Irandhir Santos vence pela segunda vez o 10º Prêmio Fiesp/Sesi-SP de Cinema

Juan Saavedra e Amanda Viana, Agência Indusnet Fiesp

Ele foi o Diogo Fraga de “Tropa de Elite 2” (2010), filme mais visto da história do cinema brasileiro. E o Clodoaldo de “O Som ao Redor” (2012), melhor produção no Festival de Gramado daquele ano. Aos 35 anos, o ator Irandhir Santos – apaixonado confesso pelo teatro – não escondeu o amor pela sétima arte ao ser convidado para receber o 10º Prêmio Fiesp/Sesi-SP de Cinema.

O ator pernambucano Irandhir Santos ganhou o 10º Prêmio Fiesp/Sesi-SP de Cinema na categoria melhor ator com seu trabalho em "Tatuagem". Foto: Everton Amaro/Fiesp

“Há sete anos o cinema me roubou e eu me deixei levar. Estou cada vez mais apaixonado”, admitiu o ator ainda no palco, segundos depois de receber o reconhecimento – iniciativa que tem realização da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) em conjunto com o Sindicato da Indústria do Audiovisual do Estado de São Paulo (Siaesp).

É o segundo Fiesp/Sesi-SP de Cinema desse pernambucano de 35 anos – na edição de 2013 ele ganhara com seu Zizo em “A Febre do rato”.

Em 2014, foi a vez de “Tatuagem”, filme em que interpreta Clécio Wanderley, líder de uma trupe teatral que se apaixona pelo soldado Arlindo Araújo em pleno regime militar.

Não por acaso, Irandhir fez questão de lembrar os 50 anos do 1º de abril de 1964. “Data do golpe civil-militar”, ressaltou.

“Para mim, ‘Tatuagem’ é um gesto de resistência afetiva, um gesto de resistência radical. São filmes como esse que eu torço para que aqueles que lutam diariamente se atrevam e se alimentem para ter forças e lutar para uma sociedade nova, que eu acredito”, concluiu, homenageando o diretor Hilton Lacerda.

Formado em Artes Cênicas da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Irandhir acumula atuações em mais de 15 filmes e cerca de 20 prêmios em aproximadamente dez anos de carreira.

Um dos destaques é a atuação em “Olhos Azuis” (2009), do diretor José Joffily. Seu papel como Nonato, um professor brasileiro humilhado por um agente de imigração nos Estados Unidos, valeu ao ator um total de sete premiações, inclusive a de melhor ator no Festival de Cinema Brasileiro de Miami.

Críticas à distribuição

Irandhir Santos: "Há sete anos o cinema me roubou e eu me deixei levar. Estou cada vez mais apaixonado". Foto: Everton Amaro/Fiesp

Pouco antes da cerimônia, ao conversar com a reportagem, Irandhir disse estar feliz com mais uma indicação.

“Para mim, que tenho uma trajetória com filmes de baixo orçamento, esse tipo de indicação a prêmios especiais, como o da Fiesp e do Sesi-SP, só ajudam ainda mais o filme a ser visto, pois, no fim das contas, é isso que nós queremos com o nosso projeto, com o nosso filme: que ele seja visto. E esse prêmio coopera muito para isso”.

O ator elogiou a diversidade de produções da indústria de cinema brasileira.

“Nosso cinema vem despontando com força de produção muito grande. Temos grandes filmes sendo feitos. E isso é muito bom em relação à profissão. Porém temos muitos defeitos que devem ser revistos e avaliados”, afirmou, criticando as dificuldades para exibição dos filmes.

“Acho que precisa ser repensada essa política de distribuição dos nossos filmes, para que ele [cinema brasileiro] tome força, principalmente na educação do nosso povo. Para que possa ser algo cotidiano, das pessoas irem ao cinema assistir produções nacionais.”

‘Faroeste Caboclo’ é o melhor filme de ficção no 10° Prêmio Fiesp/Sesi-SP de Cinema

Juan Saavedra, Agência Indusnet Fiesp

Drama inspirado na canção homônima da banda Legião Urbana, o longa “Faroeste Caboclo” é o ganhador na categoria filme de ficção do 10° Prêmio Fiesp/Sesi-SP de Cinema – iniciativa que tem realização da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) em conjunto com o Sindicato da Indústria do Audiovisual do Estado de São Paulo (Siaesp).

