INPI, após pedido da Fiesp, contará com mais examinadores para agilizar marcas e patentes

Agência Indusnet Fiesp

O Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (INPI) recebeu o reforço de mais 70 examinadores, de seu cadastro reserva, segundo portaria publicada no Diário Oficial da União, em 29 de março.

A Fiesp havia encaminhado ao governo, por meio de seu Comitê de Desburocratização, pleito para melhorias no processamento de patentes, incluindo aumento de pessoal e mais independência do próprio Instituto, especialmente no que se refere à análise e ao registro, essenciais para impulsionar o desenvolvimento econômico-social.

Ao facilitar esse processo, há grandes benefícios, como maior segurança quanto ao registro de pesquisas tecnológicas, bem como a criação de um ambiente mais propício ao aumento dos investimentos em pesquisas no país.

A média para o registro de uma patente, atualmente, é de sete a dez anos, o que prejudica a inovação e o empreendedorismo e o consequente desenvolvimento de novas tecnologias.

Entre os examinadores que passarão a integrar o INPI, 50 deles ocuparão o cargo de pesquisador em propriedade industrial e 20 o de Tecnologista em Propriedade Industrial.