Uma grande e justa vitória, afirma Skaf sobre derrubada do veto ao Refis para micro e pequenas

Agência Indusnet Fiesp

O Congresso Nacional derrubou nesta terça-feira (3 de abril) o veto ao Projeto de Lei Complementar 171/15, que permite o parcelamento em 180 meses, com redução de juros e multas, das dívidas das empresas participantes do Simples Nacional. É o chamado Refis das micro e pequenas empresas.

O presidente da Fiesp e do Ciesp, Paulo Skaf, considera a decisão “uma grande e justa vitória”. Graças à derrubada do veto, fica mais fácil para os empresários de pequeno porte pagar dívidas. Derrubado o veto, a matéria segue para promulgação, passando a valer como lei.

A lei cria o Programa Especial de Regularização Tributária das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte optantes pelo Simples Nacional (Pert-SN), ao qual as empresas poderão aderir em até 90 dias após sua promulgação. É exigido o pagamento de 5% da dívida sem descontos em até cinco parcelas mensais. O saldo poderá ser pago em até 175 meses, com redução de 50% dos juros, 25% das multas e 100% dos encargos legais.

12º PRÊMIO DE CONSERVAÇÃO E REÚSO DE ÁGUA – CASES VENCEDORES

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539903715

O Prêmio FIESP de Conservação e Reúso de Água objetiva conhecer, difundir e homenagear, anualmente, empresas que utilizam boas práticas na promoção do uso eficiente de água, com medidas efetivas na redução do consumo e do desperdício de água, gerando benefícios ambientais, econômicos e sociais e aumentando a competitividade do setor, bem como dar ampla publicidade às ações realizadas pela indústria paulista na construção do desenvolvimento sustentável.

Em 2017 foram 36 projetos inscritos para concorrerem ao Prêmio, nos links abaixo é possível conferir os projetos das empresas vencedoras.

Vencedora Grande Porte

Raízen Energia

Projeto: Programa Raízen para Conservação e Reuso de Águas


Vencedora Pequeno Porte

Laboratório Arenales

Projeto: Reuso de Água dos Destiladores


CLIQUE AQUI e veja as fotos do evento.

BNDES anuncia medidas de apoio às micro, pequenas e médias empresas

Agência Indusnet Fiesp

Diante do trabalho da Fiesp em apresentar ao Governo Federal e ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) uma agenda de propostas para ajudar a empresas a enfrentarem a crise econômica, o BNDES anunciou, no dia 13 de dezembro, medidas de apoio para micro, pequenas e médias empresas (MPME’s). São ações que o banco colocará em prática a partir de 2017.

As medidas mais importantes anunciadas são as seguintes:

Unificação das condições financeiras. Todo o apoio financeiro a projetos de investimento e aquisição de máquinas e equipamentos para este público, contratados por meio dos produtos BNDES FINEM, BNDES Automático e BNDES Finame, terão participação máxima de 80% de TJLP, condição de crédito mais favorável do Banco. Anteriormente, esse percentual variava entre 50% e 80%, dependendo do programa.

Classificação de porte. O BNDES ampliará de R$ 90 milhões para R$ 300 milhões, com base nos valores de Receita Operacional Bruta (ROB), o limite para enquadramento das MPME’s. Segundo o BNDES, já em 2017, aproximadamente 1.500 empresas poderão obter financiamento do BNDES em melhores condições.

Maior prazo do BNDES Finame. Para as MPME’s, os financiamentos contratados através do BNDES Finame terão prazo máximo de pagamento ampliado de cinco para até dez anos.

Capital de giro – O BNDES oferecerá o Programa BNDES de Apoio ao Fortalecimento da Capacidade de Geração de Emprego e Renda (BNDES Progeren), já disponível na modalidade indireta automática, também na modalidade direta, sem a intermediação de agentes financeiros.

BNDES Moderfrota – Os Ministérios da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e da Fazenda (MF) deverão autorizar um reforço de R$ 2 bilhões no orçamento do BNDES no Programa de Modernização da Frota de Tratores Agrícolas e Implementos Associados e Colheitadeiras (BNDES Moderfrota). A linha do programa é voltada para produtores rurais com renda anual de atividades agropecuárias de até R$ 90 milhões.

