Empresários se mobilizam para desenvolver pesquisa e inovação nas indústrias

Edgar Marcel, Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1545141740

Da esq. p/ a dir.: Luciano Coutinho, presidente do BNDES, João Guilherme Sabino Ometto, 2º vice-presidente da Fiesp, e José Ricardo Roriz Coelho, diretor do Decomtec. Foto: Vitor salgado



Com o objetivo de discutir políticas públicas de apoio ao desenvolvimento tecnológico, líderes da Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI) firmaram compromisso, nesta sexta-feira (22), em dialogar com o governo práticas de fomento à inovação tecnológica.

Presente ao evento, o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, explicou que nem sempre o acesso aos incentivos é disseminado de maneira clara, especialmente às pequenas empresas, que carecem de aportes à pesquisa e desenvolvimento (P&D).

“A ideia do MEI não é apenas mobilizar o empresariado de forma estratégica, mas também difundir o conhecimento das facilidades existentes em favor da inovação para uma arrancada do setor privado”, disse Coutinho.

Segundo a pesquisa de intenção de investimento realizada pelo Departamento de Competitividade e Tecnologia (Decomtec) da Fiesp, neste ano o investimento privado em P&D deve chegar a 0,58% do Produto Interno Bruto (PIB). Apesar de crescente nos últimos anos, este índice é insuficiente para atingir a meta da Política de Desenvolvimento Produtivo do governo federal, de 0,65% do PIB.

Agenda

Luciano Coutinho ainda sublinhou a importância do evento ao afirmar que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem respaldado firmemente a agenda de medidas em favor da inovação. “Quero reiterar em nome do governo brasileiro a nossa firme aliança e disposição a dialogar com o empresariado no que diz respeito à agenda da inovação”, assinalou.

Segundo o diretor do Decomtec, José Ricardo Roriz Coelho, este número ainda encontra-se distante dos níveis de investimento realizado em países mais desenvolvidos.

“Um dos fatores que influenciam diretamente no nível de investimento em inovação está relacionado ao ambiente de negócio. Questões como a alta carga tributária, taxa de juros elevada e câmbio desfavorável devem ser enfrentados, para ampliar as atividades inovativas das empresas”, analisou Roriz.

O termo de adesão à Rede de Núcleos de Inovação (RNI) da MEI, pelo qual a Fiesp se compromete a assume a responsabilidade de contribuir para o alcance dos objetivos e designar responsáveis pela coordenação da rede, foi assinado pelo 2º vice-presidente da federação, João Guilherme Sabino Ometto.

Planos

O presidente da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), Luis Manoel Rebelo Fernandes, anunciou a criação da Sala de Inovação. O novo canal terá os detalhes de funcionamento publicados na portaria que será divulgada no final deste mês.

De acordo com Fernandes, a ideia é que os representantes dos ministérios da Fazenda, da Ciência e Tecnologia, da Educação e do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior se reúnam a cada 90 dias para avaliar as propostas encaminhadas pelas empresas.