 

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540143856

Osmar Terra, médico, deputado federal e líder da Frente Parlamentar da Primeira Infância

“O cérebro é ecológico, interage com o meio e estabelece conexões, por isso  a atenção deve ser redobrada quando o tema é Primeira Infância (PI), especialmente até o terceiro ano de vida.” A opinião é do médico e deputado federal Osmar Terra (PMDB), lider da recém-criada Frente Parlamentar da Primeira Infância. Otimista, ele acredita que haverá novo marco legal sobre o assunto até o final do ano.

Terra foi um dos convidados para debater a Primeira Infância em encontro do Conselho de Responsabilidade Social (Consocial) da Fiesp nesta quinta-feira (23). E justificou sua posição com estudos científicos: cuidados especiais nesta etapa são fundamentais, pois é quando a genética se organiza na construção de um ser humano equilibrado. Para isso, idealizou o programa Primeira Infância Melhor (PIM), que atende 100 mil crianças em casa, no Rio Grande do Sul.

Já no entendimento de Gaby Fujimoto, consultora sênior de educação infantil da Organização dos Estados Americanos (OEA), é preciso que todos os atores da sociedade sejam co-responsáveis pela PI, inclusive o empresarial, além do forte envolvimento dos pais.

Desafios

“Há alto índice de retorno quando existem investimentos nesta faixa etária, pois se consolida a base para a aprendizagem posterior, previnem-se danos temporários e perda de potencial que não será remediada depois”, de acordo com a especialista.

O professor Cesar Callegari, atuante no Consocial e no setor de operações do Sesi, que assumiu recentemente a Secretaria de Educação Básica do Ministério da Educação, elencou alguns dos desafios a serem superados:

  • A consolidação da identidade da educação infantil no sistema educacional;
  • A implantação da obrigatoriedade da Educação Básica a partir dos 4 anos, com cobertura total nesta faixa etária até 2016;
  • A mobilização de setores estratégicos da sociedade;
  • A ampliação do acesso à população rural.
Imagem relacionada a matéria - Id: 1540143856

O ex-ministro Patrus Ananias, presidente do Consocial/Fiesp


O ex-ministro Patrus Ananias presidiu nesta quinta-feira (23) a primeira reunião de 2012 do Consocial da Fiesp. Após sua posse recente, o ex-ministro desenha novos planos de atuação para dar dinamismo ao Conselho. O primeiro deles foi debater a importância da Educação Infantil na Primeira Infância.

“O Brasil precisa avançar neste sentido”, afirmou o presidente do Consocial, para proporcionar condições de aprendizado e interação social. Tratar da Primeira Infância não é apenas dar atenção à dimensão social e pedagógica, mas proporcionar os mesmos direitos e oportunidades às crianças, independente de classe social”, apontou Ananias, frisando a necessidade de universalização da Educação Infantil. Outra sugestão dada, na reunião, é o aproveitamento da experiência das creches comunitárias.

Advogado, vereador em Belo Horizonte (1988), prefeito da capital mineira (1993-1996), deputado federal (2002), Ananias foi ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (2004-2010), no governo Luís Inácio Lula da Silva.