Comunicação, direito empresarial e marketing em debate no segundo dia do 10º Congresso Estadual de Empreendedorismo em Santos

Odair Souza, Agência Indusnet Fiesp, de Santos

Os mais de 600 participantes do 10º Congresso Estadual de Empreendedorismo, promovido pelo Núcleo de Jovens Empreendedores (NJE) do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp) em Santos, São Paulo, acompanharam, na manhã desta sexta-feira (06/09) três palestras focadas na arte de empreender – tema do evento.

Na primeira apresentação, o consultor Reinaldo Polito falou da importância da comunicação na gestão dos negócios. Ele chamou a atenção para quatro posturas que o empresário deve ter para ganhar credibilidade junto ao cliente na hora de vender seu produto: conduta exemplar, naturalidade, conhecimento e emoção.

Polito: investimento em comunicação para ter mais credibilidade junto aos clientes. Foto: Odair Souza

Polito: investimento em comunicação para ter mais credibilidade junto aos clientes. Foto: Odair Souza/Ciesp

 

“Se a comunicação com o cliente tiver qualidade, emoção, naturalidade, envolvimento e interesse pelo assunto que está sendo transmitido, o empreendedor pode se sair muito bem em uma negociação”, completou.

Na sequência, o advogado e especialista em direito empresarial Eduardo Moretti falou do papel que o profissional jurídico tem na condução dos negócios do empreendedor. “Ter um departamento jurídico ajuda, e muito, o empresário a reduzir riscos e evitar conflitos, principalmente os de origem trabalhista”, observou o palestrante. Segundo ele, é fundamental que o homem de negócios trabalhe sempre com foco na prevenção de riscos.

Moretti: menos riscos e conflitos com orientação jurídica. Foto: Odair Souza

Moretti: menos riscos e conflitos se há boa orientação jurídica. Foto: Odair Souza

De acordo com Moretti, no estado de São Paulo há, em média, 3 mil novos processos tramitando em tribunais. E eles levam anos para serem julgados e finalizados. “Esse acúmulo de processos se torna uma longa jornada para o empresário e uma fonte inesgotável de recursos financeiros”, disse o advogado.

Moretti falou ainda sobre fusão, cisão, incorporação e transformação da empresa. “Investidores estrangeiros procuram empresas que não têm problemas, principalmente com ações trabalhistas”, reiterou.

Óculos escuros

Para fechar os trabalhos da manhã, o NJE convidou o empresário Caito Maia para falar sobre sua trajetória de sucesso à frente da Chilli Beans, marca brasileira de óculos escuros.

Formado em música, Maia criou uma empresa que hoje tem 600 pontos de vendas, sendo 80 no exterior. “Nosso objetivo é chegar a 1000 pontos até a Olimpíada de 2016”, diz o empreendedor.

Maia: foco nos funcionários e na opção pelo varejo. Foto: Odair Souza

Maia: foco nos funcionários e na opção pelo varejo, além da vitrine aberta. Foto: Odair Souza/Ciesp

O segredo de sucesso da Chilli Beans? “Investimento nas pessoas que fazem a diferença dentro da empresa, os trabalhadores”, observou Maia. Ele também citou a opção “pelo varejo e não pelo atacado” como um diferencial.

Outros fatores que influenciam no sucesso da empresa são “as vitrines abertas, que não chegam a registrar 1% de roubos”. “O cliente não pode ter obstáculos na hora da compra”, ensinou o empreendedor.

Mencionou ainda segredos que fazem crescer as vendas da Chilli Beans: “Preço, agilidade e bom atendimento”, disse Maia. “E cuidar do rosto do cliente utilizando um importante apelo de marketing, a moda”.

Programa vai capacitar 400 empresas da cadeia de P&G

Odair Souza, Agência Indusnet Fiesp

A Federação e o Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp), juntamente com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai-SP) realizam nesta terça-feira (23/10), em Santos, o primeiro dos quatro eventos de lançamento do Programa Núcleo de Apoio à Gestão da Inovação na Cadeia de Petróleo e Gás (Nagi PG).

O programa é uma parceria com a Universidade de São Paulo (USP) e irá capacitar, entre 2012 e 2014, cerca de 400 pequenas e médias indústrias paulistas da cadeia de petróleo e gás. O objetivo é fazer com que elas implantem a cultura da inovação e a elaborem projetos de inovação a serem apresentados a instituições de fomento para obtenção de apoio na execução, ao final do programa.

Nos eventos serão apresentadas as vantagens para as empresas participantes como a assessoria às empresas para elaboração de projetos de inovação.

