Indústria paulista otimista: em 2019 pretende aumentar a produção e o emprego, aponta pesquisa da Fiesp

Agência Indusnet Fiesp

Os dados da Pesquisa Rumos “Expectativas com o novo governo, avaliação de 2018 e perspectivas para 2019”, feita pela Fiesp e pelo Ciesp com mais de 500 empresas, indica otimismo. Pretendem aumentar a produção este ano 72,9% dos industriais paulistas, um crescimento de 12 pontos percentuais em relação ao ano passado (60,9%). Outro resultado que chama a atenção refere-se ao emprego: 41,2% das empresas pretendem ampliar o quadro de funcionários ainda no primeiro semestre. Esse é o melhor resultado desde 2011, quando esse percentual era de 40,8%. A decisão de aumentar a produção ainda no 1º semestre foi confirmada por 68,2% dos industriais paulistas, enquanto 67,2% esperam ampliar as vendas no mercado interno e 51,3% aumentar suas exportações.
“Essa percepção positiva está em todos os setores da economia. Agora, cabe a nós, sociedade e governo, arregaçarmos as mangas e tornar realidade esse otimismo”, afirma Paulo Skaf, presidente da Fiesp e do Ciesp.

Governo
As empresas também estão bastante confiantes na política econômica do novo governo e 78% indicaram impacto positivo sobre as expectativas para este ano. Os empresários acreditam que o novo governo (presidente, governador, deputados e senadores eleitos este ano):
• Aprovará reforma da previdência (92,4%), sendo aprovada ainda em 2019 para 60,9%
• Aprovará reforma tributária (89,1%), sendo aprovada em 2019 ou 2020 para 71,1%
• Não aumentará a carga tributária (93,6%)
• Reduzirá o custo do crédito (87,9%)
• Manterá importante o papel do BNDES (75,8%)
• Aumentará incentivos para investimentos (62,1%)
• Criará uma política industrial (64,0%)
• Aumentará apoio e incentivo à inovação e ao desenvolvimento tecnológico (63,0%)

Acesse o estudo completo aqui.


Entrevistado pelo UOL, Skaf aponta melhora do cenário no Brasil

Agência Indusnet Fiesp

O presidente da Fiesp e do Ciesp, Paulo Skaf, concedeu longa entrevista ao portal UOL, o maior do Brasil. Publicada nesta quinta-feira (25/8), a entrevista destaca a importância da campanha contra o aumento de impostos Não Vou Pagar o Pato, iniciativa da sociedade, com forte apoio da Fiesp. Skaf explica na entrevista as razões que levaram a Fiesp e o Ciesp a apoiar o processo de impeachment e fala sobre efeitos positivos na economia.

“Se compararmos o cenário de 90 dias atrás com o de hoje, é melhor, e na nossa visão, daqui a 90 dias, ele será melhor que o de hoje. Vamos ter muitas dificuldades, mas o que importa é que há um sentimento melhor a cada dia que passa.”

Skaf aponta recuperação da confiança, necessária para a volta dos investimentos, mas alerta que ainda há muito a fazer. “O que esperamos do governo é que ele faça a sua lição de casa em apertar os cintos, reduzir gastos, combater desperdícios, de forma permanente combata a corrupção, estimule e passe a confiança necessária para que os investimentos aconteçam.”

E avisa que é inaceitável qualquer proposta de aumento dos impostos. O pato gigante, símbolo da campanha contra o aumento da carga tributária, “está de prontidão”, diz Skaf. “No momento em que houver qualquer ameaça de aumento de impostos, ele sai voando.”