Fiesp, Ciesp e Caixa iniciam eventos de incentivo a MPMEs que buscam acesso a crédito

Djalma Lima, Agência Indusnet Fiesp

A Fiesp e o Ciesp, por meio de seus departamentos de Apoio à Micro, Pequena e Média Indústria, e a Caixa promovem no próximo dia 5 de junho, a partir das 8h, o primeiro Programa Caixa Melhor Crédito destinado a empresários e dirigentes da indústria paulista.

O Caixa Melhor Crédito integra um pacote de serviços que serão prestados em vários eventos programados pela entidade da indústria e a Caixa para este ano. Em São Paulo, os empresários terão a oportunidade de conhecer as facilidades para acesso ao crédito, com atendimento empresarial exclusivo, e as melhores e mais adequadas linhas de financiamento.

O participante poderá fazer simulação e tirar dúvidas em relação a crédito para compras de máquinas e equipamentos, construções ou reformas de instalações, projetos de pesquisas e desenvolvimento, exportação, projetos de sustentabilidade, capital de giro, compra de matéria-prima, financiamento do 13º salário, além de outras linhas de créditos.

Participam dos encontros 40 gerentes da Caixa e uma equipe técnica especializada das entidades da indústria paulista. O evento é aberto a qualquer empresa, não havendo a necessidade de filiação a algum sindicado ou a associação ao Ciesp.

O Programa é uma parceria da Fiesp e do Ciesp com a Caixa para as micro, pequenas e médias empresas. Seu objetivo é oferecer aos empresários da indústria paulista créditos com as melhores condições do mercado.

Segundo o presidente da Fiesp e do Ciesp, Paulo Skaf, este evento é uma excelente oportunidade para os empresários que buscam expandir ou melhorar sua produção. “Trata-se de um verdadeiro feirão de oportunidades para que possam conseguir crédito com juros mais baixos”, enfatiza Skaf.

Veja a programação e inscreva-se pelo site.

Serviço
Atendimento para Micros, Pequenas e Médias Empresas
Data/horário: 05 de junho de 2012, das 8h às 18h
Local: sede da Fiesp/Ciesp – Av. Paulista, 1313, capital
Informações e agendamento de horário: tel. (11) 3549-4499

Fiesp realiza evento de incentivo às micro, pequenas e médias empresas

Djalma Lima, Agência Indusnet Fiesp

A Fiesp, por meio do seu Departamento da Micro, Pequena e Média Indústria (Dempi), promove nesta quarta-feira (21), a partir das 9h, a primeira Sala de Crédito deste ano destinada a empresários e dirigentes das micro, pequenas e médias empresas do Estado.

A Sala de Crédito faz parte de série de eventos programados pela entidade da indústria para 2012. Em São Paulo, os empresários terão a oportunidade de conhecer as facilidades para acesso ao crédito, com atendimento empresarial exclusivo, e as melhores e mais adequadas linhas de financiamento.

O participante poderá tirar dúvidas e ser atendido por técnicos da entidade e seus parceiros, em relação a crédito para compras de máquinas e equipamentos, construções ou reformas de instalações, projetos de pesquisas e desenvolvimento, exportação, projetos de sustentabilidade, capital de giro, compra de matéria-prima e financiamento do 13º salário.

A Sala de Crédito é uma parceria da Fiesp com grandes instituições financeiras como Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, Santander e Nossa Caixa Desenvolvimento.

Na última edição realizada no ano passado na capital, o evento consolidou volume de negócios da ordem de R$ 450 milhões. Para este ano, a previsão é realização empréstimos no valor de R$ 550 milhões.

Sondagem realizada em 2011 pelo Dempi/Fiesp entre os dois mil atendimentos realizados nas Salas de Créditos mostrou as principais dificuldades das empresas para acesso às linhas de financiamento. São elas:

  • Relacionamento com a gerência do banco (34%);
  • Taxa de juros da operação muito alta (10%);
  • Garantias oferecidas pela empresa insuficientes às solicitadas pelo banco (17%);
  • Apresentação de documentos exigidos pelo banco (7%);
  • Objetividade para conseguir informações solicitadas pelo banco (12%);
  • Restrições cadastrais (10%);
  • Outros tipos de dificuldades (10%).

Serviço:
Atendimento para Micro, Pequenas e Médias Empresas
Data/horário: 21 de março de 2012, das 9h às 17h
Local: Sede da Fiesp – Av. Paulista, 1313, 11º andar
Informações e agendamento de horário: tel. (11) 3549-4499
Visite o hotsite: www.fiesp.com.br/atendimento

Leis de Incentivo à cultura alavancam inclusão social e promovem cidadania

Solange Sólon Borges, Agência Indusnet Fiesp

Os mecanismos de utilização da Renúncia Fiscal, nas esferas federal e estadual, foram analisados em encontro promovido pelo Comitê de Responsabilidade Social (Cores) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) na última segunda-feira (23/11).

Entre eles, a Lei Rouanet (nº 8.313) com a possibilidade de se investir parte do Imposto de Renda devido – 4% para pessoas físicas e 6% para jurídicas, baseando-se no lucro real – e o Programa de Ação Cultural (Proac), que se alicerça no Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS).

Para Antônio Bellini, diretor da produtora Bellini Cultural, ainda há muito a ser feito, pois dos projetos aprovados pelos incentivos culturais, somente 20% conseguem captação.

