No Dia Nacional da China, conheça cinco destinos para fazer negócios com a segunda maior economia do mundo

Agência Indusnet Fiesp, com informações da Apex-Brasil

A maior economia exportadora do mundo comemora nesta segunda-feira (1º de outubro) o Dia Nacional da China, feriado que marca a fundação da República Popular do país e a primeira vez que a bandeira local foi hasteada. Faltando pouco mais de mês para a missão empresarial que a Fiesp promove à China International Import Expo (CIIE) com 70 empresas brasileiras, em Shanghai, selecionamos as cinco cidades mais atrativas para fazer negócios no país.


Guangzhou

Com população de 109 milhões de habitantes e um Produto Interno Bruto (PIB) de US$ 1,2 trilhão, de acordo com dados de 2016, a província de Guangdong abriga a quinta cidade mais competitiva da China, sua capital Guangzhou. Com 13,5 milhões de cidadãos, figura como um dos principais centros nacionais de comércio, distribuição e logística e comporta o quarto maior porto de contêineres do território chinês, características que a tornaram o maior PIB da província e o terceiro maior da China, com forte influência do setor de serviços. Em 2015, o polo industrial representava apenas 29% do PIB da cidade, mas ainda uma fatia significativa da riqueza local, com destaque para as indústrias de automóveis (inclusive japoneses como Toyota, Honda e Nissan), eletrônicos (Panasonic, Sony, Ericsson) e petroquímicos.

Shenzen

Também da província de Guangdong, Shenzen é conhecida como um importante centro de inovação e tecnologia chinês, eleito o mais competitivo em 2016 e com o PIB per capita mais alto da província. A população de 11,4 milhões de pessoas compõe um dos centros nacionais de comércio, distribuição e logística do país, com o segundo porto da China em movimentação de contêineres. É sede de importantes instituições financeiras nacionais como o China Merchants Bank e o Ping An Insurance, enquanto o polo industrial, 39% do PIB, é sustentado pelas áreas de Telecomunicações, Computadores e Eletrônica, com marcas como ZTE e Huawei.

Chongqing

Um dos quatro municípios diretamente ligados ao governo central chinês, Chongqing registrou crescimento de 10,7% nos três primeiros trimestres de 2016, quatro pontos percentuais acima na média nacional. Mesmo com 30% de seu território composto por áreas rurais, a cidade soma 30 milhões de habitantes, com 60,9% da população concentrada na área urbana. O desenvolvimento da cidade criada em 1997 representou um grande avanço para a expansão econômica das regiões central e ocidental da China. Até 2020, são esperados investimentos significativos no setor de infraestrutura.

Wuhan

Capital da província de Hubei, o município de Wuhan abriga 10,6 milhões de pessoas. A cidade conta com um dos portos fluviais mais importantes da China, além de cruzamentos das artérias de tráfego norte-sul e leste-oeste (quatro troncos ferroviários e seis vias rápidas nacionais). Base da indústria tradicional do país, os setores mais pujantes fabricam automóveis, equipamentos siderúrgicos, eletrônicos, petroquímicos, materiais de construção, biofármacos, têxteis e vestuário. A cidade ainda é sede da terceira maior produtora de ferro e aço da China, a Wuhan Iron and Steel Group.

Shanghai

Um dos quatro municípios autônomos da China, Shanghai somava PIB de US$ 411 bilhões e uma população de 25 milhões de habitantes em 2016. Principal porto de contêineres da China e o mais movimentado do mundo, a cidade foi a primeira zona piloto de livre-comércio do país e é sede de grandes siderúrgicas como Grupo Baosteel e Fosun Group, além de atrair importantes produtores de etileno, plásticos, microcomputadores e equipamentos e informação e comunicação.

Clique aqui para ouvir comentários de José Ricardo Roriz, presidente em exercício da Fiesp e do Ciesp, sobre a China.

