Entrevista: parceria com AfroReggae vai gerar benefícios para toda a sociedade, diz Paulo Skaf

Agência Indusnet Fiesp 

Paulo Skaf, presidente da Fiesp e do Ciesp. Foto Junior Ruiz

O AfroReggae abriu na noite de quinta-feira (11/04), em São Paulo, seu primeiro escritório de representação fora do Rio de Janeiro. A iniciativa conta com o apoio da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e de outras instituições do setor público e privado.

“Aqui daremos as condições necessárias para o desenvolvimento de trabalhos [do AfroReggae], aproveitando a experiência do grupo no Rio de Janeiro, comenta o presidente da Fiesp, Paulo Skaf.

Nesta entrevista, Skaf conta como surgiu a parceria e de projetos iniciais do AfroReggae em conjunto com a indústria paulista.

*

Por que a Fiesp firmou uma parceria com o AfroReggae?

Paulo Skaf – Nosso trabalho, tanto na Fiesp, como no Ciesp, Sesi-SP e Senai-SP, é trabalhar para melhorar a vida das pessoas, por meio do aumento da produção, geração de emprego, oportunidades, educação, saúde, cultura, esporte. E o AfroReggae tem uma participação muito positiva na sociedade. Desenvolveu uma metodologia própria para a profissionalização de jovens, a reinserção de pessoas ao mercado de trabalho, a mediação de conflitos, entre outras ações. Enfim, um bem-sucedido trabalho de fortalecimento da cidadania em comunidades de baixa renda que virou referência em todo o mundo. Na nossa visão, essa parceria da indústria com o AfroReggae vai resultar em uma grande sinergia, com benefícios para toda a sociedade.


Como surgiram os contatos para o lançamento do escritório de AfroReggae em São Paulo?

Paulo Skaf – Conheço o José Junior, líder da ONG, há muitos anos. Aqui daremos as condições necessárias para o desenvolvimento do trabalho, aproveitando a experiência do grupo no Rio de Janeiro.

Quais são os primeiros projetos resultantes dessa parceria?

Paulo Skaf – Temos muitas ideias para projetos em conjunto. O primeiro deles contempla os egressos de penitenciarias. Infelizmente, 80% das pessoas que deixam as prisões acabam voltando ao crime. Tendo isso em vista, nós vamos disponibilizar cursos profissionalizantes, através do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP), para que os egressos tenham oportunidade de aprender. Com a Fiesp, buscaremos vagas de emprego para essas pessoas, formando mão de obra capacitada para a indústria da construção civil, por exemplo. Já temos um projeto assim na casa, que agora será alavancado com a participação do AfroReggae aqui em São Paulo.  Também participamos de um projeto em parceria com o banco Santander e o site Catraca Livre, o “Cultura de Ponta”. O objetivo é criar uma seção – redigida por jovens da periferia – no site do Catraca Livre e mostrar o que acontece nos lugares de menor visibilidade da cidade: agenda de eventos, dicas culturais, serviços, opções de lazer e esporte.