Exposição sobre o Prêmio Nobel no Centro Cultural Ruth Cardoso ‘incentiva as pessoas a serem melhores’

Giovanna Maradei, Agência Indusnet Fiesp

Cerca de 80 alunos do ensino médio da Escola Estadual Constante Ometto, de Pradópolis, no interior de São Paulo, visitaram, nesta sexta-feira (06/12), a exposição “O Prêmio Nobel: Ideias Mudando o Mundo”, no Centro Cultural Ruth Cardoso, que fica no prédio da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp) e do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP), na Avenida Paulista.

Eles puderam conhecer a história do prêmio e de seu criador e até mesmo refletir sobre o futuro da iniciativa. Moderna, a exposição conta com telas e estações interativas que chamaram, e muito, a atenção dos estudantes.

“Eu achei curioso porque é algo novo, se fosse um papel não seria a mesma coisa”, explicou Lívia Lavezo, que estava competindo com seus amigos para ver quem acertava mais perguntas sobre o Nobel.  “Com a brincadeira a gente vai prendendo e se divertindo”, completou seu colega Flávio Pires.

A exposição sobre o Nobel no Centro Cultural Ruth Cardoso: referência para alunos e professores. Foto: Beto Moussalli/Fiesp

A exposição sobre o Nobel no Centro Cultural Ruth Cardoso: inspiração. Foto: Beto Moussalli/Fiesp


O professor de biologia, Willian Sampaio, concorda com seus alunos. Para ele visitas como essas podem fazer muita diferença no processo de aprendizagem. “Entendendo o contexto em que a ciência é produzida eles podem ficar mais familiarizados com o assunto”, explicou o professor. Sampaio já desenvolve em sua escola um projeto chamado “ciência em cena”, para que os alunos conheçam mais profundamente a história de grandes nomes da ciência, entre eles, é claro, o criador do prêmio, Alfred Nobel.

Depois de conhecer a história do prêmio e descobrir que muitos dos projetos vencedores são utilizados no nosso cotidiano, o desafio dos visitantes é pensar no futuro. Uma instalação coloca diversas descobertas que seriam dignas de destaque e permite que os interessados ouçam argumentos, votem nos seus escolhidos e comparem os seus resultados com os votos da maioria dos visitantes.

Essa foi uma das sessões favoritas dos alunos de Pradópolis, que afirmaram considerar a premiação muito importante, tanto para o reconhecimento de grandes descobertas quanto para a motivação dos seus criadores. O grande mérito do prêmio é “incentivar as pessoas a serem melhores”, afirmou a aluna Tânia Stoco ao final da visita.

A exposição é gratuita e poderá ser visitada até 10 dezembro, dia em que morreu Alfred Nobel e no qual tradicionalmente acontece a premiação.

Serviço

Exposição: O Prêmio Nobel – Ideias Mudando o Mundo
Período: De 12 de novembro até 10 de dezembro (Aberto todos os dias)
Horário: 10h às 20h
Local: Centro Cultural Fiesp – Ruth Cardoso – Espaço Fiesp I
Endereço: Av. Paulista, 1313 – tel: (11) 3549-4499
Entrada gratuita

Ao lado do Rei da Suécia, presidente da Fiesp inaugura exposição ‘O Prêmio Nobel – Ideias Mudando o Mundo’

Guilherme Abati, Agência Indusnet Fiesp

Ao lado de Carl XVI Gustaf, rei da Suécia e patrono da Academia Real Sueca de Ciências e Engenharia, o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp),  Paulo Skaf, abriu oficialmente a exposição “O Prêmio Nobel– Ideias Mudando o Mundo”, em cerimônia na noite desta segunda-feira (11/11), no Centro Cultural Fiesp – Ruth Cardoso.

A exposição é resultado de um convênio entre a Fiesp, o Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) e a Câmara de Comércio Sueco-Brasileira. E prossegue até dia 10 de dezembro, sendo aberta ao público diariamente das 10h às 20h.

Para Carl XVI Gustaf, a exposição celebra os benefícios que as criações dos laureados com o Prêmio Nobel proporcionaram à humanidade. “Tais esforços ecoam e continuaram a ecoar para sempre”.

O rei da Suécia, à direita, em cerimônia com Paulo Skaf e demais autoridades: ideias que vão ecoar para sempre. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

O rei da Suécia, Carl XVI Gustaf, à direita, em cerimônia com Paulo Skaf (à esquerda) e demais autoridades: orgulho pelos esforços que vão ecoar para sempre.Foto: Ayrton Vignola/Fiesp


Segundo o monarca, a exposição carrega importância histórica da mais alta magnitude e deve influenciar os jovens brasileiros a investirem na vida intelectual.

Para Olov Amelin, diretor do Museu Nobel, o momento é especial, já que é a primeira vez que a exposição chega a um país latino-americano. “Estamos gratos por abrir a exposição no coração do Brasil”, afirmou.

Segundo Leif Johansson, presidente do Conselho da Academia Real Sueca de Ciências e Engenharia, a inauguração celebra a mistura intelectual sueca e brasileira e as possibilidades que essa interação pode criar. “Com esses trabalhos expostos, nós queremos retratar a vida e o trabalho de todos os laureados com o Nobel. Aqui temos projetos fundamentais, que mudaram a maneira como a humanidade vive”, disse.

Walter Vicioni Gonçalves, superintendente do Sesi-SP e diretor regional do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP), também participou da cerimônia.