Para coordenador-adjunto do Comsaude da Fiesp, falta de competitividade da indústria brasileira é um agravante

Talita Camargo, Agência Indusnet Fiesp 

O presidente executivo da Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos, Odontológicos, Hospitalares e de Laboratórios (Abimo) e coordenador-adjunto do Comitê da Cadeia Produtiva da Saúde (Comsaude) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Henrique Fraccaro, apresentou um questionamento importante no evento de assinatura de uma parceria com a GE Healthcare para a criação de uma unidade do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai-SP) voltada para a área de saúde.

Segundo Fraccaro, é preciso discutir “como melhorar e o que fazer para que a saúde brasileira deixe de ser um questionamento recorrente da população”.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540065734

Paulo Henrique Fraccaro, presidente executivo da Abimo, e coordenador-adjunto do Comsaude. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

Para ele, a principal luta é fazer com que empresas tenham consciência das vantagens de se produzir no Brasil. “O fortalecimento da empresa local e a inovação caminham juntos em prol do caráter social, que é reduzir o custo da saúde brasileira”, explicou.

De acordo com Fraccaro, “saúde não é só um gasto”. “Saúde é um negócio que representa 10% do PIB do Brasil e gera mais de 100 mil empregos”, destacou. Ele afirmou ainda que, em 2012, o setor movimentou R$ 14,7 bilhões, sem incluir a área de remédios. “O problema é que a produção nacional só representou 38% desse total”, disse. “Como podemos manter essa dependência de 62% de produtos importados?”, questionou.

O coordenador-adjunto do Comsaude afirmou que não faz sentido pensar num produto de inovação que só vai agregar custos. E que deixa os benefícios para a população aquém do esperado, seja pelo alto custo ou pela falta de conhecimento e manutenção. “Um produto inovador, sem uma assistência técnica condizente, morre. Equipamentos parados, danificados, encaixotados não servem para nada quando se tem uma população precisando deles”, afirmou.

Para Fraccaro, essa parceria do Senai-SP com a GE Healthcare é muito importante. “É muito raro uma empresa entender que precisa formar técnicos para que o investimento que faz dê retorno. E o Senai-SP está abrindo portas para  consolidar o mercado nacional nesse sentido”, concluiu.

Saúde: falta de mão de obra qualificada é o maior déficit do país, diz executivo da GE ao saudar parceria com Senai-SP

Talita Camargo, Agência Indusnet Fiesp

A infraestrutura na área de saúde no Brasil cresceu quase 70%, mas o investimento em educação não cresceu mais do que 14%. A informação é do vice-presidente comercial da GE Healthcare na América Latina, Daurio Speranzini Junior.

“A maior defasagem do país é no que se refere à mão de obra qualificada, nos cursos de graduação e de extensão para técnicos, tecnólogos, biomédicos e até mesmo médicos”, explicou o executivo ao participar da cerimônia de assinatura do convênio entre o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP) e sua empresa, visando implantar no bairro do Cambuci, em São Paulo, até 2015, uma unidade especializada na área de saúde.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540065734

Daurio Speranzini Junior, vice-presidente comercial da GE Healthcare na América Latina. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

Na opinião de Speranzini Junior, o país investe cada vez mais em inovação. “O problema é que essa tecnologia não tem 100% de aproveitamento pelos médicos. Por isso, é preciso investir na capacitação dos profissionais.”

Segundo ele, o projeto de sustentabilidade da GE Healthcare é conduzido por um tripé que engloba maior acesso, melhoria de qualidade e redução de custo. “Essa parceria com o Senai-SP está absolutamente de acordo com esses preceitos”, afirmou, destacando que esse projeto democratiza a informação.

“Essa é uma maneira de termos profissionais localizados em todas as regiões do país, fazendo com o paciente não precise deslocar-se para o eixo Rio-São Paulo. Estamos otimistas que esse é o caminho certo, pois não existe melhor parceiro do que o Senai-SP”.

“Estou na área de saúde ha mais de 20 anos, vi muitas coisas, mas nada se compara a esse projeto de educação. Estamos falando da melhoria da qualidade de vida das pessoas”, afirmou.

Walter Vicioni: projeto de nova escola especializada em saúde é momento histórico para o Senai-SP

Talita Camargo, Agência Indusnet Fiesp

A assinatura do convênio com a GE Healthcare, que vai permitir implantar, a partir de 2015, no Cambuci, uma escola do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP) totalmente especializada para a área da saúde,   representa um momento histórico para a instituição.

“É a primeira vez que se estrutura um projeto tão ambicioso como esse, com uma visão empreendedora e ousada”, destacou Vicioni na manhã desta terça-feira (30/07).

Vicioni explicou que o Senai-SP oferecerá tanto atividades de formação  profissional, como desenvolvimento tecnológico e inovação. “Essas atividades caminham juntas para preparar o aluno para a realidade de trabalho”, disse.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540065734

Walter Vicioni, diretor regional do Senai-SP. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

De acordo com o diretor regional, com o objetivo de unir esforços para melhorar a área da saúde, a criação dessa nova escola firma o compromisso do Senai-SP em que o aluno aprende fazendo.

“Com esse projeto, os alunos poderão atuar com excelência na frente tecnológica, nos laboratórios e outros ambientes para a prestação de serviços à população”, finalizou.

