Impacto da mecanização da colheita da cana-de-açúcar

Estudo do Departamento do Agronegócio (Deagro) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), em parceria com o Grupo de Inteligência Territorial Estratégica (GITE) da Embrapa, aponta o impacto e as oportunidades decorrentes do fim das queimadas na colheita de cana-de-açúcar, de acordo com o previsto pelo Protocolo Agroambiental.

Impacto da mecanização da colheita da cana-de-açúcar

O Protocolo é um acordo voluntário firmado em 2007 entre o setor produtivo e o Governo do Estado de São Paulo, com a adesão da grande maioria das indústrias. Ele antecipou os prazos legais para o fim da prática das queimadas.

De acordo com o estabelecido, existem duas datas para o fim das queimadas: 2014, para as áreas mecanizáveis e 2017, para aquelas não mecanizáveis. É justamente esse último caso o objeto do presente estudo.


Para visualizar o estudo, ou fazer um download, acesse o menu ao lado