Em meio à crise, economista Zeina Latif defende discussão focada na produtividade

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp

A discussão sobre os desafios econômicos para a indústria deve ser ampliada para as questões de produtividade do Brasil com relação a outros países, afirmou nesta segunda-feira (28) a consultora da Abigraf, e economista-chefe da XP Investimentos, Zeina Latif. Ela participou de reunião com empresários do setor de papel, gráfica e embalagem na sede da Fiesp.

“A gente discute coisas que ficaram para trás. Isso é um tremendo retrocesso, a gente tem de discutir como fazer para o país ter ganhos de produtividade”, afirmou Zeina ao se referir aos inúmeros debates entre o setor produtivo sobre carga tributária e juros elevados.

A economista participou de uma reunião do Comitê da Cadeia Produtiva do Papel, Gráfica e Embalagem (Copagrem) da Fiesp.

Na avaliação de Zeina, o cenário econômico pós ajuste fiscal no Brasil deve ter um “crescimento potencial baixinho” também por conta do “abismo nosso em relação a outras economias” no que diz respeito aos ganhos de produtividade.

Segundo a economista, o ajuste fiscal “deve demorar para acontecer”, uma vez que o desafio econômico é enorme. “A gente precisa ter lideranças que mostrem o caminho, dialoguem com a sociedade”.

Reunião do Copagrem na sede da Fiesp. Foto:Helcio Nagamine/Fiesp

Reunião do Copagrem na sede da Fiesp. Foto:Helcio Nagamine/Fiesp


Reunião do Copagrem

Também participou do encontro do Copagrem o coordenador do Comitê da Cadeia Produtiva do Desporto (Code), Mario Eugenio Frugiuele. Na ocasião, ele apresentou oportunidades de fornecimento à indústria do esporte.

A diretora-executiva jurídica da Fiesp, Luciana Freira, também contribuiu para os debates do Copagrem com uma atualização dos projetos prioritários da indústria, incluindo a NR-12, norma sobre segurança do trabalho em máquinas e equipamentos.

Desde 2010, a norma vem sofrendo revisões, passando de 40 para 340 itens, o que causou impacto econômico na indústria, que vem apresentando dificuldades em cumpri-la.


Foto: Comitê da Cadeia Produtiva do Papel da Fiesp debate cenário macroeconômico

Agência Indusnet Fiesp,

Os membros do Comitê da Cadeia Produtiva de Papel, Gráfica e Embalagem (Copagrem) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) se reuniram na segunda-feira (9/3) para discutir o cenário macroeconômico brasileiro e o uso racional de água nas empresas.

O encontro foi conduzido pelo coordenador do Copagrem, Fabio Arruda Mortara, e contou com a participação da economista Zeina Latif, o cientista político Carlos Melo e o coordenador do Programa de Uso Racional de Água (Pura) da Sabesp, Hélio Fernandes Oliveira.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539786748

Reunião do Copagrem sobre cenário macroeconômico. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

Senai-SP de Barueri recebe visita do presidente da instituição

Agência Indusnet Fiesp, com reportagem de Ariett Gouveia, de Barueri

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539786748

Paulo Skaf, presidente do Senai-SP, visita instalações da insituição em Barueri. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Depois de passar por Osasco e por Carapicuíba, o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP), Paulo Skaf, visitou a unidade do Senai-SP em Barueri, município da região metropolitana.

Skaf passou principalmente pela área gráfica da escola, recentemente equipada com novos equipamentos em acordo de comodato.

Ao conversar com alunos do curso de eletrônica, o presidente da Fiesp e do Senai-SP ouviu as demandas, jogou uma partida de tênis de mesa e elogiou a conservação e limpeza da escola, inaugurada em 2009. “Pela entrada de uma fábrica, já percebemos se ela faz um produto é primeira ou de segunda. Essa escola está de parabéns pela maneira como se apresenta. Parece que foi inaugurada hoje.”

Uma das estudantes que participaram da recepção ao presidente foi a jovem Bruna Moraes, de 16 anos. Ela termina o curso de auxiliar de produção gráfica no fim de 2014 e pretende fazer o técnico em 2015, ano em que pretende participar da chamada Olimpíada do Conhecimento.

