No Teatro do Sesi-SP, britânico diz que ‘senso de mudança’ não é opcional para gestor de ensino

Alice Assunção e Guilherme Abati, Agência Indusnet Fiesp

O trabalho de um diretor de escola implica o uso de um conjunto de estratégias para promover mudanças na forma de aprendizagem dos alunos de sua escola e, justamente por ser a segunda influência mais importante no ensino, o diretor precisa ter “um reservatório de esperança”.

A afirmação é do professor e especialista em ensino Christopher Day, docente da Escola de Educação da Universidade de Nottingham, na Inglaterra, no Teatro do Sesi-SP , em aula magna nesta segunda-feira (19/08) para alunos da quarta e quinta turma do curso de MBA em “Gestão Empreendedora” – iniciativa da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e da Federação das Indústrias do Estado de Rio de Janeiro (Firjan) em parceria com os governos dos respectivos estados, visando o aprimoramento de profissionais da educação da rede em pública em ambos estados.

>> Sesi-SP abre novas turmas do MBA em ‘Gestão Empreendedora’ para profissionais do ensino da rede pública

Christopher Day: ensinar não é apenas questão profissional, mas também pessoal. Foto: Everton Amaro/Fiesp

“Apesar de perdas, dos esforços, a mudança não é uma opção para vocês”, afirmou Day. “Vocês vão sempre ter de mudar porque sempre há o que melhorar, mas não existe fórmula mágica para o sucesso”, disse ele.

Ele ainda fez um apelo aos mais de 400 professores e gestores da rede pública presentes: “Por favor, não sejam apenas gerentes sentados em uma mesa preenchendo formulários porque, dessa maneira, vocês vão comprometer a capacidade de a escola alcançar um bom padrão de ensino”.

Segundo o especialista, também líder do grupo de pesquisa Teacher Work and Lives and School Leadership Reserach, os meios para se chegar a uma direção eficiente de uma escola são liderar estrategicamente, com organização, e também exercer liderança sobre as pessoas e, na medida do possível, na comunidade na qual a escola se encontra.

“Quanto tempo você gasta ouvindo os pais? E como você responde às demandas”, questionou Day. No caso do relacionamento com os professores, o especialista aconselha o gestor a compreender os momentos de maior e menor produtividade de seus professores.

“Há uma volatilidade do nível de comprometimento e paixão dos professores. Isso é normal. Nosso trabalho é identificar esses momentos. E, para isso, precisamos conhecer bem nossos professores”, disse.  “Ensinar não é apenas questão profissional, mas também pessoal”, complementou.

Day apresentou dados de uma pesquisa canadense que apontou uma liderança efetiva para melhorar a eficiência do e a igualdade de qualidade do ensino no mundo.  “Não existe um único documento que ateste uma trajetória de sucesso no ensino de uma escola sem uma liderança talentosa”, afirmou.

Segundo ele, 93% das escolas na Inglaterra atingiram bom padrão de ensino. “Sem boa liderança, os resultados de aprendizado dos estudantes não vão progredir”, concluiu.

Sesi-SP abre novas turmas do MBA em ‘Gestão Empreendedora’ para profissionais do ensino da rede pública

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp

Sequência de projeto lançado no primeiro semestre de 2012, o Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) promove ao longo desta segunda-feira (19/08), no Teatro do Sesi-SP, a aula inaugural das novas turmas do curso de pós-graduação de MBA em “Gestão Empreendedora”.

A iniciativa é resultado de uma parceria da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e da Federação das Indústrias do Estado Rio de Janeiro (Firjan) com os respectivos governos dos estados,  visando o aprimoramento de profissionais da educação da rede pública em ambos estados.

Paulo Skaf: curso de MBA está em um bom ritmo na rede estadual. Foto: Everton Amaro/Fiesp

 

Estas são a quarta e quinta turma com 400 novos alunos/gestores de Campinas e São Paulo. A primeira turma, com 219 inscritos, deve se formar em novembro de 2013. A segunda e a terceira turma, ambas com 400 alunos, devem se formar em setembro e novembro de 2014, respectivamente.

O presidente Fiesp e do Sesi-SP, Paulo Skaf, participou da aula inaugural para os novos alunos.