Garantia com o FGI – Em operações contratadas com pequenas e médias empresas em linhas de crédito dos próprios agentes financeiros habilitados, a cobertura máxima do valor financiado foi elevada de 50% para 70% e foi permitida a possibilidade de garantia em financiamentos voltados exclusivamente a capital de giro. Também estão sendo revisados, com previsão de implantação até janeiro de 2017, os limites do FGI para dispensa de exigência de garantias, facilitando o acesso das MPMEs ao crédito.

Refinanciamento – Serão ampliadas, em fevereiro de 2017, as opções de refinanciamento de saldos vencidos e a vencer de operações contratadas com o BNDES, incluídas as do Programa BNDES de Sustentação do Investimento (BNDES PSI), encerrado em dezembro de 2015. Esse refinanciamento será feito em TJLP e não às taxas fixas originais do PSI.

Novo limite do Cartão BNDES – Já em janeiro de 2017, as MPME’s contarão com a elevação do limite máximo do Cartão BNDES de R$ 1 milhão para R$ 2 milhões por agente financeiro emissor. O produto — uma linha de crédito rotativa e pré-aprovada com pagamento em até 48 prestações mensais fixas — poderá ser obtido por MPMEs com ROB de até R$ 300 milhões.

Outras ações também foram anunciadas para 2017, como o lançamento de um portal exclusivo para MPME’s. O objetivo é facilitar a comunicação e consulta aos produtos do banco e ampliar a automatização dos processos concessão de crédito das operações indiretas automáticas. Está previsto ainda o lançamento do Cartão BNDES Agro.

Para saber mais sobre as medidas, é só acessar o site do BNDES:  www.bndes.gov.br.

Retrospectiva 2014 – Fiesp investiu em serviços à Micro, Pequena e Média Indústria

Guilherme Abati e Juan Saavedra, Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539903715

O Departamento da Micro, Pequena e Média Indústria da Fiesp (Dempi) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) prosseguiu, em 2014, lutando para a melhoria da condição do setor.

Com objetivo de apresentar estratégias e perspectivas para o setor, o departamento realizou dois grandes eventos ao longo do ano.

O IX Congresso da Micro e Pequena Indústria, com o tema “Produzir Mais e Melhor”, teve 1.400 participantes. já o Seminário da Micro e Pequena Indústria “Vender Mais e Melhor”, em outubro, contou com 600 participantes.

Também foram realizados eventos regionais em três diretorias regionais do Ciesp, em Marília, Rio Claro e Sorocaba, atendendo 470 participantes.

Somente em 2014 foram organizadas nove salas de crédito, com 318 atendimentos e 130 participantes no seminário finanças e financiamento.

Em parcerias com as universidades e institutos, a Fiesp promoveu 22 palestras e workshops, capacitando 1062 participantes de micro, pequenas e médias empresas da capital e interior. Também foram realizados seminários com visita a laboratórios em que foram apresentadas soluções de apoio às micro, pequenas e médias indústrias, capacitando 64 participantes da capital e interior

No prêmio “Água: Ideias Inovadoras, Soluções Sustentáveis”, o Dempi/Fiesp atuou em parceria com o Departamento de Meio Ambiente (DMA) da entidade, promovendo seminários aos alunos de 11 instituições de ensino parceiras, visando apresentar e incentivar a participação no projeto. Foram 1.250 alunos capacitados e mais de 330 projetos recebidos.

O Dempi/Fiesp também atuou em diversos fóruns na esfera federal, estadual e municipal. Um deles foi o Fórum Permanente da Micro e Pequena Empresa do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Outro foi na Frente Parlamentar em Defesa das Micro Empresas e Empresas de Pequeno Porte, dos Microempreendedores Individuais E Das Cooperativas, na Câmara Municipal de São Paulo.  E ainda nas reuniões da Agência De Desenvolvimento do Estado de São Paulo, entre outros.

O Dempi/Fiesp também intensificou os atendimentos setoriais com participação em Feiras e Palestras nos Sindicatos. Foram sete feiras de seis sindicatos (Sindipan, Sinpan, Sindigraf, Sindijóias, Sindratar, Sinbevidros), totalizando 43 palestras, 1.316 participantes, 25 parceiros e 220 atendimentos.

Também foram feita mais de 20 palestras setoriais dentro das sedes dos sindicatos de cinco sindicatos, reunindo 946 participantes convidados pelas entidades. As palestras foram ministradas por profissionais da própria Fiesp, do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP) e de universidades.


