Sindicato Responsável: Sinbi pela infância

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540119865

Por Karen Pegorari Silveira

O Instituto Pró-Criança de Birigui é o braço social do Sindicato das Indústrias do Calçado e Vestuário de Birigui (Sinbi) e nasceu com a proposta de prevenir e erradicar o trabalho infantil ilegal e apoiar ações de inclusão social de crianças e adolescentes.

Além disso, através de parcerias com as empresas da cidade, o Instituto Pró-Criança apoia e incentiva o uso do selo “Empresa Comprometida com a Proteção e a Educação da Criança”. Trata-se de uma declaração que as empresas recebem e podem utilizar na comercialização de seus produtos e serviços, tanto nacional como internacionalmente, pela não utilização de mão de obra infantil.

Atualmente o instituto atende 80 pessoas, entre crianças e adolescentes, em situação de vulnerabilidade e risco social.  Todos recebem, gratuitamente, intervenções pautadas em experiências lúdicas, culturais, de interação, aprendizagem, sociabilidade, proteção e convivência social, participação cidadã e formação geral para o mundo do trabalho. Muitas ações são extensivas aos pais e responsáveis, visando promover a integração familiar no processo. As crianças e adolescentes matriculadas no Instituto são acolhidas de acordo com a situação socioeconômica de suas famílias.

No desenvolvimento de suas ações, o Pró-Criança de Birigui conta com o apoio das empresas da cidade, da rede de parceiros e associados e da equipe permanente de profissionais para formar as crianças e adolescentes envolvidos em seus projetos.

Tais atividades são realizadas graças a doações, recursos da iniciativa privada, contribuições dos associados, destinações de Imposto de Renda (IR) e eventos promovidos pelo próprio Instituto. Seu Conselho Diretor tem mandato de quatro anos e instituições da sociedade civil e representantes do poder público compõem o seu conselho consultivo comunitário, de onde são eleitos os membros do conselho fiscal.

Sobre os projetos

O “Projeto Fora da Caixa” é realizado pelo instituto junto a colaboradores das empresas/comércio por meio de rodas de conversa com temas transversais da Revista do Instituto Pró-Criança. Tem como finalidade oferecer ao colaborador espaço para a discussão de temas do cotidiano e fortalecer o vínculo entre os colaboradores e Recursos Humanos (RH) das empresas/comércio.

O “Pipocando Saber” é direcionado a crianças de 6 a 11 anos de idade, no contra turno escolar, e tem o objetivo de estimular o desenvolvimento de potencialidades, habilidades, talentos e propiciar formação cidadã. O projeto é realizado diariamente para 40 crianças.

O Projeto Rede Tecnológica para Inteligência Social foi implantado pelo Pró-Criança em 8 Instituições de Birigui, com a finalidade de criar uma base de dados única e consistente de informações sociais, para diagnóstico e tomada de decisões.

O Projeto Casa do Telefone é uma exposição permanente e aberta ao público na casa que abrigou a primeira central telefônica da cidade e que também é a sede da instituição. Possui acervo ligado à telefonia e comunicação, com o objetivo de contar a história parcial da cidade, organizar a memória da comunicação de Birigui, expor o acervo existente e ampliar as ofertas de ensino/aprendizagem relacionadas com as possibilidades da exposição, que é aberta às escolas e comunidade em geral.

Conheça todas as ações do Sinbi no site http://sindicato.org.br/


Em evento pela infância com Temer e o rei da Suécia, Skaf afirma que reformas criarão grandes oportunidades para as crianças

Graciliano Toni, Agência Indusnet Fiesp

“Nossas crianças poderão ter no futuro grandes oportunidades graças às mudanças pelas quais o país está passando”, disse nesta terça-feira (4 de abril) o presidente da Fiesp e do Ciesp, Paulo Skaf, ao abrir o Global Child Forum on South America. Realizado no prédio da Fiesp, o evento teve a participação do rei da Suécia, Carl XVI Gustaf, e do presidente do Brasil, Michel Temer.

Em seu discurso, Skaf agradeceu a Temer e à primeira-dama Marcela a ida à Fiesp – a casa da produção, do emprego, da inovação, do desenvolvimento, destacou – e saudou o presidente pelas reformas em curso, que, lembrou, darão oportunidades a milhões de crianças brasileiras no futuro. Cumprimentou Temer “pela coragem, pela determinação em promover as reformas estruturais tão necessárias ao Brasil e que vão criar condições favoráveis à retomada do crescimento econômico, com geração de empregos, renda, oportunidades de empreendedorismo.”

Skaf frisou a importância do fórum, por debater a proteção às crianças do Brasil e do mundo. “São o nosso maior patrimônio e precisamos cuidar bem delas, combatendo a prostituição infantil e qualquer tipo de agressão às crianças.” Também, afirmou, é preciso criar condições e oportunidades para que elas tenham um futuro.

“Além desta casa representar os setores da produção e do emprego, temos um trabalho muito forte direcionado às crianças do nosso país, especialmente do Estado de São Paulo”, disse Skaf, referindo-se ao Sesi-SP e ao Senai-SP, ambos presididos por ele. As escolas do Sesi-SP e do Senai-SP, com professores dedicados e capazes, dão educação de qualidade, afirmou Skaf – e não apenas na sala de aula. Nas quadras também, com esporte, nas atividades culturais e na boa alimentação. “É aquela educação completa, que vai formar o bom cidadão do futuro.”

