Conservatório de Ciência e Tecnologia do Senai leva know-how à pequena empresa

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539694798

Nivaldo de Freitas, da Diretoria Técnica (Ditec) do Senai-SP. Foto: Everton Amaro/FIESP

Desde 2012, o Serviço Nacional de Aprendizagem da Indústria (Senai) envia especialistas a feiras de tecnologia e inovação dentro e fora do país para acompanhar os progressos do setor.

O objetivo é o de apresentar as novidades para alunos do Senai e empresários, de acordo com Nivaldo de Freitas, representante da Diretoria Técnica (Ditec) da instituição de ensino profissionalizante.

Freitas apresentou o método Observatório de Ciência e Tecnologia ao Conselho Superior de Inovação de Tecnologia (Conic) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), em reunião realizada nesta sexta-feira (08/03).

Somente no ano de 2012, o Observatório de Ciência e Tecnologia envolveu 50 especialistas do Senai em visitas a aproximadamente 15 feiras.

Em 2013, o plano é o de envolver 80 especialistas em exposições no Brasil e no exterior. O projeto tem como principal objetivo disseminar o conhecimento adquirido nesses eventos aos alunos e às pequenas e médias empresas por meio de workshops realizados pela escola.

“A Alemanha, por exemplo, é uma referência mundial em desenvolvimento tecnológico e tem as feiras mais importantes mundialmente”, disse Freitas.

“Para esses pequenos empresários é difícil [viajar com essa finalidade]. Então, se o Senai tem o recurso para mandar um especialista e pode trazer [esse conteúdo] principalmente para o pequeno empresário, é isso o que a gente quer oferecer”, completou.
Sugestões
Segundo o presidente do Conic, Rodrigo Rocha Loures, o Observatório da Ciência e Tecnologia é uma “boa notícia”, mas o programa precisa de uma estratégia de comunicação.

“O conselho nitidamente validou a iniciativa do Senai, mas fez algumas sugestões, como a necessidade de ter um plano de comunicação no sentido de ter uma imagem”, afirmou Loures.

Outras recomendações, segundo Loures, passam pela interação com outros modelos de observatórios praticados no país e a aproximação de empresários. “É importante despertar o conhecimento e o interesse dos empresários para esse aspecto”, disse. “O Senai tem recursos humanos e financeiros. Tem uma historia que o credencia para ser um agente promotor de inovação no Brasil.”