Única forma de crescer é a melhoria da produtividade, diz diretor de Competitividade

Guilherme Abati, Agência Indusnet Fiesp

O crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) e da renda per capita no Brasil depende, entre outros fatores, do aumento da produtividade industrial, mas justamente aquele que poderia ser o motor do desenvolvimento do país – a indústria de transformação – vem tendo um desempenho equivalente aos dos anos 50. A análise é do vice-presidente e diretor titular do Departamento de Competitividade e Tecnologia (Decomtec) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), José Ricardo Roriz Coelho.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1545148873

Roriz: “Produtividade vem de investimento em máquinas e equipamentos, pesquisa e desenvolvimento, gestão empresarial e capacitação do trabalhador”. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp


Roriz participou da conferência de abertura do evento, na manhã desta segunda-feira (26/05), cujo tema foi a produtividade da indústria brasileira. Durante sua exposição, ele ressaltou a necessidade de o Brasil atingir números melhores de produtividade, fator que, em sua visão, é “a melhor maneira para atingir o crescimento econômico”.

Na visão de Roriz, a competitividade e a produtividade, fatores fundamentais para o crescimento econômico, foram recentemente deixadas de lado. “Nos últimos anos estávamos no equilíbrio estático, com aumento de renda e controle da inflação. Mas isso não é mais verdade, principalmente devido à queda da qualidade do serviço público do país”, disse.

Para sair dessa situação, segundo ele, a saída é a melhoria da qualidade dos serviços e produtos, através do aumento da produtividade e da infraestrutura logística nacional.

Mas os últimos indicadores, reforçou Roriz, mostram que a produtividade não atingiu o nível necessário. Segundo ele, muito ainda precisa ser feito, uma vez que a produtividade da indústria de transformação, entre 2004 e 2011, caiu 1,68%,

“Nossa situação é inferior aos dos nossos principais concorrentes”, analisou.

A saída deste cenário é crescimento da produtividade, com aumento de receita e redução de custos, além de melhoria de gestão e processos. “Produtividade vem de investimento em máquinas e equipamentos, pesquisa e desenvolvimento, gestão empresarial e capacitação do trabalhador”, afirmou.

Além desses fatores, Roriz assinalou que o crescimento depende muito de um cenário saudável. “O Custo Brasil, a deficiência logística, a taxa básica de juros elevada, a alta burocracia e o elevado custo dos insumos bancários prejudicam a produtividade.”