Internacionalização da Câmara de Arbitragem projeta positivamente o Brasil, diz Skaf

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp

A Câmara de Conciliação, Mediação e Arbitragem do Centro e da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp/Fiesp)  dá mais eficiência ao trabalho da Justiça na solução de conflitos no mundo dos negócios e internacionalizá-la significa estimular a arbitragem no país, afirmou o presidente das entidades, Paulo Skaf.

“O poder judiciário é que defende e protege o patrimônio e uma das ferramentas que podem ser usadas, ajudando a excelência do trabalho da Justiça, é a Câmara de Conciliação, Mediação e Arbitragem”, afirmou Skaf.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544884672

Paulo Skaf - Câmara de Arbitragem - Foto: Everton Amaro/Fiesp

O organismo do Ciesp e da Fiesp lançou nesta segunda-feira (27/05), durante seminário no edifício-sede, sua atuação internacional.  Foram integrados à Câmara aproximadamente 30 árbitros estrangeiros.

“O Brasil tem uma grande oportunidade de investimentos estrangeiros. E todos que investem, sejam brasileiros ou estrangeiros, querem sentir a segurança jurídica”, afirmou Skaf.  “Nesse momento, estamos transformando nossa Câmara em internacional. Isso projeta positivamente o Brasil e estimula a arbitragem no país”, completou Skaf na abertura do seminário “Internacional de Arbitragem: Internacionalização da Câmara de Conciliação Mediação e Arbitragem”.

Trabalho iniciado em maio de 1995, a Câmara de Arbitragem do Ciesp e da Fiesp é fruto da unificação dos grupos das duas entidades em 2011. O órgão atua em uma única estrutura, reforçada, na solução de controvérsias contratuais por arbitragem e pelos demais métodos alternativos de resoluções de conflitos para o empresariado e a comunidade em geral.

Seminário

Durante o seminário da Fiesp e do Ciesp,  especialistas brasileiros e estrangeiros debatem questões de arbitragens nacionais e internacionais, além do papel das instituições de arbitragem no contexto Internacional.

Representantes de Portugal, do Chile, da França, da Áustria e da Espanha devem apresentam trabalhos durante o encontro.