Nossa Caixa inicia operação com linhas de crédito do BNDES

“Não adianta nada o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) ter linha de crédito se os bancos não intermediarem e viabilizarem a operação.”

Com essas palavras, o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), Luiz Aubert Neto, abriu o encontro “Banco Nossa Caixa/BNDES/Abimaq – Programa BNDES de Sustentação do Investimento”.

Com a presença maciça de associados que lotaram o auditório da entidade, o evento marcou o efetivo início de operações do banco Nossa Caixa com linhas de crédito do BNDES e contou com a participação dos presidentes do banco Nossa Caixa, Demian Fiocca, e do BNDES, Luciano Coutinho.

Durante o evento foram apresentadas as linhas de crédito que a Nossa Caixa passa a oferecer:

  • BNDES PSI, vinculada ao Programa de Sustentação do Investimento (PSI) do governo federal, destinada à aquisição de máquinas e equipamentos, com juros de 4,5% ao ano;
  • PEC BNDES, linha de capital de giro do Programa Especial de Crédito;
  • Linha BNDES PSI FINAME Agrícola, voltada à aquisição de máquinas e equipamentos do setor;
  • Cartão BNDES, para aquisição de bens.

“As linhas são muito robustas e atraentes, e vamos fazer com que elas comecem a operar rapidamente. Estamos muito otimistas com esta parceria”, afirmou Fiocca, anunciando que a expectativa é de que o banco desembolse R$ 200 milhões até o dia 31 de dezembro, prazo final de vigência das linhas.

O presidente da Abimaq parabenizou a Nossa Caixa pela coragem e pela mudança de cultura. “Esta é uma medida fundamental para oxigenarmos o setor. Nunca na história da Abimaq tivemos crédito com estas condições”, declarou Aubert, ressaltando que quem investir agora com certeza estará em vantagem competitiva.

Aos empresários que estão com máquinas paradas e ainda enfrentando momentos difíceis devido à crise, Aubert lembrou que as perspectivas para um futuro próximo são animadoras.

“O PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) vai andar. Temos o projeto “Minha Casa, Minha Vida”, que mexe com todo o nosso setor. Temos o pré-sal. E além de tudo isso, 2010 será um ano de Copa do Mundo”, declarou.

“Nossa expectativa é de que os tempos difíceis passem logo”, emendou o presidente do BNDES, Luciano Coutinho. “Quando você tem um horizonte firme de que a melhoria vai acontecer, é possível antecipar decisões de compras de máquinas.”

Coutinho disse ainda acreditar que a economia daqui para frente “crescerá a uma taxa invejável”. “Nos próximos anos, os investimentos em infraestrutura, energia elétrica, projetos de investimentos em logística, construção habitacional, agronegócios, portos, estradas e ferrovias impulsionarão o setor de bens de capital, que produzem máquinas para todos estes segmentos”, acrescentou, salientando que o crescimento do setor de bens de capital é do interesse de todo o País.


Linhas de financiamento

BNDES PSI – Destinado ao financiamento de máquinas e equipamentos novos credenciados no BNDES, oferece acesso às linhas de crédito Finame e BNDES automático, com taxas de juros fixadas em 4,5% ao ano, para aquisição de máquinas e equipamentos e 7% ao ano, para aquisição de ônibus e caminhões. O prazo para pagamento é de dez anos, com carência de até 24 meses.

O valor mínimo para financiamento é de R$ 30 mil e o máximo é de até 100% do valor do bem a ser adquirido, para contratos com micro, pequenas e médias empresas, e de até 80% em financiamentos direcionados às grandes empresas.

Além do financiamento, o BNDES PSI oferece a possibilidade do empréstimo de recursos para capital de giro, com parcela limitada a 50% dos bens para microempresas e a 30% para as pequenas e médias empresas.


PEC BNDES 
– Linha de capital de giro do Programa Especial de Crédito, tem como objetivo promover a competitividade, com financiamento de operações pelaNossa Caixa a partir de R$ 500 mil e valor máximo limitado a 20% da receita operacional bruta da empresa no ano anterior, limitado a R$ 20 milhões.

As taxas cobradas variam de 12,10% a 16,43% ao ano, de acordo com o porte da empresa e análise de risco da operação. O prazo para pagamento é de até 36 meses, com até 12 meses de carência.


PSI Agrícola  
– Por meio da linha Finame Agrícola, a Nossa Caixa financia a aquisição de máquinas e equipamentos do setor agrícola, com taxas de 4,5% ao ano, prazo máximo de 10 anos e carência mínima de três meses e máxima de 24 meses. O valor mínimo do financiamento é de R$ 30 mil e o desembolso máximo depende do porte da empresa ou produtor, atingindo 100% dos itens financiados para produtores rurais, micro, pequenas e médias empresas e 80% para grandes empresas.


Cartão BNDES  
– Com bandeira Visa, o cartão BNDES operado pela Nossa Caixa permite o financiamento de mais de 100 mil bens de produção, exclusivamente por meio do portal do BNDES (www.cartaobndes.gov.br), e é destinado a empresas com faturamento bruto anual de até R$ 60 milhões. As compras feitas por meio do cartão permitem o parcelamento em prazo de três a 48 vezes, com taxa de juros pré-fixada pelo BNDES (atualmente de 0,97% ao mês), com limite de financiamento de R$ 500 mil.


PSI Inovação  
– Tem como objetivo contribuir para o aumento das atividades de inovação no país e para a sua realização em caráter sistemático, incentivando o aumento da competitividade das empresas brasileiras. Sua aplicação se estende a todos os setores da economia, com linhas de apoio que combinam instrumentos de renda fixa e variável. Permite o financiamento não só de itens de produção, mas também de itens intangíveis, como cursos e treinamentos.

Mais informações: www.bndes.gov.br/inovacao


Prazos 
– As propostas de crédito direcionadas à linha PSI deverão ser protocoladas pela Nossa Caixa no banco de fomento até 30 de novembro e as propostas direcionadas ao PEC, até o dia 20 de novembro.