“Na rede estadual, esse curso de MBA está em um bom ritmo. Estamos chegando a 1.000 alunos, mas a nossa meta é chegar a 3.200 alunos”, afirmou Skaf.

A iniciativa contabiliza investimentos totais de R$ 41,6 milhões, sendo R$ 32 milhões aportados pela indústria de São Paulo, representada pela Fiesp, e R$ 9,6 milhões pela indústria do Rio de Janeiro, representada pela Firjan.

Walter Vicioni: 'objetivo do programa é que cada gestor possa transformar sua escola em única'. Foto: Everton Amaro/Fiesp

“Esse acordo é para ajudar e apoiar a rede pública. O objetivo do programa é que cada gestor possa transformar sua escola em única. Porque se ela for única em seu método de ensino vamos ter no Estado um nível de ensino de qualidade”, disse Walter Vicioni, superintendente do Sesi-SP e diretor regional do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP).


Novidades

Na abertura, pela manhã, a coordenadora do projeto, professora doutora Sandra Mariano, da Universidade Federal Fluminense (UFF), instituição certificadora do MBA, apresentou as disciplinas e novidades do curso para os cerca de 400 alunos ingressantes.

“Vocês serão a primeira turma a ter uma disciplina especifica sobre avaliação e qualidade na educação”, informou Sandra. “A ideia é a conseguir olhar para a qualidade da escola a partir dos indicadores. E fazer uma reflexão de como podemos melhorar a nossa escola, conhecendo o desempenho de cada turma”, acrescentou.

Sandra Mariano, da UFF: curso permite reflexão sobre como 'podemos melhorar a nossa escola'. Foto: Everton Amaro/Fiesp

A professora doutora Cristine Barreto fez a apresentação da disciplina “Ambientação de Novas Tecnologias”. Em sua aula, ela destacou no uso das plataformas de mobile learning, flipped classroom e games, aplicados para o ensino. E deixou um conselho aos alunos: “O importante é focar nas pessoas e usar a tecnologia para criar com elas.”

Também participaram da aula inaugural desta segunda-feira, o reitor da UFF, Roberto de Souza Sales, e a coordenadora da Escola de Formação e Aperfeiçoamento dos Professores Paulo Renato Costa Souza (EFAP), Silvia Andrade da Cunha Galletta.

Alunos

É a primeira vez que a vice-diretora Gislaine Zanini, 54 anos, faz um curso à distância. Com o MBA, ela pretende conquistar uma posição melhor dentro da rede pública.

“Apesar de estar quase finalizando, eu pretendo alcançar uma promoção. É o primeiro curso que vou fazer a distancia, talvez minha maior dificuldade seja tempo porque para quem trabalha numa escola não fácil retirar horas do seu dia a dia, mas eu vou dar conta”, afirmou.

Para Rosermi Bellotto Baratella, 55 anos, também vice-diretora de escola pública, a qualidade do ensino tanto em colégios estaduais quanto municipais também depende da disposição dos próprios professores.

“Ultimamente tem tido mais curso, muita preparação, mas infelizmente não são todos que propõe a fazer”, reconheceu.

O MBA é oferecido gratuitamente em parceria com a UFF na modalidade semipresencial (EAD), com carga horária de 360 horas distribuídas em 18 meses de duração.

>> No Teatro do Sesi-SP, britânico diz que ‘senso de mudança’ não é opcional para gestor de ensino 

Veja como foi a aula inaugural de curso de MBA para gestores de escolas públicas na Fiesp

Lucas Dantas, Agência Indusnet Fiesp 

Cerca de 120 alunos participaram nesta quarta-feira (13/06), no auditório do 4º andar da sede da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), da aula inaugural do MBA em Gestão Empreendedora – Educação. O curso de especialização, em nível lato sensu, é uma iniciativa da Fiesp e da Firjan (Federação das Indústrias do Rio de Janeiro) em parceria com os governos de São Paulo e do Rio de Janeiro.

