Equador quer parceria estratégica com setor de Defesa do Brasil

Uma comitiva de representantes do Ministério da Defesa do Equador visitou nesta sexta-feira (16) a sede da Fiesp, onde foi realizado encontro com industriais do setor.

“Eles vieram conhecer o potencial da indústria brasileira de Defesa e buscar parcerias”, disse o coordenador da Divisão de Mercado Internacional do Departamento da Indústria de Defesa (Comdefesa) da Fiesp, Roberto Carvalho.

José Luis Mieles, subsecretário de Planejamento do Ministério da Defesa do Equador, confirmou: “Estamos explorando as possibilidades de parcerias e desenvolvimento conjunto das nossas indústrias”.

Mieles explicou que no Equador todas as empresas de Defesa são públicas e que os principais produtos são: explosivos, vestuário e sapato, e munições. Ele reconheceu ainda que o setor no Brasil está “muito desenvolvido”.

Unasul

O Equador, que ocupa a alternada presidência do Conselho de Defesa da Unasul (organismo da União das Nações Sul-Americanas), também tem interesse em identificar o potencial da indústria de Defesa na região.

Entretanto, os equatorianos admitem a dificuldade de encontrar objetivo comum entre os países, tendo em vista os constantes conflitos diplomáticos entre nações, como Colômbia e Venezuela, por exemplo.

“Podemos começar um projeto na região com acordos bilaterais”, sugeriu o subsecretário de Desenvolvimento do Ministério da Defesa, coronel Mario Leiva, ao se referir à ideia de parceria entre Brasil e Equador.

O Conselho de Defesa da Unasul pretende criar um sistema de gestão de projetos; conhecer os regimes jurídicos de cada país e os projetos de financiamento para o setor.