“Mais de R$ 1 trilhão em 5 anos! Chega de pagar os juros mais altos do mundo”, diz Skaf

 Edgar Marcel, Agência Indusnet Fiesp

Após o lançamento do Movimento por Brasil com Juros Baixos: Mais Empregos e Maior Produção, o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, e os representantes das centrais sindicais realizaram no final da manhã desta terça-feira (18) uma passeata até a sede do Banco Central, na Avenida Paulista. A reivindicação pela queda da taxa básica de juros reuniu cerca de 1.000 pessoas, entre trabalhadores e empresários, que se concentraram em frente ao BC.

“Estamos confrontando a política monetária brasileira porque o País necessita de juros mais baixos e de menos especulação. Neste ano serão pagos R$ 250 bilhões de juros, nos últimos cinco anos se pagou mais de R$ 1 trilhão, nos últimos oito anos mais R$ 2 trilhões de reais. O que Brasil precisa, de fato, é de dinheiro investido na produção, na geração de emprego, no desenvolvimento, e não ficar pagando para especuladores os juros mais altos do mundo nestes 16 anos seguidos”, exclamou Skaf durante entrevista coletiva.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539795118

Paulo Skaf, presidente da Fiesp (com a bandeira do Brasil nos ombros) e líderes sindicais à frente da passeata até o Banco Central, na Avenida Paulista

Ao defender que este é um manifesto da sociedade brasileira, o presidente da Fiesp afirmou que o Banco Central não pode ser responsável pelo destino do País. “O BC tem uma missão focada somente na moeda. Não cabe ao BC decidir o futuro do Brasil e do povo brasileiro, mas sim ao governo, à presidente Dilma Rousseff. E cabe à sociedade brasileira exigir que as coisas aconteçam de forma correta”, reforçou Skaf.

O presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva, explicou que a ideia do movimento é mostrar a insatisfação dos trabalhadores e do empresariado brasileiro a cada 45 dias, quando ocorre a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom).

“Somos campeões de juros altos há 16 anos, e com isso o Brasil não cresce e nem se desenvolve. Essa união de centrais sindicais, trabalhadores e empresariado é para dizer que não aguentamos mais esta situação”, completou Pereira.