O Programa Nagi PG será executado em quatro regiões em 2012 (São Paulo, Vale do Paraíba, Baixada Santista e Sertãozinho) e em seis regiões em 2013 (Osasco, Guarulhos, ABCD, Campinas, Sorocaba e Piracicaba), contando com o apoio financeiro da Financiadora de Projetos ( Finep) e do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), que somam cerca de R$ 2 milhões.

A metodologia de aplicação do projeto, que tem duração de dois anos, contempla as seguintes fases: sensibilização das empresas, capacitações coletivas em inovação, aplicação de diagnósticos da inovação, entrevistas individuais nas empresas para elaboração de matriz da análise de projetos de inovação, assessoria empresarial individual para elaboração de Planos de Gestão de Inovação e/ou Projetos de Inovação e apresentação dos Planos/Projetos a instituições de fomento.

O objetivo do programa Nagi PG é aumentar o conteúdo local e apoiar as indústrias nacionais para que desenvolvam e forneçam seus produtos e serviços para a cadeia de P&G.

Os eventos de lançamento acontecerão nas seguintes cidades e datas:

23/10 – Baixada Santista (Senai Santos)
25/10 – São Paulo (Sede Fiesp/Ciesp)
29/10 – Vale do Paraíba (Ciesp Taubaté)
30/10 – Sertãozinho (Ciesp Sertãozinho)

Tripé de ações

Em 2011, o presidente das entidades industriais, Paulo Skaf, deu a partida para o inicio do programa que previa formar mil empresas inovadoras, com alto investimento em pesquisa. Com foco na competitividade, a Fiesp e o Ciesp, foram buscar a expertise da Agência USP de Inovação e do próprio Senai-SP.

Juntos, montaram um tripé de ações que nos próximos três anos vão capacitar empresas em diversas regiões do Estado de São Paulo. E os resultados começam a aparecer. O Programa de Extensão Tecnológica Fiesp/Ciesp/Senai-SP, já iniciou atendimento a 240 empresas. No sábado (21/10), teve início o Curso de Aperfeiçoamento em Gestão da Inovação nas Empresas, ministrado pela Agência USP de Inovação Tecnológica, que deverá beneficiar 500 empresas por meio de ensino à distância. O tripé de ações continua nesta semana, com o lançamento do Programa Nagi P&G.

Serviço

Lançamento do programa Nagi PG – Núcleo de Apoio à Gestão da Inovação na Cadeia de Petróleo e Gás Paulista – Baixada Santista
Dia 23/10/2012
Local e Horário: Senai Santos — das 9h às 12h
Endereço: Av. Almirante Saldanha da Gama, 145 — Centro – Santos – SP
Tel./Fax: (13) 3219-9484
E-mail: nagipg@fiesp.org.br
Para inscrições gratuitas para os eventos e detalhes do programa, clique aqui.

Em Campinas, Skaf exalta importância do jovem empreendedor para o Brasil

Odair Souza, Agência Ciesp de Notícias

Cerca de 250 pessoas participaram na manhã desta quinta-feira (30/08), em Campinas, da abertura do IX Encontro Jovem Empreendedor, realizado pelo Núcleo de Jovens Empreendedores (NJE) do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp).

Paulo Skaf em Encontro Jovem Empreendedor Campinas.

 

O encontro, que reuniu jovens empreendedores de Campinas e região e dos 29 núcleos regionais do NJE, contou também com a participação de personalidades da área empresarial e política, como o presidente  da Federação e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp/Ciesp),  Paulo Skaf, e o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico e Social, José Afonso Bitencourt, entre outros.

Com o tema central Caminhos para o Crescimento, o evento apresentou os painéis complementares Caminhos da Educação, Oportunidades de Negócios para a Copa 2014 e Olimpíadas 2016. No período da tarde, os participantes acompanharão cases como História empreendedora, Novos modelos de negócios e Motivação e trabalho em equipe.

O presidente do Ciesp e da Fiesp, Paulo Skaf, considerou o envolvimento da juventude em ações proativas como “um espírito voltado para a geração de riquezas, de empregos e tudo o que é bom para a sociedade e o País”.

Skaf destacou o trabalho realizado pelos milhares de jovens membros dos NJE, do Ciesp, e do CJE, da Fiesp. “Esse engajamento demonstra a preocupação deles com empreendedorismo, com a educação e o bem-estar das pessoas”.

Condições para o Brasil crescer

Antes da abertura, o presidente do Ciesp e da Fiesp enfatizou as ações do empresariado na busca da competitividade do País e voltou a cobrar isonomia para que o setor produtivo brasileiro vença o desafio de competir em igualdades de condições no mercado global. Segundo ele, o grande desafio para alcançar essa meta é a diminuição dos custos de produção.

