Ritmo de recuo da atividade do setor de construção diminui em junho

Agência Indusnet Fiesp

O nível de atividade do setor de construção de São Paulo em junho registrou alta, mas, mesmo com o aumento do indicador 40,1 para 41,1 pontos, manteve-se abaixo da linha de estabilidade (50,0 pontos). No que se refere à mensuração da atividade em relação ao usual, o indicador teve ligeira alta, passando de 26,5 para 27,1 pontos.

Os dados são da Sondagem da Construção, do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos da Fiesp e do Ciesp. Divulgado nesta quinta-feira (21/7), o levantamento mostra queda no número de empregados do setor. O indicador passou de 38,1 pontos em maio para 36,5 pontos em junho, bem abaixo da média histórica.

A Utilização da Capacidade Operação (UCO) ficou no mesmo patamar de maio, 56,0%.

Perspectivas

Os resultados da sondagem sinalizam que os empresários da construção continuam sendo atingidos pelo cenário de incertezas. A maior parte dos indicadores apresenta piora na comparação com o mês anterior. O índice de atividade para os próximos seis meses chegou a 40,7 pontos em junho, contra 44,6 pontos em maio. Nas expectativas para compras de matérias-primas houve queda, de 42,5 pontos para 41,0 pontos.

Em relação às expectativas para empreendimentos e serviços, o indicador passou de 42,1 para 35,7 pontos. O índice de junho para perspectivas quanto ao número de empregados atingiu 35,3 pontos, contra 42,3 pontos em maio. Por fim, as perspectivas de investimento apontaram queda quando comparadas à leitura anterior, passando de 26,9 para 21,5.