22º PRÊMIO FIESP DE MÉRITO AMBIENTAL – VENCEDORAS 2016

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544810895

A edição 2016 do prêmio promovido pelo Departamento de Meio Ambiente da Fiesp recebeu 56 cases. Os finalistas foram contemplados com troféu e o selo do Mérito Ambiental.

Saiba mais sobre os cases vencedores da 22ª edição nos links abaixo:

Vencedora grande porte:

Honda Automóveis do Brasil

Vencedora pequeno porte:

GED – Inovação, Engenharia e Tecnologia

Conheça os cases ganhadores das menções honrosas – Acesse aqui

Perfil Exportador Paulista

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544810895

O Perfil Exportador Paulista (PEP) é um relatório anual que oferece uma perspectiva mais detalhada das exportações do Estado, por meio de uma abertura setorial e também regional.  O estudo classifica os produtos conforme seu nível de intensidade tecnológica e tem por objetivo contribuir para a elaboração de políticas públicas, que aumentem a competitividade do comércio exterior paulista. As informações foram cedidas pelo Departamento de Estatística e Apoio à Exportação (Deaex) do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio (Mdic). A elaboração da análise é do Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior (Derex) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

Iniciativas Sustentáveis: Honda – Com projeto de parque eólico, empresa deixará de emitir mais de 2 mil toneladas de CO2 por ano

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544810895

Por Karen Pegorari Silveira/ Foto: Divulgação

A iniciativa da fabricante de automóveis Honda de criar um parque eólico na cidade de Xangri-lá, Rio Grande do Sul, é inédita no Brasil e veio para suprir 100% da demanda de energia elétrica da unidade fabril de Sumaré, no interior de São Paulo. O projeto receberá investimento inicial de R$100 milhões e deve iniciar suas atividades em 2015, concretizando o compromisso da empresa em minimizar os impactos ambientais de suas atividades.

Nove turbinas de 3MW, com capacidade instalada de 27MW, representará a geração de 95.000 MW ao ano, o equivalente ao consumo de energia de uma cidade com aproximadamente 35 mil habitantes e a mesma demanda de energia elétrica da planta de Sumaré, que possui capacidade instalada para a produção de 120 mil carros por ano. Com o projeto, a empresa deixará de emitir cerca de 2,2 mil toneladas de CO2 por ano, aproximadamente 30% do total gerado pela fábrica, e diminuirá ainda 45% do custo de energia na unidade com retorno do investimento estimado para pouco mais de sete anos.

O presidente da Honda Energy, Carlos Eigi Miyakuchi, declara estar satisfeito com o início das obras do parque e ressalta que a empresa continuará neste caminho. “Estamos muito satisfeitos em iniciar as obras do parque e avançar mais um passo na utilização de energias renováveis. A Honda continuará trabalhando proativamente em busca de atividades a favor do meio ambiente”, destaca.

De acordo com a empresa, até 2020 a meta é reduzir em 30% as emissões de CO2 de seus automóveis, motocicletas e produtos de força, e também de seus processos produtivos em todo o mundo.

A Honda é uma empresa japonesa, atua no Brasil desde 1971, possui 2 parques fabris nos estados de São Paulo e Amazonas e tem a sustentabilidade como base de seus negócios. Em suas fábricas o nível de CO2 emitido é constantemente monitorado nos processos. Os conceitos de sustentabilidade adotados pela empresa também auxiliam na redução dos impactos ambientais em toda a cadeia produtiva. Das motocicletas produzidas em Manaus (AM), por exemplo, 93% são transportadas em um sistema que reduz o volume de embalagens. Desde a implantação do projeto, em 1997, até o final de 2012, deixaram de ser consumidos 137 mil toneladas de madeira; 2,7 milhões de litros de óleo de proteção; 33 mil toneladas de papelão e 143 mil toneladas de aço.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544810895 VEJA OUTRAS INICIATIVAS SUSTENTÁVEIS