Sesi lança em SP programa para jovens vítimas de exploração sexual

Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1545034977O ViraVida, um dos mais importantes programas de combate à exploração sexual de crianças e adolescentes do Brasil, começará a operar em São Paulo a partir de 2013. O lançamento do programa na maior cidade do país acontece nesta terça-feira (04/12) a partir das 9h30, no auditório do 15º andar da sede do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP), na Av. Paulista 1313.

Criado em 2008, o ViraVida é coordenado pelo Conselho Nacional do Sesi. Com sua implantação em São Paulo, estará presente em 17 Estados. A expectativa é de que o programa atenda, inicialmente, 100 jovens que sofreram violência sexual – já no primeiro semestre do ano que vem.

Segundo Avaliação de Impacto do ViraVida publicada recentemente, desde que foi lançado, foram investidos R$ 37 milhões no programa, o que representou um custo mensal, por aluno, de R$ 1.553,00.

Este número é bem menor, por exemplo, que os gastos do Estado com jovens de 16 a 18 anos retidos provisoriamente em centros de internação no país. De acordo com a Avaliação de Impacto do ViraVida, elaborada pela empresa de consultoria John Snow Brasil, o custo mensal de um detento menor de idade em 2004 chegava a R$ 7 mil. Atualizando-se esse número com a inflação do período, o preço de um jovem internado no Brasil pode chegar aos R$ 10 mil mensais.

Redução da desigualdade social

Para o presidente do Conselho Nacional do Sesi e idealizador do ViraVida, Jair Meneguelli, a chegada do programa em São Paulo é o melhor desfecho que ele poderia ter em 2012. “Foram vários lançamentos e formaturas realizados ao longo do ano em todo o país, o que foi muito significativo para nós, mas oferecer o ViraVida aos jovens paulistanos é uma grande conquista para toda a equipe do programa”, disse Meneguelli.

O ViraVida promove a geração de riquezas e a diminuição da desigualdade social onde ele é aplicado. Ao longo de quase quatro anos, mais de 2.700 jovens foram atendidos pelo programa Brasil afora. No total, 1.373 alunos concluíram os cursos e 927 estão em sala de aula. Entre os que já se formaram, 966 estão inseridos no mercado de trabalho, enquanto o restante participa de processos de seleção e aperfeiçoamento profissional.