Professora Esther Hermes Luck, da Universidade Federal Fluminense (UFF), instituição responsável pela coordenação do MBA

A apresentação do programa ficou a cargo da professora vice-coordenadora do MBA, Esther Hermes Luck, da Universidade Federal

Fluminense (UFF). Esther mostrou aos alunos a metodologia do curso e suas etapas, ressaltando o que os organizadores esperam dos participantes. “Esse curso fará a diferença. Não é como os outros que vocês provavelmente já fizeram. Aqui, nós teremos o foco na criatividade.”

A professora explicou ainda como foi pensado e criado o MBA. “Criamos especificamente para os gestores de escolas, em função da realidade das escolas públicas e privadas do Brasil. Queremos formar gestores que usem a criatividade no dia a dia, saibam o que os estudantes precisam e melhorem a qualidade de ensino de suas instituições.”

O curso de pós graduação tem duração de 360 horas/aula, com aproximadamente 18 meses e a obrigatoriedade de quatro encontros presenciais. A especialização é composta por 14 disciplinas e material didático próprio. Ao todo, 160 alunos participam desta edição. Posteriormente, o curso será disponibilizado em módulos. Ao final, os alunos apresentarão um plano de empreendimento para suas escolas e seus professores.

O primeiro dia de aula

Na tarde desta quarta-feira (13/06), aproximadamente 120 alunos acompanharam a abertura da primeira disciplina do curso, “Ambientação em Novas Tecnologias”, com o professor Robson Moreira da Cunha.

Com uma apresentação leve e dinâmica, Moreira apresentou aos estudantes como funcionará a ferramenta de estudo e ressaltou que é preciso se atualizar com a rapidez.

“Vamos lidar com crianças que aprendem, desde cedo, a usar as novas tecnologias. Está incorporado ao dia a dia delas. Eu tinha um sobrinho que já sabia ligar o computador e tocar a sua música preferida, mas mal sabia falar direito. Certa vez, eu mexi na pasta, mudando-a de lugar, e ele fuçou e achou a música rapidamente. Hoje é assim”, apontou Moreira.

O professor também afirmou que alguns professores possuem uma resistência muito grande a mexer com as novas tecnologias, algo a ser superado. “Chega para nós que alguns professores possuem um receio em dar aulas com esses equipamentos. Diretores chegaram a oferecer capacitação para os docentes, mas muitos não comparecem ou não querem aprender. É preciso um cuidado maior para dar a aula, e mais tempo para prepará-la. Então, eles preferem usar o método antigo mesmo. Mas precisam resolver isso, pois as aulas ficam mais dinâmicas e atraentes para os alunos, que se interessam muito mais”, disse Moreira.

A visão dos alunos

O professor Jorge Luiz Muniz, um dos participantes da aula inaugural, elogiou o curso. “Espero que agregue muitos valores para mim enquanto pessoa nessas aulas presenciais e com isso que eu possa levar experiências que contribuam para a transformação das situações da instituição onde trabalho”, declarou o docente da escola estadual Reverendo Irineu Monteiro de Pinho, da zona leste de São Paulo.

“Esse curso ajuda na nossa prática diária. Tanto o conteúdo, que achei de extrema importância, quanto esse contato que temos aqui, essa experiência, conversas, bate-papos, mostra que existe muita gente nesse país, além de nós, que está preocupada com a educação. A teoria aqui será importantíssima para nosso dia a dia”, avaliou Carlos Eduardo, diretor da escola estadual Professor Orestes Rosolia.

Skaf: ‘Único meio de transformar um país é a educação. E isso não se faz sem educadores’

Juan Saavedra, Agência Indusnet Fiesp

Presidente da Fiesp/Sesi/Senai-SP, Paulo Skaf, ressalta a importância dos educadores durante aula inaugural do MBA em Gestão Empreendedora - Educação

A criação do MBA em Gestão Empreendedora – Educação é uma contribuição da indústria para melhorar a educação brasileira, segundo o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf.

Skaf participou nesta quarta-feira (13/06), na sede da entidade, da aula inaugural do curso de especialização lato sensu, iniciativa da Fiesp e do Sistema Firjan, em parceria com os governos dos Estados de São Paulo e do Rio de Janeiro. O objetivo é o de qualificar 4.400 gestores das escolas públicas de educação básica nas duas unidades da federação.

