Crescimento econômico ideal depende da união dos investimentos públicos e privados, afirma ministro da Aviação Civil

Guilherme Abati, Agência Indusnet Fiesp

“Investimento público e privado devem andar de mãos dadas para alcançarmos o crescimento econômico ideal. É o único caminho para alcançarmos a grandeza que queremos”, afirmou Moreira Franco, ministro-chefe da Secretaria de Aviação Civil, durante a abertura do 8º Encontro de Logística e Transportes da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

O evento acontece nesta segunda-feira (06/05) e terça-feira  (07/05), no Centro de Convenções do Hotel Unique, em São Paulo.

Ministro Moreira Franco, da Aviação Civil, durante a abertura do 8º Encontro de Logistica e Transporte da Fiesp. Foto: Everton Amaro

 

Abordando os  atuais e futuros desafios da área de infraestrutura do país, Moreira Franco relembrou os avanços do setor de Logística e Transporte na última década. Segundo ele, vários problemas que existiam há 10 anos já foram superados. “Não discutimos mais a questão da privatização. Hoje cada vez mais vemos os críticos das privatizações diminuírem. Se possível, devemos sim mobilizar outras fontes de investimento além da pública”, avaliou.

O ministro também pontuou alguns obstáculos que o Brasil enfrentou recentemente. “No final da década de 1970 e no começo dos anos 1980, o Brasil passou por muitas dificuldades. Vivemos a destruição da engenharia brasileira, o endividamento, a inflação crescente. Tais processos transformaram o Brasil em um emaranhado de leis, que dificultava a busca da qualidade e de competência”, disse.

“Nos últimos anos vemos a reconstrução do país, com bons investimentos. O poder público passou a ter recurso e os usuários dos serviços começaram a ser tratados como clientes. Agora precisamos discutir como reerguer a engenharia nacional e as empresas de gerência”, ressaltou.

O ministro enfatizou que há muitos obstáculos a serem superados pelo setor ainda e concluiu: “As coisas precisam sair do papel e virar realidade. Precisamos acelerar os processos, de rapidez. O governo tem recurso e planos, mas precisamos de condições efetivas para transformar as coisas em realidade para, no fim, resultar na melhoria das condições de vida da população”.