Galeria digital na fachada da Fiesp vira tela gigante para o game “Star Pato”

Bernadete de Aquino, Agência Indusnet Fiesp

Uma grande batalha contra os impostos poderá ser jogada por quem passar pela avenida paulista, na fachada do prédio da Fiesp de 4 a 8 de novembro

O jogo, que faz parte da campanha “Não Vou Pagar o Pato” contra o aumento de impostos e a volta da CPMF, terá como tela o imenso painel de LED composto por 26.241 mil clusters, cada um formado por 4 lâmpadas. Todos os clusters estão instalados em 3.700 m² de estrutura metálica que reveste o prédio, considerada hoje a maior galeria digital da América Latina.

Inspirado no “Space Invaders”, febre dos anos 70, o videogame “Star Pato” tem 5 fases. Em cada uma o pato precisa exterminar uma série de impostos cobrados em combustíveis, eletrodomésticos, automóveis, energia elétrica e, por último, o grande inimigo: a CPMF.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539610135

O game Star Pato usando a fachada da Fiesp como tela. Foto: Everton Amaro/Fiesp


Os jogadores ficarão posicionados em frente à sede da Federação, onde telas com controles estarão disponíveis para o acesso à batalha, que já caiu no gosto dos game players.

Produzido na tecnologia HTML5, “Star Pato” pode ser acessado pela internet http://www.naovoupagaropato.com.br/star-pato/ . Além da internet, o jogo também tem uma versão para celular.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539610135

Tela do nível iniciante do jogo "Star Pato" em sua versão para computador.


 “Não Vou Pagar o Pato”

O objetivo da campanha é conscientizar a sociedade sobre os altos impostos já pagos em produtos e serviços e evitar novo aumento da carga tributária – por exemplo, com a volta da CPMF, proposta pelo Governo Federal. Na internet (http://www.naovoupagaropato.com.br/), até o momento, “Não Vou Pagar o Pato” já recolheu mais de 880 mil assinaturas. A meta é atingir mais de um milhão, que serão encaminhadas ao Congresso Nacional.

A ação começou em São Paulo, em 21 de setembro, em frente à sede da Fiesp, na avenida Paulista, e está percorrendo cidades do interior paulista e de outros Estados. O pato já esteve nos municípios paulistas Araras, Guarulhos, Presidente Prudente e Votuporanga, além de Brasília (DF) e Rio de Janeiro (RJ). A campanha deve ir também a Salvador (BA).

A campanha é uma iniciativa da Frente Nacional contra o Aumento de Impostos, criada em 3 de setembro e liderada por Paulo Skaf, com amplo apoio de mais de 160 entidades de diversos setores.

Galeria de Arte Digital Sesi-SP

Criada em 2012, a Galeria de Arte Digital Sesi-SP é a maior plataforma de arte digital da América Latina, instalada da fachada do prédio da Fiesp e do Sesi-SP. Ela é um imenso painel de LED composto por 26.241 mil clusters, cada um formado por 4 lâmpadas. Todos os clusters estão instalados em 3.700 m² de estrutura metálica que reveste o prédio. A galeria conquistou o público e se tornou um dos principais ícones da Avenida Paulista. Entre as várias mostras inéditas de sucesso que já passaram pela galeria estão  FILE Led Show, Play!,  Natureza Urbana – Riscos e Traços, e  SP Urban Digital Festival.

Indústria faz homenagem à capital paulista na Galeria de Arte Digital Sesi-SP

Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539610135

Uma das imagens exibidas na Galeria. Foto: Beto Moussalli/Fiesp

Com uma programação especial na Galeria Digital Sesi-SP, a indústria paulista faz uma homenagem à cidade de São Paulo, que completa 461 anos no dia 25 de janeiro, domingo.

A metrópole é o tema de animações, grafismos e imagens exibidas no painel, que fica na fachada do edifício-sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP).

A exibição começa no sábado (24/01), às 20h, e fica até às 6h da manhã do domingo (25/01). Às 20h, a mostra volta a ser exibida e fica até às 6h da manhã da segunda-feira (26/01).

É o terceiro ano consecutivo que a Fiesp e o Sesi-SP prestam essa homenagem à maior cidade da América Latina.