“Num país desenvolvido para valer, a grande autoridade é o professor. O único meio de transformar um país é a educação. E isso não se faz sem educadores. Que o curso [MBA em Gestão Empreendedora – Educação] possa realmente contribuir para que a gente melhore cada vez mais o nosso ensino público”, afirmou Skaf aos cerca de 120 educadores que participam do primeiro módulo do curso.

O programa educacional será oferecido na modalidade semipresencial (EAD). Cada turma terá carga horária correspondente a 360 horas distribuídas em 18 meses de duração. A meta é formar, nos próximos cinco anos, 3.200 educadores em São Paulo e outros 1.200 no Rio.

A iniciativa contabiliza investimentos totais de R$ 41,6 milhões – R$ 32 milhões aportados pela indústria paulista e R$ 9,6 milhões pela do Rio de Janeiro. O convênio para a viabilização do curso foi assinado entre a Fiesp, a Firjan e as secretarias estaduais de Educação dos dois Estados em abril último.

A aula inaugural contou com a presença do diretor operacional do Serviço Nacional de Aprendizagem de São Paulo (Senai-SP) e superintendente operacional do Serviço Social da Indústria (Sesi-SP), Walter Vicioni Gonçalves; do secretário-adjunto de Educação do Estado de São Paulo, João Cardoso Palma Filho; da professora Esther Hermes Luck, da Universidade Federal Fluminense (UFF), instituição responsável pela coordenação do MBA; e do maestro João Carlos Martins, regente da Filarmônica Bachiana Sesi-SP, convidado especial do presidente da Fiesp, Paulo Skaf.

MBA visa multiplicar conhecimento da gestão privada para escolas públicas”, diz Vicioni

Juan Saavedra, Agência Indusnet Fiesp

Aula inaugural do MBA em Gestão empreendedora

Aula inaugural do MBA: João Carlos Martins, João Cardoso Palma Filho, Paulo Skaf, Walter Vicioni Gonçalves e Esther Hermes Luck

Na visão do diretor operacional do Serviço Nacional de Aprendizagem de São Paulo (Senai-SP) e superintendente operacional do Serviço Social da Indústria (Sesi-SP), Walter Vicioni Gonçalves, o MBA em Gestão Empreendedora – Educação assegura a oportunidade para que diretores de escola possam rever sua prática pedagógica e de gestão, usando ferramentas modernas de administração para melhoria da escola pública, de modo que possa ser não a melhor escola para os melhores, mas a melhor escola para todos.

“É uma contribuição das indústrias para multiplicar o conhecimento e a experiência da gestão privada para quem dirige escola pública, com foco no uso de ferramentas, na agilidade, no compromisso com resultados”, afirmou Vicioni logo após a aula inaugural.

O curso de especialização lato sensu, iniciativa da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e do Sistema Firjan, em parceria com os governos dos estados de São Paulo e do Rio de Janeiro, tem a finalidade de qualificar 4.400 gestores das escolas públicas de educação básica nas duas unidades da federação.

MBA em Gestão Empreendedora. Foto: Junior Ruiz

João Cardoso Palma Filho, secretário-adjunto de Educação do Estado de São Paulo, e Paulo Skaf, presidente da Fiesp

Representando o secretário de Educação do Estado de São Paulo (Herman Voorwald), o secretário-adjunto João Cardoso Palma Filho saudou a parceria com a Fiesp, Firjan e com o governo do Rio, destacando que o programa não vai custar nada para o governo paulista. “O conteúdo programático vai interessar muito aos gestores de escolas”, elogiou.

A professora Esther Hermes Luck, da Universidade Federal Fluminense (UFF), instituição responsável pela coordenação do MBA, afirmou que a proposta de formação empreendedora foi pensada para associar teoria e prática em administração com foco na gestão da escola. “Esse curso foi feito para vocês. Ele não tem similar porque foi desenvolvido a partir da experiência de vocês”, disse aos diretores de escolas presentes na aula inaugural.

O MBA ação faz parte da Proposta para um Brasil + Competitivo, divulgada em dezembro do ano passado pela Fiesp e Firjan. A parceria contempla ações conjuntas nas áreas de energia, logística, banda larga e educação, com o objetivo de reduzir custos e aumentar a produtividade das empresas brasileiras, avançando, assim, na competitividade.