Atletas do Sesi-SP voltam ao Brasil com 17 medalhas do Mundial Escolar 2016

Amanda Demétrio, Agência Indusnet Fiesp

Com 17 das 128 medalhas que o Brasil trouxe na bagagem após participar do Mundial Escolar 2016 (Gymnasiade), na cidade de Trabzon, na Turquia, os 16 jovens atletas do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) superaram a ansiedade de representar o Brasil em uma competição mundial e com 9 ouros, 4 pratas e 4 bronzes contribuíram para colocar o país na primeira colocação geral da competição, à frente da Turquia, segunda colocada, com 119 medalhas, e da França, terceira (56).

Modalidade com mais atletas do Sesi-SP inscritos, o atletismo rendeu para o grupo da indústria 4 medalhas. Vinicius Iema ganhou ouro nos 100m rasos. Erik Cardoso ficou com 2 de prata, nos 100m e no revezamento 4x100m. Isabelle Soares ficou também com prata, ao lançar o martelo a 56 metros e 43 centímetros. Além da medalha, a atleta ainda quebrou seu recorde pessoal.

“Estou feliz demais com o resultado. Tive uma preparação de muito esforço e contei com todo apoio da família, amigos e a colaboração de toda a equipe. O treinamento é bem rigoroso e tem que ser bastante equilibrado, se a gente foge um pouquinho que seja acaba com toda a sequência já realizada. Então temos que manter sempre a postura de atleta e ir para cima sem medo. Agora eu vou levar todo o aprendizado que tive aqui para minha vida, afinal é um mundial. Mas também não vejo a hora de chegar em casa e encontrar a minha família”, comemorou Isabelle ao final da prova.

Adicionando sete medalhas na conta brasileira, duas nadadoras do Sesi-SP também fizeram bonito durante os seis dias de provas. Clarissa Rodrigues ganhou 6 medalhas. Foi ouro nos 100m borboleta (1:01.40), no revezamento 4x100m livre, estabelecendo um novo recorde com o tempo de 3:48.77, no 4x100m livre misto (3:34.71) e no 4x100m medley misto (3:57.93). “Eu estou muito feliz pelos resultados deste ano, foi uma experiência legal”, disse Clarissa. “É bom ver todo mundo que estuda no esporte, na natação. Participar da seleção brasileira mais uma vez e ter o contato com outros atletas é muito bom, isso me motiva cada vez mais, estou sempre pensando no futuro, em melhorar cada dia mais.”

O bronze veio nos 100m livre com o tempo de 57.03 e no revezamento 4x100m medley feminino (4:19.94). Beatriz Dizzoti foi ouro nos 200m borboleta (2:19.29) e prata nos 400m medley (5:02.23).

No judô os três representantes da indústria voltaram para casa com medalhas. Renan Torres (ligeiro até 55 kg) e Michael Marcelino (meio leve até 60 kg) ficaram com o ouro em suas categorias, enquanto Giovanna Fontes (meio pesado até 70 kg) trouxe o bronze. Único atleta do Sesi-SP na ginástica, Eduardo Guimaraes, após conquistar o ouro na disputa por equipes, se classificou para a final na barra fixa e ficou na terceira colocação.

Na última edição, disputada em Brasília em dezembro de 2013, o Brasil ficou com o terceiro lugar na classificação geral entre os 30 países participantes. E para este ano, o desejo do presidente da CBDE, Antônio Hora, era melhorar ainda mais a classificação e se firmar como uma grande potência mundial no desporto escolar. Superando os donos da casa e a França, o Brasil não só se manteve como grande potência como ocupou o topo da tabela. E assim como a CBDE, o Sesi-SP, com foco no trabalho de formação de novos atletas, vem a cada competição colhendo os frutos de suas ações.

Atletas do Sesi-SP desembarcam na Turquia para o Mundial Escolar 2016

Amanda Demétrio, Agência Indusnet Fiesp

Com foco total no trabalho de formação de novos atletas, o Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) tem colhido, cada vez mais, os frutos de suas ações. Enquanto muitos se preparam para os Jogos Olímpicos Rio 2016, maior evento esportivo domundo, 16 jovens atletas da indústria, com idade entre 13 e 17 anos, encaram a ansiedade de também representar o Brasil em uma competição. Disputado entre os dias 11 e 18 de julho, o Mundial Escolar 2016 (Gymnasiade), que acontecerá em Trabzon, na Turquia, reunirá mais de 2.000 participantes de diversos países.

Integrando a delegação brasileira, composta por cerca de 230 atletas, mais técnicos e dirigentes, os 16 atletas e 2 técnicos do Sesi-SP, distribuídos em 5 modalidades, buscam, assim como fizeram na seletiva nacional, um bom desempenho no torneio mundial. Após a convocação feita pela Confederação Brasileira de Desporto Escolar (CBDE), os competidores, das modalidades de atletismo, ginástica aeróbica, ginástica artística, ginástica rítmica, judô, caratê, natação e xadrez já começam a desembarcar no país sede.

Os representantes paulistas são os caratecas Felipe Agra e Leticia Tauane, alunos do Sesi de Santos, e Giovana Guedes, aluna da Escola Estadual de Santos. Eduardo Guimarães será o representante na ginástica, competindo no individual geral. No atletismo, Isabelle Silva (lançamento de martelo), Erik Cardoso (4x100m e 100m rasos), Karen Amaro (lançamento de disco), Gustavo Montan (revezamento misto 200, 400, 600 e 800), Gabriel Moreira (1.500m rasos) e Rubens Fonseca (2.000m com obstáculos), buscam, além de medalhas, crescimento pessoal.

“A expectativa é das melhores. A gente treina muito, então vamos bem focados e esperamos trazer uma medalha para o Brasil”, comentou Felipe Agra, carateca. Ansiosa com o primeiro mundial da carreira, Giovana, que assim como Felipe, também compete na categoria kata, não esconde a felicidade. “É o meu primeiro mundial e estou com 15 anos ainda. Estou muito feliz com tudo isso, com essa oportunidade, é meu sonho desde pequena.”

Acompanhados de Marinho Esteves, técnico da equipe de judô do Sesi-SP e da seleção brasileira, Renan Torres (ligeiro até 55 kg), Michael Marcelino (meio leve até 60 kg) e Giovanna Fontes (meio pesado até 70 kg) serão os judocas da indústria de São Paulo representando o país. E na natação, Clarissa Rodrigues (50 e 100m borboleta e 100m livre), Beatriz Dizzoti (200m borboleta, 400m medley e 400m livre) e Gabrielle Assis (50 e 100m costas), terão como técnico Thiago Budicin, também professor do Sesi-SP.

Na última edição, em dezembro de 2013 disputada em Brasília, o Brasil ficou com o terceiro lugar na classificação geral entre os 30 países participantes. E para este ano, segundo o presidente da CBDE, Antônio Hora, o objetivo é melhorar ainda mais a classificação e se firmar como uma grande potência mundial no desporto escolar.