Destaque do triatlo brasileiro, atleta do Sesi-SP quer medalha na Olimpíada de 2016

Guilherme Abati, Agência Indusnet Fiesp

Depois de vencer pela segundo ano consecutivo e pela quarta vez em sua carreira o Ironman 70.3 Pucón, competição de triatlo disputada no Chile, o atleta do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) Reinaldo Colucci passa agora a dar atenção total aos Jogos Olímpicos de 2016 no Rio de Janeiro.

Aos 28 anos, natural da cidade de Descalvado, São Paulo, Colucci já é quase um veterano na maior competição do planeta: ele competiu em Pequim, em 2008, e em Londres, em 2012, sem, entretanto, conquistar um “resultado relevante”.

Contudo, Colucci acredita que agora atingiu o nível ideal para conquistar a sua primeira medalha olímpica e enfrenta a partir de março o desafio de se classificar para a competição na capital carioca.

Segundo o competidor, em 2014 seu foco maior é a classificação para os jogos. “Desde que acabou a Olímpiada de 2012, meu foco passou a ser o Rio de Janeiro e uma medalha”, disse.

Antes de colocar a honraria no pescoço, o paulista precisa se classificar para a competição. Para tal, ele volta ao Chile em março, para os Jogos Sul-americanos, e depois viaja para a Cidade do Cabo, África do Sul, onde será realizado o Mundial de Ironman. Essa competição será a primeira a somar pontos para o ranking que definirá os 50 competidores dos jogos.

Colucci: atleta do Sesi-SP se diz pronto para encarar desafios novos desafios. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Colucci: atleta do Sesi-SP se diz pronto para encarar desafios novos desafios. Foto: Everton Amaro/Fiesp

 

Para poder concretizar o sonho de ser medalhista olímpico, Colucci não descansa – treina sete dias por semana. É graças a essa rotina de treinamentos que seu desempenho em competições vem melhorando constantemente.

O atleta do Sesi-SP realiza entre dois e três treinos diários, cada um durando entre uma hora e duas. “Os treinos variam conforme a necessidade”, explica, “com dois dias de atividades regenerativas”.

Atleta completo

O esporte surgiu naturalmente na vida de Colucci. Ainda aos 5 anos, o futuro triatleta foi iniciado na natação pelo pai. Depois disso, vieram a corrida e o ciclismo.

“Considero meu desempenho bastante equilibrado. Atuo bem em diversas formas de percurso. Mas considero o ciclismo o meu ponto forte”.

Passado e futuro no Sesi-SP

Colucci tem uma história antiga no Sesi-SP. Aos sete anos estudava na unidade de Descalvado e em 2010, na cidade de São Carlos, voltou à instituição para participar do Programa Esporte de Rendimento.

O triatleta elogia o programa e o vê como uma importante ação para formar uma nova leva de competidores brasileiros de alto nível.

Para Colucci, a formatação do programa cria interação direta e constante entre atleta e aluno. “Vemos as crianças melhorando graças a essa proximidade. Eles veem que é possível disputar uma Olimpíada”.

Para o triatleta, essa proximidade é fundamental para a criação de uma nova geração de medalhistas e atletas de sucesso.

“Na mesma piscina em que treino, por exemplo, temos crianças e atletas que começam a se destacar. Assim aproximamos atletas de nível olímpico daqueles que estão dando seus primeiros passos”, diz. “Isso mostra para as crianças que elas podem ser bem sucedidas no esporte”, explica.

Como prova do reconhecimento de seu talento, o atleta foi recebido, nesta terça-feira (21/01), pelo presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e do Sesi-SP, Paulo Skaf, na sede das duas entidades, na capital paulista.

A grande sacada da indústria

A grande sacada da indústria

Paulo Skaf 

A indústria que gera emprego, movimenta a economia e proporciona melhores condições de vida aos brasileiros é a mesma que acredita no esporte como agente de mudança social, capaz de ensinar às crianças e aos jovens valores éticos, morais e sociais, de tirá-los das ruas e fazê-los descobrir novas oportunidades.

Quando um jovem se dedica a algum tipo de esporte, seu rendimento escolar é mais elevado, pois a prática de atividade física aumenta sua autoestima e faz com que ele se sinta parte de novos grupos da comunidade em que vive.

Com os olhos voltados para o futuro, o Sesi-SP tem desenvolvido em seus centros de atividades uma série de ações com o objetivo promover a educação para a prática de esportes.

Desde o início de 2004, as escolas do Sesi-SP  passaram a oferecer programas de formação e rendimento esportivo, criando condições para milhares de alunos de sua rede educacional no estado de São Paulo, pudessem praticar diversas modalidades gratuitamente.

