Responsável pela reforma que criou a Galeria do Sesi-SP, Paulo Mendes da Rocha receberá medalha de ouro de instituto na Inglaterra

Agência Indusnet Fiesp

Responsável pela reforma que em 1998 deu ao prédio da Fiesp e do Sesi-SP na capital paulista a cara que ele tem hoje, com a construção de um mezanino onde foi instalada a Galeria do Sesi-SP, o arquiteto Paulo Mendes da Rocha receberá a medalha de ouro do Royal Institute of British Architects, na Inglaterra. A comenda é um reconhecimento pela sua obra, já premiada anteriormente com o Pritzker, considerado o “Nobel da arquitetura”.

A medalha será entregue no primeiro semestre de 2017. Já o prêmio foi instituído em 1948, devendo ser sempre ter o aval da rainha Elizabeth 2ª. O objetivo é destacar pessoas ou grupos que tenham colaborado de forma significativa para o desenvolvimento da arquitetura.

No sede da Fiesp e do Sesi-SP na Paulista, Paulo Mendes da Rocha recuperou a distância original entre o asfalto automotivo e a entrada principal da construção. Para conseguir esse efeito, o arquiteto fez um “corte” da laje do pavimento superior ao passeio público e recuou a laje inferior onde atualmente funciona o Centro Cultural Fiesp – Ruth Cardoso.

O Centro Cultural da indústria paulista oferece, gratuitamente ou a preços populares, atrações diversificadas para todas as faixas etárias. Em 2008, recebeu o atual nome em homenagem à antropóloga Ruth Cardoso (1930-2008), incentivadora da educação solidária no Brasil.


Verônica Hipólito vence 400m do Grand Prix da Inglaterra e bate recorde das Américas

Agência Indusnet Fiesp

Neste domingo (24/08), a atleta paralímpica do Serviço Social da Indústria de São Paulo, Verônica Hipólito conquistou mais um resultado histórico para o País, com a medalha de ouro nos 400m rasos, na categoria T37/38 (paralisados cerebrais), no IPC Athletics Grand Prix Final, na cidade de Birmingham, na Inglaterra.

Verônica conquistou o lugar mais alto do pódio com o tempo de 1m04s90, novo recorde das Américas nessa distância. A atleta também superou a sua maior rival, a britânica Sophie Hahn, que competia em casa. A europeia ficou na terceira colocação com 1m08s83.

“No esporte, você não é feito somente de desejos. O esporte é feito, principalmente, de trabalho. Sei que o caminho é longo, muito longo, mas sei que, com esforço e trabalho duro, muitas coisas boas serão conquistadas”, escreveu a atleta, em sua página no Facebook, após a prova.

Verônica após a vitória: “O esporte é feito, principalmente, de trabalho”. Foto: Divulgação

Verônica após a vitória: “O esporte é feito, principalmente, de trabalho”. Foto: Divulgação


”Obrigada a todos que torceram e mandaram vibrações positivas, obrigada aos meus companheiros de equipe e o meu sempre “muito obrigada” ao meu treinador e a toda a minha família”, declarou Verônica, que contou que ligou para os pais depois da corrende para dizer que “todo o esforço, todo o trabalho está valendo a pena”.

O próximo desafio de Verônica Hipólito será o Circuito Caixa Loterias de Atletismo, que será realizado em São Paulo, de 11 a 14 de setembro.

Tecnologia para segurança pública é destaque na Inglaterra e no Mato Grosso do Sul

Guilherme Abati, Agência Indusnet Fiesp

Dando continuidade à agenda do Congresso Internacional de Segurança Pública 2014, evento realizado pelo Departamento de Segurança (Deseg) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), que prossegue até quarta-feira (21/05) na sede da instituição, especialistas em segurança pública de Londres, Inglaterra, e do Mato Grosso do Sul, detalharam suas atuações visando a prevenção e queda no número de crimes.

Matthew Wlliam Andrews, oficial da Unidade de Controle de Tumultos e da Unidade de Apoio Territorial da Polícia Metropolitana de Londres, falou sobre sua positiva experiência em integrar imagens de alta qualidade.  “Trabalhamos com a integração e o emprego de tecnologia na gestão da segurança londrina”, afirmou.

Andrews, sargento da polícia inglesa, explicou que foi criada anos atrás uma gigantesca estrutura subterrânea na capital inglesa. “Optamos pela criação de uma ligação entre nossa central de banco de dados e as unidades espalhadas pela cidade”, explicou.