NOTÍCIAS DE DESTAQUE EM 2014


NOVEMBRO

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539903715

Seminário na Fiesp reuniu representantes das principais instituições financeiras e de crédito do país. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

Em novembro, o Dempi/Fiesp realizou um seminário em que reuniu representantes do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), da Agência Desenvolve SP e de quatro bancos. Eles apresentaram as linhas de crédito oferecidas às Micro, Pequena e Médias Empresas (MPMEs), explicando os objetivos de cada uma, seja para compra de equipamentos ou para capital de giro. >> Leia mais

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539903715

Dariane Castanheira, pesquisadora do Proced da FIA-USP: "Existem recursos financeiros disponibilizados por instituições de crédito e de fomento". Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

No mesmo evento foi apresentado o resultado de uma pesquisa feita com 359 empresas sobre dificuldades de acesso das micro e pequenas empresa a crédito. Segundo a professora e consultora Dariane Castanheira, pesquisadora do ProCED (Programa de Capacitação de Empresas e Desenvolvimento) da Fundação Instituto de Administração (FIA), não é verdade que falta acesso a crédito para micro e pequenas empresas (MPEs). “O grande mito é que falta crédito. A linha de crédito está lá. As taxas de juros são altas, se comparar com a rentabilidade que um novo negócio traz, mas é um mito falar que elas são altas comparando com a média do mercado. Há taxas abaixo da média.” >> Leia mais


OUTUBRO

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539903715

A Fiesp e o Ciesp realizaram o Seminário da Micro e Pequena Indústria (MPI). Durante o evento, foram realizadas palestras com diversas especialistas da área de vendas, estratégias e inovação. Nomes como como Martha Gabriel, Paulo Henrique Donassolo, Afonso Braga, Flávio Nusbaum, Samy Dana, Adir Ribeiro, Alexandre Caetano e Ernesto Costa Santos.  >> Veja infográfico


Imagem relacionada a matéria - Id: 1539903715

Milton Bogus: “Precisamos investir constantemente na inovação e na gestão visando o crescimento da micro para a pequena, da pequena para a média e desta para a grande”. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

Na abertura, o diretor titular do Dempi/Fiesp, Milton Bogus, destacou as ações desenvolvidas pelo Dempi/Fiesp para levar propostas e soluções aderentes à realidade das empresas e a atuação das entidades junto ao poder federal, estadual e o poder legislativo, para buscar a melhoria do ambiente, com bons resultados como a aprovação da revisão da lei geral das MPs. Destacou ainda a necessidade de inovação, para estar conectado com o mercado de forma global. “Precisamos investir constantemente na inovação e na gestão visando o crescimento da micro para a pequena, da pequena para a média e desta para a grande.”  >> Leia mais 

Já Rafael Cervone, vice-presidente da Ciesp, destacou a necessidade de simplificar o dia a dia das empresas e de melhorar o ambiente de negócios. “Nunca vi um ambiente de negócios tão hostil ao empreendedorismo”, lamentou. >> Leia mais


SETEMBRO

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539903715

Presidente da Fiesp, Benjamin Steinbruch (ao centro), com alunos que representaram os grupos vencedores de 11 universidades participantes do prêmio “Água Ideias Inovadoras - Soluções Sustentáveis”. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

A Fiesp e o Ciesp anunciaram no dia 22/09 os projetos vencedores do prêmio “Água Ideias Inovadoras – Soluções Sustentáveis”, iniciativa criada para estimular as melhores contribuições e propostas inovadoras para a solução de problemas relacionados ao uso e tratamento da água pela indústria.

Participaram do concurso as comunidade acadêmicas de 11 instituições de ensino: Centro Universitário da Faculdade Engenharia Industrial (FEI), Universidade Anhembi Morumbi, Universidade Cruzeiro do Sul, Universidade de Santo Amaro, Universidade Presbiteriana Mackenzie, Universidade de Ribeirão Preto, Universidade São Judas Tadeu, Faculdades Integradas Rio Branco, Escola de Negócios Trevisan, Faculdades Metropolitanas Unidas e Faculdade Sumaré. >> Leia mais