Em entrevista à imprensa, Paulo Skaf afirmou que os empresários continuam em “campanha” pela queda no preço da energia elétrica, do gás, dos juros, pela melhoria logística e da infraestrutura em aeroportos, portos, estradas e ferrovias. “Competitividade do País, é isso que vamos discutir aqui”, completou Skaf.

Nesta manhã, o presidente do Ciesp e da Fiesp, Paulo Skaf, voltou a comentar a queda da taxa Selic, para 7,5% aa, anunciada ontem pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central. “Há espaço para baixar mais. A taxa Selic pode ficar próxima à inflação que está projetada entre 4,5% e 5%.”

Na visão de Skaf, um patamar de 5% na taxa é bom para o brasileiro, para a indústria e para o governo, que terá seus gastos públicos diminuídos. Ele lembra que em 2011 o governo federal gastou quase R$ 180 bilhões com pagamento de juros. “É muito mais do que se investe em saúde e educação”, completou.

Fiesp e Ciesp se mobilizam por mais competitividade para o Brasil

Alice Assunção e Odair Souza, Agência Indusnet Fiesp

Paulo Skaf (ao centro) recebe o diploma de presidente da Fiesp e do Ciesp, de Carlos Eduardo Moreira Ferreira (à esq.), presidente emérito das entidades, e Guilherme Sabido Ometto (à dir.), 2º vice-presidente da federação

 

 

Após solenidade de posse da véspera (26), no Theatro Municipal de São Paulo, as novas diretorias da Fiesp e do Ciesp, presididas por Paulo Skaf, foram oficialmente empossadas nesta terça-feira (27) para um mandato de quatro anos (2011-2015).

Em cerimônia realizada no Teatro do Sesi São Paulo, Skaf recebeu o diploma das mãos de João Guilherme Sabino Ometto, 2º vice-presidente da federação, e de Carlos Eduardo Moreira Ferreira, presidente emérito das entidades. Em seguida, convocou os integrantes deste novo mandato a defender a competitividade da indústria nacional: “Estaremos juntos nesta caminhada para a construção de um Brasil melhor em prol de toda a sociedade”, declarou.

Rafael Cervone Netto, primeiro vice-presidente do Ciesp, reforçou o discurso de Skaf em relação à bandeira da casa: “Temos um desafio tremendo devido à guerra fiscal entre os estados e à falta de isonomia competitiva antes os produtos externos, especialmente os asiáticos. Câmbio é um grande problema; juro é outro”, afirmou Cervone. Ele acrescentou que a perspectiva para este quadriênio é fazer do Ciesp “um elemento de transformação local e regional”.

Reformas

Rafael Cervone Netto, primeiro vice-presidente do Ciesp

“Para competir é necessário efetivar as esperadas reformas tributária, política e trabalhista”, completou o presidente emérito da Fiesp/Ciesp, Carlos Eduardo Moreira Ferreira. “Não basta você ter um produto fantástico aqui no país e chegar na hora de exportar enfrentar barreiras de toda sorte, como o protecionismo que se faz lá fora contra produtos do Brasil”, afirmou, acrescentando que “a gente gosta de exportar produtos de maior valor agregado, e não apenas matérias-primas”.

Chapa única

Com o apoio maciço das bases empresariais, a chapa única, liderada por Paulo Skaf, foi reeleita no mês de abril para mais um mandato na Fiesp – com 121 dos 123 votos dos presidentes de sindicatos – e no Ciesp, com mais de 2.000 votos; duas das votações mais expressivas da história das entidades.

A chapa, composta por 132 diretores na Fiesp e 134 no Ciesp, tem Benjamin Steinbruch como 1º vice-presidente, João Guilherme Sabino Ometto como 2º vice-presidente e Josué Gomes da Silva como o 3º vice-presidente da Federação. No Ciesp, Rafael Cervone Netto foi reempossado como 1º vice-presidente, Fausto Cestari Filho como 2º vice-presidente e José Eduardo Mendes Camargo como 3º vice-presidente.

À frente da Fiesp e do Ciesp, Skaf liderou a campanha contra a CPMF, extinta em 2007; lutou pela criação da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa, em 2009; e realizou investimentos maciços na área de educação e na capacitação de jovens por meio do Sesi-SP e Senai-SP.

Mais recentemente, as entidades se engajaram na campanha “Energia a Preço Justo”, que visa reduzir o custo da energia elétrica no Brasil por meio da realização de leilões para as concessões que vencem a partir de 2015.

Confira nos links abaixo a diretorias eleitas: