Atletas do Sesi-SP voltam do Mundial Militar com nove medalhas

Amanda Demétrio, Agência Indusnet Fiesp 

Após dez dias de competições nos 6º Jogos Mundiais Militares (JMM), realizados na Coreia do Sul, os seis atletas do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) que integraram a equipe do Brasil voltam para casa com 9 medalhas na bagagem, sendo 6 de ouro, 2 de prata e 1 de bronze. Com a segunda posição no quadro de medalhas, o Brasil alcançou o objetivo de terminar a competição entre os cinco melhores. Formada por 282 atletas em 24 modalidades, a delegação conquistou 84 medalhas (34 de ouro, 26 de prata e 24 de bronze). A Rússia terminou em primeiro, com 135 medalhas (59 ouros, 43 pratas e 33 bronzes). Com dois ouros a menos que o Brasil, a China ficou com a terceira colocação (98 medalhas, sendo 32 de ouro, 31 de prata e 35 de bronze).

As nadadoras Etiene Medeiros e Daynara de Paula foram responsáveis por 6 dos 9 pódios alcançados pelos atletas da indústria. Etiene conseguiu o ouro nas provas de 50m livre, 50m costas, 100m costas e 4x100m livre misto. Com Daynara também na piscina, o Brasil ainda conquistou a prata no revezamento 4x100m livre e o bronze nos 4x100m medley.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1545077881

Etiene Medeiros com as medalhas conquistadas no Mundial Militar.


Saindo das piscinas e indo para as quadras, os levantadores do vôlei masculino (Vinhedo) e feminino (Pri Heldes) foram responsáveis por mais duas medalhas de ouro. A equipe feminina do Brasil venceu a China por 3 sets a 0, mesmo confronto que decidiu as finais da quinta edição dos Jogos, em 2011, no Rio de Janeiro, e do Campeonato Mundial Militar de Voleibol, em 2014. O Brasil saiu vencedor nas duas competições.

Já o time masculino derrotou o Egito por 3 a 1. A equipe egípcia estava invicta na competição, com vitórias por 3 a 0, inclusive contra a seleção brasileira. No último dia de competições, o Brasil venceu os dois primeiros sets por 25 a 22. No terceiro houve a reação do Egito, que venceu por 25 a 22. Na sequência, o Brasil fechou o jogo no quarto set, por 29 a 27.

No triathlon, Reinaldo Colucci conquistou a nona medalha para a equipe Sesi-SP. O triatleta garantiu a prata por equipe – o ouro ficou com a Coréia do Sul. No feminino, Luísa Baptista e companhia quase subiram ao pódio, terminando na quarta colocação. Nos resultados individuais, Reinaldo Colucci foi 13º, com 1.50:56, e Luísa Baptista, 16ª, com 2.07:28.

Etiene Medeiros é ouro em Mundial Militar na Coreia do Sul

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp

Atleta do Sesi-SP, a nadadora Etiene Medeiros trouxe dois ouros para o Brasil nesta quarta-feira (7), durante os Jogos Mundiais Militares, na Coreia do Sul.  Ela terminou em primeiro lugar a prova dos 50 metros livre, com 25.21.

Mais tarde, Etiene repetiu o feito, dessa vez na prova dos 100 metros costas, terminando na primeira colocação com 1.02.20.  Com o resultado desta quarta-feira, o Brasil segue na disputa em segundo lugar na classificação geral com sete medalhas, sendo três de ouro, três de prata e uma de bronze. Em primeiro, está a China com 12 medalhas, das quais quatro são de ouro, quatro de prata e quatro de bronze.

Seis atletas do Sesi-SP representam o Brasil nos Jogos Mundiais Militares

Amanda Demétrio, Agência Indusnet Fiesp

A seleção brasileira militar contará com seis atletas do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) nos 6º Jogos Mundiais Militares (JMM), realizados entre os dias 2 e 11 de outubro na Coreia do Sul. Etiene Medeiros e Daynara de Paula, da natação, Reinaldo Colucci e Luísa Baptista, do triathlon, e os levantadores do vôlei Vinhedo e Pri Heldes são os atletas da indústria que também seguem carreira militar e estarão entre os 286 competidores que representarão o Brasil na competição.

A sexta edição espera receber 8.700 atletas de 110 países, que disputarão em 24 modalidades distribuídas em oito cidades (Mungyeong, Pohang, Gimcheon, Andong, Yeongju, Yeongcheon, Sangju e Yecheon). Atual campeão do quadro de medalhas dos Jogos Mundiais Militares de 2011, no Rio de Janeiro, com 114 conquistas, sendo 45 de ouro, 33 de prata e 36 de bronze, o Brasil chega à Coreia com a sua maior delegação na história. A meta para 2015 é repetir e melhorar o feito anterior. China e Rússia são as grandes concorrentes.

Embarcando na madrugada desta sexta-feira (2/10), Etiene Medeiros encara o seu primeiro mundial militar, e mesmo recém-chegada das férias, a nadadora comemora a oportunidade de mais uma vez poder representar o seu país em uma competição.

“Estamos em uma fase de treinamento logo após as férias, então temos que tomar muito cuidado, vou para competir de acordo com o nível que eu estou e acho que todo mundo está assim, não só a equipe do Brasil. Independentemente do nível da competição eu estou indo para ajudar a equipe, as forças armadas, e espero que o Brasil consiga fazer uma competição muito boa”, comentou a pernambucana, que ainda comemorou a oportunidade de conhecer mais um país.

“Estou feliz, vou para Coreia, nunca fui para lá, vai ser legal. Estarei com a equipe, tenente, capitão, todo mundo junto, será uma energia bem positiva, um ambiente diferente para mim, mas vai ser bem bacana, todo mundo está bem preparado para isso”, finalizou.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1545077881

Etiene Medeiros, atleta do Sesi-SP que integra equipe brasileira no mundial militar. Foto: CBDA/Divulgação


Daynara de Paula já encarou um mundial militar e obteve bons resultados. No ano passado, no 46º Mundial Militar de Natação, a nadadora não só conquistou um ouro no 100m borboleta como quebrou o recorde mundial no revezamento 4x100m livres. Para esse ano Daynara quer mais.

“Eu acho que o mundial militar é uma competição muito importante, são equipes fortes teoricamente, algumas seleções militares são as equipes principais dos países. Tenho a expectativa de representar bem o exército. No ano passado tive a oportunidade de ser campeã e bater o recorde no revezamento, então vou com a mentalidade de melhorar esses resultados. Usarei essa competição como mais uma forma de preparação para 2016, será um mundial pesado para mim porque eu só estou com três semanas de treino, não estou na minha melhor fase mas quero representar bem o país, o Exército e as Forças Armadas. Estou animada, bem confiante, espero que dê tudo certo”, finalizou.

Após participar do mundial de triathlon em Chicago, há duas semanas, Luísa Baptista encara neste domingo (4/10) mais uma etapa da ITU Triathlon World Cup, em Cozumel (México) e na sequência segue para mais uma competição de peso. Depois de encarar sua primeira prova no grupo de elite, a triatleta encara a prova da Coreia como mais um desafio para sua carreira.

“Estou muito feliz com mais essa oportunidade, será mais uma boa chance de somar pontos e experiência para a minha carreira. Competimos em Cozumel e vamos direto para o mundial militar.”

Na Coreia, o vôlei será uma das primeiras modalidades disputadas no mundial, com partidas já neste sábado (3/10). A natação inicia sua briga por medalhas na próxima quarta-feira (7/10) e vai até sábado, 10 de outubro, mesmo dia que o triathlon entra em ação.