Em setembro, mais uma edição da Sala de Crédito foi realizada. O objetivo da iniciativa do Dempi é de informar e orientar os empresários sobre linhas de financiamento de longo prazo e facilitar o acesso ao crédito para as micro, pequenas e médias indústrias. Tudo isso com uma orientação estratégica em demandas de financiamento para a aquisição de máquinas e equipamentos, construção ou reforma de instalações, bem como em projetos de pesquisas e desenvolvimento, exportação, projetos de sustentabilidade e também para obter capital de giro e compra de matéria-prima. >> Leia mais


JULHO

Em julho, a Fiesp promoveu mais uma edição da Sala de Crédito, na sede da entidade. >> Leia mais


JUNHO

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539903715

Empresários na Sala de Crédito organizada pelo Dempi: pelo desenvolvimento das empresas. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

O Dempi/Fiesp realizou mais uma edição da sua Sala de Crédito. Segundo Flávio Vital, assessor de Projetos de Pequena e Média Indústria do Dempi/Fiesp, a equipe do departamento, durante a realização das salas de crédito, ajuda as empresas a “estabelecerem estratégias para ajudar em seu desenvolvimento, conseguindo falar com os representantes dos bancos presentes de maneira eficaz”. >> Leia mais

Entre 24 a 27 de junho, no Expo Center Norte, o Dempi/Fiesp participou da 30ª Feira Internacional de Produtos e Serviços para a Alimentação Fora do Lar com palestras gratuitas com um  ciclo de palestras gratuitas organizadas em seu estande. >> Leia mais

MAIO

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539903715

Afif Domingos: “Vamos baixar o prazo de abertura para no máximo cinco dias”. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

Em maio, o ministro da Micro e Pequena Empresa, Guilherme Afif Domingos, participou da abertura do 9º Congresso da Micro e Pequena Indústria (MPI) da Fiesp do e Ciesp. Na ocasião, ele apresentou o projeto de um portal único para a abertura e fechamento de empresas. “O portal fará a unificação em um balão único por meio das juntas comerciais. Vamos baixar o prazo de abertura para no máximo cinco dias em média. O fechamento [da empresa] será na hora”. >> Leia mais

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539903715

Skaf na abertura do MPI: “O caminho é simplificar, baratear”. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

No evento, o presidente da Fiesp e do Ciesp, Paulo Skaf, disse que apesar de o governo estar caminho correto de simplificar processos e baratear os custos para a micro e pequena indústria, algumas instituições públicas ficaram paradas na década de 1980. “O caminho é simplificar, baratear. Mas os governos, em certo ponto, ainda me lembram a década de 1980, enquanto a sociedade está em 2014. Há uma mentalidade, uma deficiência de inovação tecnológica que acaba atrapalhando, sem falar na falta de seriedade de algumas pessoas quando se fala em repartições que deveriam simplificar.” >> Leia mais

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539903715

ogus: posicionamento e melhorias para os pequenos e médios empresários. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

O diretor titular do Dempi/Fiesp, Milton Bogus, fez o encerramento, afirmando  que a entidade tem a preocupação de levar mais informação para os empresários. “O pequeno empresário quer saber mais, quer saber como ele se posiciona, o que ele deve fazer e quais são as melhorias que ele pode ter”, afirmou Bogus, que ressaltou a presença maciça do público, o que garantiu o sucesso do evento. >> Leia mais


ABRIL

Por meio do Programa Interação Universidade Empresa, o Departamento da Micro, Pequena e Média Indústria (Dempi) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp)  organizou dois debates, um na Universidade Presbiteriana Mackenzie e outro na Universidade Anhembi Morumbi, na capital paulista. As duas iniciativas  tiveram como objetivo incentivar a capacitação das micro e pequenas empresas, seus empresários e colaboradores da indústria de modo geral. >> Leia mais

MARÇO

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539903715

Na Sala de Crédito da Fiesp, empresários recebem atendimento personalizado de instituições financeiras. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

Em março, o departamento realizou a primeira Sala de Crédito de 2014. O objetivo da sala é oferecer aos pequenos e médios empresários a oportunidade de conhecer as melhores taxas disponíveis, aprender a solicitar financiamento com juros mais baixos e esclarecer as principais dúvidas sobre o assunto. Gerentes e especialistas de crédito de instituições financeiras, como Banco Santander, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, BNDES e da agência de fomento do governo do estado de São Paulo, da Desenvolve SP, estiveram presentes e prestaram atendimento exclusivo aos participantes. >> Leia mais

Sala de crédito atende representantes de empresas de micro, pequeno e médio porte

Ariett Gouveia, Agência Indusnet Fiesp

Em sua última edição em 2014, a Sala de Crédito da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) alcançou seus objetivos, atendendo nesta segunda-feira (17/11) a cerca de 60 empresários de empreendimentos de pequeno e médio porte em busca de informação sobre linhas de financiamento.