>> Aniversário de São Paulo: veja a mensagem do presidente da Fiesp e do Ciesp

‘Segundo Olhar’ fica em exposição na Galeria Digital até 28 de setembro

Agência Indusnet Fiesp

Com dez obras de arte, está em cartaz até o dia 28 de setembro, na Galeria Digital do Sesi-SP, a mostra Segundo Olhar, que tem a curadoria de Marília Pasculli. Criadas com exclusividade para a Galeria em 2012 e 2013, as obras, no formato de vídeo, serão exibidas diariamente das 20 às 6h.

A exposição é uma breve retrospectiva da galeria e apresenta interpretações, linguagens e abordagens distintas usando o mesmo ponto de partida: reflexões intrínsecas da cidade com seus habitantes.

Segundo Olhar busca mostrar como a arte digital contribui para o ambiente urbano e seus frequentadores, além da cultura local e questões urbanas de relevância, trazendo à tona os aspecto humano, a intuição e a fruição estética.

Serviço

Mostra “Segundo Olhar”
De 15 a 28 de setembro
Das 20 às 6h
Galeria de arte digital do Sesi-SP
Gratuito

Foto: prédio da Fiesp exibe roxo pelo Dia Latinoamericano da Epilepsia

Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539610135

Roxo: mobilização contra o preconceito. Foto: Everton Amaro/Fiesp


Na noite de terça (09/09), quem passou em frente à fachada do prédio da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) teve a chance de ver a Galeria Digital do Sesi-SP com a cor roxa.

Na data se celebra anualmente o Dia Latinoamericano da Epilepsia, criado em 2000  para levar à sociedade informações corretas, orientar sobre a importância dos tratamentos, combater o estigma e o preconceito e desta forma contribuir para a melhoria da qualidade de vida das pessoas com epilepsia e de seus familiares.

Foto: Galeria Digital exibe bandeira brasileira no Sete de Setembro

Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539610135

Foto: Helcio Nagamine/Fiesp


Quem passou pela avenida Paulista na noite de domingo (07/09), Dia da Independência, teve a chance de ver o prédio da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) com a imagem da bandeira brasileira na Galeria Digital.

Trinta e cinco coisas que você não sabia sobre o prédio da Fiesp

Isabela Barros, Agência Indusnet Fiesp

Quem passa pela Paulista e olha, admirado ou curioso, para a construção em forma de pirâmide que ocupa o número 1313 da avenida não imagina que, por trás daquele concreto revestido de alumínio, todos os dias, em média, 3 mil pessoas circulem pela sede da indústria de São Paulo. Funcionários ou visitantes, são pessoas envolvidas com atividades que movimentam a economia do estado mais rico do país, além de levar educação, cidadania, cultura e esporte para industriários ou não.

O prédio da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) é um templo de trabalho, mas também de história. De suas varandas, funcionários mais antigos viram  arranha-céus brotarem na paisagem e carros ocuparem cada vez mais espaço na rua. Pelas salas de reuniões, onde são servidos 250 cafezinhos por dia, já passaram chefes de estado daqui e de fora, personalidades como a argentina Cristina Kirchner e o francês François Hollande, para citar apenas dois nomes.

Abaixo, 35 curiosidades sobre o edifício que completa 35 anos de atividades nesta quarta-feira (27/08). Ou 35 motivos para gostar ainda mais da pirâmide erguida em um dos endereços mais famosos do Brasil.

O PRÉDIO

1) Lá do alto –Tendo como referência a Avenida Paulista, o prédio da Fiesp tem altura de 92 metros.  

A sede da indústria paulista: pirâmide de trabalho e história. Foto: Everton Amaro/Fiesp

A sede da indústria paulista: pirâmide de trabalho e história. Foto: Everton Amaro/Fiesp


2) A outra sede – Antes da mudança para a atual sede, a Fiesp funcionava no chamado Palácio Mauá, no local em que hoje está o Fórum Hely Meirelles, no Centro da capital.

3) Tijolo por tijolo – As obras começaram em agosto de 1970.

4) O maior andar – O maior andar do edifício é o térreo superior, com 2.769 metros quadrados. É lá que ficam a entrada corporativa do edifício e o Centro Cultural Fiesp com a Galeria de Arte do Sesi-SP. Já o menor é o 15º, com 969 metros quadrados.

5) Concurso público – O projeto arquitetônico do edifício foi selecionado em um concurso público, vencida pelo escritório Rino Levi Associados. A ideia era criar uma construção que fosse expressiva e que se tornasse numa referência na Avenida Paulista.

