Militares debatem perspectivas de PPPs no setor de Defesa

Guilherme Abati, Agência Indusnet Fiesp

No segundo painel do seminário “Parcerias Público-Privadas na área de Defesa: aspectos gerais e oportunidades”, realizado na manhã desta quarta-feira (14/08) na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), o debate girou em torno das perspectivas de uso das PPPs na área de Defesa. O painel foi moderado por Jairo Cândido, diretor titular do Departamento da Indústria de Defesa (Comdefesa).

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540104224

Representantes das Forças Armadas analisam perspectivas do uso de PPPs para projetos no setor. Foto: Julia Moraes/Fiesp


Para falar sobre o tema, foram convidados o general Adriano Pereira Júnior e o vice-almirante Anatalício Risden Júnior.

Pereira Júnior falou sobre a necessidade de terceirização no setor de defesa. “As PPPs são uma forma de terceirização. A participação da iniciativa privada pode não ser uma opção, e, sim, uma necessidade”, disse.

De acordo com o general, a criação de parceiras é uma tendência no mundo. “As Forças Armadas precisam crescer e se manter atualizadas. ”.

“O nível de tecnologia embargada cresce e implica algumas consequências: o aumento do custo de manutenção de equipamentos com alto nível de tecnologia e a diminuição do ciclo de vida dos produtos. Isso gera a necessidade de um alto nível de investimentos”, acrescentou.

Para o palestrante, os equipamentos de Defesa do país estão com elevado grau de indisponibilidade e obsolescência . “Devido a esse fato, há a necessidade de assegurar o aumento e a regularidade da participação da defesa no orçamento da  União”, opinou.

“A recuperação e modernização das forças armadas exigem um elevado aporte de recursos que dificilmente podem ser atendidos pela união. Por isso, a necessidade de PPPs”, encerrou.

Marinha

O vice-almirante Anatalício Risden Júnior falou sobre PPPs na marinha. “As PPPs podem aliviar nossos recursos e melhorar nossa gestão em logística”, iniciou.

“A visão que a Marinha tem sobre o assunto é que as PPPs podem viabilizar grandes projetos. É uma grande oportunidade de desenvolver projetos.”

Para Risden Júnior, porém, existem tópicos que podem levar uma PPP ao fracasso. “A não existência de um projeto perfeitamente definido. O não envolvimento pleno do parceiro público com o projeto, o desinteresse do parceiro privado e o não compartilhamento adequado dos riscos”, listou.