Vôlei, natação, luta olímpica, atletismo, triatlo, bocha e atletismo paralímpico, vôlei sentado, polo aquático e o ainda pouco conhecido rugby são alguns dos esportes praticados nas escolas do Sesi-SP.

A indústria, por meio do Sesi-SP, vai dar uma importante contribuição ao Brasil nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. Na próxima olimpíada, serão cerca de cinquenta atletas em doze modalidades que representarão o nosso país e servirão de espelho para os jovens alunos. Hoje eles aprendem com os ídolos. Amanhã serão os ídolos de uma nova geração que vêm aí.

Essa é a inspiração que faz a indústria prestigiar e apoiar os nossos talentos, patrimônios do país. Não é possível que sejam desperdiçados por falta de oportunidade. É hora de o Poder Público dar também a sua grande sacada, pois o sucesso na construção de um Brasil melhor e mais justo depende diretamente de sua capacidade de formar cidadãos.

Sesi-SP lança projeto de rúgbi que beneficia 10 mil crianças no Estado de São Paulo

Flávia Dias, Agência Indusnet Fiesp

Paulo Skaf (ao centro) e Walter Vicioni (1º à direita), com os técnicos britânicos, diretores dos CATs do Sesi-SP e representantes das entidades parceiras do projeto Try Rugby SP, durante o lançamento na sede da Fiesp

Reforçando o compromisso da indústria paulista com a utilização da prática esportiva como ferramenta de inclusão social e educacional, o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e do Serviço Social da Indústria (Sesi-SP), Paulo Skaf, participou, nesta terça-feira (04/08), do lançamento oficial do projeto Try Rugby SP.

A iniciativa, resultado de uma parceria do Sesi-SP com o British Council e a Premiership Rugby, a liga do esporte na Inglaterra, será realizado simultaneamente em 12 unidades do Sesi-SP, atendendo a 10 mil crianças no período de dez meses.

Durante este tempo, os 12 técnicos britânicos selecionados pela Premiership Rugby realizarão ações de desenvolvimento do projeto com crianças e adolescentes de 6 a 17 anos. O projeto entra em vigor a partir do dia 10 de setembro de 2012.

“O rúgbi no Brasil ainda está engatinhando e o Sesi-SP dará esta contribuição, até porque nos Jogos Olímpicos de 2016 [Rio de Janeiro] esta modalidade esportiva estará de volta”, afirmou o presidente das instituições.

Walter Vicioni, superintendente do Sesi-SP e diretor Regional do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP), acrescentou: “Vocês têm uma missão extraordinariamente importante. Nós queremos que eles [alunos] possam ter a mesma habilidade e o dinamismo que vocês têm. Esperamos que vocês possam nos deixar um legado ”.

O evento contou com a participação do diretor da Divisão de Esporte do Sesi-SP, Alexandre Pflug; do presidente da Confederação Brasileira de Rugby (CBRu), Sami Arap; do diretor de esporte da British Council Brasil, Eric Klug; e do Chefe da Comunidade da Premiership Rugby, Wayne Morris e do Gerente de Desenvolvimento da Comunidade do Programa Premiership Rugby , Scott Watson.

Fiesp elogia escolha do Rio de Janeiro para sediar os Jogos Olímpicos de 2016

Nós, brasileiros, estamos todos muito orgulhosos de mais esta significativa conquista de nosso País. A escolha do Rio de Janeiro para sediar os Jogos Olímpicos de 2016 é um importante estímulo para o esporte brasileiro e um momento especial para o continente sul-americano que, pela primeira vez, receberá essa importante competição e todos os valores positivos que ela traz e representa”, afirmou Paulo Skaf, presidente da Federação e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp/Ciesp).

Para os atletas, a prática do esporte de rendimento é sinônimo de disciplina, dedicação, respeito ao próximo, superação dos limites – individuais e coletivos – e, acima de tudo, de ética. Para os torcedores, é uma oportunidade quase mágica de ter orgulho de sua terra.

Pensando assim, foi criada, em 2008, a área de

Esporte de Formação e Rendimento do Sesi de São Paulo

. Sua proposta é resgatar os valores intrínsecos do esporte para os 120 mil alunos da rede de ensino da instituição e revelar novos talentos para competições esportivas, nacionais e internacionais.

“O objetivo da entidade é utilizar o esporte como ferramenta pedagógica para seus alunos, que vivenciam exemplos de superação, individual e coletiva, valores presentes na vida como um todo. Outra meta é democratizar o acesso a diferentes modalidades esportivas, criando a cultura da formação de atletas de alta performance”, destacou Skaf.