Advogados defendem que jurídico faça parte do plano estratégico das empresas no 3º Encontro Iasp

Giovanna Maradei, Agência Indusnet Fiesp

Leite: maior integração do departamento jurídico com as demais atividades das empresas. Foto: Renan Felix/Fiesp

Leite: maior integração dos departamentos jurídicos com as demais atividades das empresas. Foto: Renan Felix/Fiesp

O entendimento do departamento jurídico como parte do planejamento estratégico das empresas foi um dos temas discutidos, na tarde desta quinta-feira (28/11), no 3º Encontro Iasp sobre “Gestão de Departamento Jurídico de Empresas”, realizado na sede da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), na capital paulista.

E isso desde o primeiro painel apresentado. Quem abriu os trabalhos foi o advogado Leonardo Barem Leite, membro do Iasp, que apresentou o que ele acredita ser a participação ideal do departamento jurídico dentro de uma empresa.

Em seguida foi feito um contraponto pelo executivo do setor farmacêutico José Ricardo Mendes da Silva que, por sua vez, esclareceu qual a visão da área de planejamento estratégico em relação à participação do departamento jurídico nas decisões empresariais.

Ambos concordaram que o departamento jurídico deve ser tratado como todos os outros da empresa e não mais como um setor à parte das decisões estratégicas. Nesse sentido, Leite pediu aos executivos uma maior preocupação em integrar os advogados considerando o jurídico como mais uma unidade de negócios que deve estar ciente das decisões e do planejamento da corporação.

“Nós queremos ajudar esse planejamento e ser ajudado por ele também”, explica Leite, que terminou sua fala pedindo ao seu companheiro de mesa que esclareça as regras do jogo. “Nós queremos jogar esse jogo das empresas. Com o perdão do pleonasmo, nós queremos participar disso, essa é a proposta”, disse Leite antes de encerrar sua fala.

Silva: departamentos jurídicos devem buscar maior interação com as demais áreas. Foto: Renan Felix/Fiesp

Silva: departamentos jurídicos devem buscar maior interação com as demais áreas. Foto: Renan Felix/Fiesp

Silva enfatizou que, para tanto, os executivos dos departamentos jurídicos devem buscar fazer parte desse cenário, procurar a informação mais do que esperar por ela e expor sua opinião de forma integrada com as outras áreas e não limitá-las a uma só disciplina. “Eu, Jurídico, preciso ter um plano. Gente, não pode chorar, não pode dizer ‘não falaram para mim’”, disse o executivo, que ainda completou: “O que a gente espera do jurídico é que ele também procure se integrar”.