6) Burle Marx – No acesso pelo número 1.336 da Alameda Santos, há um mosaico de 515,68 metros quadrados assinado pelo paisagista e arquiteto Roberto Burle Marx (1909-1994). O trabalho foi feito em parceria com o também arquiteto e paisagista Haruyoshi Ono.

Um tesouro na fachada dos fundos do prédio, por Burle Marx e Haruyoshi Ono. Foto: Beto Moussalli/Fiesp

Um tesouro na fachada dos fundos do prédio, por Burle Marx e Haruyoshi Ono. Foto: Beto Moussalli/Fiesp


7) Sindicatos e associações – Além da Fiesp, Ciesp, Sesi-SP, Senai-SP e Instituto Roberto Simonsen têm sede no edifício 49 sindicatos e associações da indústria. Essas entidades ocupam o 7º, 8º, 9º e 10º andares.

8 )  Sesi e Senai – Junto com a Fiesp e o Ciesp, o Sesi-SP também se mudou para a Paulista em 1979. Já o Senai-SP veio somente em 2002.

9) Mudança anunciada – Em 26 de agosto de 1979, um dia antes da mudança, as edições dominicais da Folha de S. Paulo e do Estado de S. Paulo divulgaram a abertura da nova sede da Fiesp.

10) Nobel da arquiteturaEm 1998, o edifício passou por uma reforma, com a construção de um mezanino onde foi instalada a Galeria do Sesi-SP. O autor do projeto foi o arquiteto Paulo Mendes da Rocha, o único brasileiro a ganhar o Pritzker, considerado o “Nobel da arquitetura”, além de Oscar Niemeyer.

11) Corte na laje – Com a mudança no térreo, foi feita a recuperação da distância original entre o asfalto automotivo e a entrada principal do prédio na Paulista. Para conseguir esse efeito, Paulo Mendes da Rocha fez um “corte” da laje do pavimento superior ao passeio público e recuou a laje inferior onde hoje funciona o Centro Cultural Fiesp – Ruth Cardoso.

Acesso ao prédio a partir da Paulista: integração com a avenida. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Acesso ao prédio a partir da Paulista: total integração com a avenida. Foto: Everton Amaro/Fiesp


12) ‘Rotas de fuga’ – De acordo com o gerente de Serviços de Manutenção da federação, Alberto Batista Passos, o prédio da Fiesp possui duas escadas de rota de fuga isoladas do chamado conjunto administrativo, ou seja, de seu centro, onde ficam as salas. “Existem corredores em todo o perímetro do edifício que direcionam para estas saídas”, explica.

13) 11 bustos – Onze empreendedores inspiram quem passa pelo 11º andar. A homenagem consiste em 11 bustos de nomes importantes para a economia de São Paulo e do Brasil. São eles: Horacio Lafer, José Ermirio de Moraes, Raphael de Souza Noschese, Morvan Dias de Figueiredo, Jorge Street, Roberto Simonsen, Francisco Matarazzo, Armando de Arruda Pereira, Antonio Devisate, Theobaldo de Nigris e Nadir Dias de Figueiredo.

14) Mais luz – Outro mérito apontado na elaboração da sede da indústria paulista está no fato de que a inclinação em direção ao topo pudesse garantir mais luz à construção. Uma preocupação pouco comum nos anos 1970.

15) Agora em agosto –Em sua mais recente reforma, concluída em agosto de 2014, em seus andares inferiores, foi aberta a área de recepção com o objetivo de separar a área corporativa do acesso ao Centro Cultural Fiesp Ruth Cardoso.

16) Pelo 99 – No chamado andar intermediário, acessado como 99 pelo elevador e ocupado pelo  Sesi-SP, trabalham 355 pessoas. De acordo com o gerente de Serviços de Manutenção da Fiesp, Alberto Batista Passos, o piso tem área total de 2.143 metros quadrados.

O andar intermediário, no qual trabalham 355 pessoas. Foto: Everton Amaro/Fiesp

O andar intermediário da construção, no qual trabalham 355 pessoas. Foto: Everton Amaro/Fiesp


17) Ralador de queijo – A cobertura metálica que reveste o prédio é chamada de “brize-soleil”, sendo feita de alumínio. O revestimento rendeu ao prédio um apelido carinhoso: “ralador de queijo”.

18) Estacionamentos – Juntos, os quatro subsolos de estacionamento da casa têm capacidade para 367 veículos, vagas compartilhadas por todas as instituições que funcionam no prédio.