>> Conheça os vencedores do 10° Prêmio Fiesp/Sesi-SP de Cinema

Os coprodutores Bianca de Felippes (centro) e René Sampaio (direita), também diretor do filme, logo após receber o prêmio por "Faroeste Caboclo". Foto: Everton Amaro/Fiesp

 

A coprodutora Bianca de Felippes disse que o projeto levou sete anos para ser produzido. “Estamos aqui comemorando um sucesso: o filme está no mundo inteiro, sendo lançado nos Estados Unidos, teve 1,5 milhão de espectadores. Foi um trabalho feito a muitas mãos, muitas cabeças, três produtores incansáveis. É uma emoção estar aqui.”

“Estou enormemente feliz e surpreso porque tínhamos outros incríveis filmes nesse ano. É uma honra enorme”, disse o diretor e coprodutor René Sampaio.

Premiada na categoria atriz principal, pela personagem Lota, no filme “Flores Raras”, Glória Pires disse que o filme levou 17 anos para ficar pronto e ser exibido.

“É muito especial receber esse prêmio porque o filme levou 17 anos para acontecer”, disse a atriz após receber o troféu das mãos de Irandhir Santos, eleito ator principal pelo trabalho em “Tatuagem”.

“Há sete anos o cinema me roubou e eu me deixei levar, estou cada vez mais apaixonado, mas o buraco da saudade do teatro aumentou a cada ano. E com esse presente que o Hilton [Lacerda, diretor] me deu tive a oportunidade de viver as duas artes”, disse o ator, também premiado em 2013 pelo filme “Febre do rato”.

Na categoria de melhor diretor, prêmio para uma dupla: Rubens Rewald e Rossana Foglia, pelo filme “Super Nada”. “Queria agradecer à Fiesp por manter essa premiação que já está no calendário. Que continue por muitos anos”, disse Rewald.

Ele só quer ser cantor 

Uma das atrações da cerimônia foi o cantor Jair Rodrigues (“Super Nada”).  “Quero agradecer aqui ao diretor Rubens Rewald, que me ensinou muita coisa”, começou Rodrigues, arrancando risadas da plateia ao contar que o personagem estava muito de acordo com ele. “Não quero mais esse negócio de carreira de artista. Quero seu cantor”, exclamou.

Representando o presidente das entidades, Paulo Skaf, o superintendente do Sesi-SP, Walter Vicioni Gonçalves, disse que o Sesi-SP nos últimos dez anos procurou associar-se a todas as manifestações que tenham como principal objetivo o desenvolvimento humano e as manifestações das linguagens das pessoas. “E o cinema é uma dessas linguagens”, arrematou.

A curadoria do 10° Prêmio Fiesp/Sesi-SP de Cinema é de André Sturm.

Fiesp e Sesi-SP anunciam vencedores do 10º Prêmio de Cinema na terça-feira (01/04)

Agência Indusnet Fiesp 

Na próxima terça-feira (01/04), a partir das 20h, serão anunciados no Teatro do Sesi São Paulo, os grandes vencedores do 10º Prêmio Fiesp/Sesi-SP de Cinema. Concorreram à premiação 151 produções cinematográficas sendo 135 longas e 16 curtas exibidas, em 2013, no circuito comercial de todo o país. O projeto tem curadoria do cineasta, presidente do Sindicato da Indústria Audiovisual do Estado de São Paulo (Siaesp) e diretor executivo do Museu da Imagem e do Som (MIS), André Sturm.

A cerimônia terá como apresentador o ator e diretor de teatro Danilo Grangheia. A programação contará com esquetes musicais de clássicos do cinema mundial interpretados pelo acordeonista e compositor Toninho Ferragutti.

As obras cinematográficas inscritas concorreram em 13 categorias: Filme de Ficção, Filme Documentário, Filme de Curta-metragem, Diretor, Atriz, Ator, Atriz Coadjuvante, Ator Coadjuvante, Roteiro, Montagem, Fotografia, Direção de Arte e Trilha Sonora. Os prêmios em dinheiro totalizam R$ 81 mil.

Entre os indicados na categoria Melhor Ator e Melhor Atriz estão nomes como Irandhir Santos (Tatuagem), Wagner Moura (A Busca), Glória Pires (Flores Raras) e Ísis Valverde (Faroeste Caboclo). Já o músico Jair Rodrigues e atriz Leona Cavalli concorrem ao título de Melhor Ator e Atriz Coadjuvante pela atuação, respectivamente, nos filmes Super Nada e Casa da Mãe Joana 2.