Realizado pelo Departamento da Micro, Pequena e Média Indústria (Dempi) da entidade, o evento reúne instituições como Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Bradesco, Santander e Agência de Fomento Desenvolve SP.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539903715

Empresários tiveram oportunidade de reunir-se com diversos agentes financeiros em um só espaço. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp


Além de informar e orientar sobre linhas de financiamento de longo prazo, a Sala de Crédito tem como objetivo facilitar o acesso ao crédito para as micro, pequenas e médias indústrias. Tudo associado a uma orientação estratégica para as demandas de financiamento, seja quanto a aquisição de equipamentos; construção ou reforma de instalações; projetos de pesquisas e desenvolvimento; exportação; projetos de sustentabilidade; e capital de giro e compra de matéria-prima.

“Recebemos médias empresas que, mesmo com a perspectiva negativas para o ano que vem, vieram procurar financiamento para expandir seus negócios, que é um dos principais focos da Sala de Crédito: mostrar como fazer esse tipo de operação e qual a linha de crédito mais adequada”, conta o analista de projetos do Dempi, Valdair Tonon.

Segundo ele, é possível fazer uma composição das opções, para fazer o melhor atendimento possível ao empresário. “Tivemos a visita de uma empresa em busca de financiamento para relocalização, porque não tem mais espaço para crescer em São Paulo e vai criar mais uma unidade no interior. Fizemos uma combinação de duas linhas de financiamento para poder atendê-la.”

A próxima edição da Sala de Crédito está prevista para março de 2015.

Departamento de Micro, Pequena e Média Indústria da Fiesp promove ciclos de palestras gratuitas na Fipan 2013

Agência Indusnet Fiesp 

O Departamento da Micro, Pequena e Média Indústria (Dempi) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp),  participará, em parceria com o Sindicato de Panificação e Confeitaria de São Paulo (Sindipan), da Feira Internacional de Panificação, Confeitaria e do Varejo Independente de Alimentos (Fipan 2013), que acontece entre os dias 22 a 25 de julho, no Expo Center Norte, em São Paulo.

A participação do Dempi se dará por meio do “Ciclo de Palestras Gratuitas” e o “Atendimento Empresarial” para o público do setor. Durante toda a feira, serão realizadas 15 palestras com temas diversos na área de gestão empresarial e focados para o setor de panificação.

Confira abaixo a grade de palestras e clique aqui para ver a programação completa.

CICLO DE PALESTRAS GRATUITAS


Imagem relacionada a matéria - Id: 1539903715
clique para ampliar a imagem


Faturamento de micro e pequenas indústrias cresce 15,4% em agosto ante período em 2011

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539903715

Economista Antônio Correa de Lacerda, Marco Antonio dos Reis, diretor-adjunto do Dempi/Fiesp, e Bruno Caetano, do Sebrae-SP

O faturamento das micro e pequenas indústrias em agosto de 2012 foi superior em 15,4% na comparação com agosto de 2011, de acordo com pesquisa do Sebrae-SP.

Em julho deste ano o faturamento foi superior em 9,4% na comparação de julho de 2011. Segundo o Sebrae-SP, no ano de 2011 a indústria começou a produzir para o Natal após setembro e outubro – este ano ela começou um pouco mais cedo: no meses de julho e agosto.

“Empresários se mostram otimistas com relação ao seu faturamento no segundo semestre de 2012”, informou Bruno Caetano, superintendente do Sebrae-SP.

Segundo o especialista, mais de 80% dos empresários consultados sustentaram que tanto a economia do Brasil quanto o faturamento das suas empresas vai permanecer no mesmo patamar ou vai crescer.

Ainda conforme dados da pesquisa, as micro e pequenas indústrias injetaram R$35,7 bilhões na economia paulista durante 1º semestre. A receita medida deste tipo de empresa no setor industrial, no mês de junho de 2012, foi de R$ 38,7 mil no universo estimado de 151,2 mil empresas industriais.

Perpectivas

O economista Antonio Correa de Lacerda, professor-doutor do departamento de Economia da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), credita o otimismo das micro e pequenas indústrias a estimativas mais otimistas do Produto Interno Bruto (PIB) para os próximos 12 meses.

