Fiesp apresenta oportunidades de investimento em SP para empresários do Reino Unido

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp

A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) recebeu ao menos 20 empresários britânicos, na manhã desta terça-feira (03/12),  para apresentar as oportunidades de investimento em setores diversos da indústria paulista.

O encontro foi conduzido pelo diretor-titular-adjunto do Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior (Derex) da Fiesp, Thomaz Zanotto. Ele apontou alguns setores em expansão e que podem gerar oportunidades significativas de negócios com empresas do Reino Unido.

Zanotto: oportunidades nas áreas de saúde, segurança, defesa e construção civil. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Zanotto: oportunidades nas áreas de saúde, segurança, defesa e construção civil. Foto: Everton Amaro/Fiesp

“O setor de saúde está crescendo muito no país. A classe média está começando a pagar por serviços médicos”, disse Zanotto. “Além disso, o governo brasileiro também tem um enorme programa social para distribuição de medicamentos”, completou, citando ainda outros segmentos, como os de segurança, defesa e construção civil.

Chefe da delegação britânica, a parlamentar Margot James afirmou estar “muito otimista sobre as oportunidades para empresas do nosso país, particularmente em São Paulo”.

Margot: “muito otimista sobre as oportunidades em São Paulo”. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Margot: “muito otimista sobre as oportunidades em São Paulo”. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Segundo ela, os empresários também devem ir à Brasília e ao Rio de Janeiro em busca de oportunidades de negócios. “Eu acredito que temos algo fantástico a oferecer para o Brasil”, completou.

Também participou da reunião o Cônsul Geral do Reino Unido em São Paulo, John Doddrell. “Eu estou convencido do potencial de negócios entre a Confederação da Indústria Britânica (CBI) e a Fiesp”.

Investe SP

O diretor de Relações Institucionais e Internacionais da Investe SP (Agência Paulista de Promoção de Investimentos e Competitividade), Sérgio Costa, apresentou as condições para fazer novos negócios no estado ou ampliar aqueles já existentes.

“Usamos nossas experiências com companhias para reivindicarmos ao governo melhores condições de negócios”, afirmou Costa. “Além disso, podemos construir a ponte entre a sua companhia e as universidades e centros de pesquisa”, acrescentou.

Entre as áreas apresentadas, ele indicou o setor de energias renováveis como um mercado de interesse para os empresários britânicos. “É muito bom para as companhias ter tecnologias para a produção de energias limpas”, explicou.

Fiesp participa de lançamento do Conselho Paulista de Competitividade

Agência Indusnet Fiesp

O presidente da Federação e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp), Paulo Skaf, participou na manhã desta segunda-feira (11/03),  no Palácio dos Bandeirantes, da cerimônia de lançamento do Conselho Paulista de Competitividade.

O organismo foi criado pelo governo do Estado de São Paulo, por meio da Agência Paulista de Promoção de Investimentos e Competitividade (Investe SP), com a finalidade de aproximar setor privado e governo estadual para o desenvolvimento de  políticas públicas de estímulo à competitividade.

Ao falar sobre a iniciativa, Skaf cumprimentou o governador Geraldo Alckmin, destacando que o tema é uma das prioridades da Fiesp.

O governo anunciou ainda a criação de cinco câmaras temáticas para desenvolver o Programa Paulista de Competitividade, Compete São Paulo.

As câmaras são: desburocratização; inovação e formação de recursos humanos, infraestrutura e logística; e promoção à competitividade.

O objetivo, segundo o presidente da Investe SP, Luciano Almeida, é o de ajudar a “compreender em profundidade as demandas do setor privado, diagnosticando os fatores que mais afetam a competitividade.”

O evento contou com a presença de presidentes de empresas, entidades, sindicatos, federações e concessionárias de serviços, além de representantes do governo do Estado.

Fiesp e Investe SP lançam Atlas da Competitividade da Indústria Paulista

Solange Sólon Borges, Agência Indusnet Fiesp

O estado de São Paulo ganhou instrumento tecnológico de alta performance com o lançamento oficial nesta quarta-feira (27), na sede da Fiesp, do Atlas da Competitividade da Indústria Paulista.

A ferramenta virtual foi desenvolvida pelo Departamento de Competitividade e Tecnologia da Fiesp (Decomtec) da federação, com o apoio da Agência Paulista de Promoção de Investimentos e Competitividade do Governo do Estado de São Paulo e será atualizada periodicamente.

O conjunto de indicadores irá municiar os planejadores estratégicos e a indústria, oferecendo diagnósticos e serviços tecnológicos, além de fazer um retrato fiel à fotografia das reais vocações regionais aptas a receberem investimentos.

Renato Corona Fernandes, gerente do Decomtec

Um dos motivos que levaram à iniciativa de elaboração do mapa está ligado ao fato de nenhum projeto ter usufruído dos R$ 2,6 milhões destinados pelo governo de São Paulo para o Programa de Fomento ao Desenvolvimento Regional, no ano passado. A expectativa dos envolvidos nesse projeto é que o Atlas seja auxiliar na correção dessas distorções.

Ao lançar oficialmente o Atlas, Renato Corona Fernandes, gerente do Decomtec, destacou quatro partes principais da ferramenta que contemplam:

  • As suas funcionalidades;
  • Uma visão panorâmica do estado de São Paulo para fins de análise de políticas públicas;
  • A distribuição dos diversos setores e suas dimensões;
  • Os dados específicos dos municípios – emprego, renda e geração de empregos, entre outros vetores.

Para os participantes do evento, o Atlas deverá ajudar na hora do planejamento e da tomada de decisões sobre políticas públicas e desenvolvimento regional. A partir dos inúmeros dados compilados, será possível identificar as vocações territoriais dos municípios a fim de fomentar setores econômicos e promover atividades de atração de empresas e seus investimentos.

A ferramenta ainda permite acompanhar a evolução do emprego; arrecadação; número de estabelecimentos instalados; salários médios mensais; massa salarial anual, infraestrutura e logística; capital humano; tecnologia e investimentos. E suporta, também, a combinação de variáveis a fim de obter, por exemplo, indicadores específicos de setores industriais, fornecedores e concorrentes.

Acesse o Atlas aqui.