Na Fiesp, co-fundador da Netshoes fala sobre sucesso das vendas on-line

Talita Camargo, Agência Indusnet Fiesp

Márcio Kumrium, co-fundador e CEO da Netshoes, contou a história de sucesso de sua empresa na tarde desta segunda-feira (26/11), durante o primeiro Pocket Empreendedor – Inovações por minuto, evento do Comitê de Jovens Empreendedores (CJE) da Federação das Industrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540212580

Márcio Kumruian, co-fundador e CEO da Netshoes. Foto: Everton Amaro

Kumrium explicou que no começo as lojas eram apenas físicas. Só migraram para a Internet em 2002, com um programa de incentivo do extinto Banco Real, para que os lojistas vendessem on-line.

“De 2002 a 2007, foi o período de create the business, pois foi quando precisamos inventar e estruturar o modelo de negócio”, explicou. Naquela época, lembrou, o ambiente não era favorável, já que a empresa não tinha condições de controlar o estoque, e a mercadoria vendida on-line era a mesma exposta nas lojas físicas, o que causava muitas complicações.

Por isso, em 2007 decidiram fechar as lojas físicas. “Foi quando a Netshoes começou a decolar, porque as energias de todo o time – na ocasião, de 20 a 25 pessoas – se concentraram no on-line”, afirmou, explicando nessa época as verbas também estavam focadas no on-line. “Era possível investir em marketing com uma estrutura enxuta e com crescimento de 130% ao ano. Uma das estratégias foi não divulgar nosso crescimento. Quando a concorrência acordou, já éramos grandes”, afirmou.

Segundo o CEO, a Netshoes é atualmente a maior vendedora de artigos esportivos on-line no Brasil, com mais de um milhão de acessos por dia; 30 mil pedidos por dia; e com quase dois mil funcionários. Além disso, a empresa deve atingir a marca de R$ 1 bilhão de faturamento em 2012.

“O maior desafio foi crescer muito rápido e ainda se manter organizado”, ressaltou, lembrando que o mercado do e-commerce no Brasil está em ótima fase, mas que é preciso planejamento para crescer sempre e montar a estrutura necessária para sustentar esse crescimento.

Na visão do executivo, a receita desse sucesso é a soma do foco em inovação, pois a empresa investiu no mercado digital, onde era muito difícil vender calçados; e experiência do consumidor.

“A Netshoes é a maior [loja de e-commerce] em termos de visita e a menor em termos de reclamação”, afirmou ao apresentar uma pesquisa realizada pela Revista Veja. Ele associa isso ao fato de que a empresa sempre se preocupou em manter o padrão de compromisso com o consumidor.

‘Precisamos quebrar os paradigmas invisíveis’, afirma o CEO da Boehringer

Flávia Dias, Agência Indusnet Fiesp

Pensar fora caixa e ter coragem para transformar os sonhos em oportunidade de negócios são apenas algumas das características presentes no DNA do empreendedor. Esta é a opinião do CEO do grupo empresarial Boehringer Ingelheim Brasil, Martin Nelzow, que participou do Pocket Jovem Empreendedor 2012 – Inovações por Minuto, realizado nesta segunda-feira (26/11) pelo Comitê dos Jovens Empreendedores (CJE) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), na sede da entidade.

Com mais de 20 anos de experiência na área química e farmacêutica, Nelzow relatou que há pouco mais de oito anos a empresa registrou

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540212580

Martin Nelzow, CEO do grupo empresarial Boehringer Ingelheim Brasil: 'Quando você estimula um modelo mental diferente, precisa dar o exemplo' Foto: Everton Amaro

uma queda no faturamento. Para reverter esse quadro, os executivos Boehringer Ingelheim Brasil decidiram romper, segundo ele, os paradigmas visíveis e invisíveis.

Entre as medidas adotadas pela empresa, o executivo destacou a criação de uma política de gestão por competência, que aboliu o uso de salas para os membros da diretoria. No entendimento de Nelzow, a iniciativa promoveu a integração entre colaboradores e diretores, sendo reconhecida por dois anos consecutivos (2003-2004), como uma das melhores empresas para se trabalhar no Brasil, de acordo com a pesquisa realizada pela Revista Exame.

“Usamos a filosofia do exemplo para motivar os nossos funcionários. Quando você estimula um modelo mental diferente, precisa dar o exemplo”, ressaltou Nelzow, salientando os avanços nos índices de produtividade registrados após a implementação deste novo processo.

“A minha mediação de produtividade não está ligada ao número de horas de trabalho ou de relatórios entregues, mas se estamos conseguindo discutir os grandes temas ligados à sociedade, sem, é claro, deixar de cumprir as metas estabelecidas e aumentando a nossa participação no mercado”, afirmou o CEO da Boehringer Ingelheim Brasil.

No final de sua explanação, ele aconselhou os jovens empreendedores a apostarem nos seus sonhos: “O DNA do empreendedor tem um quê de sonhador e de coragem. Vocês devem agir pelo coração, acreditando que o seu projeto fará a diferença na sociedade”.

Na visão de Nelzow, o empreendedor não pode achar que a sua razão de existir é apenas ganhar dinheiro. “Ele [empresário] precisa acreditar na sua idade. Os resultados virão com o tempo e também com o reconhecimento do mercado”, finalizou.

A empresa

O grupo empresarial Boehringer Ingelheim, com matriz em Ingelheim, Alemanha, é um dos 20 maiores grupos farmacêuticos do mundo, com 156 afiliadas em 45 países e mais de 34 mil funcionários. Além disso, a empresa investe cerca de 20% do faturamento em projetos de pesquisa e inovação.