Fiesp participa da Conferência da ONU sobre Biodiversidade

Lucas Alves, Agência Indusnet Fiesp

O Comitê de Mudança do Clima da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) reuniu-se nesta terça-feira (06/11) para conhecer e avaliar os principais resultados da Conferência de Diversidade Biológica (COP11), realizada pela Organização das Nações Unidas (ONU), em outubro, na Índia.

Coordenado pelo 2º vice-presidente da Fiesp, João Guilherme Sabino Ometto (ao centro), Comitê de Mudança do Clima da entidade avalia resultados da COP11, realizada pela ONU na Índia

 

A equipe técnica que foi para Hyderabad destacou que a maior conquista da cúpula foi o anúncio da destinação de recursos financeiros, especialmente por parte dos países desenvolvidos, para a conservação da biodiversidade.

Há dois anos os países-membros da ONU se encontraram na cidade de Nagoya, no Japão, para discutir como a diversidade biológica deveria ser preservada. Nascia, naquele momento, o Protocolo de Nagoya, que estabelece um regime jurídico internacional para a repartição dos benefícios econômicos advindos do uso dos recursos genéticos, tanto para os provedores como para os que utilizam estes recursos.

O Brasil já assinou o Protocolo, que agora segue para ser ratificado pelo Congresso Nacional. Espera-se que o Protocolo entre em vigor a partir de 2014, com a ratificação de, no mínimo, 50 países.

“O setor produtivo faz uso de muitos recursos e a discussão sobre biodiversidade está diretamente ligada à forma como desenvolvemos nossos produtos. Portanto, acompanhar as negociações internacionais é importante para conhecermos quais são os riscos e oportunidades para o Brasil e para internalizarmos as discussões para as mais de 130 mil indústrias que a Fiesp representa”, afirmou o segundo vice-presidente da Fiesp e coordenador do Comitê, João Guilherme Sabino Ometto.

Outro tema da Conferência foi a implementação das 20 metas para conservar a biodiversidade do planeta, conhecidas como Metas de Aichi. A data limite para os países apresentarem suas estratégias nacionais de internalização é 2014, quando ocorrerá a COP12.

A Fiesp continuará acompanhando todos os desdobramentos nacionais e internacionais do Protocolo de Nagoya e da internalização das Metas de Aichi.