Câmara Ambiental retoma suas atividades em 2013

Solange Sólon Borges, Agência Indusnet Fiesp

CAIP - Paulo Schoueri e Eduardo San Martin. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Paulo Schoueri e Eduardo San Martin, durante a reunião da Câmara Ambiental da Indústria Paulista. Foto: Everton Amaro/Fiesp

A Câmara Ambiental da Indústria Paulista (Caip), organismo da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) criado para discutir e atender demandas sindicais ambientais do setor industrial, retomou sua agenda. As reuniões serão bimestrais.

O encontro de terça-feira (21/5) teve como tema central a responsabilidade de cada setor ante as políticas de resíduos sólidos  tanto no âmbito nacional quanto estadual e municipal.

A questão envolve dois pontos cruciais, segundo o diretor do Departamento de Meio Ambiente (DMA) da Fiesp e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp), Eduardo San Martin, que coordenou as discussões ao lado do diretor-titular da Central de Serviços da Fiesp, Paulo Schoueri.

A Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) altera, inclusive, a Lei de Crimes Ambientais e, por isso, é fundamental compreendê-la, segundo San Martin. Ele alerta que no Brasil as punições são severas se comparadas a de outros países da América Latina.

A Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) altera, inclusive, a Lei de Crimes Ambientais e, por isso, é fundamental compreendê-la, segundo San Martin. Ele alerta que,  no Brasil, as punições são severas se comparadas a de outros países da América Latina.

Incentivos tributários

Outros pontos a serem debatidos atentamente estão relacionados aos incentivos tributários para a indústria e a viabilidade financeira para reinserção do material reciclado no processo produtivo.

Os setores que devem celebrar acordos setoriais são: agrotóxicos; pilhas e baterias; pneus; óleos lubrificantes; lâmpadas; produtos eletroeletrônicos; demais produtos e embalagens.

Institucionalmente, a Fiesp e Ciesp já realizaram 36 seminários regionais, com a participação de quase 3.400 pessoas, além de organizar missões empresariais a países que detém tecnologia e recicla fortemente seus resíduos, como a Holanda, por exemplo, que consegue reaproveitar 95% de um veículo.

Entre as ações também debatidas na Câmara,  em função de novas legislações, está a atualização ou elaboração dos “Guias Setoriais de Produção Mais Limpa” produzidos e publicados pelo DMA/Fiesp.