“O Senai-SP foi a melhor coisa que aconteceu na minha vida porque abriu novas portas para o meu futuro. Quero crescer na carreira, trabalhar em grandes empresas e mostrar o meu potencial tudo que aprendi no Senai-SP”, disse Bruna.

Iniciativas do setor editorial são apresentadas em reunião do Copagrem da Fiesp

Dulce Moraes, Agência Indusnet Fiesp

Na manhã desta segunda-feira (02/12), duas iniciativas do setor editorial foram apresentadas durante reunião do Comitê da Cadeia Produtiva do Papel, Gráfica e Embalagem (Copagrem) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp): a Bienal do Livro 2014 e a campanha para promover o consumo de revistas impressas, por meio do cartão Vale-Cultura.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539786748

Reunião do Comitê da Cadeia Produtiva do Papel, Gráfica e Embalagem. Foto: Helcio Nagamine/FIESP


Os detalhes sobre a Bienal Internacional do Livro de São Paulo, que acontece de 22 a 31 de agosto de 2014 no Anhembi, foram apresentados pelas representantes da empresa Reed Exhibitions Alcântara Machado. A feira, promovida pela Câmara Brasileira do Livro (CBL), terá como tema “Porque livros transformam o mundo”. Os ingressos e informações do evento já estão disponíveis no site do evento: www.bienaldolivrosp.com.br.

Uma campanha para incentivar o uso do Vale-Cultura, do Ministério da Cultura, para consumo de revistas impressas foi apresentada  pela diretora da Associação Nacional de Editores de Revistas (Aner), Maria Célia Furtado. A executiva destacou que a revista impressa consegue ter um efeito ainda mais disseminador de cultura pois é “consumido” por várias pessoas de uma mesma família.

A cadeia produtiva do papel, gráfica e embalagem ganhou, também nesta segunda-feira (02/12), um novo canal de comunicação e informação, com a criação de uma área no portal Fiesp dedicada ao tema. A área reúne notícias, material multimídia, conteúdos de referência e a agenda de eventos relacionados a esses segmentos. Ela pode ser acessada no endereço: www.fiesp.com.br/papel-grafica-e-embalagens.

Elogiando a iniciativa, o coordenador do Comitê, Fabio Mortara, ressaltou a importância dos integrantes da cadeia produtiva se conhecerem e abriu espaço para representantes da Associação Brasileira de Marketing Direto (Abemd) e da Associação Brasileira de Embalagem (Abre) fazerem a apresentação de suas entidades.

Questões trabalhistas

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539786748

Leandro de Paula Souza, do Dejur/Fiesp, explica o funcionamento do e-Social. Foto: Helcio Nagamine/FIESP

O advogado Leandro de Paula Souza, do Departamento Jurídico (Dejur) da Fiesp, fez uma explanação sobre o funcionamento “e-Social”, sistema digital através do qual as empresas serão obrigadas, a partir do próximo ano, a prestar informações sobre folha de pagamento, obrigações trabalhistas, previdenciárias e fiscais relativas à contratação e utilização de mão de obra com ou sem vínculo empregatício.

Outro tema de forte impacto nas indústrias do setor – aplicação da NR 12 (norma regulamentadora que trata da proteção de máquinas e equipamentos) – foi apresentado pelo especialista em Educação Profissional na Área de Segurança e Saúde no Trabalho do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP), João Campos.

De acordo com o especialista, tem aumentado o número de autuações nas indústrias por descumprimento da norma. Segundo ele, no estado de São Paulo, o agente fiscalizador tem autonomia para embargar um equipamento e comprometer sistematicamente toda a produção.

O coordenador do Copagrem, Fabio Mortara, relembrou que um dos grandes fabricantes de embalagens metálicas relatou, na última reunião do Comitê, que a fiscalização interrompeu a produção em um dia, trazendo enormes prejuízos.

Representantes da indústria reivindicam a ampliação de prazo, considerando que há um alto custo para adequação técnica de todos os equipamentos, especialmente os mais antigos, à norma.