19) Novela e Copa –Marco da arquitetura paulistana, a construção foi destacada na abertura da novela em Amor à Vida”, exibida em 2013 e 2014 no horário das 21h, na Rede Globo, e no vídeo produzido pela Federação Internacional de Futebol (Fifa) apresentando São Paulo como uma das cidades que sediaram a Copa do Mundo de 2014 no Brasil.  

O DIA A DIA 

20) Um café, por favor – Todos os dias, são servidos 250 cafezinhos nas reuniões realizadas no prédio.

Café servido nas reuniões do prédio: 250 xícaras por dia. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

Café servido nas reuniões realizadas no prédio: 250 xícaras por dia. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp


21) De plantão – A cada madrugada, de domingo a domingo, uma equipe fica de plantão trabalhando com a manutenção preventiva e corretiva do prédio, cuidando de pontos como o sistema de ar-condicionado e o quadro elétrico, por exemplo. Ao todo, 190 pessoas trabalham na administração do edifício, como seguranças, bombeiros, recepcionistas e oficiais de manutenção, entre outros profissionais.

22) Funcionários –Trabalham no prédio mais de 1.900 pessoas, considerando a Fiesp, Instituto Roberto Simonsen, Ciesp, Sesi-SP e Senai-SP.

23) Os elevadores – Os sete elevadores da casa fazem 12,6 mil viagens por dia. Os pisos mais solicitados são o térreo, o primeiro subsolo e o quarto andar.

24) 172 câmeras – O trabalho de monitoramento dos andares foi reforçado, em 2014, com a instalação de 172 câmeras que gravam em alta definição.

25) Receita e Junta Comercial – No prédio são oferecidos serviços variados para os empresários. Entre eles, um posto de atendimento da Receita Federal e outro da Junta Comercial do Estado de São Paulo (Jucesp).

26) Reciclar é preciso – Desde janeiro, todo o lixo orgânico gerado pelo restaurante do Espaço Eventos, do 16º andar, está sendo processado para o uso, nos jardins das escolas do Sesi-SP, como adubo. Por enquanto, o material está armazenado no quarto subsolo. Por falar no assunto, 29,5% de todo o lixo produzido no edifício é reciclado. Para se ter uma ideia, a média de reciclagem na cidade de São Paulo é de menos de 10%.

O primeiro subsolo, no qual há postos de atendimento da Receita Federal e da Jucesp. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

O acesso pela Alameda Santos, com postos de atendimento da Receita Federal e da Jucesp. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp


AS PESSOAS

27) Pelas catracas –As catracas do prédio registram, em média, 3 mil acessos de pessoas nos chamados dias úteis. Por mês, são 66 mil acessos, mais que a população de cidades do interior paulista como Vinhedo, Penápolis e Andradina, por exemplo.

28) O homem por trás do nome – Empresário que dá nome ao prédio, Luís Eulálio de Bueno Vidigal Filho foi presidente da Fiesp entre 1980 e 1986, sendo hoje presidente emérito da entidade. A escolha de seu nome foi tomada em decisão da diretoria da federação.

29) De Bachelet a Berlusconi – O mundo passou, e ainda passa, por aqui: entre 2004 e agosto de 2014, nada menos que 67 chefes de estado estiveram na Fiesp. Entre eles, nomes como a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, Michelle Bachelet (Chile), Álvaro Uribe (Colômbia), Shimon Peres (Estado de Israel), Silvio Berlusconi (Itália) e François Hollande (França).

Hollande, um dos 67 chefes de estado que visitaram a Fiesp entre 2004 e 2014. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

Hollande, um dos 67 chefes de estado que visitaram a Fiesp entre 2004 e 2014. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

 

30) Sempre haverá uma solução – Em 29 de maio de 2013, o economista Muhammad Yunus, prêmio Nobel da Paz em 2006, fez sucesso em palestra realizada durante reunião extraordinária do Comitê de Jovens Empreendedores (CJE) da Fiesp. “Não importa o tamanho do problema, sempre haverá uma solução simples para resolvê-lo”, disse Yunus na ocasião.

Yunus: sucesso na reunião extraordinária do Comitê de Jovens Empreendedores. Foto: Junior Ruiz/Fiesp

Yunus: sucesso na reunião extraordinária do Comitê de Jovens Empreendedores. Foto: Junior Ruiz/Fiesp


31) Os presidentes – Desde a sua inauguração, em 1979, a sede da indústria paulista recebeu muitos presidentes brasileiros. Entre eles, João Baptista de Oliveira Figueiredo, Fernando Henrique Cardoso, Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff.

