Últimas concessões de rodovias foram um sucesso, analisa diretora da ANTT

Guilherme Abati, Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540274126

Natália Marcassa, diretora da ANTT. Foto: Alberto Rocha/Fiesp

A diretora da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), Natália Marcassa, foi uma das convidadas do painel “Concessão de rodovias e a nova modelagem”, agenda desta quarta-feira (21/05) da Semana de Infraestrutura (L.E.T.S.), evento realizado pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), no Hotel Unique, em São Paulo.

De acordo com a dirigente, na atual modelagem, os contratos atuais operam por até 30 anos, com prazo de duplicação de cinco anos, o que é, em sua visão, um grande desafio, uma vez que “investimentos nessa rapidez, no Brasil, nunca foram feitos”.

Natália informou que as últimas cinco concessões da atual modelagem começaram a duplicação em junho. Quanto à distribuição de risco, “o acréscimo de equilíbrio vem de uma evolução da modelagem”.

Sobre os leilões dessas novas concessões, Natália os classificou como “um sucesso, com participantes em todos eles”.

Concessão não é privatização

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540274126

José Carlos Ferreira de Oliveira Filho, da Anteris. Foto: Alberto Rocha/Fiesp

Em seguida José Carlos Ferreira de Oliveira Filho, da Anteris, explicou que “concessões nascem da falta de poder do poder público”, segundo o convidado. “Dessa forma, a esfera privada é convocada para desempenhar a função”.

Oliveira Filho explica que concessão não é privatização, já que “alguns recursos continuam sendo do governo”.

Para ele, essa forma de estimular a melhoria de infraestrutura por meio de concessões é bastante positiva. “É uma solução mais rápida, que direciona recursos do estado para questões mais vitais. Além disso, aumenta a eficiência, com execução mais rápida e redução de risco para o setor público”.

Equilíbrio entre os modais

Na visão de Joel Peito, da empresa Triunfo, a concentração no modal rodoviário não é a ideal para o Brasil. “Importante é a diversificação de modais”, opinou.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540274126

Joel Peito, da empresa Triunfo. Foto: Alberto Rocha/Fiesp

Para ele, o melhor a ser feito não seria parar de investir em rodovias, mas sim tentar reequilibrar o equilíbrio entre os modais para melhor atender as demandas logísticas. “Diminuição dos custos logísticos é importante para aumento da competitividade do país”, concluiu Joel.

Para o moderador do encontro, o diretor da divisão de Logística e Transportes Departamento de Infraestrutura (Deinfra), Ricardo Antônio Mello Castanheira, houve avanço em relação às concessões na medida que “criamos um ambiente para discussão do modelo atual”.

L.E.T.S

A Semana da Infraestrutura da Fiesp (L.E.T.S.) representa a união de quatro encontros tradicionais da entidade: 9º Encontro de Logística e Transporte, 15º Encontro de Energia, 6º Encontro de Telecomunicações e 4º Encontro de Saneamento Básico.

O evento acontece de 19 a 22 de maio (segunda a quinta-feira), das 8h30 às 18h30, no Centro de Convenções do Hotel Unique, em São Paulo.

Mais informações: www.fiesp.com.br/lets