“Se compararmos o desempenho da economia brasileira nos 12 meses encerrados em junho nós vamos ter uma estagnação. Olhando para os próximos 12 meses, incluindo o terceiro trimestre, já tem um crescimento de pelo menos 4%. Então desde o efeito macro, até as micro e pequenas empresas, isso acaba produzindo um ambiente mais favorável”, explica Lacerda.

Fiesp é da pequena e média empresa, afirma Ometto na abertura do VII Congresso da MPI

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539903715

João Guilherme SabinoOmetto, 2º vice-presidente da Fiesp.

Ao contrário do senso comum, a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) pertence mais às micro e pequenas empresas do que a grandes corporações, afirmou o 2º vice-presidente da entidade, João Guilherme Sabino Ometto, ao participar nesta quarta-feira (10/10), em São Paulo, da abertura do VII Congresso da Micro e Pequena Indústria, evento que tem realização conjunta da Fiesp e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp).

“O maior número de empresários da Fiesp é de pequena e média empresa. Além do departamento que cuida especificamente dessa área, os outros departamentos estão alinhados para defender essa pequena e média indústria”, disse Ometto, que representou o presidente da entidade, Paulo Skaf, que cumpre agenda no exterior.
Ometto disse ainda que é preciso sabedoria em tempos de globalização. “Não podemos só vender a nossa terra, os nossos commodities. Temos que ter a inteligência de ter as nossas empresas”.O 2º vice-presidente da Fiesp assinou um termo de cooperação para estimular o desenvolvimento das pequenas e médias empresas por meio de linhas de crédito pela Agência de Desenvolvimento Paulista (Desenvolve SP).

O presidente da Desenvolve SP, Milton Luiz de Melo Santos, também assinou o documento. “Iniciativas como a da Fiesp em realizar eventos dessa natureza é que permite aproximar entidades do governo com o empresariado brasileiro.”

Gargalo da inovação

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539903715

Rafael_Cervone, vice-presidente do Ciesp

Rafael Cervone Netto, vice-presidente do Ciesp , acredita que a principal dificuldade para o pequeno e médio empresário é o difícil acesso a inovação tecnológica em meio a uma complexidade tributária que exige muito mais tempo das empresas.

“Um dos gargalos que aflige o pequeno e médio empresário é o da inovação. As empresas usam muito mais tempo tratando as questões tributárias do que inovando”, afirmou Cervone Netto. Segundo levantamento da Latin Business Chronicle’s, empresas brasileiras gastam 2.600 horas por ano somente com trâmites tributários.

Milton Bogus, diretor-titular do Departamento de Micro, Pequena e Média Empresa (Dempi) da Fiesp, afirmou que o objetivo do VII Congresso é contribuir para que as empresas saiam da “sobrevivência para a excelência.”

“Que este congresso seja mais uma ferramenta para elevar as micro, pequena e médias empresas a um patamar de excelência.”

O deputado estadual Itamar Borges, coordenador da Frente Parlamentar do Empreendedorismo da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, também participou da cerimônia.

O congresso

O VII Congresso da Micro e Pequena Indústria acontece ao longo desta terça (10/10) no hotel Renaissance, em São Paulo.

O congresso anual – realizado sempre em outubro, mês da micro e pequena indústria – é dirigido a empresários de diversos segmentos, com o objetivo de apresentar estratégias e perspectivas para o setor, além de proporcionar um espaço para networking e troca de experiências entre profissionais.

A programação desta sétima edição é composta por quatro painéis com debates e palestras sobre temas como gestão de pessoas, inovação, crédito, empreendedorismo, marketing e vendas digitais.

Fiesp realiza evento de incentivo às micro, pequenas e médias empresas

Djalma Lima, Agência Indusnet Fiesp

A Fiesp, por meio do seu Departamento da Micro, Pequena e Média Indústria (Dempi), promove nesta quarta-feira (21), a partir das 9h, a primeira Sala de Crédito deste ano destinada a empresários e dirigentes das micro, pequenas e médias empresas do Estado.

A Sala de Crédito faz parte de série de eventos programados pela entidade da indústria para 2012. Em São Paulo, os empresários terão a oportunidade de conhecer as facilidades para acesso ao crédito, com atendimento empresarial exclusivo, e as melhores e mais adequadas linhas de financiamento.