Andrews: ligação entre a central de banco de dados e as unidades espalhadas pela cidade. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

Andrews: ligação entre a central de banco de dados e as unidades espalhadas pela cidade. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

Segundo ele, a polícia trabalha com um total de mais de 20 mil câmeras de alta definição espalhadas pela cidade. “Monitoramos todos as manifestações populacionais, com o armazenamento de imagens em alta resolução, que são estocadas por até sete anos em nossos arquivos”.

No Mato Grosso do Sul

Em seguida, o delegado André Matsushita Gonçalves, superintendente de Segurança Pública da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública de Mato Grosso do Sul, destacou as recentes ações realizadas no estado.

“Segurança de qualidade trabalha sob o binômio capacidade humana mais tecnologia”, disse. “Criamos procedimentos integrados e padronizados, com atuação conjunta de todos os organismos, tanto na fase policial, quanto na fase processual”, adicionou.

De acordo com Gonçalves, a sincronização das bases através de painéis gerenciais, com gráficos analíticos, relatórios e mapas, resultou em maior eficácia por parte da polícia local, reduzindo em 8% o número de crimes no Mato Grosso do Sul.

Projeto Try Rugby Brasil leva doze alunos do Sesi-SP para intercâmbio na Inglaterra

Guilherme Abati, Agência Indusnet Fiesp

Doze alunos do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) embarcam neste domingo (05/05) rumo a Londres, na Inglaterra. A viagem, que tem a duração de uma semana, faz parte do Try Rugby, projeto do Sesi-SP realizado em parceria com o British Council e com a Premiership Rugby, a liga de rugby inglesa.

“A parceria visa fomentar e oportunizar a prática de um esporte olímpico pouco difundido em nosso país”, explica Alexandre Pflug, diretor de Esportes e Lazer do Sesi-SP. “Como fator motivador para os alunos participantes deste projeto, o Sesi-SP irá oportunizar esse intercâmbio, buscando ampliar as experiências dentro desse esporte e contribuir no desenvolvimento e formação destes cidadãos”, acrescenta Pflug.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539873233

Em pé, da esquerda para a direita: Amanda (British Council), Stéphanie (Divisão de Esporte do Sesi-SP), Matheus (Votorantim), William (Sesi-SP Sumaré), Matheus (Sesi-SP Itapetininga), Lucas (Sesi-SP Indaiatuba), Ingrid (Sesi-SP Piracicaba), Rebeca (Sesi-SP Mogi Guaçu), Felipe (Divisão de Esporte - Sesi-SP). Agachados, da esquerda para direita: Arthur (Sesi-SP Araras), Matheus (Sesi-SP Rio Claro), Amanda (Sesi-SP Matão), Otávio (Sesi-SP São Carlos), Vinicius (Sesi-SP Tatui) e Rodrigo (Sesi-SP Campinas 2).

De acordo com Pflug, a proposta de intercâmbio foi apresentada em 2012 ao presidente do Sesi-SP, Paulo Skaf, que incentivou a ação. “O rúgbi no Brasil ainda está engatinhando e o Sesi-SP dará esta contribuição ao Brasil”, afirmou Skaf em setembro, lembrando que a modalidade esportiva será disputada nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016.

Na estadia na Inglaterra, entre os dias 07 a 13 de maio, as doze crianças, de 12 a 13 anos, visitam pontos turísticos da capital britânica, conhecem o clube de rugby Harlequins, um dos mais tradicionais da Inglaterra, e assistem ao jogo semifinal da liga. No intervalo, terão contato com os atletas.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539873233

Lançamento do projeto Try Rugby em setembro de 2012. Na foto, o presidente do Sesi-SP, Paulo Skaf; o superintendente do Sesi-SP, Walter Vicioni; e o diretor de Esportes, Alexandre Pflug, com representantes do Conselho Britânico e a Liga Inglesa de Rugby. Foto: Junior Ruiz/Fiesp

Em setembro de 2012, o Try Rugby trouxe 12 técnicos ingleses da Premiership Rugby para ensinar o esporte a alunos do Sesi-SP.

“No ano passado, representantes do Sesi-SP foram à Inglaterra e conheceram o projeto da Liga de Rugby inglesa. Em setembro de 2012, o projeto foi iniciado,  levando um técnico para cada unidade de ensino do Sesi-SP”, disse Rogério Ribeiro da Silva, coordenador de Esporte e Lazer do Sesi-Campinas 2.

“Os técnicos ingleses vieram para iniciar o projeto aqui no Estado de São Paulo e o saldo até agora é muito positivo. É um sucesso entre os alunos. Muitos não conheciam. É uma modalidade ainda desconhecida no Brasil. Mas, com a didática do Sesi-SP e com o know-how dos treinadores ingleses, o esporte tem atraído a atenção de todos”, disse o coordenador de Esporte e Lazer do Sesi-Campinas 2.

