Uma ideia simples e capaz de fazer a diferença na hora de estudar

Isabela Barros, Agência Indusnet Fiesp

Foi a partir da ideia de criar um “Tinder” voltado para os estudos que eles garantiram o primeiro lugar na categoria Educação no Hackathon, maratona de desenvolvimento de aplicativos para as áreas de saúde, educação e segurança promovida pelo Comitê de Jovens Empreendedores (CJE) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). Na competição, realizada nos dias 26 e 27 de abril, programadores, desenvolvedores, designers e empreendedores encararam o desafio de criar apps com soluções para os três setores, ideias que fizessem a diferença no cotidiano das pessoas.

Assim surgiu o VemBilu, que, como o Tinder original, conecta pessoas que estão perto umas das outras. Só que, neste caso, com o objetivo de estudar em parceria. Basta se cadastrar colocando nome, e-mail, o que sabe ensinar e o que deseja aprender.

De acordo com a publicitária Jacqueline Freitas Alves, de 27 anos, representante da equipe vencedora, a iniciativa foi tão bem recebida que o diretor titular do CJE, Sylvio Gomide, encarregou o comitê de apresentar o projeto ao Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP), conhecido, entre outros motivos, pelo alto nível de ensino em suas escolas.

Jacqueline com a equipe vencedora: contatos com escolas depois da competição. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

Jacqueline com a equipe vencedora: contatos com escolas depois da competição. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

 

Na entrevista abaixo, Jacqueline fala sobre o projeto e sobre a importância de ter participado do Hackathon.

Portal Fiesp: Em linhas gerais, como funciona o VemBilu?

Jacqueline: Nós consideramos o VemBilu o novo “Tinder” da educação. A palavra que move o mundo hoje é compartilhar  e o aplicativo busca exatamente isso: o compartilhamento da informação, estimulando o estudo com alguém que tem a mesma necessidade/interesse que você.

Para usar, o jovem se cadastra colocando nome, e-mail, o que sabe para ensinar e o que deseja aprender. O aplicativo faz uma triagem desses estudantes por interesse e localidade e apresenta uma seleção de pessoas com mesmos objetivos. Cada um escolhe com quem deseja estudar e, se o interesse for mútuo, os jovens são alertados e vão para uma seção de bate papo.

Portal Fiesp: Como a equipe chegou a essa ideia?

Jacqueline: Para ser bem sincera, enquanto todos os grupos já estavam produzindo nós ainda não tínhamos tido o insight ideal, tínhamos muitas ideias que eram complexas e não teríamos tempo para produzir ou que não agradavam a todos. Estávamos quase desistindo, quando combinamos que tínhamos que resolver isso até as 19h do sábado, dia 26 de abril.
Assim, às 18:58, saiu a frase “Tinder da educação”. Todos concordamos, começamos a ter ideias e a produzir sem parar.

Portal Fiesp: O que mais a orgulha nesse projeto?

Jacqueline: Me orgulho de essa ser uma ideia simples e, ao mesmo tempo, com um enorme potencial de crescimento.

Portal Fiesp: O que a equipe pretende fazer com o projeto daqui por diante?

Jacqueline: Estamos em tratativa com algumas escolas e, com o apoio do CJE, devemos fazer contato com o Sesi-SP também.

Portal Fiesp: Que avaliação você faz do Hackathon? Valeu a pena participar da iniciativa?

Jacqueline: Para mim foi uma experiência totalmente nova, nunca tinha participado de uma competição dessas e acho que valeu muito a pena por toda a experiência trocada, pelo aprendizado e pelos contatos que fizemos ali. Além disso, era o final de semana do meu aniversário, meu presente foi participar dessa iniciativa tão bacana da Fiesp e do CJE pelo desenvolvimento dos jovens em prol das necessidades da cidade.