A ARTE

32) Na fachada – Uma das principais atrações do edifício, a Galeria Digital, que consiste em uma plataforma de transmissão de obras interativas em movimento e estáticas na fachada da construção, foi inaugurada em dezembro de 2012. Até agora, foram exibidas 51 obras no espaço como parte integrante de mostras, além de 23 vídeos artísticos e comemorativos independentes. De acordo com a agente de Atividades Culturais do Sesi-SP, Luciana Paulillo, o sistema é acionado por meio de um computador que transmite as imagens para a Galeria formada por lâmpadas de led. De modo geral, os vídeos interativos são exibidos até as 22h. Já aqueles que ficam passando de modo ininterrupto ficam no ar até as 6h.

A Galeria Digital da Fiesp: para deixar a Paulista mais iluminada. Foto: Everton Amaro/Fiesp

A Galeria Digital da Fiesp: para deixar a Paulista mais iluminada. Foto: Everton Amaro/Fiesp


33) As produções – Um dos principais espaços culturais da Paulista, o Teatro do Sesi-SP já recebeu 45 peças adultas e 32 voltadas para jovens. No Espaço Mezanino, foram 20 peças, num total de 97 produções no Centro Cultural Fiesp – Ruth Cardoso.

34) Exposições – Na Galeria de Arte do Sesi-SP, já foram realizadas 76 exposições.

35) O último prêmio – Foi no Teatro do Sesi-SP, no dia 1º de abril de 2014, que o cantor Jair Rodrigues, falecido em 08 de maio deste ano, recebeu o seu último prêmio. Ele foi escolhido o melhor ator coadjuvante no 10º Prêmio Fiesp/Sesi-SP de Cinema, por sua atuação no filme “Super Nada”, de Rubens Rewald e Rossana Foglia.

Jair Rodrigues na cerimônia de entrega do 10º Prêmio Fiesp/Sesi-SP de Cinema, em abril. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Jair Rodrigues na cerimônia de entrega do 10º Prêmio Fiesp/Sesi-SP de Cinema, em abril. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Galeria digital recebe obras de metaciclagem na Semana do Meio Ambiente

Agência Indusnet Fiesp

Durante a 16ª Semana do Meio Ambiente, de 02 a 06 de junho, das 20h às 22h, a Galeria Digital do Sesi-SP vai exibir obras do artistas G. Comini, que tem como filosofia a metaciclagem. Com revistas, folders, jornais e outros materiais gráficos descartados, ele usa a técnica de microcolagem para criar suas obras e dar novo sentido aos resíduos.

“Toda vez que eu penso naquilo que eu faço, e outros artistas também fazem, a palavra que aparece é a metaciclagem. É uma reciclagem que vai além, porque doa alma e transcendência para o resíduo sólido”, explica G. Comini.

“Não apenas o resíduo de papel é metaciclado, mas também o trabalho de modelos, fotógrafos, designers, diretores de arte, que é descartado todo dia. O resíduo ganha uma nova alma, de modo que ele se eterniza e jamais retornará ao ciclo.”

Nova exposição da Galeria Digital do Sesi-SP traz obras que utilizam materiais impressos descartados. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Nova exposição da Galeria Digital do Sesi-SP traz obras que utilizam materiais impressos descartados. Foto: Everton Amaro/Fiesp


Na Galeria Digital, foram utilizados fragmentos da obra de G. Comini, que também ganharam movimento, em um vídeo de um minuto.

Semana de Meio Ambiente

A 16ª Semana de Meio Ambiente é promovida pela Federação e pelo Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp) com o apoio do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP).

Aberta na segunda-feira (02/06), a Semana tem prosseguimento até sexta-feira (06/06).

>> Confira a programação completa da 16ª Semana de Meio Ambiente da Fiesp

Galeria Digital Sesi-SP recebe obra Floating Land

Agência Indusnet Fiesp

A partir desta quinta-feira (29/05), a Galeria Digital do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP), na fachada do prédio da Avenida Paulista, vai receber a obra Floating Land, da artista Anaísa Franco. O trabalho será exibido das 21h30 às 6h, até domingo (01/06).

Floating Land é uma escultura eletrônica que usa a esfera com elemento estruturante. Por sua transparência, ela remete tanto o que passa no interior desta superfície como seu aspecto externo onde o observador a vê como um planeta.