Rogério Silva conta que mesmo após o fim da participação dos técnicos ingleses, em julho deste ano, os treinadores do Sesi-SP poderão continuar ensinando a prática do esporte. “O programa deixará um legado em todas as unidades. A ideia é que os nossos treinadores, que acompanham o trabalho dos ingleses, deem continuidade às aulas”, afirma.

“Eles vão para o país onde nasceu o esporte. É incrível saber que um aluno, filho de um trabalhador da indústria, tem a chance de visitar um país como a Inglaterra e ter contato com os melhores jogadores do mundo.”

Alunos e pais empolgados

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539873233

Lançamento do Try Rugby no Sesi-SP de Votorantim. Foto: Julia Moraes/Fiesp

Os alunos da rede escolar Sesi-SP foram selecionados para a viagem com base em critérios como faixa etária (entre 12 e 13 anos de idade), maior frequência nas aulas desde o início do projeto e atitude compatível com a meta do Try Rugby (liderança e comportamento positivo).

“Estou bastante ansioso pela viagem do meu filho”, conta Elison, pai de Otávio Sena Rufino, um dos alunos com passagem marcada para Londres. ”É uma grande satisfação, um grande orgulho saber que ele tem essa oportunidade. É uma experiência única que ele vai levar pra vida toda. O Otávio começou a praticar Rugby no final de 2012. Nem conhecia o esporte, e hoje adora”, afirma.

“Quero jogar muito rugby e assistir aos jogos. É uma chance única. Nenhuma outra escola me daria essa oportunidade. Eu não conheço São Paulo direito, imagine conhecer a Inglaterra, uma cultura diferente”, diz Otávio, de 12 anos, atacante.

“Sinto-me bastante orgulhoso e contente por meu filho ser escolhido entre tantos alunos para a viagem”, garante Aldenir, pai do aluno Arthur Henrique Delacolletta. “O Arthur sempre foi fã de futebol americano e quando teve a oportunidade jogar rugby, ele logo adorou. A participação do Sesi-SP é extremamente importante. Escolhi colocar meu filho no Sesi-SP pela qualidade do ensino, pelo ambiente e pela segurança.  Estou muito alegre pelo Sesi-SP possibilitar essa chance”, acrescenta.

“Sempre joguei futebol e comecei a jogar rugby em outubro de 2012. Agora treino toda a semana. A parte do jogo que mais gosto é chutar a bola por cima da trave e fazer pontos”, diz Arthur.

“Assistir a uma partida de rugby na Inglaterra deve ser muito legal”, afirma Lucas Nunes da Silva, de 12 anos. ”Eu jogo bola, mas me encaixo melhor no rugby”.

“Ele está contando os dias pra viajar, está bem ansioso. Ele fala ‘faltam dez dias, nove dias…’. Ele quer tirar fotos dos lugares, dos estádios e pedir autógrafos aos jogadores”, conta a mãe de Lucas, Marineia, que confessa que, nesses dias que precedem a viagem, tem pedido ao filho para dosar as atividades físicas. “Se dependesse dele, ele jogaria todo dia, então eu preciso ficar controlando para não ter nenhum problema. A viagem é muito importante para ele, Afinal, ele quer ser jogador de rugby”, conta.

Os alunos que vão para o intercâmbio na Inglaterra

. Amanda Laissa dos Santos (Sesi-SP Matão)
. Arthur Henrique Delacolleta (Sesi-SP Araras)
. Ingrid Adrielle Lima Ribeiro (Sesi-SP Piracicaba)
. Lucas Nunes da Silva (Sesi-SP Indaiatuba)
. Matheus Henrique Fogaça de Campos (Sesi-SP Itapetininga)
. Matheus Pedroso Duarte (Sesi-SP Votorantim)
. Matheus Henrique de Oliveira da Cruz (Sesi-SP Rio Claro)
. Otavio Sena Rufino (Sesi-SP São Carlos)
. Rebeca Cristina Lourenço (Sesi-SP Mogi Guaçu)
. Rodrigo Janino Duarte (Sesi-SP Campinas)
. Vinicius Pezzoni Tavora (Sesi-SP Tatuí)
. William Allison Soares (Sesi-SP Sumaré)

David Cameron: ‘Estou aqui para encorajar o investimento do Reino Unido no Brasil’

Talita Camargo, Agência Indusnet Fiesp

(640x440)David Cameron, primeiro-ministro do Reino Unido. Foto: Ayrton Vignola

David Cameron, primeiro-ministro do Reino Unido, discursa em encontro com o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, o 1º vice-presidente da entidade, Benjamin Steinbruch, autoridades britânicas e empresários

“Se você não pode vencê-lo, junte-se a ele”. A citação foi feita pelo primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron,  ao se referir ao fato de que, no ano passado, o Brasil se tornou a sexta maior economia do mundo. “Estou aqui para encorajar o investimento do Reino Unido no Brasil”.

