Pesquisa da Fiesp/Ciesp aponta baixo nível de confiança dos empresários

Rubens Toledo, Agência Indusnet Fiesp

A Sondagem Industrial, levantamento do clima organizacional nas empresas realizado mensalmente pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) em parceria com as Federações Estaduais, vem mostrando oscilações no nível de confiança entre os industriais paulistas.

Os resultados divulgados no início deste mês, para a região de Presidente Prudente, sinalizam dificuldades no chão de fábrica. O levantamento, referente ao último trimestre de 2010, mostrou índice inferior aos 50 pontos (28), o que representa uma nota negativa na confiança empresarial.

“O ICEI de Presidente Prudente e região ficou em 48,7 pontos, abaixo de 50 pontos, o que significa um certo pessimismo por parte dos empresários industriais da região”, assinala Maria Lúcia Ribeiro da Costa, coordenadora de pesquisa das Faculdades Integradas Antônio Eufrásio de Toledo (Unitoledo).

Humor dos empresários

Já com relação aos próximos meses, o Índice atingiu 58 pontos, o que revela certo otimismo, notadamente entre as pequenas e médias empresas. A interpretação dos números coube à equipe da Empresa JúniorToledo, da Unitoledo, em conjunto com técnicos da Fiesp/Depar e também com apoio do Ciesp prudentino.

Para o diretor-titular do Ciesp em Prudente, Fernando Rodrigues Carballal, os dados refletem a realidade no chão de fábrica. “Não é surpresa. É o humor dos empresários quanto às expectativas para o ano”, confirma o diretor, empresário do setor coureiro. “E as condições macroeconômicas, como carga tributária, acesso a crédito, taxa de juro, estas são as mesmas em todo o Estado”, complementa.

Metodologia e abrangência

O questionário (elaborado e aplicado pela Fiesp e Ciesp) foi aplicado a um grupo de 20 empresas industriais da região (entre as mil empresas em todo o Estado). A pesquisa também foi feita nas regiões de Jundiaí e Franca, em parceria com universidades locais.

“A Fiesp é a única das federações que realiza a pesquisa em nível regional”, observa Alexandre Serpa, diretor-titular do Departamento de Ação Regional (Depar) da Fiesp.

Segundo o diretor, a sondagem é um termômetro sensível que mede o grau de confiança do industrial quanto aos cenários econômicos que fazem parte do seu universo: “Mostra como o setor produtivo enxerga a realidade na qual está inserido no contexto econômico”.

O índice é baseado em três questões, sendo uma de condições e duas de expectativas (para a empresa e para a economia nos últimos seis meses). Além destes fatores, são avaliadas questões relativas à condição da produção da indústria, nível de estoque, utilização da capacidade instalada.

“A metodologia adotada foi desenvolvida pela CNI. Coube, porém, ao grupo de trabalho da Toledo e da Fiesp/Depar regional avaliar e interpretar esses resultados dentro das especificidades da região”, completou Serpa.