Dois finalistas de cada categoria foram selecionados por um júri popular (público) por meio do site www.sesisp.org.br/premiocinema, de 26 de fevereiro a 12 de março. Outros dois finalistas foram selecionados pelos associados do Sindicato da Indústria Audiovisual de São Paulo. O último finalista foi escolhido pelo Conselho Curatorial de Organização do Prêmio, totalizando cinco finalistas em cada categoria. Os vencedores serão determinados por um júri oficial, constituído por profissionais ligados às áreas cinematográfica e cultural. Simultaneamente à votação, teve início a mostra 10º Prêmio FIESP/SESI-SP de Cinema, que vai até 31 de março, com exibição de 47 longas e 16 curtas que concorrem ao prêmio.

O 10º Prêmio Fiesp/Sesi-SP de Cinema é uma iniciativa da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), do Serviço Social da Indústria (Sesi-SP) e do Sindicato da Indústria Audiovisual do Estado de São Paulo (Siaesp). O objetivo é incentivar a produção cinematográfica nacional, divulgar o cinema brasileiro, facilitar o acesso público às produções de filmes nacionais e formar novas plateias.

Veja abaixo a relação completa dos finalistas:

  • Melhor Filme – Ficção

A Busca

Anita e Garibaldi

Cru

Faroeste Caboclo

Tatuagem      

  • Melhor Filme – Documentário

As hiper mulheres

Dossiê Jango

Fragmentos de paixão

O renascimento do parto

São Silvestre

  • Melhor Diretor

Alberto Rondalli (Anita e Garibaldi)

Eduardo Chauvet (O renascimento do parto)

Luciano Moura (A Busca)

Rubens Rewald e Rossana Foglia (Super Nada)

Tata Amaral    (Hoje)

  • Melhor Ator

Irandhir Santos (Tatuagem)

Leandro Luna (Satyrianas, 78 horas em 78 minutos)

Lúcio Lima (Trampolim do Forte)

Marat Descartes (Super Nada)

Wagner Moura (A Busca)

  • Melhor Atriz

Glória Pires (Flores Raras)

Ísis Valverde (Faroeste Caboclo)

Laís Gomes (Trampolim do Forte)

Mariana Lima (A Busca)

Rosanna Viegas (Cru)

  • Melhor Roteiro

Alexandre Ribondi, Jimi Figueiredo  (Cru)

Érica de Paula (O renascimento do parto)

Halder Gomes (Cine Holiúdi)

Luciano Moura e Elena Soarez (A Busca)

Marcelo Galvão (Colegas)

  • Melhor Ator Coadjuvante

Enrique Diaz (Noite de Reis)

Fernando Assis (Satyrianas, 78 horas em 78 minutos)

Ítalo Castro (A Floresta de Jonathas)

Jair Rodrigues (Super Nada)

Walmor Chagas (A coleção invisível)

  • Melhor Atriz Coadjuvante

Andréa Marquee (O Que Se Move)

Débora Rebechi (Satyrianas, 78 horas em 78 minutos)

Jéssica Duarte (Trampolim do Forte)

Leona Cavalli (Casa da mãe Joana 2)

Raissa Gregori (Corpo Presente)    

  • Melhor Direção de Arte

Magno Vitor Ferreira, Luiz Rossi, Sergio Silveira (Anita e Garibaldi)

Moacyr Gramacho (A última estação)

José Joaquim Sales (Flores Raras)

Ricardo Movits (Cru)

Tiza Oliveira, Eduardo Antunes (O Tempo e o Vento)

  • Melhor Fotografia

Affonso Beato (O Tempo e o Vento)

Claudio Collepiccolo (Anita e Garibaldi)

Ivo Lopes Araújo (Tatuagem)

Lito Mendes da Rocha (Serra Pelada)

Sergio Sanderson, Lourival de Vieira (Carreras)    

  • Melhor Trilha Sonora

Arrigo Barnabé (Anita e Garibaldi)

Beto Villares (A Busca)

Claudio Faria, Natalia Mallo, Mariá Portugal, Danilo Penteado, Camilo Froideval, Raul Vizzi, Jair de Oliveira e Ramiro Murilo (Super Nada)

Patrick Laplan (Laura)

Wílson Sukorski (Cores)

  • Melhor Montagem

Eduardo Chauvet (O renascimento do parto)

Juliana Rojas (O Que Se Move)

Márcio Hashimoto (Serra Pelada)

Umberto Martins (São Silvestre)

Willem Dias (Super Nada)

  • Melhor Curta

Colostro

Memória do Rio

Nem que tudo termine como antes

Obrigado Tempestade

Preto ou Branco!

 

Serviço

10º Prêmio Fiesp/Sesi-SP de Cinema
Data e Horário: 1º de abril, terça-feira, às 20h (somente para convidados)
Local: Teatro do Sesi São Paulo (Av. Paulista, 1.313 – Metrô Trianon-Masp)
Informações: (11) 3146-7405 / 7406