Cameron visitou a Federação Indústria do Estado de São Paulo (Fiesp), na manhã desta quinta-feira (27/09), e demonstrou grande entusiasmo com as possibilidades de negociações entre os dois países.

“Acho que há muitas oportunidades para a Inglaterra investir no Brasil”, afirmou destacando alguns dos setores de maior interesse, como o energético, que possui grande potencial de desenvolvimento; infraestrutura, em que acredita ter expertise para acrescentar muito;  indústria da defesa, pois a Inglaterra tem uma das maiores indústrias de defesa do mundo; educação, com parcerias nas universidades e instituições de ensino; além da ciência, tecnologia e em todas as indústrias em que o Reino Unido têm sido tradicionalmente forte.

“Eu também acredito que este é um momento brilhante para o Brasil investir no Reino Unido”, afirmou o líder britânico, enfatizando que seu país possui um governo amigável e aberto a negócios, além de ser e uma das economias mais flexíveis e de fácil investimento. “Estamos entre as dez principais indústrias de manufatura do mundo e os negócios do Brasil serão muito bem-vindos no Reino Unido”, afirmou.

Cameron assinalou outras vantagens do Reino Unido, como o fato de fazer parte da União Europeia e da língua inglesa. Agradeceu à Fiesp pela hospitalidade e se disse honrado com a visita: “Estou muito honrado em estar aqui em São Paulo, em estar aqui no Brasil”, disse, e acrescentou ter certeza de que os Jogos Olímpicos no Brasil, em 2016, serão um grande sucesso.

Ao concluir, o primeiro-ministro do Reino Unido se disse ansioso pelo encontro de amanhã (27/09) com a presidente Dilma Rousseff. “Há muitas discussões a serem feitas de governo para governo. Ambos os países têm interesses em mostrar para o mundo que a nossa economia está caminhando”.

Reino Unido busca novos investimentos no Brasil

Agência Indusnet Fiesp

Em visita à Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Richard Ottaway, presidente do Comitê de Relações Exteriores do Parlamento Britânico (Foreing Affairs Commitee – FAC) e sua comitiva analisaram as oportunidades de negócio entre as indústrias brasileiras e britânicas.

João Guilherme Sabino Ometto, 2º vice-presidente da Fiesp, enfatizou o crescimento da demanda dos setores de infraestrutura e da construção civil, com destaque para o pré-sal e as obras para Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016, como boa oportunidade de negócios para os empresários britânicos.

Ottaway informou que o governo britânico busca o investimento das indústrias brasileiras em seu país, especialmente para o setor de defesa.

Após o encontro, o Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior (Derex) da Fiesp ficou de elaborar um relatório com os principais pontos da discussão, a ser enviado para o governo do Reino Unido.

Governo britânico escolhe o Brasil para realizar seminário de negócios em energia

Agência Indusnet Fiesp

Quarenta empresas britânicas visitarão o Brasil em março para participar do seminário UK Energy in Brazil, o maior evento do setor de energia promovido pelo governo do Reino Unido em um país estrangeiro em 2011.

Os representantes das companhias terão um dia de atividades, palestras e workshops no hotel Intercontinetal, no Rio de Janeiro, seguido de uma semana de visitas e prospecção de negócios no Rio, São Paulo e Macaé (RJ).

Entre os executivos que visitarão o País, liderados por Susan Haird, CEO do UK Trade and Investment (UKTI), haverá especialistas em óleo e gás (Upstream), subsea, energia eólica e biocombustíveis, integrando uma agenda completa de negócios que incluirá discussões sobre energia limpa e renovável. O embaixador britânico no Brasil, Alan Charlton, abrirá o evento no Rio de Janeiro.

Mais de dez associações industriais e comerciais brasileiras, entre elas a Fiesp, apoiam o UKTI, agência governamental de estímulo ao comércio e investimento exterior no Reino Unido, na realização e promoção do UK Energy in Brazil.

Serviço
UK Energy in Brazil: Seminário e rodada de negócios Brasil-Reino Unido para o setor de energia
Data/horário: Terça-feira, 22 de março de 2011, às 8h30
Local: Hotel Intercontinental – Av. Aquarela do Brasil, 75, São Conrado, Rio de Janeiro, RJ