Ele explicou que as atividades voltadas à cultura crescem ano a ano no País, mas 80% das empresas ainda não apostam no mecenato. Por outro lado, quem utiliza o patrocínio pela primeira vez percebe os benefícios alcançados e realiza novos investimentos.

Entre as conquistas sociais, ele cita a geração de emprego e renda, promovendo a inclusão social e o pleno exercício da cidadania. Hoje, o cenário cultural brasileiro pede uma mudança mais do que necessária:

  • Apenas 14% das pessoas vão ao cinema pelo menos uma vez ao mês;
  • 92% não frequentam museus;
  • 93% nunca foram a uma exposição de arte;
  • 78% nunca viram um espetáculo de dança; e, pior,
  • 90% dos municípios brasileiros não têm cinema e teatros, ou seja, aparelhos culturais multiusos.

Como ferramenta de marketing, o patrocínio agrega valor à marca e aproxima a empresa de seu público alvo. “Atualmente, há três mecanismos de incentivo à cultura”, pontuou Anis Kfouri Jr., especialista tributário, que detalhou os caminhos do Proac:

Existe a possibilidade de os recursos seguirem para o governo, que os repassa para o Ministério da Cultura, a fim de promover investimentos específicos.

A segunda via é quando a pessoa física ou jurídica elege a destinação dos impostos devidos para projetos aprovados. E, a mais recente possibilidade, em debate no Congresso Nacional, é o Vale Cultura, que beneficia diretamente o usuário final.

Para Kfouri Jr., o Vale Cultura é polêmico. “É importante incentivar a difusão do conhecimento e da cultura, mas é preciso também levar em conta a meritocracia, sair da zona de conforto”, opinou.

Para ilustrar como se obtém benefícios práticos, o mote do seminário “Seu imposto pode gerar cultura e inclusão social” reforçou a apresentação de inúmeros cases.

Entre eles: do Ecofuturo (patrocinado pela Suzano) com o Dia Nacional da Leitura; da Exxon (Prêmio Esso de Jornalismo, Projeto de liderança feminina e publicação de livros ilustrados sobre cidades brasileiras); e da DC Eventos (Escola de Mulher e Copa do Mundo), além do Projeto Clave de Sol.

“Faremos outros seminários sobre este tema, pois apenas 1/4 das empresas habilitadas para a utilização da Renúncia Fiscal se utilizam do benefìcio. Temos muito a disseminar sobre o tema e os benefìcios que eles podem gerar para as empresas e as comunidades”, avaliou Eliane Belfort, diretora-titular do Cores.

Indústria debate Produção Mais Limpa em universidades

Agência Indusnet Fiesp

O programa “Produção Mais Limpa” na indústria é tema de workshops que serão realizados em diversas Instituições de Ensino Superior ao longo do mês de setembro, começando nesta segunda-feira (31/08), no Instituto Presbiteriano Mackenzie e nas Faculdades Integradas Rio Branco.

A iniciativa é da Federação e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp/Ciesp), por meio do Departamento de Micro, Pequena e Média Indústria (Dempi). O objetivo é discutir a produção de bens com menor consumo de energia, água e matéria-prima.

Estarão à frente dos debates: Paulo Skaf, presidente da Fiesp/Ciesp,  e Eduardo San Martin, especialista em Controle da Poluição Ambiental, membro do Conselho Superior de Meio Ambiente (Cosema) da Fiesp e diretor-titular do Departamento de Meio Ambiente do Ciesp.

Skaf participará dos encontros agendados na Pontifícia Universidade Católica (1º/09, às 19h30), Escola Superior de Propaganda e Marketing (02/09, às 8h30), Universidade de Santo Amaro (15/09, às 19h30) e Faculdades Metropolitanas Unidas (22/09, às 19h30). O líder empresarial tratará das perspectivas para a economia brasileira, em 2009, e responderá as perguntas do público universitário.

Também estão programados debates nos seguintes locais:

  • Universidade de São Paulo: 03/09, às 12h30;
  • Universidade Cruzeiro do Sul: 10/09, às 20h;
  • Trevisan Escola de Negócios: 14/09, às 20h;
  • Centro Universitário Belas Artes: 16/09, às 19h;
  • Centro Universitário da FEI: 21/09, às 14h;
  • Anhembi-Morumbi: 21/09, às 19h30;
  • Instituto Mauá de Tecnologia: 29/9, às 20h;
  • Universidade São Judas Tadeu: 30/9, às 9h.


Concurso P+L: estímulo à academia

O “Incentivo às Práticas de Produção Mais Limpa” é tema de concurso promovido pela Fiesp/Ciesp para estudantes do Ensino Superior. Trata-se do reconhecimento às universidades parceiras que apresentarem sugestões de ações até 16 de outubro. A solenidade de premiação ocorrerá em 23 de novembro, durante a Conferência de Produção Mais Limpa, na Federação.

Anos 90: produção mais limpa chega ao Brasil

A Fiesp está atenta ao assunto desde o início da década de 90. A partir de 1996, a entidade passou a integrar a mesa de Produção Mais Limpa, coordenada pela Cetesb. Em 2002, firmou acordo com a Cetesb para a produção de Guias de Produção Mais Limpa dos setores industriais.

O conceito de produção mais limpa surgiu nos Estados Unidos, migrou para a Europa nos anos 80, e a porta de entrada no Brasil deu-se nos anos 90, pela Cetesb, motivando a indústria a se engajar nesse esforço. O pioneirismo coube ao atual presidente da Fiesp/Ciesp, Paulo Skaf, então à frente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil (Abit).