Grupo de construção se reúne para analisar avanços da segurança de edificações

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp

O Departamento da Indústria da Construção (Deconcic) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) se reuniu na manhã desta quinta-feira (24/04) para discutir o andamento de projetos de lei que regularização a vistoria em edifícios.  Segundo o coordenador do grupo e diretor do Deconcic, Valdemir Romero, a missão da equipe é acompanhar os esforços do setor para garantir segurança aos edifícios de longo uso.

“O objetivo são edificações acima de 10 anos de uso. Esse é o foco: buscar uma lei que realmente faça com que se torne compulsório [fazer] vistorias periódicas nesses edifícios”, disse Romero.

Segundo ele, há uma divisão do Grupo de Trabalho que analisa e acompanha os projetos de lei e as leis que já existem sobre segurança de prédios com a intenção incentivar a execução dessas normas.

A reunião do Deconcic: necessidade de normalização. Foto: Beto Moussalli/Fiesp

A reunião do Deconcic: necessidade de normalização no setor em debate. Foto: Beto Moussalli/Fiesp

 

“Não adianta uma boa lei para boas práticas se não há normalização”, defendeu o diretor de Deconcic.

O Grupo de Trabalho Segurança em Edificações analisa no momento os projetos de çei 6014, cuja consulta pública ainda deve ser agenda, e 3370, que ainda está análise. Ambos projetos devem regulamentar a periodicidade das vistorias em edifícios de longo uso.

Romero conduziu a reunião do grupo no Transamérica Expo Center, durante a ConstruBR, primeira feira organizada pelo Sindicato da Construção de São Paulo (Sinduscon-SP) e pela Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat) para expor novas tecnologias e estimular negócios do setor.

O Deconcic está presente na feira com um estande onde estão sendo promovidos o portal Observatório da Construção, um espaço criado pelo departamento da Fiesp que reúne pesquisas, análises e notícias sobre o setor. Outra ação também promovida pela área durante os dois dias de feira é a apresentação do Programa Compete Brasil, um conjunto de propostas e ações para estimular a competitividade da cadeia produtiva.

No mesmo espaço, o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP) também apresenta os cursos da escola voltados para o setor e os laboratórios desenvolvidos pela instituição para realizar a verificação de conformidade de matérias utilizados com as normas existentes. A escola possui laboratórios para avaliar matérias como cerâmica, telhas, blocos, metais e outros.

Norma para reformas

Em vigor desde 18 de abril, a nova Norma 16.280 da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) respalda os responsáveis legais pelo edifício no que diz respeito à gestão de reformas. A regra estabelece como uma das diretrizes que toda reforma que altere ou comprometa a segurança da edificação e seu entorno precisa ser submetida à análise da construtora/incorporadora e do projetista, dentro do prazo decadencial (a partir do vencimento da garantia).

Não respeitado o prazo, a obra deverá ter um laudo técnico assinado por engenheiro ou arquiteto.

Apesar de ser uma contribuição, Romero afirmou que a aplicação da nova norma não inviabiliza os esforços do grupo.

“Essa contribuição é fantástica porque você tem uma gestão para se orientar. Agora, a partir do momento que conseguirmos a lei e essa tiver regulamentada, ela vai puxar a norma de reforma quando a vistoria pedir para que algo seja reformado”, explicou o diretor do Deconcic.

Grupo de Trabalho de Segurança em Edificações do Deconcic discute ações para 2014

Isabela Barros, Agência Indusnet Fiesp

O melhor andamento do Grupo de Trabalho Segurança em Edificações, do Departamento da Indústria da Construção (Deconcic) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) foi debatido em reunião, na manhã desta quinta-feira (20/02), na sede da entidade. O encontro foi conduzido pelo coordenador de segurança em edificações do Deconcic, Valdemir Romero.

A discussão teve como foco o andamento de projetos de lei em discussão no momento, com a decisão de realizar mais reuniões para debater os assuntos de interesse dos subgrupos do Grupo de Trabalho Segurança em Edificações. São eles: Legislação, Normatização e Estratégico, Financiamento e Seguradora e Mão de Obra Qualificada e Certificação.

De acordo com Romero, dez associações ligadas à indústria manifestaram interesse em participar do subgrupo Legislação, Normatização e Estratégico, três do Financiamento e Seguradora e nove do subgrupo Mão de Obra Qualificada e Certificação.

A reunião do Grupo de Trabalho de Segurança em Edificações: mais ações em 2014. Foto: Everton Amaro/Fiesp

A reunião do Grupo de Trabalho de Segurança em Edificações: mais ações em 2014. Foto: Everton Amaro/Fiesp

 

Em termos de legislação, ficou decidida a apresentação de sugestões ao Projeto de Lei 6014, de 2013, sobre inspeções técnicas realizadas nas edificações. “Nosso grupo de trabalho discute os interesses de todos os setores da cadeia da construção”, disse Romero.

Participou da reunião ainda a diretora titular adjunta do Deconcic Maria Luiza Salomé.

Novo grupo de trabalho do Deconcic discute problemas de incêndios em edificações

Guilherme Abati, Agência Indusnet Fiesp

Aconteceu na manhã desta quinta-feira (30/01), na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), a primeira reunião do Grupo de Trabalho Segurança em Edificações, um dos principais projetos do Departamento da Indústria da Construção (Deconcic) da instituição para 2014.

O objetivo do grupo é reunir entidades do setor diretamente envolvidas na questão de segurança de edificações e de suas instalações para o desenvolvimento de ações relacionadas ao tema.

Segundo o coordenador do novo grupo, Waldemir Romero, também diretor do Deconcic, o projeto será focado principalmente em garantir a melhoria das condições de segurança em edificações antigas, tanto residenciais como comerciais.

Romero: melhoria das condições de segurança em edificações antigas, tanto residenciais como comerciais. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

Romero: melhoria das condições de segurança em edificações antigas, tanto residenciais como comerciais. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

Representantes do setor privado, de associações e organizações marcaram presença na reunião de abertura da iniciativa.

“O trabalho do grupo será sempre visando a segurança em edificações antigas”, disse Romero. “Precisamos agir rápido para evitar problemas dessa natureza. Todo os setores das construção civil precisam estar a par dessa situação. Estamos lidando com a segurança das pessoas”, afirmou.

Participou da reunião ainda Hilton Moreno, consultor do Programa Casa Segura- iniciativa criada em 2005, cujo objetivo é a conscientização e orientação sobre os riscos de acidentes causados por instalações elétricas inadequadas.

“Atualmente, a situação é alarmante na área elétrica em edificações antigas”, alertou o perito. “Foi feito um diagnóstico das instalações elétricas nas edificações antigas residenciais e comerciais, e o resultado preocupa. São milhares de mortes por ano no Brasil”.

De acordo com Moreno, pesquisas recentes mostram que, em certos locais do Brasil,  97% das residências e edificações estão em péssima situação.

“As instalações que usávamos na década de 1970 e 1980 não suportam a demanda de energia que temos hoje”, analisou. “O número de equipamentos elétricos é muito maior do que tínhamos antigamente, a oferta não acompanhou a demanda”.

A reunião do Grupo de Trabalho nesta quinta-feira (30/01): demanda urgente. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

A reunião do Grupo de Trabalho nesta quinta-feira (30/01): demanda urgente. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

 

Conforme Maria Luiza Salomé, diretora titular adjunta do departamento, o tema é urgente. “É preciso uma readequação das instalações elétricas. Iniciativas como a criação deste grupo são benéficas para toda sociedade”, opinou.