A projeção no prédio da Fiesp e do Sesi-SP: luminosidade. Foto: Divulgação

A projeção no prédio da Fiesp e do Sesi-SP: luminosidade. Foto: Divulgação

A animação que é projetada por um arco girando em alta velocidade tem um caráter imaterial, efêmero, no qual vemos figuras girando e passando diante dos nossos olhos. Esta fugacidade e luminosidade, faz ainda uma conexão com a bola de cristal das videntes e o que vemos assume então ar de algo passado ou que ainda está por vir.

Na Galeria Digital, formada por 26 mil clusters de LED prédio da FIESP, a animação de Floating Land ficará agigantada. Ela poderá ser vista a grande distância correndo pelas paredes externas do edifício e irá gerar desta forma uma outra relação com público com novas possibilidades de associações.

Prorrogada até 14 de abril exibição da mostra Play!, primeira exposição interativa de ‘game arte’ a céu aberto no Brasil

Flávia Dias, Agência Indusnet Fiesp 

Quem passar pelo número 1313 da avenida Paulista, no coração de São Paulo, até o dia 14 de abril, tem a chance de avistar a primeira exposição interativa de game arte a céu aberto no Brasil. É a Mostra Play!, aberta na noite desta segunda-feira (25/03) com imagens de games das décadas de 70 e 80 que remetem ao criativo universo da arte em 8 bits.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539610135

Mostra Play! - Galeria de Arte Digital. Foto: Everton Amaro/Fiesp.


A exibição faz parte da programação da Galeria de Arte Digital do Sesi-SP, iniciativa inaugurada em dezembro do ano passado na fachada do edifício-sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

A estrutura do espaço cultural possibilita a transmissão de até 4,3 bilhões de combinações de cores. Com orientação de monitores do Sesi-SP, os interessados podem usar tablets para jogar videogame por até três minutos em uma “tela” de mais de 3 mil m².

Durante a abertura foram apresentadas obras de seis artistas contemporâneos do Brasil, Estados Unidos, Espanha e Itália. As obras trazem traços da história dos videogames: o jogo de corrida, a estética atirador, a navegação do labirinto, a dicotomia do ganhar e perder e a visão com perspectiva em terceira pessoa.

Uma das atrações é o interativo LummoBlocks, que capta os movimentos corporais dos participantes via sensor (como o game Wii). A obra, criada em Barcelona, na Espanha, é uma nova versão do lendário jogo Tetris, em que as ações físicas são rastreadas e os próprios jogadores viram peças do game.

Iniciativa pioneira

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539610135

Da esq. para dir.: Fernando Carvalho, diretor da Divisão de Educação do Sesi-SP; Mario Frugiuele, 2º diretor secretário da Fiesp; Walter Vicioni, superintendente do Sesi-SP; e Paulo Vieira, 1º diretor financeiro da Fiesp. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Para o superintendente do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP), Walter Vicioni, a mostra é uma intervenção na cena cotidiana da cidade e os games interativos são uma excelente ferramenta para apresentar ao público diversas formas de manifestações culturais.

“A Paulista é um espaço extremamente interessante para isso. Não só para exposição da arte e de cultura, mas também para usar estas manifestações para estimular as pessoas no dia a dia e de como esta cidade pode ser melhor. É uma iniciativa pioneira e vale a pena a gente prestigiar esta manifestação artística neste prédio [a fachada da Fiesp]”

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539610135

Interessados podem usar tablets para jogar videogame por até três minutos em uma “tela” de mais de 3 mil m². Foto: Everton Amaro/Fiesp

O projeto impressionou o game designer Marcelo Pereira da Mata, para quem os jogos eletrônicos podem ser uma importante ferramenta educacional. “Através dos games a gente consegue educar, capacitar e alegrar as pessoas. Acho muito bacana [a exposição] porque é uma forma de mostrar que o game não é só violência”, afirmou.

Já o músico Andrei Luís Ferreira, que passeava pelo local, ficou impressionado com as instalações. “Estava saindo da aula e vi de longe a projeção. Achei muito interessante e acabei postando algumas fotos no Facebook. É muito bonito e acho muito bacana esta iniciativa. Os games antigos fazem com que a gente relembre a nossa infância”, avaliou.

A Mostra Play!  tem curadoria da artista plástica Marília Pasculli e da dinamarquesa Tanya Toft.

>> Conheça a programação da Mostra Play!

Acompanhe e compartilhe a mostra Play! nas redes sociais utilizando a hashtag #SesiSPDigital.