Paulínia Petróleo e Gás: São Paulo abastece metade do mercado de equipamentos para o setor no Brasil, informa subsecretário estadual

Isabela Barros, de Paulínia, Agência Indusnet Fiesp

Metade dos equipamentos para a indústria de petróleo e gás no Brasil é fornecida por empresas de São Paulo.

A informação é do subsecretário de Petróleo e Gás do Estado de São Paulo, Ubirajara Sampaio de Campos, que apresentou o Programa Paulista de Petróleo e Gás Natural na tarde desta quarta-feira (21/08), durante o “Paulínia Petróleo e Gás”, na cidade da Região Metropolitana de Campinas.

De acordo com Campos, as perspectivas são as melhores possíveis para a exploração de petróleo e gás em São Paulo. “Temos como meta manter essa participação [de 50% no fornecimento] e fazer com que a indústria paulista continue acompanhando esse processo de inovação alavancado pelo setor.”

Para se ter uma ideia, segundo Campos, 102 municípios paulistas recebem royalties do petróleo. “Precisamos ver de que maneira esses recursos estão sendo alocados e buscar uma melhoria na qualidade de vida nesses municípios.”

Onda de investimentos

Os bons negócios do petróleo e gás em São Paulo serão, conforme Campos, responsáveis por investimentos de US$ 78 bilhões entre 2010 e 2025 no litoral paulista.

Por meio do Programa Paulista de Petróleo e Gás Natural, o governo do estado de São Paulo vai investir R$ 5,3 bilhões na Baixada Santista entre 2011 a 2014. Isso em áreas como transportes e habitação, por exemplo.

Em termos de emprego, até 2025, segundo Campos, serão geradas 130 mil vagas diretas na área de implantação, 71 mil diretas na operação e outras 121 mil indiretas para as atividades de petróleo e gás, portuária e naval no litoral paulista. “É uma indústria que veio para ficar”, disse. “As nossas reservas indicam oportunidades por um bom período de tempo.”

De acordo com o subsecretário, a disseminação e perpetuação da riqueza nesse campo é tanto maior quanto mais amplo e diversificado for o envolvimento dos setores produtivos no ciclo, com o fornecimento de bens e serviços, inovação e aumento da competitividade. “Temos que ter a Petrobras como um vetor, mas ver a indústria internacional como referência”, explicou.

O Programa Paulista de Petróleo e Gás foi lançado em 2010 com a finalidade de internalizar os benefícios econômicos e sociais do setor.

Entre os resultados da iniciativa, segundo Campos, estão ações como a estruturação do Centro de Tecnologia em Petróleo e Gás na Baixada Santista, a criação da unidade móvel de capacitação profissional na área de petróleo e gás (prevista para outubro de 2013) e a instalação da primeira empresa fornecedora da Petrobras no Guarujá (Saipem), com a criação de até 1 mil empregos e investimentos de R$ 117 milhões.


Paulínia Petróleo e Gás

Considerado o mais importante encontro do setor na região, o “Paulínia Petróleo e Gás” é uma iniciativa da Federação e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp).

Além de um congresso, com painéis e debates, a programação inclui rodada de negócios e sala de crédito.

O evento prossegue até esta quinta-feira (22/08) no Theatro Municipal de Paulínia.