O participante poderá tirar dúvidas e ser atendido por técnicos da entidade e seus parceiros, em relação a crédito para compras de máquinas e equipamentos, construções ou reformas de instalações, projetos de pesquisas e desenvolvimento, exportação, projetos de sustentabilidade, capital de giro, compra de matéria-prima e financiamento do 13º salário.

A Sala de Crédito é uma parceria da Fiesp com grandes instituições financeiras como Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, Santander e Nossa Caixa Desenvolvimento.

Na última edição realizada no ano passado na capital, o evento consolidou volume de negócios da ordem de R$ 450 milhões. Para este ano, a previsão é realização empréstimos no valor de R$ 550 milhões.

Sondagem realizada em 2011 pelo Dempi/Fiesp entre os dois mil atendimentos realizados nas Salas de Créditos mostrou as principais dificuldades das empresas para acesso às linhas de financiamento. São elas:

  • Relacionamento com a gerência do banco (34%);
  • Taxa de juros da operação muito alta (10%);
  • Garantias oferecidas pela empresa insuficientes às solicitadas pelo banco (17%);
  • Apresentação de documentos exigidos pelo banco (7%);
  • Objetividade para conseguir informações solicitadas pelo banco (12%);
  • Restrições cadastrais (10%);
  • Outros tipos de dificuldades (10%).

Serviço:
Atendimento para Micro, Pequenas e Médias Empresas
Data/horário: 21 de março de 2012, das 9h às 17h
Local: Sede da Fiesp – Av. Paulista, 1313, 11º andar
Informações e agendamento de horário: tel. (11) 3549-4499
Visite o hotsite: www.fiesp.com.br/atendimento

Concessão administrativa de vias e crédito são destaques de reunião na Fiesp

Entidades do asfalto, fabricantes de equipamentos, fornecedores de brita e areia e representantes do Tribunal de Contas da União (TCU), do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), do Ministério de Desenvolvimento da Indústria e Comércio Exterior (MDIC), reuniram-se na última segunda-feira (3), na sede da Fiesp, com objetivo de debater os entraves e apresentar uma linha de crédito especial para as indústrias do setor.

“O combate aos entraves burocráticos é determinante para o desenvolvimento do setor e da infraestrutura do Brasil. Hoje, em determinadas tramitações os documentos chegam a passar três vezes no mesmo ponto do processo. Precisamos mudar isso”, ressaltou Manuel Rossito, diretor do Departamento da Indústria da Construção (Deconcic) da Fiesp e coordenador do GT de Vias.

Segundo o diretor da Secretaria de Fiscalização de Obras do Tribunal de Contas da União (Secob/TCU), André Kresch, o grande problema que o setor da indústria de pavimentos enfrenta é a ausência de administração.

“O pagamento das obras deveria ser efetuado de acordo com o desempenho e não como é feito, por metro cúbito de areia ou preço unitário”, explicou. “O modelo atual acaba infringindo o direito ou a engenharia de certa forma”.

Para o diretor de competitividade do MDIC, Marcos Otávio Bezerra Prates, há muito que se fazer para agilizar o processo. Um ponto que merece destaque está na harmonização de especificações para facilitar a exportação de asfalto entre os países do Mercosul.


Concessão Administrativa

Para melhorar o sistema de concessão, o estudo apresentado por Rossito sugere, como ação reguladora, que a remuneração à empresa concessionária seja realizada por pagamento mensal com critério pré-fixado via recursos públicos.

Quanto ao prazo, este seria definido por rodovia e tipo de concessão, mas longo o suficiente para permitir a financiabilidade e amortização do investimento dentro de condições módicas.


Crédito

Na ocasião, o BNDES aproveitou para anunciar a disponibilização de linhas de capital de giro a taxas reduzidas. Os programas PEC e Progeren destinados à construção civil e micro, pequenas e médias empresas, respectivamente, serão os principais beneficiários, com taxas a partir 4,5% ao ano. Para mais informações de taxas e programas específicos, consultar o site www.bndes.gov.br.


Construbusiness

O diretor-titular do Deconcic, José Carlos de Oliveira Lima, destacou que o tema tratado na reunião integrará a pauta do Programa de Eficiência Institucional Pública e Privada, que será apresentado e debatido na oitava edição do Construbusiness, no próximo dia 31 de agosto, na Fiesp.