No dia a dia, a indústria de São Paulo, com mais de um milhão de alunos a cada ano nas escolas do Sesi-SP e do Senai-SP, dá a eles conhecimento e educação de qualidade, disse Skaf.

Em seu discurso, o presidente Michel Temer reconheceu o valor do Sesi-SP e do Senai-SP. “Homenageando a Fiesp e o presidente Paulo Skaf, eu quero ressaltar o trabalho que o Sesi e o Senai fazem em prol das crianças brasileiras, dando educação, saúde e alimentação”, disse Temer.

O presidente da República sancionou no palco do Teatro do Sesi-SP, local da cerimônia de abertura do Global Child Forum, lei que amplia a proteção a crianças e adolescentes vítimas ou testemunhas de violência. De autoria da deputada Maria do Rosário, explicou Temer, o projeto foi relatado no Senado por Marta Suplicy.

Temer se referiu a Skaf no início de seu discurso. Afirmou ser uma honra especialíssima participar da abertura do fórum, que, destacou, era realizado pela primeira vez na América do Sul. A criança, disse, deve ocupar lugar especialíssimo. “Ela representa o futuro e personifica a esperança; ao mesmo tempo é vulnerável e requer proteção”, afirmou. “Amparar a criança é cultivar o presente para um amanhã melhor.”

Antes de tudo, esse amparo é dever do Estado, mas é também dos empresários, das ações civis, dos trabalhadores, dos acadêmicos e outros setores que o fórum mobiliza em torno da grande causa comum, que é a defesa da infância, que precisa se estender a vários aspectos. Há múltiplas responsabilidades, afirmou, porque são múltiplos os desafios e as ameaças.

Skaf com a rainha Silvia, o rei Carl XVI Gustav, o presidente Michel Temer e Marcela Temer durante o Global Child Forum. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

Skaf com a rainha Silvia, o rei Carl XVI Gustaf, o presidente Michel Temer e Marcela Temer durante o Global Child Forum. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp


No Brasil, lembrou Temer, essa proteção tem sido há muito tempo política de Estado. O avanço vem de longa trajetória. Citou a proteção constitucional e o Estatuto da Criança e do Adolescente, além do programa dos anos 90 de erradicação do trabalho infantil e da universalização do Ensino Fundamental. Citou os primeiros programas de transferência de renda atrelada ao aproveitamento escolar e ao acompanhamento da saúde pré-natal. Depois, o fortalecimento do Bolsa Família, e mais recentemente, a complementação de renda para famílias com filhos na primeira infância. E até o final de 2018, 4 milhões de crianças de 0 a 3 anos serão acompanhadas semanalmente por visitadores, graças ao programa Criança Feliz.

O trabalho infantil diminuiu vertiginosamente nos últimos 20 anos. Também a mortalidade infantil e o número de crianças na extrema pobreza tiveram redução muito significativa. Mas, frisou, “muito resta a fazer”.

Não deve haver nenhuma criança sem educação de qualidade nem sem atendimento de saúde. “Não podemos nos distrair”, afirmou. O Brasil começa a sair de sua maior crise, que afetou mais fortemente os segmentos mais vulneráveis da população. “As crianças não foram exceção”, disse, citando o preocupante crescimento da incidência do trabalho infantil de 2013 a 2015.

“O bem-estar das crianças exige eterna vigilância”, o que pressupõe um Estado com as contas em dia, com condições de investir em programas sociais. “Exige responsabilidade social”, disse Temer, e a necessidade de responsabilidade fiscal. Continuamos a construir nas bases das últimas décadas. O Brasil continua agindo em favor de suas crianças, disse, Lembrou a saúde, com a ampla distribuição de vacinas gratuitas. A Rede Cegonha deve cobrir 100% das gestantes, para atenção ao parto e à saúde da criança. Universalizado o acesso ao Ensino Fundamental, agora se persegue o mesmo no Médio, que passa por reforma,

Trabalho infantil teve mais de 5.700 inspeções em todo o Brasil. Crimes envolvendo crianças, inclusive a violência doméstica e exploração sexual, são combatidos. A deputada Maria do Rosário criou projeto, relatado por Marta Suplicy no Senado, a ser sancionado no mesmo dia, disse se dirigindo a Skaf, para reforçar as garantias a jovens vítimas ou testemunhas de violência. Assinou a lei no palco.

Olhando para a frente se veem muitos desafios, disse Temer, que serão enfrentados com muita determinação. É nosso dever manter viva a esperança criada quando nasce uma criança, disse. “Contem com todo o apoio do governo brasileiro e de toda a sociedade brasileira” na jornada de proteção à infância, finalizou, dirigindo-se aos participantes do fórum.

O rei da Suécia, presidente honorário do Global Child Forum, agradeceu a Temer por ter posto em sua agenda a proteção à criança brasileira. “Nossa visão é de um mundo em que os direitos das crianças sejam respeitados”, afirmou. Governos são importantes, mas também é necessário o envolvimento das empresas, daí o Global Child Forum abranger os empreendedores, explicou. Pediu fortemente a todos que aproveitassem o fórum para se conectar e trocar ideias.

Criado em 2009, o Global Child Forum apoia a Convenção da ONU sobre os Direitos das Crianças. Seu objetivo é reunir líderes de empresas, especialistas, ONGs, governo e universidades num esforço conjunto para implementar e discutir os direitos das crianças e como novos modelos de negócios podem ser desenvolvidos para enfrentar os crescentes desafios.