‘Senai-SP é excelente aliado no Brasil para desenvolver capital humano’, afirma CEO Global da GE Healthcare

Talita Camargo, Agência Indusnet Fiesp

Só é possível melhorar os níveis de saúde com investimentos em hardwares e, principalmente, na mão de obra. A opinião é do presidente e CEO Global da GE Healthcare, Joh Dineen, em seu discurso na manhã desta terça-feira (30/07) durante a solenidade de assinatura do convênio da empresa com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP).

A parceria, firmada na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp),  vai possibilitar implantar, a partir de 2015, no bairro do Cambuci, na capital paulista, uma escola totalmente especializada para a área da saúde.

Dineen: investimentos em hardware e em mão de obra. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

Dineen: investimentos em hardware e em mão de obra para melhorar a saúde. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp


Ao falar da infraestrutura global da GE, presente no mundo todo, com investimentos em tecnologia em áreas de transporte, energia e saúde, Dineen destacou que melhorar o capital humano em todos os países é um dos desafios da GE.

“Somos excelentes engenheiros, mas não somos bons educadores. Por isso, precisamos dessa parceria com o Senai-SP”, destacou o CEO, acrescentando que não há nada mais importante do que melhorar o sistema de saúde de um país.

Segundo ele, o Brasil está investindo na área de saúde para que todo o setor dessa cadeia seja altamente produtivo e, por esse motivo, é preciso treinar as pessoas que usem a tecnologia da melhor maneira.

“Encontramos no Brasil um excelente aliado para que possamos desenvolver o capital humano. Estou muito entusiasmado com essa parceria com o Senai-SP, concluiu.


Senai-SP e GE assinam convênio para nova escola na área de saúde; além de formar alunos, unidade vai atender até 10 mil pessoas por ano, diz Paulo Skaf

Talita Camargo, Agência Indusnet Fiesp

O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP) assinou na manhã desta terça-feira (30/07), na sede da entidade, uma parceria com a GE Healthcare, para implantar, a partir de 2015, no Cambuci, uma escola totalmente especializada para a área da saúde.

“Essa é uma parceria que possibilita um trabalho muito forte na área de diagnósticos. Com os equipamentos da GE, podemos não só dar cursos para formação nessa área, mas fazer os diagnósticos e atender a população. Afinal, não há nada mais importante para um país do que as pessoas”, afirmou o presidente do Senai-SP e da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf.

Skaf (ao centro), Dias (à esquerda) e Vicioni (à direita), entre outras autoridades presentes na assinatura do convênio. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

Skaf (ao centro), Dias (à esquerda) e Vicioni (à direita), entre outras autoridades presentes nesta terça-feira (30/07) na assinatura do convênio para a nova escola do Senai-SP na área de saúde. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp


Atualmente, uma unidade de saúde do Senai-SP já funciona, em caráter temporário, na Vila Leopoldina, atendendo 1.200 alunos. A nova escola irá triplicar o número de alunos, passando para 3.600 por ano. Terá ainda uma clínica de atendimento e um centro de inovação e pesquisa. “Além de formar profissionais, vamos atender uma média de 40 pessoas por dia, ou seja, 800 pessoas por mês e até 10 mil por ano”, completou Skaf.

“Somos excelentes engenheiros, mas não somos bons educadores. Por isso, precisamos dessa parceria com o Senai-SP”, comentou na cerimônia o presidente e CEO Global da GE Healthcare, Joh Dineen.

O diretor regional do Senai-SP, Walter Vicioni, classificou a assinatura do convênio como um “momento histórico” para a entidade. “É a primeira vez que se estrutura um projeto tão ambicioso como esse, com uma visão empreendedora e ousada.”

O complexo de saúde do Cambuci terá 18 laboratórios, cinco salas de aula, seis ambientes de clínica médica e oferecerá também aprendizagem industrial, formação inicial e continuada e educação a distância. Além de manutenção de equipamentos eletromédicos, órteses e próteses.

Ao todo, R$ 28 milhões serão destinados à reforma e R$ 9 milhões para compra de equipamentos. A GE Healthcare investiu, até agora, mais R$ 7 milhões em equipamentos em comodato. Uma parte dos equipamentos, somando um total de R$ 4 milhões, já está em funcionamento na escola da Vila Leopoldina e será transferida, junto com as turmas de estudo, para a nova unidade de Cambuci.

Outros equipamentos, orçados em R$ 3 milhões, foram oficializados com a assinatura do contrato. Eles começarão a ser utilizados no Senai Vila Leopoldina a partir do 2º semestre deste ano e também serão transferidos com a inauguração do Cambuci.

Ministro do Trabalho

O ministro do Trabalho e Emprego, Manoel Dias, participou da solenidade, assinando o convênio como testemunha. “Para mim, é uma grata surpresa ser testemunha de uma parceria como essa, que considero fundamental para o Brasil”, afirmou, lembrando, em seguida, as recentes manifestações da população nas ruas de todo o país. “O povo demanda melhorias na saúde e educação. Então, vejo esse convênio como um passo enorme.”

Na opinião do ministro, esse é mais um trabalho que o Senai-SP presta ao país. “Educação é o remédio para todos os males, para que o Brasil possa continuar crescendo e ser uma grande potência, pois quem manda no mundo é quem domina o conhecimento. E essa é mais uma contribuição da indústria na área de inovação e conhecimento”, finalizou.